A CIDADANIA COM PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA

0
1346
DICAS PARA ANALISAR, COMPREENDER, E INTERPRETAR TEXTOS

Autor: Rodrigo Koroviski

PONTA GROSSA

2002

1- INTRODUÇÃO

Ao conhecermos a comunidade sentimos a necessidade de compreender suas ações empreendidas para que a escola respeite a diversidade étnica e cultural obtendo êxito nas ações propostas, para realizar oficinas de cultura abertas a toda comunidade resgatando valores, buscando a vivência plena da cidadania.

Embora complexo, esse trabalho foi prazeroso e motivador, pois possibilitou-nos uma aproximação da realidade de vida daqueles que ali ensinam e aprendem, pela enriquecedora oportunidade de conhecer as histórias de dignidade, conquistas, criações da cultura como um todo e da singularidade de cada um.

Neste sentido gostaríamos de ressaltar que o respeito e a valorização às diferenças étnicas e culturais não significam aderir aos valores do outro, mas sim, respeitá-los como expressão da diversidade, respeito este que é, em si, devido a todo ser humano, por sua dignidade intrínseca sem qualquer descriminação.

2- JUSTIFICATIVA

Temos a premissa de desenvolver atividades culturais que possibilitam interações, atividades estas a serem desenvolvidas em equipes promovendo o resgate de valores culturais.

As culturas são produzidas pelos grupos sociais ao longo de suas histórias, na construção de suas formas de subsistência, na organização da vida social, nas suas relações com o meio e com outros grupos. Vivemos em um país multicultural, nossas ações devem levar o indivíduo a tomar consciência da diversidade e a respeitar os outros, passa que haja uma educação realmente pluralista é preciso rever conceitos e objetivos, remodelar os conteúdos e programas das escolas.

Nossa proposta de trabalho resgata os valores culturais da comunidade local através de oficinas culturais onde diferentes membros da comunidade irão interagir resgatando sua cultura desmistificando a desvalorização dos alunos, pais, colegas e os preconceitos sobre suas capacidades e de seus grupos de origem.

3- OBJETIVOS

Oferecer atividades educativas a diferentes membros da comunidade.
Regatar cultura e valores como uma alternativa sadia de ocupar o tempo ocioso a partir do artesanato.
Canalizar as energias dos adolescentes para atividades educativas.
Integrar pessoas da comunidade para a transmissão de conhecimentos artesanais.
Valorizar experiências e conhecimentos como forma de aprendizagem.
Respeitar o pensamento e ações do outro a partir da valorização do trabalho cooperativo e o intercâmbio de idéias.
Utilizar diferentes estratégias de aprendizagem através da diversidade dos participantes e das oficinas oferecidas.
Proporcionar diferentes estratégias de avaliação da aprendizagem da proposta desenvolvida.

4- REFERÊNCIAL TEÓRICO

Buscamos em nosso Projeto da 4ª Vivência Educadora aliar nossas experiências, à diversidade cultural da comunidade, um resgate de valores.

Tendo em vista que os Parâmetros Curriculares Nacionais de maneira objetiva propor novas formas de contextualizar o ensino, usando metodologias diferenciadas nos prendemos a esses pressupostos para alcançar nosso alvo.

Disporemos de uma avaliação diagnóstica durante o desenrolar do mesmo, para que possamos identificar as dificuldades dos participantes, bem como suas conquistas e contribuições. Usaremos a contextualização aliada à cultura individual como estratégia para a construção de significações.

Não há nada no mundo físico, social ou psíquico em um princípio, não possa ser relacionado aos conteúdos curriculares desenvolvidos no ambiente escolar, pois o currículo é um recorte representativo da herança cultural, científico, espiritual de uma nação, um grupo, uma comunidade.

É portanto quase inesgotável a quantidade de contextos que podem ser utilizados para ajudar os participantes a dar significado ao conhecimento. Todos os contextos próximos ou remotamente familiares à pessoa têm uma dimensão de conhecimentos ou informação. Quanto mais próximos estiverem o conhecimento escolar e os contextos presentes na vida pessoal de cada um e no mundo, no qual transita, mais ele terá significado.

5- DESENVOLVIMENTO METODOLÓGICO

Realizamos oficinas de cultura utilizando as vivências dos participantes, como a comunidade onde o trabalho foi desenvolvido, utiliza artefatos em couro no seu cotidiano, realizamos uma oficina de artefatos em couro para difundir entre os jovens essa cultura tão singular desta comunidade.

Convidamos os idosos que confeccionam artefatos como: chicotes, laços para compartilharem seu conhecimento com os demais participantes.

Também convidamos algumas senhoras para ministrarem a oficina de artefatos em palha de milho, confeccionamos cestos, tapetes e bacheros com esse material.

Resgatando a história da cultura dos bonecos e sua utilização em ritos religiosos ou como brinquedos; organizamos uma oficina de confecção de bonecas utilizando lã e materiais alternativos.

Houve um resgate cultural através das danças de salão. Os povos sempre privilegiaram a dança, sendo esta um bem cultural e uma atividade inerente à natureza do homem.

Finalizando o trabalho utilizamos a música pois esta sempre esteve ligada às tradições e as culturas de cada época e nesta comunidade particularmente está presente nas rodas de violas, nos causos e nas romarias.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARBOSA, Ana Mae Tavares Bastos. A imagem no Ensino da Arte: Anos 80 e Novos Tempos. São Paulo. Perspectiva. Porto Alegre: Fundação Tochpe, 1991.

Arte e Educação no Brasil. São Paulo: Perspectiva; 1978.

Arte e Educação: conflitos e acertos. São Paulo: Max Limonad, 1984.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here