DICAS PARA ANALISAR, COMPREENDER, E INTERPRETAR TEXTOS

Autoria: Messias Rocha Lira

Introdução
Origem da atmosfera

Durante muito tempo os cientistas investigaram a existência do ar. Criaram , então, uma teoria, ou seja, imaginaram uma explicação para a existência da atmosfera terrestre. Para melhor entendermos essa explicação vamos voltar à época em que a superfície da Terra começou a se resfriar. O resfriamento da crosta terreste produziu uma grande quantidade de gases e vapores. Uma parte dos vapores-d’água foi formando as nuvens e precipitando-se sob a forma da chuva, enquanto a outra ia ficando suspensa na própria atmosfera. Os demais gases, originados da “queima” das rochas, também iam fazendo parte da atmosfera primitiva. Assim, ela foi se transformando e se compondo dos mais diferentes gases, como o gás carbônico, o gás metano, o gás nitrogênio, o gás amônia e outros.
Nesta atmosfera primitiva, o “gás da vida”, ou seja, o oxigênio, do qual tanto necessitamos, ainda não existia.

Desenvolvimento

Como será então, que ele foi formado?
Para explicarem o aparecimento do gás oxigênio, os cientistas estudaram muito. Eles acreditaram que os próprios seres vivos que começaram a habitar o planeta foram os responsáveis pela transformação do seu ambiente e, fundamentalmente, da atmosfera.
Os cientistas imaginaram que grande quantidade de gás carbônico produzida pela “queima” das rochas tenha proporcionado aos primeiros vegetais uma grande atividade de fotossíntese. Assim, à medida que o gás carbônico era absorvido na fotossíntese, o gás oxigênio era produzido.
No ambiente primitivo, havia também muita atividade vulcânica, tempestades, raios e trovões. Esses e outros fenômenos foram ocorrendo na Terra, até que a atmosfera se tornou uma camada com algumas centenas de quilômetros de ar, envolvendo o planeta. Hoje, a atmosfera apresenta camadas bem distintas, que são caracterizadas, principalmente, pela composição do ar e pela altitude.
topo

Composição do ar atmosférico

A composição atual da atmosfera aresenta 78‰ de nitrogênio, 21‰ de oxigênio e 1‰ dos demais gases. Estas porcentagens significam que , em cada 100 litros de ar, temos 78 litros de nitrogênio, 21 litros de oxigênio e 1 litro de outros gases, entre eles o ozônio.

Utilidades:

O Nitrogênio é muito importante para a vida na Terra, porque é por meio dele que as plantas produzem suas proteínas. Por sua vez, as plantas são auxiliadas na absorção do nitrôgenio por algumas bactérias especiais que vivem em suas raízes.
O Oxigênio é fundamental para a respiração e essencial para que haja combustão (queima).
O Gás Carbônico é utilizado na fotossíntese para que o vegetal produza seu próprio alimento.
O Ozônio forma um camada protetora contra os raios ultravioletas provenientes do Sol.

O vento

O que é??
O ar, ou seja, a mistura de gases (principalmente nitrôgenio e oxigênio) que respiramos e que circunda a Terra como um imenso invólucro, mantém-se em contínuo movimento.
Os ventos consistem no deslocamento em sentido horizontal de grandes massas de ar, que se movem em torno da superfície terrestre a velocidades muito variáveis, abrangendo áreas cujas amplitudes são igualmente diversas.

Como surge??

Para compreendermos a formação dos ventos, é importante entendermos o comportamento do ar, que muda de acordo com a temperatura. O aquecimento da superfície terrestre faz com que a camada de ar próxima a ela se aqueça, causando op afastamento entre as partículas que a compõem. Consequentemente, no mesmo espaço ocupado pela camada, antes do aquecimento, teremos menor massa de ar, e a camada ficará menos densa, acarretando uma diminuição da pressão atmosférica local.
Forma-se, então, um centro de baixa pressão.
O ar frio, por sua vez, torná-se mais pesado, formando centros de alta pressão. Portanto, à medida que o ar quente sobe para a atmosfera, o ar frio toma o seu lugar. Esta movimentação do ar origina os ventos, que sopram, na superfície da Terra, dos centros de alta pressão para os de baixa.
Os maiores responsáveis pela poluição do ar são os gases lançados na atmosfera por queimadas, indústrias, automóveis, etc… Nas capitais mundiais, há dias que a condição do ar fica tão ruim que todos os veículos são proibidos de trafegar durante um certo período. Em muitas cidades há o rodízio de automóveis, que faz com que alguns carros fiquem em casa durante um dia. É uma tentativa para que a poluição diminua, principalmente no Inverno.
Nessa estação do ano, o calor da terra não consegue aquecer o ar para fazer com que ele suba para as camadas altas levando a poluição junto com ele. Além do clima, outro fator que influência na poluição é o regime de chuvas. O inverno seco no Sul e no Sudeste brasileiro; com isso, os poluentes ficam parados no ar por mais tempo.
Respeitar os sistemas contra a poluição é muito importante.
Você quer ou não quer viver em um mundo sem poluição?

Sinais de alerta

• A cabeça é a primeira a sentir os efeitos dos gases tóxicos. A concentração tende a diminuir, enquanto a irritação aumenta, devido à ação do gás carbônico emitido pelos escapamentos dos veículos. A dor de cabeça é outro sintoma.
• O nariz começa a escorrer, provocando coriza, por causa da inalação de óxidos nitrosos, hidrocarbonetos e ozônios presentes no ar poluídos.
• Os olhos ardem e ficam avermelhados, irritados pelas mesmas substâncias que atingem o nariz.
• A garganta começa a “raspar”. O quadro pode evoluir para tosse e dor de garganta, por causa da combinação entre o dióxido de enxofre e o ozônio aspirado do ar contaminados.
• Ao atingir os pulmões, os gases tóxicos podem causar mais problemas. E lá também se deposita a fuligem, um pó muito fino que sai dos escapamentos e carrega os poluentes. Juntos, eles diminuem a defesa do organismo e aumentam a possibilidade de problemas respiratórios, como bronquite e pneumonia.
• Problemas cardiovasculares aumentam cerca de 10 por cento em decorrência da poluição.

Efeitos da Poluição na atmosfera

Efeito estufa

A emissão constante de substâncias que poluem o ar, principalmente do gás carbônico, provoca o chamado efeito estufa. Este fenômeno ocorre, pelo acúmulo do gás carbônico na atmosfera, formando uma camada que retém o calor na Terra.
Os raios do Sol penetram na atmosfera, aquecendo a superfície das terras e dos mares. Uma parte do calor é absorvida pela superfície do planeta, e o restante, normalmente, sobe com as correntes de vento para a atmosfera. Este ar vai se resfriando à medida que aumenta a altitude. No entanto, quando a camada formada pelos poluentes não deixa o calor ser dispersado para as camadas mais altas da atmosfera, ela age como se fosse uma tampa sobre a Terra, provocando, assim, o aumento de temperatura.
Ainda não se sabe o quanto o efeito estufa é responsável pelo aquecimento anormal do planeta. Se a temperatura da Terra subir, como consequência deste efeito, os ecossistemas estarão ameaçados. Isto poderá fazer com que duplique o número de furacões existentes na Terra, antes mesmo de as águas oceânicas inundarem as cidades litorâneas, pelo degelo dos pólos.

Inversão térmica

Durante o dia, o ar próximo do chão é aquecido pelo calor da superfície do solo, como nos dias quentes. Por ser menos denso e mais leve, esse ar quente sobe.
A noite, o solo esfria rapidamente e a temperatura do ar que está mais próximo da superfície também diminui. Forma-se, então, uma camada de ar frio abaixo da camada de ar aquecida durante o dia.
No dia seguinte, a camada de ar frio, mais densa e pesada, não consegue subir, porque o ar quente funciona como um “tampão”: é a inversão térmica.
Em grandes cidades, com atividade industrial e numerosa frota de veículos, a camada de ar frio começa a concentrar os poluentes. A fumaça fica “presa” e contamina o ar.
Nos dias quentes é raro ocorrer à inversão térmica. Nesses dias os raios de sol aquecem a superfície terrestre. O chão transfere o calor para o ar acima dele. Esse ar aquecido, menos denso e mais leve, sobe e carrega os poluentes. Por isso o nível de poluição do ar costuma ser maior no inverno do que no verão.
Nos dias frios, o cenário muda, porque o clima fica propício para inversões térmicas. Forma-se uma camada de ar frio em baixas altitudes. Essa massa de ar não consegue subir e a qualidade do ar piora por causa da fumaça emitida por veículos e indústrias.
O ar frio é mais pesado do que o ar quente. Por isso ele tende ficar embaixo. Esse fenômeno ocorre em dias de inversão térmica, quando a camada de ar frio é bloqueada por uma de ar quente.
Em grandes cidades, como São Paulo, fica visível a “fronteira” entre as duas camadas de ar. Os veículos são os maiores responsáveis pela emissão de poluentes no ar em grandes cidades. Automóveis, caminhões e ônibus despejam todos os dias toneladas de gases tóxicos pelos escapamentos. Eles respondem por 90 por cento da poluição presente na atmosfera. O restante fica por conta das indústrias e outras fontes, como queimadas.
Em dias mais quentes, toda essa fumaça é dissipada na atmosfera e seus efeitos nocivos se tornam menores. No inverno, porém, a situação piora muito. A inversão térmica, um fenômeno natural nos dias frios, forma uma espécie de “cobertor” que impede que os gases tóxicos se dispersem. “Quando a camada mais quente do ar fica muito próxima da superfície, os problemas gerados pela inversão são preocupantes”, dizem alguns metereologistas.
Nesses dias, a concentração de poluentes é visível. Perto do solo, o ar é escuro e cheio de fumaça. Logo acima, o céu é azul. A linha que divide o ar sujo do ar limpo é a zona de transição do ar frio e o ar quente.

Camada de Ozônio

A estratosfera é uma das camadas da atmosfera que concentra a maior quantidade de ozônio, substância constituída por oxigênio.
Esta concentração do ozônio forma uma camada protetora contra os raios ultravioletas provenientes do Sol. O ozônio retém os raios ultravioletas, que, podem trazer vários prejuízos à saúde, como, por exemplo, afetar a transmissão dos caracteres hereditários, isto é, alterar as características dos seres vivos, como o nascimento de crianças com deformações. Estas radiações também podem provocar câncer, principalmente de pele, por ser ela a parte do corpo que fica mais exposta ao Sol. Além disso, a produtividade das plantas fica afetada, enquanto os vegetais marinhos, que sustentam a vida nos oceanos, crescem lentamente.
A diminuição do Ozônio, em algumas partes da atmosfera, é causada pela emissão de compostos químicos, criados artificialmente no século XX. É o caso do CFC, ou melhor, do clorofluorcarbono. Quando ele chega à estratosfera, reage como o ozônio, transformando-o em gás oxigênio.
O clorofluorcarbono é uma substância utilizada em sprays, no sistema de refrigeração de geladeiras, nas tintas, no ar-condicionado, em produtos de limpeza, em caixas de isopor, etc.
O chamado buraco de Ozônio é uma área, na atmosfera, onde houve a diminuição deste gás. A parte mais afetada está sobre a Antártida, região localizada no Pólo Sul.
Além dos problemas já mencionados, a destruição da camada de ozônio pode provocar mudanças radicais no clima, bem como o aquecimento do planeta, que contribui para o degelo das regiões polares. A diminuição na camada de ozônio foi descoberta depois que o satélite Nimbus-7 enviou fotos para análise dos cientistas.

Chuva Ácida

Os compostos lançados na atmosfera podem se combinar com o vapor-d’água ou com a própria água da chuva e formar substâncias altamente corrosivas, os ácidos.
Toda a chuva é naturalmente ácida, pelo fato de o gás carbônico, juntamente com a água, formar o ácido carbônico. Este ácido é considerado muito fraco e não causa grandes prejuízos.
Os compostos que contêm enxofre, provenientes das chaminés domésticas e industriais, ao se combinarem com a água da chuva, formam um ácido muito corrosivo, chamado de ácido sulfúrico. Esta é chuva realmente ácida, e os efeitos causados por ela são muitos. Ela provoca a acidez nas águas dos rios e lagos, matando os peixes, as algas, os moluscos, os crustáceos ou qualquer outra forma de vida. Ela também queima as folhas das árvores, corrói e desgasta monumentos e altera a pintura das fachadas dos edifícios. A chuva ácida acidifica também o solo e acaba com os microorganismos responsáveis pela fertilidade.

Conclusão

O ar é indispensável, sendo necessário à sobrevivência do planeta. Os seres vivos conseguem viver horas ou dias sem alimento, no entanto, sem ar se vive segundos ou no máximo, poucos minutos. O ar é imprescindível à vida e um direito de todos, sendo um bem ambiental. Pelo fato do ar atmosférico nos cercar de todos os lados é considerado bem ambiental por excelência. Isso é revelado no significado da palavra ambiente. No meio social, o ar é o próprio ambiente. Quando acontece a poluição deste ar atmosférico a pessoa humana sofre distúrbios, perdendo a boa qualidade de vida e o equilíbrio que é assegurado no artigo 225 da CF. O oxigênio que compõe o ar atmosférico é o gás fundamental para gerar a vida sendo via de conseqüência um bem difuso. Qualquer alteração em sua quantidade acarreta um desequilíbrio visível nos animais e nas plantas. A dignidade da pessoa humana está revelada na qualidade de vida que ela possui. A alteração do ar atmosférico abala a qualidade de vida e saúde da pessoa humana, fazendo desprender dela o estado de dignidade.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAtraz
Próximo artigoArmas Biológicas

Marcelo é um profissional de Informática interessado em Internet, Programação PHP, Banco de Dados SQL Server e MySQL, Bootstrap, Wordpress. Nos tempos livres escreve nos sites trabalhosescolares.net sobre biografias, trabalhos escolares, provas para concursos e trabalhos escolares em geral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here