AS TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS NA ESCOLA

0
2868
DICAS PARA ANALISAR, COMPREENDER, E INTERPRETAR TEXTOS

AS TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS NA ESCOLA
Pedagogia (PED5311) – Informática Básica e Tecnologias na Educação

Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI
2010

RESUMO

Este artigo apresenta uma breve reflexão sobre as tecnologias disponíveis na escola e como são utilizadas por educadores em sua prática pedagógica. O uso das tecnologias vem gerando mudanças significativas nas instituições sobre as suas concepções, em especial a utilização dos computadores e da internet vem possibilitando ao educando construir o conhecimento de forma critica e criativa, reelaborando as informações coletadas para tornar o aprendizado significativo. Cabendo ao educador traçar os objetivos a serem alcançados e atuar com um facilitador e mediador neste processo.

Palavras-chave: Tecnologias; Desenvolvimento; Prática Pedagógica.

1 – INTRODUÇÃO

Em uma sociedade onde a tecnologia está presente de forma tão intensa, as informações são transmitidas rapidamente e a comunicação é a cada dia mais eficaz, não podemos conceber o ensino sem sua utilização como instrumento ou como recurso pedagógico. Levando em conta que grande parte da população tem acesso direto ou indiretamente à tecnologia e que os meios de comunicação são a preferência das crianças como fonte rica e dinâmica de informações.

Torna-se a cada dia imprescindível adequar a prática educacional, incorporando a utilização dessas tecnologias garantindo que todas as crianças tenham acesso. E também aprendam a utilizá-la como uma imensa fonte de informações e não apenas uma fonte de diversão a qualquer hora. Por isso o uso de tecnologias como o computador e a internet devem ser orientados e monitorados pelos educadores para direcionar os objetivos a serem alcançados pela criança. Contribuindo assim, em seu desenvolvimento de muitas habilidades e de estruturação lógica do pensamento.

2 – AS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

A tecnologia já está presente em nossa prática pedagógica, apenas precisamos nos dar conta disso e que diz respeito não somente ao uso de computadores, televisão, vídeo e internet, mas também são consideradas tecnologias os recursos e ferramentas que usamos para garantir o aprendizado dos educandos. Usamos em nossa prática diversas tecnologias de informação e de comunicação que podem ser visuais, impressas e digitais; os livros, revistas, jornais, a escrita no quadro-negro com giz, a organização da sala e de grupos, a televisão, o vídeo, o aparelho de som, o rádio, o computador, a maneira de explicar e até mesmo a expressão corporal.

A utilização dos recursos tecnológicos digitais na escola se torna um desafio e uma busca constante dos educadores, para acompanhar as mudanças e saber utilizá-los adequadamente. Seja usando o retro projetor ou o data show, o mimeógrafo ou o editor de texto do seu computador, cabe aos professores a tarefa de saber usar a tecnologia para enriquecer sua prática e mediar o desenvolvimento de habilidades e da estruturação lógica do pensamento de seus alunos.

De acordo com Valente (2002):¹
¹- VALENTE, José Armando. Pesquisa, comunicação e aprendizagem: o papel do computador no ensino-aprendizagem. Artigo publicado no livro: Integração das tecnologias na educação, referenciado neste artigo.

[…] o domínio do técnico e do pedagógico não deve acontecer de modo estanque, um separado do outro. É irrealista pensar em primeiro ser um especialista em informática ou em mídia digital para depois tirar proveito desse conhecimento nas atividades pedagógicas. O melhor é quando os conhecimentos técnicos e pedagógicos crescem juntos, simultaneamente, um demandando novas idéias do outro. O domínio das técnicas acontece por necessidades e exigências do pedagógico e as novas possibilidades técnicas criam novas aberturas para o pedagógico, constituindo uma verdadeira espiral de aprendizagem ascendente na sua complexidade técnica e pedagógica. […] respeito à especificidade de cada tecnologia com relação às aplicações pedagógicas. O educador deve conhecer o que cada uma dessas facilidades tecnológicas tem a oferecer e como pode ser explorada em diferentes situações educacionais. […] Mesmo com relação ao computador, existem diferentes aplicações que podem ser exploradas, dependendo do que está sendo estudado ou dos objetivos que o professor pretende atingir.

Com a adequação da prática pedagógica definindo claramente os objetivos, é de suma importância o educador garantir ao educando a possibilidade de produzir o conhecimento, agir e pensar criativamente, desenvolvendo senso crítico e iniciativa própria. Além de tornar o planejamento mais interessante e dinâmico, o professor assume um papel de mediador do conhecimento, e em muitos momentos precisa problematizar as informações para que as crianças reflitam.

Para garantir a utilização adequada desses recursos é necessário propiciar a comunicação, a troca de experiências, o debate, o confronto de opiniões para encontrar soluções para os problemas, criando conceitos de respeito, colaboração e coletividade no grupo de crianças.

Esta prática foi idealizada e vem sendo defendida e por muitos pesquisadores, afirmado que “com o auxílio de uma outra pessoa, toda criança pode fazer mais do que faria sozinha ainda que se restringindo aos limites estabelecidos pelo seu grau de desenvolvimento. O que a criança é capaz de fazer hoje em cooperação, será capaz de fazer sozinha amanhã” (VYGOTSKY apud, OZÓRIO, 1989 p. 89).

3 – OS RECURSOS TECNOLÓGICOS

São os instrumentos utilizados para organizar e produzir a comunicação, transmitindo conhecimentos. Sabendo que a linguagem é uma construção social simbólica usada para promover a comunicação entre os indivíduos, cabe ressaltar que os meios de comunicação utilizados possuem uma linguagem especifica, independente do objetivo traçado em sua utilização.

3.1 – O RÁDIO

Utiliza a linguagem auditiva, sendo muito popular e de fácil acesso. Além de transmitir música, entretenimento, noticiários e informações de um modo geral. A relação entre ouvinte e locutor é feita com o uso do telefone que usa a mesma linguagem ou através de carta com linguagem visual. Ainda temos os aparelhos de som, que reproduzem músicas e histórias narradas. Com este recurso o ouvinte é passivo, mas autônomo para viajar em sua imaginação e reelaborar o que está ouvindo. Uma grande vantagem de utilizar esse tipo de linguagem nas escolas é o de instigar a criatividade, as emoções e a imaginação. Como pontua Greenfield apud Souza (1988, p. 80), “as crianças usam mais seus próprios conhecimentos e experiências quando interpretam uma história radiada do que quando interpretam uma história televisada”.

Atualmente já temos diversas rádios – escolas em funcionamento em instituições educativas públicas. Onde alguns alunos sob a orientação de um professor organizam a programação, operam o sistema de transmissão e fazem à locução, com muita informação, música e divulgação dos talentos locais. Construindo uma identidade coletiva de valorização e incentivo nas comunidades que estão inseridas.

3.2 – A TELEVISÃO E O VÍDEO

Integra o uso das linguagens auditiva e visual, tornando-se possível associar imagens e sons, o que a torna uma linguagem complexa. A televisão e o cinema através desse recurso audiovisual prendem a atenção e desperta o fascínio dos espectadores. Esta linguagem costuma ser muito dinâmica, estimulando emoções e auxiliando no desenvolvimento da imaginação e da percepção.

O deslumbramento ocasionado pela televisão em crianças, jovens e adultos é imenso, porque trás uma mistura de informações verídicas e fictícias. Levando de forma passiva o espectador a se encantar pela história contada, despertando seus desejos e fantasias. É um recurso muito usado na escola para apresentar documentários, filmes e conteúdos que venham complementar ou exemplificar conceitos apresentados em sala para que estes sejam fixados.

3.3 – O COMPUTADOR

Emprega o uso da linguagem multimídia, que é a integração de textos, sons e imagens. Encontramos a linguagem multimídia nos software instalados no computador, na internet e CD-ROM. Nesta linguagem a uma relação ativa entre o emissor e o receptor, dependendo da prévia definição instalada no programa, podendo ser alterada pelo usuário conforme sua necessidade.

O computador em relação aos demais recursos tecnológicos educacionais está relacionado principalmente a sua característica de interatividade e a possibilidade de ser usado para facilitar de forma individual a aprendizagem do educando. Possibilita a utilização de vários programas ao mesmo tempo, o que o torna um utilitário concentrado de tecnologias. Podemos ouvir música, enquanto usamos o editor de texto, baixar fotos e imagens, falando com alguém que está longe através do microfone do computador entre outras funções, pesquisar de forma globalizada e ter acesso ao mais variado tipo de informação e entretenimento.

Como enfatiza Greenfield apud Souza (1988, p.108):

“[…] ao contrário da palavra escrita, o rádio tem dinamismo auditivo; pode apresentar o som em tempo real, com todas as qualidades dinâmicas. A TV e o cinema acrescentam à qualidade do dinamismo visual. Entretanto, não são nem interativos, nem programáveis. O computador baseia-se no dinamismo da TV, mas reúne estas duas qualidades”.

3.4 – A INTERNET

Devido ao crescimento do uso dos computadores surgiu uma nova linguagem chamada de hipertextual. E está vem alterando a maneira de leitura linear e seqüencial, propondo uma nova configuração na construção do conhecimento. Possui características distintas que o diferenciam das outras linguagens, os textos estão em constante construção, onde os conteúdos são interligados e dependem da ação do leitor em sua construção. Um bom exemplo de hipertexto é a wikipédia onde o leitor pode contribuir com seus conhecimentos a respeito de um determinado assunto. Os sites na internet também usam a linguagem hipertextual, trazendo informação e permitindo a utilização de diversas ferramentas complementares.

Mas essa linguagem começa a ser usada em alguns livros impressos, onde o leitor escolhe que capítulo quer ler, porque são independentes e costumam comentar os outros capítulos, sendo desnecessário fazer a leitura do livro inteiro. Com este recurso o leitor tem autonomia para atuar “como protagonista de uma construção em que, junto com o narrador, é o ouvinte que trabalha os fios e tece a narração seguinte” ( RAMAL apud SOUZA, 2002, p.174 ).

4 – CONCLUSÃO

De acordo com todas as informações dispostas neste artigo, nos dias atuais não podemos mais negar o uso das tecnologias em nossa prática. Como foi possível demonstrar, ela está presente em todos os recursos utilizados e não está apenas ligado ao uso do computador. É possível perceber claramente que a utilização de tecnologias como o computador, pode ajudar na aprendizagem das crianças, pois desperta grande interesse devido às infinitas possibilidades de utilização.

Assim como as crianças, todos os educadores precisam ampliar seus conhecimentos, incorporando as novas tecnologias a sua prática. Porque em uma sociedade moderna globalizada, o computador e a internet tornam-se facilitadores da comunicação entre as pessoas e ferramentas indispensáveis para a aquisição de informações. Dessa forma as tecnologias servem como um grande aliado para garantir o sucesso e a qualidade no desenvolvimento de habilidades e estruturação do pensamento lógico.

5 – REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. MORAN José Manoel (org.). Integração das tecnologias na educação: um salto para o futuro. Brasília: Ministério da Educação, Seed, 2005. Disponível em: http://www.redebrasil.tv.br/salto/livro.htm. Acesso em: 12 abr. 2008.

OZÓRIO, Marco. Computador na escola: objeto lúdico de pensar. Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, 1989. Disponível em: http://www.niee.ufrgs.br/Icieep/ponencias/dos-1.htm. Acesso em: 12 abr. 2008.

SOUZA, Alba Regina Battisti de Tecnologia, educação e aprendizagem: os desafios para o educador na era da comunicação e da informação. Caderno pedagógico I. Florianópolis: UDESC/CEAD, 2002.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here