DICAS PARA ANALISAR, COMPREENDER, E INTERPRETAR TEXTOS

Tempo da Camisolinha – Mário de Andrade

Mário de Andrade, no conto Tempo da Camisolinha, da obra Contos Novos, assume um foco narrativo em primeira pessoa, com narrador participante, que, simultaneamente, é o protagonista da narrativa. A narrativa, por sua vez, é posterior aos fatos: o narrador adulto conta sua experiência infantil. Apesar de os fatos estarem distantes no tempo, estão próximos emocionalmente.

Para contá-los, o narrador envolve-se tanto, que assume a linguagem da criança e expressa suas emoções e interrupções por meio de sinais de pontuação subjetivos, como reticências e exclamações: “(…) davam nela, machucavam muito ela, isto é … muito eu não queria não, só um bocadinho, que machucassem um pouco, sem estragar a cara tão linda da pintura, só pra minha madrinha saber que agora que eu tinha a boa sorte, estava protegido e nem precisava mais dela, tó! ai que saudades das minhas estrelas-do-mar! (…)” “(…) eu bem não queria pensar, mas pensava sem querer, deslumbrado, mas a boa mesmo era a grandona perfeita, que havia de dar mais boa sorte pra aquele malvado de operário que viera, cachorro! dizer que estava com má sorte! Agora eu tinha que dar pra ele a minha grande, a minha sublime estrelona-do-mar!…”

A apresentação do conflito não é a tradicional, já que, inicialmente, o narrador não parece ter a preocupação de situar o leitor no tempo e no espaço; não se preocupa em conduzir o texto para que o leitor o assimile de forma segura. “A feiúra dos cabelos cortados me fez mal.”: tal colocação não conduz o leitor ao assunto diretamente. Posteriormente, saberemos que os “cabelos cortados” foram os dele.

O narrador parte de suas próprias experiências; o corte dos cabelos trouxe-lhe uma “noção prematura de sordidez dos nossos atos” ou “da vida”. A criança não queria seus cabelos cortados; isso lhe trouxe sofrimento, mas a justificativa recebida foi que deveria ficar homem. Isso, em vez de animá-lo, apavorava-o, pois uma criança de três anos não queria ser homem; queria ser apenas criança. É o início, assim, de uma das abordagens contidas no texto: o pré-estabelecido, o convencional, as regras fundamentais, que devem ser sempre seguidas por alguém que deseja fazer, coerentemente, parte da estrutura social. É “sórdido”, como nos coloca o narrador, um menino ter cabelos “dum negro quente, acastanhados nos reflexos”, principalmente se “caíam pelos ombros em cachos gordos, com ritmos pesados de molas de espiral”. A reflexão que nos fica é se o que é sórdido é a imposição, ou a delicadeza dos cachos… Tal fato se torna tão marcante, que, já homem, os cachos tornaram-se a lembrança de um “engano grave”, que o fizeram destruir o quadro que ainda continha essa lembrança. No corte dos cabelos, não são apenas eles que são destruídos, mas o “olhar manso, um rosto sem marcas, franco, promessa de alma sem maldade”. O que fica é o homem que acha “besta” a camisolinha conservada pela mãe para que economizasse. O adulto, que agora é, tenta-se justificar pelo que ele foi (“Guardo esta fotografia porque si ela não me perdoa do que tenho sido ao menos explica”). A criança, forçada a virar homem aos três anos, passa a ter um “quê repulsivo de anão”. É nítida a comparação que faz entre ele e o irmão, Totó.

O irmão mantém o ar sem malícia e infantil; parece não ter sofrido a repressão vivida pela personagem protagonista. Ao caracterizá-lo como “criança integral”, reforça as perdas sofridas pelo narrador; nesse momento, a idéia dos cachos retorna à mente do leitor: o problema reforça-se como moral, não como físico; com os cabelos, perdeu-se a pureza. O personagem narrador – a “monstruosidade insubordinada”, revelada pelos “olhos que espreitam” – contrapõe-se ao irmão, “a própria imagem da infância”. Num momento de “flash-back”, o narrador reflete sobre o valor dos signos do passado (“não sei por que não destruí em tempo também essa fotografia”): é a forma de buscar-se e encontrar-se nas reminiscências. É como se fosse capaz de perceber que a foto era a comprovação da repressão e seus resultados: o que fazer diante disso? … a sensação da incapacidade de reagir… Quando o leitor entra em contato com tudo isso, sente que os cachos cortados são ponto de partida do enredo. O fluxo de consciência vai tomando maior espaço à medida que incomoda o narrador. “Voltemos ao caso que é melhor”: prefere interromper as reflexões a deparar-se, possivelmente, com o que não quer ver… Nessa repressão tão sofrida, o pai é elemento desencadeador de todo o processo: “meu pai suavemente murmurou uma daquelas suas decisões irrevogáveis”.

A antítese marca a introdução do pai no enredo – suave e irrevogável; nesse caso, a suavidade não se liga à delicadeza, mas ao fato de não haver discussão nas decisões por ele tomadas. A maior revolta do menino é não ter nenhuma participação nisso: “Deixassem que eu sentisse por mim, me incutissem aos poucos a necessidade de cortar os cabelos, nada: uma decisão à antiga, brutal, impiedosa, castigo sem culpa, primeiro convite às revoltas íntimas (…)”. A reação do narrador é de “monstruosidade insubordinada”, voltando-se contra o cabeleireiro; a dificuldade de lembrar é grande, já que a resistência a tudo isso se mantém até hoje (“Tudo o mais são memórias confusas ritmadas por gritos horríveis (…)”). A seleção de vocabulário é pesada porque a dor também é: “cadáveres de meus cabelos”, “um não-conformismo navalhante”… e a reação do menino é de pranto. Nota-se que o que dói mais é a troca proposta pelos adultos: presentes, gozações, espelhos. Ninguém tenta entender a dor do garoto. Na relação indivíduo/mundo, a reação do indivíduo é a revolta: nasce o homem – como queriam os “outros” – mas é alguém “cheio de desilusões, de revoltas, fácil para todas as ruindades”, com lembranças infantis desagradáveis, cujo único elemento restante foram “as camisolinhas”, tão detestáveis quanto todo o resto.

A figura paterna não afeta apenas o menino, mas também a mãe: depois de um parto desastroso, movia-se “premiada pelas obrigações da casa e dos filhos”. A idéia de “obrigação” intensifica-se ao longo das ações dela (“menos tratava da casa que se iludia, consolada por cumprir a obrigação de tratar da casa.”). A atitude do pai diante do sofrimento materno é exposta de forma irônica: “Diante da iminência de um desastre maior, papai fizera um esforço espantoso, o seu ser que só imaginava a existência no trabalho sem recreio, todo assombrado com os progressos financeiros que fazia e a subida de classe.” Observa-se o antagonismo de interesses entre esses elementos do mesmo ciclo familiar: a criança, preocupada apenas com a própria dor (tal egocentrismo reflete-se, inclusive, nas reminiscências do narrador, que não consegue lembrar-se, exatamente, do que ocorria com sua mãe – “(…) não sei direito…” -; a mãe, preocupada com suas obrigações para com a família; o pai, preocupado com os “progressos financeiros e a subida de classe”. O que vemos, portanto, é a família conservadora burguesa.

Para melhorar o estado de saúde de sua mãe, vão para a praia. A mudança de espaço não mudará esse quadro familiar. Observa-se isso, por exemplo, no quadro de Nossa Senhora do Carmo (trazido da cidade para a praia), utilizado para ameaçar e amedrontar o menino (“Meu filho, não mostra isso, que feio! repare: sua madrinha está te olhando na parede!”). Diante disso, o menino não se submete, pois desafia a “madrinha santa”, quando a mãe não está olhando (“Tó! que eu dizia, olhe! Olhe bem! Tó! olhe bastante mesmo!”).

Nessa mudança de espaço, as poucas mudanças de atitudes são apenas aparentes: a mãe “sentia um prazer perdoável de representar naquelas férias o papel largado de convalescente”; o pai “deixara menos pai, um ótimo camarada com muita fome e condescendência”. O que se nota é que pai e mãe precisam de motivos, “desculpas”, para se comportarem de modo diferente, enquanto que o filho mantém sua personalidade rebelde, avessa ao formal. Os operários trabalhadores do canal reforçam a hierarquia que a criança já observava na família, já que tratavam melhor a ele, “filhinho de ‘seu dotô’, do que aos próprios filhos”: como diz o próprio narrador, agiam “proletariamente”…

Tudo isso se segue de um fato novo que modifica o ritmo do enredo: o garoto é presenteado com três estrelas-do-mar por um operário, que lhe diz que as mesmas dão boa sorte. A posse das estrelas-do-mar tornou-se algo fundamental para a criança: constituíam-se num segredo. Não sendo necessário dividi-las ou partilhá-las com alguém, tornam-se algo só seu, capaz de dar a boa sorte prometida e protegê-lo de qualquer infortúnio: “Comer? pra que comer? elas me davam tudo, me alimentavam, me davam licença para brincar no barro, e si Nossa Senhora, minha madrinha, quisesse se vingar daquilo que eu fizera pra ela, as estrelas me salvavam, davam nela (…)” Porém, a posse das estrelas é momentânea; a felicidade é momentânea. Ao ver, na praia, um operário triste, queixando-se da sua má sorte, a criança sente-se na obrigação de ceder-lhe sua estrela-do-mar (de início, a pequena, mas, depois, sabia que devia ceder a maior: “(…) aquele homem com tantos filhinhos pequenos e aquela mulher paralítica na cama!… e no entanto eu era feliz, feliz e com três estrelinhas-do-mar pra me darem sorte…”).

Se, no início do conto, o embate da criança era com o mundo, agora, é consigo mesma, quando descobre que até dentro de si as coisas não são harmoniosas: ao mesmo tempo que deseja as estrelas, que quer as três – que, para ele, representam a suprema felicidade -, incomoda-se com o sofrimento do operário. Dolorosamente, acaba deixando sua vontade de lado e entrega-lhe a estrela: “Tome! Eu soluçava gritado, tome a minha… tome a minha estrela-do-mar! dá… dá, sim, boa sorte!…”. Tal atitude não deixa – ao contrário do que se poderia esperar de uma narrativa moralista tradicional – o garoto satisfeito consigo mesmo, já que foi tão altruísta. O que ocorre, na verdade, é um imenso sofrimento, arrependimento (“eu sofria arrependido”), que ele não consegue conter: “Eu corri pra chorar à larga, chorar na cama, abafando os soluços no travesseiro sozinho.”. À sua maneira, a narrativa torna-se cíclica: o sofrimento vivido com a perda dos cachos castanhos retorna na perda da estrela-do-mar… é o homem que se forma através de perdas sucessivas, de sofrimentos contínuos, “no infinito dos sofrimentos humanos”.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorTEMPO DAS FRUTAS – NÉLIDA PIÑON
Próximo artigoTEMPO DE CAMISOLINHA – MÁRIO DE ANDRADE
Marcelo é um profissional de Informática interessado em Internet, Programação PHP, Banco de Dados SQL Server e MySQL, Bootstrap, Wordpress. Nos tempos livres escreve nos sites trabalhosescolares.net sobre biografias, trabalhos escolares, provas para concursos e trabalhos escolares em geral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here