DICAS PARA ANALISAR, COMPREENDER, E INTERPRETAR TEXTOS

SUMÁRIO
Capítulo 1:
Princípios e Conceitos Básicos da Administração e seus Fundamentos………..
Capítulo 2:
Conceito, Componentes e Tipologias Organizacionais……………………………….
Capítulo 3:
As Organizações como Grupo de Pessoas…………………………………………………
Capítulo 4:
As Organizações como Sistemas e suas Inter-relações com o Ambiente………
Capítulo 5:
O Administrador e o Empreendedor………………………………………………………..
Capítulo 6:
Tendências e Mudanças no Mundo da Administração………………………………..

Capítulo I
Princípios e Conceitos Básicos da Administração
& seus Fundamentos

1. O que é Administrar:

Processo de tomada de decisões sobre os objetivos organizacionais ou pessoais e a utilização de recursos necessários para efetivação dos mesmos.

A garantia da eficiência, eficácia e efetividade das ações administrativas dependem de quatro elementos fundamentais:

• Planejamento: Definição de objetivos futuros e recursos necessários.
• Organização: Divisão de tarefas, atribuição de responsabilidade e distribuição de recursos.
• Direção: Acionar e mobilizar recursos.
• Controle: Assegurar a realização dos objetivos e/ou modificá-los quando necessário.

2. Tipos de Dirigentes:

• Eleitos.
• Autonomeados.
• Indicados.
• Concursados.

3. Tipos de Administração:

• Individualizada.
• Colegiada.

4. Administração Participativa:

Maior participação dos subordinados na tomada de decisões.

5. Administração Diretiva:

Decisão na mão de agentes administrativos (Dirigentes).

6. Níveis de Administração (Níveis Hierárquicos):

• Estratégica: Responsabilidade da Alta Administração (Define missão e objetivos gerais e específicos).
• Tática: Responsabilidade da Média Gerência (Define as estratégias de execução e coordenação).
• Operacional: Responsabilidade da Supervisão de 1ª Linha (Operacionaliza as estratégias anteriormente definidas).

7. Quem é o Gerente e quem é o Trabalhador?

• Gerentes são indivíduos que supervisionam as atividades dos outros.
• Trabalhadores são funcionários que trabalham diretamente num cargo ou tarefa e não têm nenhuma responsabilidade pela supervisão do trabalho de outros: operários.

8. Por Que Existem Gerentes?

• Os gerentes atuam como canal de comunicação mediante a coordenação das atividades de suas unidades com as atividades das demais unidades de uma organização. Os gerentes também garantem a responsabilidade.as organizações reduzem a ambigüidade quanto aos resultados do desempenho mediante a designação de gerentes , que passam a ser responsáveis pela realização das metas de desempenho.

• Os gerentes representam despesas gerais ou adicionais para a operação de qualquer organização. Dessa forma, precisam justificar sua existência “adicionando valor”, ou seja, criando benefícios que excedam os custos que representam.

9. Papéis Gerenciais (Henry Mintzberg, 1960):

• Categorias específicas de comportamento gerencial.

As Categorias de Papeis Gerenciais de Mintzberg
Papel geral Papel específico
Interpessoal Chefe nominal
Líder
Ligação
Informacional Monitor
Disseminador
Porta-voz
Decisorial Empreendedor
Controlador de distúrbios
Alocador de recursos
Negociador

10. Habilidades Gerenciais:

• Aptidões ou comportamentos que são fundamentais ao sucesso num cargo gerencial

• Habilidades conceituais dizem respeito à aptidão mental para analisar e diagnosticar situações complexas, ajudando os gerentes a perceber como as coisas se relacionam e a tomar decisões acertadas.

• Habilidades interpessoais incluem a capacidade de trabalhar em equipe, entender e motivar as outras pessoas, tanto individualmente como em grupo.

• Habilidades técnicas para aplicar conhecimento especializado ou experiência.

• Habilidades políticas para ampliar sua posição, construir uma base de poder e fazer contatos corretos.

11. Gerência Funcional:

Administra uma parte especializada de um negócio ou de um empreendimento, e divide-se em:

• Linha: com atividade ligada diretamente à missão da organização e com o mercado.
• Staff: desenvolvem atividades ou serviços de apoio interno à organização.

12. Gerência Geral:

Administram todas as operações referentes a um determinado negócio ou empreendimento. Também podem ser de Linha ou de Staff.

13. Atributos Gerenciais:

Requisitos necessários para desempenhar uma atuação gerencial, tais como:

• Conhecimento (Competência Técnica).
• Habilidade (Prática Conceitual e interpessoal).
• Atitude (Manifestação dos Valores Culturais da Organização, associados aos Valores Pessoais e Familiares).

Capítulo II
Conceito, Componentes e Tipologias Organizacionais.

1. Organização:

• Arranjo sistemático de duas ou mais pessoas que desempenham papéis formais e partilham de um propósito definido comum.
• É uma entidade social composta de pessoas e de recursos, deliberadamente estrutura e orientada para alcançar um objetivo comum.
• Duas ou mais pessoas que se unem para atingir um objetivo comum (satisfação das necessidades dos clientes).
• A organização é uma entidade social porque é constituída por pessoas.
• A palavra organização significa qualquer empreendimento humano moldado intencionalmente para atingir determinados objetivos.
• Essa definição é aplicável a todos os tipos de organizações, sejam elas lucrativas ou não, como empresas, bancos, financeiras, hospitais, clubes, igrejas, etc.

2. Por Que temos Organizações?

• Porque são mais eficientes do que indivíduos agindo independentemente.

3. Tipos de organizações:

• Lucrativas (empresas em geral).
• Não lucrativas (governo, entidades não governamentais).

4. Objetivo das organizações:

• Produção de bens.
• Prestação de serviços.
• Desenvolvimento de Idéias.
• Todas as anteriores em conjunto.

5. Diferença entre Grupos Formais e Informais:

• Grupos Sociais Primários (relações sociais pessoais, informais e voluntárias).
• Grupos Sociais Secundários (relações sociais formais).

6. Os recursos Organizacionais:

• Recursos Humanos.
• Recursos Financeiros.
• Recursos Materiais.
• Recursos Tecnológicos.
• Outros (tempo, esforço, etc…).

7. “Ingredientes” das Organizações:

• Propósito (missão ou negócio).
• Divisão do trabalho (independentes, convergentes e interdependente).
• Coordenação:
 Por meio de hierarquia (chefia e subordinação).
 Por meio de comunicação (fluxo de informação).
 Por meio de planejamento (o que, quando, quem e onde fazer).

8. As organizações como burocracias (Max Weber):

• A regulamentação da vida em coletividade.
• Elementos da burocracia:
 Formalidade (direitos de deveres).
 Impessoalidade (cargo  pessoa).
 Profissionalismo (qualificação = salário).

9. Tamanho da Organização:

• Embora o tamanho de uma organização influencie significativamente sua estrutura, a relação não é linear. As grandes organizações (com mais de 2.000 funcionários) possuem mais especialização, departamentalização, níveis verticais, regras e regulamentos do que as pequenas organizações. Entretanto, o tamanho afeta a estrutura em uma relação decrescente e seu impacto é menos importante à medida que uma organização se expande.

10. Organizações Mecanicistas:

• Sendo rígida e firmemente controlada, a organização mecanicista é caracterizada por alta especialização, extensa departamentalização, margens de controle estreitas, alta formalização, comunicação descendente e alta centralização. Em sua forma ideal, a organização mecanicista é uma “máquina de eficiência”, bem lubrificada por regras, regulamentos e rotinas.

11. A Organização Orgânica:

• É caracterizada por uma estrutura achatada, flexibilidade, adaptabilidade, uso de equipes interfuncionais, rede abrangente de informações e descentralização.

12. Por que a Organização Orgânica é tão Popular?

• A reestruturação organizacional tem sido motivada pela incerteza ambiental devida a competição global, inovação de produtos, inconstância e exigência dos clientes.As organizações mecanicistas estão mal-preparadas para responderem a esses desafios.

13. Incerteza Ambiental:

• Uma vez que o ambiente de uma organização consiste em instituições ou fatores externos a ela que podem afetar seu desempenho, a incerteza ambiental tem grande influência sobre a estrutura.
• Na realidade, a administração tentará minimizar a incerteza mediante ajustes na estrutura organizacional.
• Ambientes escassos, dinâmicos e complexos exigem estruturas flexíveis, orgânicas; mas os ambientes com recursos em abundância, estáveis e simples requerem estruturas mecanicistas.

14. O Que É Estrutura Organizacional?

• Constitui a estruturação ou organização (composição) da Instituição Organizacional em função de critérios pré-determinados (departamentos, seções, cargos, etc…).
• Constitui a forma como as tarefas serão divididas, agrupadas e coordenadas.
• Normalmente é representada graficamente pelo Organograma Organizacional.

15. Especialização do Trabalho:

• Representa o grau de detalhamento da divisão do trabalho.
• A divisão do trabalho, ou especialização do trabalho, descreve o grau em que as tarefas organizacionais são subdivididas em cargos distintos.
• Um trabalho completo não é executado por apenas uma pessoa. Ao contrário, ele é dividido em etapas, cada uma finalizada por uma pessoa diferente.
• Ao final dos anos 1940, a especialização do trabalho permitiu às empresas industriais a utilização mais eficiente das qualificações de seus funcionários. Dessa forma, os gerentes acreditavam que a divisão do trabalho oferecia uma fonte inesgotável de aumento da produtividade.
• Nos anos sessenta, contudo, as “deseconomias” humanas advindas da especialização do trabalho passaram a ultrapassar as vantagens econômicas (veja Quadro 7.2 do livro). Os gerentes hoje percebem que embora a divisão do trabalho seja apropriada para certos trabalhos, a produtividade em outros trabalhos pode ser aumentada por meio do alargamento da margem dos cargos.
• Especialização é a distribuição de diferentes atividades entre as pessoas no sentido de aumento o potencial de capacidades, economia de tempo, aquisição de habilidades por treinamento e prática, e em conseqüência, aumento da produção, redução de custos e economia de escala.

16. Departamentalização:

• É a base na qual os cargos são agrupados para coordenar tarefas comuns é chamada de departamentalização.
• As atividades podem ser agrupadas por função e buscar economias de escala mediante a lotação de funcionários com qualificações e orientações comuns em unidades comuns.

17. Cadeia de Comando:

• É a linha contínua de autoridade que se estende do topo da organização até o mais baixo escalão.
• A cadeia de comando esclarece quem se reporta a quem. Dois conceitos são importantes na discussão da cadeia de comando: Autoridade e Unidade de Comando.

18. Poder:

• Segundo Etzioni, o poder é a capacidade de influenciar e modificar o comportamento alheio seja pela força física, força simbólica ou pela força do carisma do líder.

19. Autoridade formal e hierárquica:

• Refere-se aos direitos inerentes a uma posição de dar ordens e esperar que elas sejam obedecidas.
• Segundo Max Weber, representa a probabilidade de uma ordem ou comando ser ou não obedecida, isto em função da posição hierárquica do líder em relação àquele(s) a quem foi dada a ordem.
• A autoridade formal é legitimada pela burocracia, ou seja, na competência técnica e legal.

20. Autoridade Informal (liderança):

• Legitimada pelos atributos de personalidade e por habilidades pessoais do líder.

21. Alicerce da autoridade formal:

• Recompensa: é meio pelo qual certas atitudes e comportamentos são incentivados.
• Punição: é meio pelo qual certas atitudes e comportamentos são coibidos.

22. Os três tipos de autoridade, segundo Max Weber:

• Tradicional (baseada na tradição e nos costumes).
• Carismática (baseada em atributos de personalidade).
• Burocrática ou racional (baseada na competência técnica e legal).

23. Os dois tipos de autoridade, segundo o conhecimento contemporâneo:

• Relações pessoais (baseada na política de relacionamento).
• Competência técnica (baseada no conhecimento  competência de comando).

24. Hierarquia de Autoridade:

• Representam os estratos de autoridade existentes em toda organização humana, na qual os superiores comandam os inferiores.

25. Cadeia de Comando ou Hierarquia:

• É a linha de autoridade que interliga as posições da organização e especifica quem se subordina a quem.
• É o conjunto de níveis de autoridade existentes em uma organização formal.

26. Níveis Hierárquicos:

• Estratégica: Responsabilidade da Alta Administração (Define a missão e os objetivos – gerais e específicos – da organização).
• Tática: Responsabilidade da Média Gerência (Define as estratégias de execução e coordenação).
• Operacional: Responsabilidade da Supervisão de 1ª Linha (Operacionaliza as estratégias anteriormente definidas).

27. Unidade de Comando:

• Princípio que define que um trabalhador deve ter apenas uma pessoa perante a qual ela é diretamente responsável.

Obs.: Estes conceitos possuem hoje relevância menor devido aos avanços na informática e tendência à maior participação dos funcionários.

28. Margem de Controle:

• Corresponde ao número de empregados que um gerente pode dirigir com eficiência e eficácia.
• Determinará o número de níveis e gerentes presentes em uma organização.
• Embora haja quem defenda margens pequenas de controle, estas apresentam várias desvantagens: requerem mais gerentes e são mais dispendiosas, retardam a comunicação vertical e favorecem controles rígidos, limitando a autonomia do funcionário.
• Margens largas de controle reduzem custos, cortam despesas administrativas, aceleram a tomada de decisões, aumentam a flexibilidade, delegam poder aos funcionários e promovem contato mais estreito com os clientes. Todas as coisas permanecendo iguais, quanto mais larga a margem de controle, mais eficiente a organização.

29. Centralização e Descentralização:

• O termo centralização diz respeito ao grau em que a tomada de decisões está concentrada em um único ponto da organização.
• Quanto maior a contribuição fornecida pelo pessoal de nível mais baixo, mais descentralizada a organização. As organizações estão se tornando hoje mais descentralizadas para resolver problemas mais depressa e obter maior contribuição e envolvimento dos funcionários em relação às metas organizacionais.
• A descentralização representa a transferência, entre cargos ou departamentos, de toda uma atribuição ou atividade, assim como autonomia de decisão e responsabilidade sobre os resultados.

30. Formalização:

• Refere-se ao grau em que os cargos são padronizados na organização.
• Cargos altamente formalizados são caracterizados por descrições de cargo explícitas, regras organizacionais, procedimentos claramente definidos, e produção consistente e uniforme.
• Cargos menos formalizados envolvem menos restrições estruturais, e os funcionários dispõem de mais controle sobre o modo como executam seu trabalho.

31. Cargo:

• É a menor divisão do trabalho e representa uma posição, com um título, dentro da estrutura organizacional.
• Os cargos podem apresentar relações de subordinação, supervisão ou relações formais colaterais com outros cargos.

32. Organizar:

• É um processo de decisão com finalidade de dividir tarefas entre pessoas ou grupo de pessoas para melhor atingir um objetivo, atribuindo responsabilidades.

33. Funções Organizacionais:

• Representa um conjunto de atividades que contribuem para a missão da organização (Ex.: Mkt., R.H., P&D etc…)

34. Gerência Funcional:

• Administra uma parte especializada de um negócio ou de um empreendimento, e divide-se em:

35. Gerencia Funcional de Linha:

• Gerência cuja atividade está ligada diretamente à missão da organização e com o mercado (Marketing, Vendas, Produção, etc…).

36. Gerência Funcional de Staff:

• Gerência que desempenha atividade ou serviço de apoio interno à organização (Recursos Humanos, Jurídico, Contabilidade, Financeiro, etc…).

37. Gerência Geral:

• Gerência que administra todas as operações referentes a um determinado negócio ou empreendimento. Também podem ser de Linha ou de Staff .

38. Departamentos ou Seções:

• Partes do trabalho total, ao qual se atribuem responsabilidades de desempenhar uma função ou tarefa.

39. Autonomia:

• Poder de decisão conferido ao ocupante de um cargo.

40. Disciplina:

• É uma decisão auto-imposta e voluntária, a qual depende de atitude de cada pessoa, da informação que dispõe e da educação que recebeu.

41. Obediência:

• Corresponde a obrigação de se estar “respondendo” a decisão imposta por vontade alheia.

42. Delegação:

• Representa a transferência, entre pessoas, de parte das atribuições e autonomia para o ocupante de outro cargo, porém sem transferir responsabilidade sobre os resultados.

43. Atitudes:

• São predisposições pessoais a responder de maneira positiva ou negativa ao ambiente.

44. Tipos de Estruturas Organizacionais: (departamentalização em função de critérios pré-determinados)

• Organização por Função: Dep.RH, Dep. Mkt.
• Organização Territorial (localidade): Vendas filial SP, RJ e MG.
• Organização por Produto: fábrica de carros e fábrica de caminhões.
• Organização por Fases: montagem, pintura e acabamento.
• Organização por Cliente: produto X/cliente A e produto Y/cliente B.
• Organização Disciplinar (conhecimento/pesquisa): Escola – área de humanas e área de exatas.
• Organização por Período (turno): supervisor do turno A e supervisor do turno B.
• Organização Divisional (autonomia e responsabilidade): Divisão da América de Sul e Divisão da América do Norte. (ocorre quando existe uma descentralização)
• Organização por Projeto (atividades esporádicas, com começo meio e fim – força-tarefa): trabalho por encomenda, eventos e Pesquisa e Desenvolvimento.

45. Tipos de Organizações por Projeto:

• Projeto puro: firma de engenharia ou de organização de eventos.
• Projeto autônomo: força-tarefa esporádica.
• Estrutura matricial: combinação de estrutura funcional e de projeto.

46. A Estrutura Matricial:

• A estrutura matricial designa especialistas de departamentos funcionais para trabalharem em uma ou mais equipes interdisciplinares supervisionadas por líderes de projetos.
• Essa estrutura é uma combinação entre a departamentalização por produto e a departamentalização funcional.
• A matriz tem como pontos fortes facilitar a coordenação entre múltiplos projetos que são complexos e interdependentes, e alocar os especialistas com eficiência.

47. Problemática da Estrutura Matricial:

• Comprometimento da unidade de comando, responsabilidade e autoridade.
• A eficiência e eficácia dessa estrutura dependerão da maturidade e do poder de negociação dos envolvidos.
• Dado que os funcionários na matriz possuem dois chefes – os gerentes de departamentos funcionais e os gerentes de produto – a matriz rompe o conceito de unidade de comando.
• Pode gerar confusão, fomentar lutas pelo poder e aumentar o stress do funcionário. Dessa forma, a matriz tem obtido sucesso irregular.

48. A Estrutura Simples:

• De utilização mais generalizada em pequenas empresas nas quais o gerente e o dono são a mesma pessoa, a estrutura simples possui as características seguintes: baixo grau de departamentalização, margens de controle largas, autoridade centralizada, pequena formalização e uma estrutura achatada.
• Essa estrutura ágil e flexível é de manutenção barata e promove relações de responsabilidade claras. Entretanto, à medida que cresce a organização, a baixa formalização e a alta centralização podem provocar sobrecarga de informação na cúpula.
• Essa estrutura é arriscada porque tudo depende de uma só pessoa.

49. A Burocracia Organizacional:

• Cerca de três décadas atrás, a burocracia era o modelo para estruturar grandes organizações.
• Uma burocracia possui as características seguintes: tarefas operacionais altamente especializadas, regras e regulamentos formalizados, tarefas agrupadas em departamentos funcionais, autoridade centralizada, margens estreitas de controle e tomadas de decisões que seguem a cadeia de comando.
• A Estrutura Burocrática agiliza o desempenho eficiente de atividades padronizadas. Além disso, as regras e regulamentos permitem às burocracias substituir gerentes menos talentosos (menos dispendiosos) por tomadores de decisão criativos e experientes.

50. Desvantagem da Estrutura Burocrática:

• A especialização pode gerar disputas de competência ou conflitos entre subunidades à medida que suas metas anulam as metas da organização.
• Os burocratas resistem a mudanças e evitam assumir responsabilidade pelos resultados.

Obs.: Dada a volatilidade ambiental, contudo, muitas burocracias se tornaram menos rígidas e mais empreendedoras por meio da descentralização da tomada de decisões, concepção do trabalho em equipes e desenvolvimento de alianças estratégicas.

51. Estruturas de Equipes:

• A administração pode concentrar seus esforços de coordenação adotando uma estrutura de equipes.
• Uma estrutura de equipes rompe as barreiras departamentais, torna a organização mais horizontal, descentraliza a tomada de decisões e exige que os funcionários sejam, ao mesmo tempo, generalistas e especialistas.

52. Unidades Internas Autônomas:

• Para as grandes organizações, as herdeiras aparentes da pirâmide monolítica poderiam ser as unidades internas autônomas.
• Quando utilizam essa estrutura, a administração divide a organização em unidades empresariais dotadas de seus próprios produtos, clientes, concorrentes e metas de lucro. Em seguida, ela cria uma infra-estrutura de medidas de desempenho, incentivo financeiros e sistemas de comunicação, voltada para o mercado, de forma que as unidades possam ser avaliadas tal como se fossem companhias independentes.

53. A Organização Virtual:

• É o produto da possibilidade de transferir e receber informações entre locais distantes. Essa possibilidade foi materializada pela evolução da micro-eletrônica em geral e dos computadores em particular, interligados em redes por meio de sistemas de comunicação. A comunicação entre dois pontos, para qualquer finalidade, torna dispensável a presença física dos clientes e funcionários. Assim, a organização virtual é aquela que não precisa estar em lugar nenhum, mas está em todos os lugares.
• Às vezes chamadas de organizações em rede ou modulares, as organizações virtuais continuam pequenas e terceirizam suas funções maiores.
• Essa estrutura altamente centralizada limita a departamentalização. Uma vez que os indivíduos e pequenas companhias se reúnem em uma base projeto a projeto, cada projeto pode dispor de pessoal de acordo com suas demandas. Além disso, as despesas burocráticas e os riscos e custos de longo prazo são minimizados.
• As organizações virtuais são flexíveis, mas limitam o controle da administração sobre componentes-chaves de seu negócio.

54. A Organização sem Fronteiras:

• É uma organização que existe apenas através de uma rede temporária ou aliança com outras companhias independentes para conjuntamente alcançarem objetivos particulares e comuns.
• A organização sem fronteiras é possível graças aos computadores em rede que agilizam a comunicação, rompendo fronteiras intra e inter-organizacionais.
• Esse método minimiza a cadeia de comando, limita as margens de controle e substitui os departamentos por equipes com poder de decisão.
• Equipes inter-hierárquicas, práticas de decisão participativa e avaliações de desempenho de 360 graus desmantelam as fronteiras verticais.
• Equipes interfuncionais, atividades organizadas em torno de processos, transferências laterais e rotação de pessoal rompem as barreiras horizontais.
• Globalização, alianças estratégicas, elos organização-cliente e telecomunicação superam as barreiras externas.

55. Organizações Adhocráticas:

• É uma estrutura organização que enfatiza a tomada de decisão descentralizada, extrema especialização horizontal, poucos níveis hierárquicos e administrativos, ausência virtual de controles formais e poucas regras, políticas e procedimentos escritos.

56. Job Enrichment:

• Consiste no enriquecimento do trabalho ou no enriquecimento de cargos, ou seja, é a estratégia para aplicar os princípios da administração participativa na estrutura dos cargos.
• É também a aplicação prática da teoria dos dois fatores de Herzberg (higiênicos e motivacionais).

57. Job Enlargement e Empowerment:

• É um conceito de gestão no qual as empresas que dão mais poder e autonomia aos seus trabalhadores são as que estão mais bem posicionadas para competir em longo prazo.
• A técnica do job enrichment compreende a ampliação do cargo (job enlargement) e a potencialização do trabalhador (empowerment).
• Enriquecer um cargo é o mesmo que aumentar seu escopo, incrementar seu conteúdo motivacional e proporcionar ao trabalhador meios de se desenvolver, de maneira a fazer melhor uso de seu intelecto e sua capacidade de tomar decisões.
• Suas etapas consistem em: aumentar a amplitude das tarefas, de maneira que o ocupante do cargo assuma maiores responsabilidades; o cargo deve proporcionar maior profundidade e amplitude de conhecimentos para seu ocupante; e o ocupante do cargo deve dispor de poderes para tomar decisões importantes, mobilizar recursos e atuar dentro da organização conforme for necessário para resolver problemas.

58. Organograma:

• Quadro onde são apresentadas as posições na empresa e como estão organizadas.
• Fornece um quadro da estrutura de autoridade e da divisão do trabalho.

Capítulo III
As Organizações como Grupos de Pessoas

1. Cultura Organizacional:

• Sistema de significados partilhados pelos membros de uma organização distinguindo-a das outras.
• Normas de conduta, crenças, hábitos e valores de um povo, em um determinado local e em um determinado momento histórico.
• Transmissível e renovável.
• Pode conflitar com a legislação oficial da organização.
• Pode definir aspectos da vida organizacional.

Obs.: É o aspecto de “significados comuns” da cultura que faz dela um poderoso dispositivo para orientar e moldar o comportamento dentro da organização.

2. Características básicas que, em conjunto, compõe a Cultura de uma Organização:

• Inovação e Ousadia: o grau em que os funcionários são incentivados a serem inovadores e a correrem risco.
• Atenção ao detalhe: o grau em que se espera que os funcionários demonstrem precisão, análise e atenção aos detalhes.
• Busca de Resultados: o grau em que a administração se concentra mais em resultados ou efeitos do que nas técnicas e processos utilizados para alcançar esses resultados.
• Concentração das Pessoas: o grau em que as decisões da administração levam em consideração o efeito dos resultados sobre o pessoal da organização.
• Orientação para Equipe: o grau em que as atividades de trabalho são organizadas mais em torno das equipes do que em torno de indivíduos.
• Agressividade: o grau em que as pessoas são mais agressivas e competitivas do que contemporizadoras.
• Estabilidade: o grau em que as atividades organizacionais enfatizam a manutenção do status quo em oposição ao crescimento.

Obs.: Cada uma destas características existe em um continuum, variando muito de empresa para empresa.

3. Tipos de Culturas Organizacionais:

• Reconhecer que a cultura organizacional possui características comuns não significa, porém, que não possa haver subculturas em toda cultura considerada.
• Cultura Forte: cultura cujos valores centrais são intensamente definidos e amplamente compartilhados, onde surgirá um alto grau de comunhão de valores no ambiente interno e de elevado controle comportamental.

4. Fatores Negativos de uma Cultura Forte:

• Em função do processo de seleção e socialização organizacional, definido para fortalecer a cultura organizacional vigente, estes acabam por criar uma barreira real à obtenção de diversidade da força de trabalho e ao aproveitamento de seus benefícios.
• A cultura forte exerce considerável pressão para que os funcionários se conformem. Elas limitam a gama de valores e estilos aceitáveis, criando um dilema: contratar indivíduos heterogêneos por causa das vantagens alternativas que essas pessoas trazem para o local de trabalho e abdicar de comportamentos e habilidades heterogêneas oriundas da diversidade cultural.

5. Subculturas Organizacionais:

• Cultura Dominante: sistema que expressa os valores centrais comuns a uma maioria de membros da organização. Quando falamos sobre a cultura de uma organização, estamos nos referindo à cultura dominante.
• Subculturas: miniculturas dentro de uma organização, normalmente definidas por nomes de departamentos e separação geográfica. Essa subcultura incluirá os valores centrais da cultura dominante além de outros exclusivos aos membros do departamento em questão.

Obs.: Valores Centrais: valores básicos ou dominantes aceitos em toda a organização.

6. Cultura Organizacional & Cultura Nacional:

• Cultura Organizacional: cultura voltada especificamente para a organização.
• Cultura Nacional: diz respeito a similaridades e diferenças entre os países.

Obs.: Pesquisas demonstram que a cultura nacional produz um impacto maior sobre os funcionários que a cultura de sua organização.

7. Origem e Formação da Cultura Organizacional:

• Os fundadores de uma organização tradicionalmente exercem um impacto importante na cultura inicial da empresa. Eles possuem uma visão daquilo que a organização deve ser. Não são restringidos por costumes ou ideologias anteriores. O pequeno porte que normalmente caracteriza as novas organizações facilita ainda mais a imposição da visão dos fundadores a todos os membros da organização.

8. Transmissores da Cultura Organizacional:

• Histórico da organização.
• Rituais Organizacionais.
• Símbolos Materiais.
• Linguagem Organizacional.

9. Fatores de Manutenção da Cultura Organizacional:

• Práticas de seleção.
• Comportamento da alta Administração.
• Métodos de Socialização Organizacional.

10. Socialização Organizacional:

• Representa o processo formal pelo qual uma pessoa passa a conhecer a cultura da organização na qual irá trabalhar.
• Processo que adapta os funcionários à cultura da organização.
• Pode se dar por intermédio de um passeio pela organização e seus departamentos ou pela exibição de um vídeo institucional, dentre outras formas e possibilidades para se transmitir a cultura predominante e muitas vezes desejadas dentro da organização.

11. Etapas para uma Socialização Organizacional:

1. Pré-ingresso: etapa de aprendizagem que ocorre no processo de socialização antes de um novo funcionário entrar para a organização (ex: durante o processo de seleção).
2. Confronto: etapa no processo de socialização, na qual um novo funcionário percebe como é realmente a organização e enfrenta a possibilidade de que as expectativas e a realidade possam divergir (ex: durante o período de experiência).
3. Metamorfose: etapa no processo de socialização, na qual o novo funcionário se ajusta aos valores e normas de seu grupo de trabalho (ex: ao longo de sua atuação profissional).

12. Fator que provoca a necessidade de mudança da Cultura Organizacional:

• Culturas Forte, estáveis e permanentes podem caracterizar resistência as mudanças ambientais, a qual pode inviabilizar a existência da própria organização.
• Se uma dada cultura, no curso do tempo, torna-se inadequada a uma organização e uma situação desfavorável para a administração, pode haver pouca coisa que a administração possa fazer para mudá-la, particularmente no curto prazo.
• Mesmo sob as condições mais favoráveis as mudanças culturais, frente às constantes e inesperadas mudanças ambientais, precisam ser calculadas em anos, não em semanas ou meses.

13. Condições favoráveis que facilitam a Mudança Cultural:

• Quando da ocorrência de uma crise grave.
• Quando da rotatividade na liderança da organização.
• Quando a organização é nova e/ou pequena.
• Quando a cultura da organização é fraca.

14. Passos para uma Mudança Cultural:

1. Realizar uma analise cultural para identificação de divergências entre a cultura presente e a cultura desejada.
2. Esclarecimento aos funcionários, por parte da administração, com relação ao quanto a sobrevivência da organização esta relacionada à necessidade de mudanças culturais.
3. Apresentar a nova visão e os novos padrões de comportamento desejados.
4. Apresentar rapidamente novas histórias, símbolos e rituais, para substituir aqueles que eram anteriormente utilizados para transmitir aos funcionários os valores agora desejados na organização.
5. Mudar os processos de seleção e socialização e os sistemas de avaliação e recompensa, para apoiar os funcionários a esboçarem os novos valores perseguidos.

15. Situações que Promovem Ajuste Cultural:

• Quando de fusões organizacionais (quando duas organizações ou mais se unem constituindo uma terceira).
• Quando de um Joint-Venture (quando duas organizações ou mais se unem em uma atividade de risco).
• Quando de uma aquisição (quando uma organização é adquirida por outra).

16. Clima Organizacional:

• Representa a forma como uma pessoa ou grupo de pessoas sente e interpreta o ambiente ao qual encontram-se submetidos.
• Varia de pessoa para pessoa.
• Motiva ou desmotiva.
• É influenciado pela Cultura Organizacional.
• São percepções subjetivas e sentimentos quanto a determinadas propriedades objetivas das organizações (hierarquia, salário, regulamentos etc.).
• Pode resultar em um comportamento de cooperação, indiferença ou hostilidade em relação à administração e à organização.
• Representa um elemento para tentar compreender se a organização e suas práticas administrativas favorecem ou não o interesse e o rendimento das pessoas.

17. Grupos Formais:

• São criados pela administração para atender necessidades operacionais da organização.

18. Grupos Informais:

• Corresponde a um conjunto de pessoas que se unem por motivos de interesses, amizade ou por compartilharem os mesmos valores.
• Surgem de forma espontânea quando as pessoas convivem por certo tempo.
• Influenciam o desempenho das pessoas que atuam nas organizações formais.
• Surgem de necessidades pessoais de reconhecimento, filiação e estima.
• Produzem uma identidade social àqueles que a eles pertencem.
• Desempenham funções de ataque e defesa pessoal.

19. Elementos que constituem as organizações formais:

• Objetivos.
• Tecnologia.
• Recursos.
• Estrutura.

20. Elementos Informais das organizações:

• Atitudes.
• Sentimentos.
• Amizades.
• Conflitos.
• Valores e Normas de Conduta.

21. Possíveis influências das Normas de Conduta predominantes nas organizações:

• Qualidade e quantidade da produção.
• Disposição para colaborar ou não com a administração.
• Comportamento ético.
• Forma correta de se vestir.
• “O horário em que as pessoas vão realmente trabalhar”.

Capítulo IV
As Organizações como Sistemas
&
Suas Inter-relações com o Ambiente

1. Sistema:

• Representa um conjunto de elementos ou recursos que, ao pertencerem a um mesmo ambiente, se relaciona (interagem) de forma interdependente (de influência mútua), provocando um ou mais resultados (positivos ou negativos).

2. Elementos Componentes de um Sistema:

• Entrada ou insumo (input).
• Processamento ou transformador (throughput).
• Saída, resultado ou produto (output).

3. Tipos de Sistemas:

• Sistemas Fechados: não apresentam intercâmbio com o meio ambiente que o circunda.
• Sistemas Abertos: apresentam relação de intercâmbio com o ambiente, através de entradas e saídas.

4. Retroalimentação, Feedback ou Equilíbrio Dinâmico:

• Capacidade adaptativa dos sistemas abertos de se ajustarem constantemente às condições impostas pelo ambiente.
• Evita a entropia (auto destruição) do sistema.
• Representa um processo homeostático (“equilíbrio da temperatura do corpo”), também chamado de entropia negativa.

5. A Complexidade do Sistema Organizacional:

• É a base do enfoque sistêmico na administração e indica um grande número de problemas e variáveis com as quais a organização e seus administradores devem enfrentar.

6. As Organizações como Sistema Aberto:

• Todas as organizações são sistemas abertos compostos de recursos que perseguem objetivos.
• As organizações são sistemas Sociotécnicos (compostos por elementos mecânicos e orgânicos/sociais)

7. Características das Organizações como Sistemas Abertos:

• Apresentam comportamento probabilístico e não-determinístico.
• São partes de um sistema maior e constituída de partes menores.
• Apresenta interdependência das partes.
• Possui um processo de Homeostasia ou “Estado Firme”.
• Apresentam fronteiras e limitações com o ambiente.
• Possui um processo de Morfogênese (capacidade de mutação).

8. Premissas mais importantes do Enfoque Sistêmico:

• A natureza do sistema é definida pelo observados.
• O observador tem que enxergar sistemicamente (visão integrada) o problema e suas variáveis.

9. Eficiência e Eficácia:

• Representa os principais critérios para medir e avaliar o desempenho das organizações e de seus administradores.

10. Competitividade:

• Representa a capacidade das organizações de serem mais eficazes que seus concorrentes.
• Fator de sobrevivência organizacional e de perpetuação de seu negócio.

11. Principais Vantagens Competitivas:

• Qualidade.
• Custo Baixo (eliminação de desperdício, racionalização do trabalho e redes de processos).
• Velocidade (redução de tempo de ciclo e chegada ao mercado).
• Inovação.
• Flexibilidade.

12. Eficiência:

• Relação entre recursos disponíveis e sua melhor utilização, com menor emprego de tempo e custos.
• Relação entre esforço e resultado.
• É a antítese do desperdício.

13. Eficácia:

• Relação entre os objetivos pretendidos e sua efetivação
• É um conceito de sucesso, desempenho e sobrevivência.
• Pode variar em função do ambiente a que pertence a organização.
• Varia com o tempo, pois o ambiente é mutável.

14. Critérios de Eficácia Organizacional:

• Parâmetros financeiros (lucratividade organizacional).
• Produtividade.
• Crescimento (participação de mercado).
• Satisfação do cliente.
• Qualidade e diminuição de custos pertinentes.
• Flexibilidade e velocidade de resposta aos interesses de seus stakeholders.
• Crescimento e satisfação dos funcionários.
• Aceitação social (imagem e reputação).

15. Efetividade:

• Constância de resultados e desempenho.

16. Produtividade:

• Relação entre recursos utilizados e resultados obtidos.
• É empregada para avaliar a eficiência de um sistema.
• É um sinônimo de eficiência.

17. Stakeholders:

• São as pessoas e as organizações que exercem influencia direta sobre o desempenho das organizações.
• São os grupos internos ou externos a organização que possuem algum interesse nela, normalmente incluem funcionários, clientes, gerentes, dirigentes, investidores, concorrentes, fornecedores, credores, acionistas, mídia, órgãos governamentais, determinados grupos ou entidades sociais, etc…

18. Ambiente:

• Forças e instituições externas a organização que podem afetar o seu desempenho.
• O dado fundamental para se entender o ambiente de uma organização é que ele cria em certeza potencial.

19. Incerteza Ambiental:

• Caracteriza o mundo que a maioria das organizações enfrenta atualmente.
• Uma vez que a incerteza é uma ameaça a eficácia de uma organização, a administração tentará limitar essa incerteza por meio de atividades como pesquisa de mercado, publicidade, planejamento, formação de lobbies, benchmarking e criação de empreendimentos conjuntos com outras empresas.

20. Dimensões Ambientais que Promovem Incertezas:

• Capacidade Ambiental: refere-se ao grau em que o ambiente pode sustentar o crescimento organizacional.
• Velocidade de Mudança: refere-se ao grau de mudança imprevisível criando um ambiente dinâmico.
• Complexidade Ambiental: refere-se ao grau de heterogeneidade e concentração entre os elementos/variáveis ambientais.

Obs: Dependendo do grau de intensidade das dimensões acima citadas, o ambiente pode apresentar-se mais ou menos incerto.

21. Influências do Ambiente Organizacional:

• Influências Tecnológicas.
• Influências Sociais.
• Influências Econômicas.
• Influências Políticas.
• Outras.

22. As Dimensões do Ambiente Organizacional:

• Ambiente Imediato (interfere na eficácia organizacional): mercado, cliente, concorrente, fornecedores, distribuidores, sindicatos, etc.
• Macroambiente (interfere em todas as organizações): tecnologia, ecologia, legislação, economia, demografia, cultura, etc.

23. Tipos de Ambientes:

 Ambiente externo:

• Ambiente Geral ou Macro-ambiente: ambiente que afeta todas as organizações, independentemente de tamanho, ramo, estrutura, etc.
 Econômico
 Social
 Político ou Organizacional
 Legal
 Tecnológico
 Cultural
• Ambiente Operacional ou Micro-ambiente: ambiente de implicação específica no desempenho de organização
 Clientes
 Concorrentes Diretos
 Fornecedores
 Distribuidores
 Concorrentes Indiretos (substituto)
 Mão – de – obra disponível

 Ambiente Interno:

• Ambiente de implicação imediata e específica na administração da organização.
 Recursos Financeiros
 Recursos Materiais / Produção
 Recursos Tecnológicos
 Recursos Humanos
 Estrutura Organizacional
 Administração do Mix de Marketing

24. Ambientes que influenciam o funcionamento das organizações:

• Ambiente Externo (abrangência ampla, direta e/ou indireta)
• Ambiente Interno
• Ambiente Cultural
• Ambiente Ético de Negócios

Obs.: Todos os ambientes citados são mutáveis e variam com a época, o local e a cultura

25. Os Ambientes Externos de Negócios:

• Fatores Sociais:
Status Demográfico e Tendências (idade, sexo, migração, etc…).

• Ética no Trabalho e Valores Culturais (Importância dada ao trabalho por cada indivíduo):
Interfere diretamente na dedicação, lealdade e comprometimento dos envolvidos.

Obs.: Podem variar em função do estilo ou da qualidade de vida desejado.
Podem variar em função das necessidades familiares.
Podem variar em função das oportunidades de crescimento profissional e pessoal.

• Valores Culturais:

Variam em relação a:
Diferentes Regiões.
Diferentes Países.

• Fatores Políticos:

Legislação (ambiental, trabalhista, aduaneira, etc…).

• Fatores Econômicos:

Economia (recessão, estabilidade ou crescimento econômico).
Concorrência e fornecedores.
Clientela (atentar à utilidade de lugar, utilidade de tempo e utilidade de forma dos produtos ou serviços; definir mercado-alvo; perfil demográfico; comportamento do consumidor e o perfil psicográfico).

• Fatores Tecnológicos (efeitos rápidos e dramáticos nos negócios):

Processo Inovador (como a tecnologia é desenvolvida na empresa pela área de P&D, de forma evolutiva ou revolucionária).
Processo de Transferência de Tecnologia (gera um processo de inovação e resistência, para diminuir a resistência de ser introduzida de forma progressiva ou incremental).
Tecnologia de Ponta (atentar à real necessidade da mesma, sua relação custo/benefício e sua afinidade com o processo atual).

26. Tecnologia:

• Aplicação de conhecimento à produção de um bem ou à prestação de um serviço.
• Objetivo (competitividade, sobrevivência e perpetuação do negócio).
• Como obter tecnologia.
 Comprando.
 Trocando.
 Desenvolvendo.
 Imitando.

27. Tipos de tecnologia:

• Tecnologia de produto (projeto do produto).
• Tecnologia de Processo (como fazer).

28. Mudanças provocadas pela tecnologia:

• Mudanças nas relações de tempo e espaço.
• Mudanças no perfil dos Recursos Humanos.
• Transformação dos negócios e no fluxo de trabalho.

29. Os Ambientes Internos de Negócios (os Recursos Organizacionais):

• Recursos Financeiros (Lucros Retidos, Capital de Terceiros e Capital Social).
• Recursos Físicos.
• Recursos Humanos (recrutamento, treinamento, alocação e manutenção).
• Recursos Tecnológicos.

30. Sondagem Ambiental:

• Triagem de grandes quantidades de informação para detectar tendências emergentes, monitoração das ações dos demais e criação de um conjunto de cenários.

31. Ferramentas de Sondagem Ambiental:

• Inteligência Competitiva: ferramenta de sondagem ambiental que procura informações básicas sobre os concorrentes.
• Desenvolvimento de Cenários: ferramenta que visa a criação de uma visão consistente sobre como tende a ser o futuro.
• Previsão de Resultados Quantitativos: ferramenta que utiliza um conjunto de regras matemáticas aplicadas a uma série de dados passados para prever resultados futuros.
• Previsão de Receita: ferramenta que utiliza o estudo sobre como serão as receitas futuras da organização.
• Previsão Tecnológica: ferramenta que utiliza a previsão de mudanças na tecnologia e no quadro temporal em que as novas tecnologias tenderão a ser economicamente viáveis.
• Previsão Qualitativa: ferramenta que utiliza o uso de avaliação e opiniões de indivíduos experientes na previsão de resultados futuros.
• Benchmarking: ferramenta que utiliza a prática de comparar, por meio de algum parâmetro mensurável, o desempenho de uma operação fundamental da empresa com uma operação semelhante em outras organizações.

Capítulo V
O Administrador e o Empreendedor

1. Administrador:

• Profissional pago para gerenciar pessoas e tomar decisões organizacionais, envolvendo recursos disponíveis na mesma, para efetivação de seus objetivos.
• O administrados não é necessariamente um empreendedor.

2. Empreendedor:

• Pessoa com iniciativa e propensão para assumir riscos, com facilidade para identificar oportunidades de negócios.
• Pessoa com grande interesse/necessidade de empreender/realizar.
• Pessoa criativa e com feeling para iniciar negócios e identificar oportunidades.

3. Espírito Empreendedor:

• Processo de iniciar um negocio, organizar os recursos necessários e assumir seus respectivos riscos e recompensas.

4. Fatores que Incentivam Novos Empreendedores:

• Mudanças recentes na economia, gerando novas oportunidades de negócios.
• A redução drástica do quadro de pessoal das organizações contemporâneas (Downsizing).
• Indenizações oriundas de demissões, aposentadoria precoce, indenizações decorrentes de Planos de Demissão Voluntária (PDV).
• Interesse dos funcionários em se tornarem autônomos.
• Crescentes opções de franquias, as quais possuem taxa de fracasso menor do que a abertura típica de um negócio próprio (devido ao apoio fornecido pelo franqueador em termos de marketing, operações e administração).

5. Como os Empreendedores Identificam Oportunidades:

• Identificando necessidades sociais.
• Observando deficiências em produtos ou serviços já existentes no mercado.
• Observando tendências.
• Derivando oportunidades em função de sua ocupação atual.
• Procurando outras aplicações para produtos ou serviços já existentes no mercado.
• Explorando hobbies.
• Lançando moda.
• Imitando o sucesso alheio.

6. Fatores a serem Considerados na Escolha do Negócio:

• Sazonalidade.
• Efeitos da situação econômica.
• Controle governamental.
• Dependência de elementos (matéria-prima) de disponibilidade e custo incerto.
• Ciclo de vida do setor (expansão, estagnação ou retração).
• Lucratividade.
• Mudanças que estão ocorrendo no setor.
• Efeitos da evolução tecnológica.
• Grau de imunidade à concorrência.
• Atração/afinidade pessoal com o negócio.
• Barreiras à entrada.

7. A importância do Empreendedor na Formação da Riqueza do País:

• A riqueza de uma nação é medida por sua capacidade de produzir, em quantidade suficiente, os bens e serviços necessários ao bem-estar da população. Por esse motivo, acredita-se que o melhor recurso de que dispomos para solucionar os graves problemas sócio-econômicos de um país é a liberação da criatividade dos empreendedores, através da livre iniciativa, para produzir esses bens e serviços.

8. Fatores inibidores do potencial Empreendedor:

• Preocupação quanto ao abandono de uma carreira bem-sucedida (status).
• Medo ou falta de disposição para assumir riscos.
• Falta de capital inicial.
• Falta de incentivo.

9. Campos onde há Oportunidades:

• Energético.
• Alimentício.
• De reciclagem de materiais e controle da poluição.
• Da tecnologia da informação.
• Educação.
• Saúde.
• Nanotecnologia.
• Biotecnologia.
• Macro-engenharia.

Capítulo VI
Tendências e Mudanças no Mundo da Administração

10. Mudança:

• Representa a transição de um estado para outro (por exemplo: de conforto e estabilidade para incerto e instável, e vice-versa).
• Refere-se a tornar as coisas diferentes.
• Alteração do status quo.

11. Tipos de Mudanças:

• Mudança Planejada: são as atividades de mudança que são intencionais e orientadas por metas.
• Mudança de Primeira Ordem: mudança linear, que não implica em nenhum desafio fundamental na premissa sustentada pelos funcionários sobre o mundo ou sobre como a organização pode melhorar suas operações.
• Mudança de Segunda Ordem: mudança multivisional, em múltiplos níveis, descontinua e radical, que envolve uma reconsideração das premissas sobre a organização e o mundo no qual ela opera.

12. Mudança e Política:

• Uma vez que a mudança invariavelmente ameaça o status quo, ela implica, em sua essência, uma atividade política.

13. Administração da Mudança:

• É um desafio que está diante de todas as organizações contemporâneas, e é o modo como as organizações administram as mudanças em seu ambiente organizacional será o que inevitavelmente distinguirá a vitória da derrota em um mundo em constante mudança.
• As organizações que conseguirem explorar a mudança poderão capitalizar as oportunidades ilimitadas geradas por ela.

14. Inovação Organizacional:

• A inovação estimula as oportunidades e o crescimento organizacional.
• A inovação é um tipo especial de mudança.
• A inovação diz respeito a uma idéia nova aplicada a criação ou melhoria de um produto processo ou serviço.

15. Os Gerentes como Agentes de Mudança:

• Pessoas que estimulam e assumem a responsabilidade pela administração no processo de mudança.
• Líder transformacional que reformulam as organizações e conseguem com que os funcionários participem e acompanhem as mudanças.
• Individuo que pode demonstrar liderança visionária e qualidade carismática.

16. O que os Gerentes podem Mudar:

• A Estrutura Organizacional: implica fazer uma alteração nas relações de autoridade, nos mecanismos de coordenação, no redesenho de cargos ou em variáveis estruturais semelhantes.
• A Cultura Organizacional: implica na reformulação dos valores centrais da organização.
• A Tecnologia: envolve modificações no modo como o trabalho é processado e nos métodos e equipamentos utilizados.
• O Ambiente: implica alterar o espaço e a disposição do local de trabalho.
• As pessoas: envolve mudança de atitudes, habilidades, expectativas, percepções ou comportamento dos funcionários.

17. Perspectivas Futuras da Administração:

• Mudanças Rápidas e Inesperadas (no campo do conhecimento e no nº populacional)
• O Crescimento das Organizações Nacionais e Multinacionais
• Mudanças nas Atividades e Processos Produtivos (exige mão-de-obra qualificada)

18. Fatores que Provocarão Impacto nas Organizações do Futuro:

• Crescimento das Atividades Organizacionais e sua Complexidade Administrativa.
• Concorrência Mais Aguda.
• Sofisticação da Tecnologia.
• Escassez de Recursos Naturais.
• Globalização da Economia e Internacionalização dos Negócios.
• Formação de Blocos Econômicos.
• A Formação, em 1995, da OMC (Organização Mundial do Comercio).
• Fim das Práticas Protecionistas.
• Automatização de Processos Produtivos e Administrativos.
• O Desemprego dos Desqualificados.
• As Organizações serão mais cobradas pela Sociedade, pelos Governos e pelos Ambientalistas.
• Preocupação com a Ecologia e a Qualidade de Vida (e outras como crescimento desordenado das cidades, aumento de violência e problemas viários).
• Preocupação com a Qualidade e com os Clientes.
• Aplicação Efetiva do Código de Defesa do Consumidor.
• Redução da Hierarquia Organizacional.
• As Organizações terão de lidar com a Administração da Incerteza.

10. Fatores que Provocam Resistências à Mudança:

• Fatores de Resistência Individual:
o Hábitos: alterações em rotinas exigem esforços.
o Segurança: medo de perder a suposta segurança obtida.
o Fatores Econômicos: medo de redução de remuneração.
o Medo do Desconhecido: a mudança provoca sentimento de incerteza e insegurança.
o Medo da Perda do Controle da Informação: a mudança gera novas informações e processos, agora desconhecidos.

• Fatores de Resistência Organizacional:
o Inércia Estrutural: incapacidade de mudança estrutural.
o Foco limitado de Mudança: incapacidade de mudanças sistêmicas.
o Inércia de Grupo: protecionismo de grupos com interesses contrapostos.
o Ameaça à Especialização: medo quanto a mudanças na estrutura e nas relações entre cargos e funções (novas exigências de qualificações).
o Ameaça às Relações Estabelecidas de Poder: medo da perda de poder dentro da organização.
o Ameaças às Relações Estabelecidas de Recursos: medo da perda de recursos organizacionais.

11. Etapas para Superar a Resistência a Mudança:

• Avaliar o Clima para Mudança: representa um fator importante para a prontidão para mudar.
• Definir Estratégias para Reduzir a Resistência:
o Realize uma auditoria de identidade organizacional antes de empreender qualquer mudança importante.
o Dê à mudança o feitio adequado a organização.
o Apresente a mudança como significativa e necessária e, ao mesmo tempo, vincule-a a aspectos valorizados da identidade organizacional.
o Introduz a mudança em uma série de pessoas de alcance médio.
o Tome o caminho de menor resistência.
o Saiba quanta mudança sua organização é capaz de tolerar.
• Reduza a Resistência:
o Eduque e comunique aos funcionários sobre a importância da mudança.
o Envolva o funcionário no processo de mudança, incentivando-o a participar.
o Apóie e oriente o funcionário durante o processo de mudança.
o Negocie com os envolvidos quando necessário.
o Manipule, quando necessário, os envolvidos no processo de mudança.
o Empregue mecanismos de coerção sobre os resistentes a mudança se necessário.

12. Problemas Inerentes às Organizações Tradicionais:

• Fragmentação do Trabalho: a fragmentação baseada na especialização cria “Paredes e Chaminés” que separam funções diferentes em feudos independentes e freqüentemente em guerra.
• Ênfase Exagerada na Competição: impede a cooperação entre as pessoas e departamentos.
• O Imediatismo: desvia a atenção da administração para a resolução de problemas, em lugar de concentrá-la na criatividade.

13. Administração Participativa:

• É uma filosofia ou doutrina que valoriza a participação das pessoas no processo de tomada de decisões sobre diversos aspectos da administração das organizações.
• Consiste em compartilhar as decisões que afetam a empresa, não apenas com funcionários, mas também com clientes ou usuários, fornecedores, e eventuais distribuidores ou concessionários da organização.

14. Vantagens de uma Administração Participativa:

• Aproveita o potencial de contribuição intelectual das pessoas, contribuindo para aumentar a qualidade das decisões administrativas, a satisfação e a motivação das pessoas.
• Aprimorando a decisão e o clima organizacional, a administração participativa contribui para aprimorar a competitividade das organizações.

15. Principais Ferramentas da Administração Participativa:

• Informação: através da qual a organização procura aprimorar os canais de comunicação com funcionários, clientes e outras pessoas que têm algum tipo de relacionamento ou interesse na organização (ex.: comunicação com clientes -SAC, comunicação com funcionários – jornais internos e caixas de sugestões, comunicação visual – quadros de aviso, redução das comunicações simbólicas – uniformes, refeitórios e escritórios padronizados).

• Envolvimento do processo decisório: evolver significa consultar as pessoas, individualmente ou em grupo, sobre a solução de problemas, no nível do local de trabalho.

• Equipes autogerenciadas: grupo de pessoas com um objetivo, que pode decidir como fazer para alcançá-lo e que trabalha dentro de uma área de autonomia definida de comum acordo com a administração.

• Participação na direção ou co-gestão: compreende a representação institucional dos funcionários na administração da empresa e em casos que a administração de um empreendimento de qualquer natureza é partilhada com outras pessoas ou instituições que não aquelas vinculadas diretamente ou permanentemente à estrutura de direção ou propriedade da empresa.

• Participação nos resultados: mecanismo de recompensa através do qual os funcionários beneficiam-se dos resultados de seu esforço.

16. Principais Mudanças nas Dimensões Organizacionais para a Implementação de Administração Participativa:

• Mudança comportamental: mudanças nos valores, hábitos, atitudes e condutas de toda a organização.

• Mudanças na estrutura organizacional: mudanças no sistema de normas e procedimentos hierárquicos (job enrichment, empowerment, job enlargement).

• Mudanças de interfaces: aumento nas interfaces/relacionamentos entre funcionários, clientes, fornecedores, parceiros e a própria direção da organização.

17. Benchmarking:

• É uma técnica que consiste em fazer comparações e procurar imitar as organizações, concorrentes ou não, do mesmo ramo de negócio ou outro, que façam algo de maneira peculiarmente bem feita.
• Segundo Webster, o Benchmarking representa um processo contínuo de medição e padronização, de abrangência ampla, para o adequado desenvolvimento de produtos, serviços e/ou procedimentos.
• Caracteriza-se como um processo de mudança organizacional através da “imitação” e aprimoramento do desempenho observado em outras empresas.
• A essência do Benchmarking é a busca das melhores práticas da administração, como forma de ganhar vantagens competitivas.

18. Etapas de um Benchmarking:

• Determinar em quais funções praticá-la.
• Identificar as principais variáveis de desempenho para mensurar-se.
• Identificar as melhores empresas do setor.
• Mensurar o desempenho dessas melhores empresas.
• Mensurar o desempenho da empresa em questão (a sua própria).
• Especificar programas e ações para preencher os hiatos.
• Implementar e monitorar os resultados.

19. Em um Processo de Benchmarking é Importante:

• Identificar as melhores empresas de cada setor, segmento ou atividade específica.
• Analisa tanto os concorrentes diretos como os indiretos.

20. Tipos de Benchmarking:

• Interno
• Competitivo (externo direto)
• Funcional (externo indireto)
• Genérico (funções semelhantes em todas as empresas)

21. Reengenharia (Michael Hammer & James Champy – anos 90)

• É um esforço organizado, conduzido de alto a baixo de uma companhia, com o objetivo de rever e, tanto quanto possível e necessário, reformular completamente seus principais processos de trabalho, de forma a conseguir melhorias anormalmente expressivas no que diz respeito ao aumento de produtividade, à qualidade dos processos ou produtos e à eficácia do atendimento ao cliente.
• Consiste em uma técnica administrativa que visa a redefinição de processos ou produtos desatualizados e/ou adaptá-los às mudanças com ousadia, criatividade, inovação, educação e comprometimento dos funcionários.

22. Cuidados na implantação de um processo de Reengenharia, segundo Michael Hammer:

• A alta gerência não pode limitar o alcance da Reengenharia.
• A iniciativa não pode ocorrer de baixo para cima na hierarquia organizacional.
• Não se deve reformular todo o processo de uma só vez.
• Uma pessoa ou equipe deve executar todos os passos de um processo (job enlargement e empowerment)
• As atividades que ocorram em paralelo não podem parar e sim serem executadas simultaneamente.
• As pessoas que executam um processo devem tomar as suas próprias decisões e se auto gerenciar (job enrichment).
• As informações devem ser coletadas de uma só vez e direto da fonte.
• Deve-se quebrar paradigmas.
• Não se deve retroceder diante de resistências das pessoas às mudanças.

23. Crítica à Reengenharia:

• Um dos principais focos da Reengenharia é o downsizing, ocasionando uma eliminação dos músculos da empresa ao invés das gorduras, fator principal de traumas climáticos e perda de flexibilidade organizacional.

24. Learning Organization:

• Segundo Peter Senge (1990), são Organizações que Aprendem, que desenvolvem a capacidade continua de adaptar-se e mudar.
• São empresas que aplicam na capacidade de aprender das pessoas e no desenvolvimento constante dos grupos em todos os níveis organizacionais, transformando-se em uma comunidade de aprendizes.

25. As Cinco Disciplinas da Organização de Aprendizagem:

• Domínio pessoal (autocontrole, autoconhecimento e base espiritual): as pessoas descartam seus velhos modos de pensar e as rotinas-padrão que utilizam para resolver problemas ou realizar seus trabalhos.
• Modelos mentais (em que acreditamos como certo e nossas atitudes diante dessas crenças): as pessoas sublimam seus fragmentados interesses pessoais e departamentais para trabalhar juntas e realizar a visão comum da organização.
• Objetivo comum: existe uma visão compartilhada, entre a alta gerência e operariado, coma qual todos concordam.
• Aprendizagem em grupo: as pessoas comunicam-se abertamente (atravessando fronteiras verticais e horizontais) sem medo de critica ou punição.
• Raciocínio sistêmico (A QUINTA DISCIPLINA): os membros da organização consideram todos os processos, as atitudes, as funções e as interações da organização com o ambiente como parte de um sistema de inter-relações.

26. Transformando a Empresa em uma Organização que Aprende:

• Estabeleça uma Estratégia: a administração precisa explicitar seu compromisso com a mudança, a inovação e a melhoria contínua.
• Redesenhe a Estrutura Organizacional: achatar a estrutura, eliminar ou combinar departamentos e aumentar o uso de equipes interfuncionais para reforçar a interdependência e reduzir as fronteiras entre as pessoas.
• Reformule a Cultura Organizacional: encoraje, nos valores centrais da organização, o risco a franqueza e o crescimento.

27. Novos Paradigmas da Administração:

• Downsizing (diminuição de tamanho): em busca de maior eficiência na utilização de seus recursos e redução de custos, as organizações achataram a hierarquia, simplificaram seus processos de trabalho, promoveram o aumento da produtividade e diminuíram seus quadros, afetando definitivamente as estruturas hierárquicas e as perspectivas para o desenvolvimento de carreira.

• Terceirização: consiste em uma estratégia para diminuição do tamanho da organização e redução de custos com tarefas ditas secundárias, significa colocar para fora, demitir e contratar quem era empregado.

• Multi-especialização: em busca de maior eficiência, as organizações procuraram tornar sua força de trabalho menos especializada, substituindo o operário especializado por outro polivalente ou multifuncional.

• Organização Virtual: é o produto da possibilidade de transferir e receber informações entre locais distantes. Essa possibilidade foi materializada pela evolução da micro-eletrônica em geral e dos computadores em particular, interligados em redes por meio de sistemas de comunicação. A comunicação entre dois pontos, para qualquer finalidade, torna dispensável a presença física dos clientes e funcionários. Assim, a organização virtual é aquela que não precisa estar em lugar nenhum, mas está em todos os lugares.

As Organizações Virtuais atuam nas seguintes dimensões:
 Dimensão Virtual (no ambiente on-line).
 Dimensão Real (o produto, o fornecedor e o cliente são reais).
 Dimensão Sem Fronteiras (não existe relação de distância e tempo).

• Trabalhador Virtual ou Teletrabalho: funcionários (assalariados ou contratados) que, a partir de qualquer local, pode trabalhar sem estar fisicamente presente no local em que as tarefas são realizadas. Sempre que necessário, ele com

COMPARTILHAR
Artigo anteriorIMPRESSIONISMO
Próximo artigoMANUAL DA HP12C

Marcelo é um profissional de Informática interessado em Internet, Programação PHP, Banco de Dados SQL Server e MySQL, Bootstrap, Wordpress. Nos tempos livres escreve nos sites trabalhosescolares.net sobre biografias, trabalhos escolares, provas para concursos e trabalhos escolares em geral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here