ANESTESIOLOGIA

0
2909
DICAS PARA ANALISAR, COMPREENDER, E INTERPRETAR TEXTOS

Anestésicos Intravenosos

BARBITÚRICOS

Usado em peq. Operações e para indução anestésica.

Promove bloqueio vagal com elevação da PA e com hipotensão progressiva. Promove bruscas alterações nos sistemas vitais.
Antigamente (mas ainda é usado) era usado para Eutanásia.
São usados em Pacientes Hígidos que irão fazer cirurgia eletiva (de rotina).
Não é aconselhável o seu uso em pacientes de risco.
São altamente lipossolúveis.
72 – 86% de ligação às proteínas plasmáticas (principalmente Albumina)
Hipoproteinemia: Teremos aumentada a taxa do fármaco livre.

Sulfonamidas, AINES: Competem c/ o Tiopental pelas proteínas plasmáticas acarretando um aumento da fração da droga livre na corrente sanguínea.

Aspirina e Cloranfenicol: Competem c/ o Tiopental pelas proteínas plasmáticas acarretando um aumento da fração da droga livre na corrente sanguínea. Competem tb pelo mesmo sítio de metabolização.

Obs: Pacientes obesos e anestesiados pelos barbitúricos devem ser observados devido ao seu acúmulo no tecido adiposo.

Não são bons analgésicos, mas promovem inconsciência à dor (o animal em si está inconsciente à dor, mas seu organismo responde normalmente à dor liberando corticóides, prostaglandinas … e isso prejudica o animal). Vale lembrar que o quadro de inconsciência à dor é diferente de analgesia !!!

Classificação

Química

São classificados em:

Oxibarbitúricos: Possuem oxigênio no Carbono 2

Tiobarbitúricos: Possuem enxofre no Carbono 2

Qnto mais Carbonos, maior é a potência
Núcleo Aromático: Dá característica de Convulcivante
Enxofre: Aumenta a lipossolubilidade
Duração

Ultra Curta (tempo de inconsciência de 15 – 30 min): Tiopental, Tiamilal, Metohexital.

Curta (60 – 120): Pentobarbital

Longa (+ de 2 horas): Amobarbital, Fenobarbital

Dose

Tiopental: 12,5 Mg/Kg IV c/ MPA

25 Mg/Kg IV s/ MPA (faz a 1a metade rápida para transpor o 2º estágio anestésico).

Diluição: 40 ml de água / 1 g Tiopental = 2,5%

Pentobarbital: 15 Mg/Kg IV c/ MPA

30 Mg/Kg IV s/ MPA

Obs: Promovem efeito acumulativo !!!!!

Farmacocinética

Metabolização

Sistema microssomal hepático (dessulfuração e oxidação)
Taxa de metabolização: 10 – 15%/Hora no Homem e 4%/Hora no cão.
Pode levar à tolerância com uso contínuo.
Meia Vida do Tiopental (t1/2b ): 5 a 12 horas.
Aumenta o efeito com a idade.
Eliminação: A eliminação se dá pelo sistema renal

Farmacodinâmica

SNC

Excitação durante a indução (pode ser evitada c/ MPA ou velocidade da administração da 1a metade)
Diminui o consumo de oxigênio cerebral (proteção neurovegetativa)
Diminui o fluxo sanguíneo cerebral (causado pela hipotensão)
Diminuição da pressão intracraniana, e conseqüentemente diminuição do líquor
Depressão do centro termorregulador
S. Cardiovascular (PRINCIPAIS DESVANTAGENS !!!!)

Aumento discreto da Fc, volume sistólico e do Débito Cardíaco (fase inicial devido ao bloqueio vagal, que favorece o simpático)
Depressão do centro vasomotor
Depressão do miocárdio e sensibiliza o miocárdio às catecolaminas
Diminuição do fluxo sanguíneo coronariano (podendo levar a hipóxia do miocárdio)
Diminuição da resistência vascular periférica e do retorno venoso
Diminuição da Pressão Arterial (por isso é considerado hipotensor).
S. Respiratório

Depressão do centro bulbar (apnéia)
Diminuição do volume minuto (volume de ar que ventilou os pulmões em 1 minuto)
Diminuição da freqüência respiratória
Diminuição da sensibilidade dos quimiorreceptores, q detectam alta de gás carbônico.
S. Gastrointestinal (Não é muito utilizado em cir. Intestinais)

Diminuição da motilidade e tônus
Diminuição das secreções de todas as glândulas do organismo
S. Urinário

Hipotensão e vaso constrição renal
Diminuição do fluxo plasmático renal
Diminuição da filtração glomerular e volume urinário
Aumento do ADH (hormônio Anti-Diurético)
Ùtero

Diminuição do tônus uterino, pois o útero precisa invaginar, e como isso não ocorre, aumenta o risco de piometra pós-parto.

Olhos

Midríase inicial, seguida de Miose
Diminuição na redução da pressão intra-ocular (Bom para glaucoma e ruim para Catarata q necessita de pressão intra-ocular alta, neste caso usar Ketamina)
Obs: Nos Barbitúricos qnto maior for a acidose do animal, maior será a fração livre do fármaco !!!!!!!!!!!!!!!

NÃO BARBITÚRICOS

Etomidato (mais usado como indutor e em pacientes cardiopatas,principalmente)

Derivado imidazólico carboxilato
Hidrossolúvel, porém instável em solução aquosa (propileno-glicol)
Não cumulativo; ultracurta duração
Alta lipossolubilidade, 65% de ligação às proteínas plasmáticas
t1/2a : 3 minutos (demora para chegar ao SNC)
t1/2b : 75 minutos (demora para exercer a função, ser inativado e eliminado pelos rins)
Não causa analgesia
Ausência de liberação de histamina (reduz o risco de hipotensão por possuir agentes vasodilatadores)
Obs: No caso de gestante, bom usar um não barbitúrico mais analgésico em infusão contínua. Isso evita o uso de inalatórios que podem ser abortivos e o uso de barbitúricos que leva a 100% de morte fetal.

Metabolismo

Estearases plasmáticas e hepáticas (hidrólise) – degradado em um certo período de tempo
Metabólito: ácido carboxílico imidazólico (80%)
75% excretado pela urina (3% sob forma inalterada); restante pelas fezes (bile)
Dose: 0,5 a 3mg/Kg

Obs: Qnto maior for a alcalose do animal, maior será a fração livre do fármaco.

Desvantagens (que podem ser reduzidas com o uso de MPA):

Inibição da síntese de cortisol (pois há supressão da adrenal)
Dor no local da aplicação; Tromboflebite
Mioclonias
Náuseas e vômitos
Obs: Por suas desvantagens, o seu uso só vale a pena se o paciente necessita da preservação cardíaca, ou seja, seja cardiopata !

Sistema cardiovascular (Principais justificativas para o seu uso)

Peq. Efeito sobre o sistema cardiovascular
Diminuição da pressão arterial
Aumento discreto da Fc, volume sistólico e débito cardíaco
Diminuição na resistência vascular periférica (vasodilatação que não chega a comprometer a volemia).
Sistema Respiratório (é um depressor + potente)

Diminuição do volume corrente e volume minuto (principalmente por redução da amplitude)
Aumento da freqüência respiratória
Sistema Gastrointestinal

Dimimuição da motilidade e tônus
Aumento das secreções após cessar administração (todas as glândulas).
Propofol

Diisopropil fenol – pH = 7,0
Baixa solubilidade em água
Veículo: óleo de soja, fosfolipídios, glicerol e lecitina de ovo (aspecto leitoso)
Infusão Contínua: Utiliza glicosado a 5%
SNC

Potencialização do GABA (deprime o SNC)
Diminuição da pressão intracraniana
Ação Antiemética
Efeito Miorrelaxante (dispensa o uso de miorrelaxante na MPA)
Maior depressão dos reflexos osteotendinosos e oculares, qndo comparado ao Tiopental
Analgesia satisfatória apenas c/ infusão contínua (tira a consciência da dor, mas não a resposta do organismo frente a dor, com liberação de endorfinas, prostaglandinas, cortisol ..)
Sistema respiratório

Apnéia velocidade dependente (maior a velocidade da aplicação, maior o risco de apnéia, como o Tiopental).
Diminuição da freqüência respiratória
Aumento da pressão de gás carbônico, podendo produzir acidose respiratória
Sistema cardiovascular

Diminuição da pressão arterial (deprime mais que o Etomidato, mas menos que o Tiopental).
Diminuição da sensibilidade baroreflexa (receptores de pressão)
Peq. Hipotensão em hipovolemia
Aumento da freqüência cardíaca (logo após a administração)
Diminuição da resistência vascular periférica
Diminuição do débito cardíaco (diminuição da pré-carga, q é o volume q volta ao coração, por efeito vasodilatador direto)
Não causa arritmias (diferente do Tiopental, q sensibiliza o miocárdio às catecolaminas)
Em doses equipotentes: depressão cardiovascular maior que a produzida pelo Tiopental
Aumento do fluxo sanguíneo coronariano
Farmacocinética

Clearence (depuração) no homem é 10x + rápido do que o Tiopental; sugerido sítios de metabolização hepáticos.
Metabolismo Hepático: Conjugação com o ácido glicurônico (produzindo metabólitos inativos)
Eliminação Renal ( – de 1% sob forma inalterada)
t1/2a : 2-8 minutos
t1/2b : 322 minutos em cães
Galgos despertam + lentamente (raças como whippet, collie …)
Faz ligação com as proteínas plasmáticas e eritrócitos (por isso o período de latência é rápido)
Potencialização por opióides (CUIDADO !!!! Alguns opióides são potentes depressores respiratórios)
Gatos se recuperam + tardiamente pelo Propofol possuir compostos fenólicos !!!
Dose: Indução: 5 – 7 mg/Kg c/ MPA SEMPRE! (Aumenta-se o risco de Apnéia)
Manutenção: 0,2 a 0,4 mg/Kg/minuto
Efeitos colaterais

Tremores (no momento da indução e constante no membro em q se está aplicando). Hipotermia
Dor no momento da injeção

COMPARTILHAR
Artigo anteriorDERMATITE SEBORRÉICA
Próximo artigoAFLATOXICOSE EM SUÍNOS
Marcelo é um profissional de Informática interessado em Internet, Programação PHP, Banco de Dados SQL Server e MySQL, Bootstrap, Wordpress. Nos tempos livres escreve nos sites trabalhosescolares.net sobre biografias, trabalhos escolares, provas para concursos e trabalhos escolares em geral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here