VIDRO, ARQUITETURA E A DECORAÇÃO

0
2979
DICAS PARA ANALISAR, COMPREENDER, E INTERPRETAR TEXTOS

VIDRO, ARQUITETURA E A DECORAÇÃO

O VIDRO COMO ACESSÓRIO DO MOBILIÁRIO

O Vidro, a Arquitetura e a Decoração

“O fascínio que o vidro sempre exerceu sobre os arquitetos e decoradores deve-se ao seu aspecto e às suas funções, por vezes complementares e contraditórias, que o tornam um material mágico. A história do vidro é a história da transparência que deixa passar a luz e o olhar, e que, simultaneamente separa e isola. Em resumo, o vidro enquanto suporte de transparência pode ser trabalhado para fins decorativos. Os artistas da construção e da composição de interiores dedicam-se à exploração dessas características esculturais para produzirem hoje envolventes fachadas em vidro e projetos de decoração, jogando ainda com tonalidades e sutis transparências.” Anuário de Tecnologia e Vidro.

Tipos de vidro:

Antivandalismo

Os vidros antivandalismo são projetados para frustrar ataques rápidos, utilizando meios limitados – como, por exemplo, o lançamento de pedra – e conservar o fechamento do vão, sem o desprendimento de pedaços do vidro, enquanto se aguarda sua reposição. Evita-se dessa maneira o roubo, a deterioração dos objetos pelas intempéries e os fragmentos de vidro espalhados.

Geralmente são compostos por três ou mais laminas de vidro intercaladas por camadas plásticas espessas (ou reforçadas). A composição dos vidros anti balas varia de produtor para produtor. Para obter maior resistência, alguns fabricantes utilizam vidros temperadas ou semitemperados em sua composição.

Aplicação

A vidro antivandalismo, em vidros planos ou curvos, é recomendado para:

• vitrines de lojas de alto luxo;
• relojoarias, lojas de bijuterias,

Joalherias e ourivesarias;

• Casas de armas;
• Lojas de antigüidades;
• Cadeias;
• Casas de cambio;
• Hospitais psiquiátricos;
• Cabines de pedágio;
• Jaulas envidraçadas para animais selvagens.

Blindados

Chamados também de vidros blindados ou à prova de balas, são projetados para oferecer proteção contra disparos de armas de fogo ou objetos lançados contra ele.

Geralmente são compostas por varias lâminas de vidro, intercaladas por camadas plásticas reforçadas. As camadas plásticas amortecem o impacto, absorvendo a energia, enquanto o vidro oferece resistência ao projétil.

Composição

A composição dos vidros antibalas varia de produtor para produtor. Para se obter maiores resistências com menores espessuras utilizam-se, em uma ou mais camadas, o policarbonato. Esse recurso é usado principalmente em automóveis; entretanto, deve-se espera-se que o vidro adquira uma tonalidade amarelada com o passar do tempo.

Espessuras

Quando não utilizam laminas de policarbonato em sua composição, a espessura é diretamente proporcional a sua resistência. Dessa forma, enquanto o vidro com 22mm de espessura resiste, na maioria dos casos, até três tiros de revolver calibre 38, sem ser perfurado, um vidro com 60 mm de espessura é capaz de suportar a fuzis de guerra, classe 5.

Película interna

Outros produtores utilizam um filme transparente aplicado no lado interno do vidro antibalas. Esse recurso é utilizado para evitar os jatos de pó de vidro que geralmente ocorrem na face oposta do vidro onde ele é atingido pelo projétil, podendo atingir os olhos da pessoa que esta sendo protegida.

Aplicações

Aplicados em guaritas ou carros blindados, os vidros resistentes a balas permitem defesa contra diversos tipos de arma de fogo, ao mesmo tempo em que permitem a visibilidade. Tais fatores associados aumentaram o fator segurança, permitindo o acompanhamento ou gravação, por vídeo, de todos os acontecimentos.

Na proteção de guaritas geralmente é composto por uma lâmina de vidro refletivo, que oferece privacidade e conforto térmico ao ambiente interno.

O vidro resistente a balas, em vidros planos ou curvos, é recomendado para:

* veículos blindados;
* guichês de bancos;
* postos de gasolina;
* casas de cambio;
* cabines de pedágio;
* quaisquer locais onde armas de fogo ou objetos atirados possam atingir o material de envidraçamento.

Colorido

Além da aplicação artesanal de tintas especiais para vidros e do processo de serigrafia, existem três formas de produção industrial de vidro colorido: aplicação de aditivos na massa; deposição de camada reflexiva; laminação com película plástica colorida.

Coloridos na massa

Os vidros impressos e float coloridos distinguem–se dos incolores pelo fato de aditivos minerais serem incorporados em suas composições, conferindo-lhes, de um lado, coloração e, de outro, proporcionando-lhes um mínimo de radiação solar.

São produzidos nas cores fumê (cinza), bronze, verde e azul.

Reflexivos

Chamados comumente de vidros espelhados, os refletivos pirolíticos são os vidros para controle solar que se destacam pela resistência de sua camada metalizada e pela sua alta transmissão luminosa.

Tanto pelo processo a vácuo quanto pelo processo de vidros pirolíticos, os vidros refletivos adquirem diversas cores por reflexão.

Além do efeito estético que proporcionam, principalmente a fachadas, barram grande parte da radiação solar e parte da transmissão luminosa, permitindo economia de energia elétrica através de menores gastos com os sistema de ar condicionado.

Laminados

Tanto os vidros laminados com Polivinil Butiral (PVB) quanto os vidros laminados com resina permitam a criação de uma infinidade de cores.

Na laminação com PVB são feitas combinações de cores básicas para se formar a cor desejada, enquanto na laminação com resina os pigmentos são misturados com a própria resina antes da laminação.

Recentemente foi lançado uma linha de laminado que, alem de permitir a criação de cores, possibilita a criação de uma dezena de texturas padronizadas através de uma aplicação de um filme rígido entre películas plásticas. O produto permite, ainda, a adoção de cores diferentes nos dois lados do mesmo vidro.

Craquelados

Vidros craquelados são vidros laminados composto por uma camada de vidro temperado com duas laminas externas de vidros comuns. (float).

No processo de produção do craquelado, o vidro temperado interno é quebrado e fragmenta-se, ficado aderido a película plástica e preso às laminas externas.

Aplicações

O que se obtém com o processo é um chapa de vidro de segurança com textura composta por uma infinidade de trincas que difundem a luminosidade do ambiente, o que lhe confere um aspecto diferenciado e curioso.

O vidro craquelado pode ser utilizado em todas as aplicações do laminado, com especial destaque para tampos de mesa, divisórias, móveis e pisos. Pode ser produzido em inúmeras cores alterando-se, para isso, a cor do PVB ou dos pigmentos da resina.

Curvos

Vidros podem ser curvados com diversas inclinações ou moldados de diversas formas.

Embora alguns acreditem trata-se de uma técnica de beneficiamento inovadora e ainda não testada na prática, os vidros curvos estão muito mais próximos de nossa realidade.

Um exemplo de vidros curvos que fazem parte do dia a dia das pessoas (sem que estas dêem conta disso) são os para brisas de automóveis. Trata-se de vidros que passaram por um processo de curvatura, seguido de laminação. Da mesma forma, os curvos podem ser utilizados sem receios na construção civil ou na decoração de ambientes.

Aplicações

No setor de arquitetura, os vidros podem ser curvados e laminados para acompanharem a fachada dos edifícios ou serem aplicados em guarda corpos circulares. Podem também compor clarabóias ou coberturas. Os vidros possuem durabilidade muito superior à dos policarbonatos que, quando submetidos à curvatura, criam tensões que levam a deterioração do material em pouco tempo.

No setor de decoração e na indústria moveleira, os vidros curvos podem ser temperados e utilizados como base em portas de móveis, em estantes e em boxes de banheiro, que têm a propriedade de economizar espaço em ambientes pequenos.

Produção

Em seu processo produtivo, uma chapa de vidro plano é colocado sobre um molde previamente preparado e instalado dentro de fornos especiais. O vidro é então aquecido a alta temperatura, que faz com que tome a forma do molde. A seguir o vidro é resfriado e recupera sua rigidez.

Decorativos

Linha completa de vidros decorativos com várias opções de acabamento para uso na composição dos mais diversos tipos de ambiente, podendo satisfazer os mais exigentes padrões de beleza e qualidade.

Aplicações: Portas, mesas, estantes, divisórias, etc.

Degrau de Vidro

Corretamente dimensionados, os vidros laminados ou multilaminados podem se utilizados em pisos e degraus de escadas e até mesmo em passarelas feitas periodicamente com vidro. Pela falsa impressão de fragilidade, provocam reações diversas nos usuários.

Além de propiciar um aspecto inovador a qualquer ambiente, escadas de vidro podem satisfazer às necessidades de transparência e de luz em determinados locais.

Os degraus de vidro são compostos por três ou mais laminas de vidro com a espessura mínima de 8 mm em cada lâmina. Elas são intercaladas com uma camada de PVB ou resina, transparentes ou coloridas. Em alguns casos utiliza-se também pisos com duas lâminas de vidro com 10 mm cada (total 20 mm).

Alguns produtores preferem utilizar lâmina de temperados na composição de degraus para garantir maior resistência contra choques de todos os tipos. Os vidros craquelados, com sua textura diferenciada, também podem ser utilizados para essa aplicação.

Para tornar os degraus mais ásperos, evitando escorregões, alguns produtores possuem recursos para essa finalidade.

Para fazer uso do vidro em degraus, é preciso calcular qual será o esforço a que cada chapa será submetida e como estará apoiada para receber esse esforço.

É importante ressaltar que utilizar qualquer tipo de vidro por questão de economia ou dimensionar mal a espessura ou apoio dos multilaminados para colocar em risco de ferimento as pessoas que irão utilizar o produto instalado.

Duplos

O vidro insulado também é denominado vidro duplo ou sanduíche de vidros. Na verdade, trata-se de um sistema duplo de envidraçamento que permite aliadas vantagens técnicas e estéticas de pelo menos dois tipos de vidros, com o beneficio da camada interno ou com gás.

O sistema é insuperável quando a intenção de especificador é aproveitar o Maximo a luz natural, com o bloqueio do calor proveniente da radiação solar.

Propriedades

Permite combinar, também vidros com propriedades diferentes, aproveitando características de cada um, como, por exemplo, a resistência dos vidros temperados (externamente) com a proteção térmica e acústica e a segurança dos vidros laminados reflexivos (internamente).

Dupla selagem

O vidro duplo é o conjunto de, pelo menos, dois vidros separados por uma câmara preenchida com gás ou ar desidratado. O conjunto é garantido pela dupla selagem: a primeira, para não haver troca gasosa; a segunda, para garantir a estabilidade do conjunto.

Internamente ao perfil de alumínio, há um hidrossecante, o qual a completa existência de vapor d água, impedindo seu embasamento. Esse sistema faz com que o insulado seja um ótimo isolante térmico e acústico.

A utilização de gases especiais confere maior performance térmica ou acústica.

Combinações

O sistema pode ser composto por qualquer tipo de vidro, garantindo e melhorando as características dos vidros que o compõe.

Também pode ser equipado com persianas internas, que se abrem e fecham através de um sistema magnético ou com pinázios internos, que dão ao conjunto um efeito estético diferenciado.

Conforto

O duplo envidraçamento traz, como vantagens, conforto acústico e térmico.

O conforto acústico é obtido principalmente com a associação de ar com os vidros de espessuras diferentes ou, melhor ainda, com a utilização de vidros laminados em uma das faces.

O conforto térmico é obtido com a redução da troca de calor dos vidros com o ambiente, tornando-o ideal para lugares quentes, frios ou que altas variações térmicas. Tal característica isolante proporciona também economia na climatização de ambientes.

É indicado para fachadas de todos os tipos, coberturas, divisórias e refrigeradores expositores de produtos.

Insulado com persiana interna

O insulado (ou duplo) com persiana entre vidros é uma das mais recentes novidades nacionais do setor. O sistema permite reunir todas a vantagens obtidas com vidro insulado, acrescida do controle da luminosidade e privacidade.

Como funciona

Uma micropersiana com laminas de 12,5 mm foi desenvolvido para funcionar no interior da câmara de vidro insulada – vidros duplos – ou seja, selada e dotada de produtos que eliminam a umidade interna.

Esse conjunto modular é padrão é idêntico em todos os modelos. Seu sistema mecânico de sustentação e regulagem das lâminas fica selado entre vidros, isolado do ambiente externo.

O sistema de acionamento é feito por um mecanismo magnético que dispensa furos no vidro, o que garante total isolamento da persiana. O usuário pode optar pode optar pelo acionamento por cordão continuo e, depois, evoluir para o uso motor que é fixado no vidro com adesivo VHB, sem interferir no mecanismo interno.

O principio de acionamento da persiana entrevidros é por comando magnético, isto é, um imã externo ao vidro gira e, através de sua força magnética, arrasta o imã do lado interno do lado do vidro. Tal sistema oferece dupla vantagem: comandar o movimento sem exigir furos ou partes mecânicas atravessando o vidro e também exercer a função de uma embreagem, protegendo a persiana de qualquer força excessiva aplicada, evitando que a persiana interna seja submetida a um esforça acidental, garantindo longa durabilidade.

O vidro insulado com persiana pode ser instalado como se fosse um vidro comum, em caixilhos ou em qualquer vão. Por se tratar de um vidro insulado, proporciona isolamento térmico e acústico ao ambiente interno.

Por ter dimensões reduzidas, ele entra em caixilhos convencionais, desde que esse aceite conjunto de vidro e persiana, no limite de até 28 a 30 mm.

Aplicações

O produto amplia as aplicações possíveis para o vidro, por oferecer vantagens de:

• garantir a privacidade de um ambiente;
• garantir total controle da luminosidade;
• isolar térmica e acusticamente o ambiente;
• não acumular poeira, fuligem ou gordura entre as laminas da persiana;
• combinar esteticamente com a fachada com a fachada ou com a decoração interna pela a utilização de cores;
• possuir grande durabilidade.

Possibilidades

Embora o princípio de instalação seja relativamente simples, permite aplicações sofisticadas. Utilizando-se do sistema motorizado por exemplo, o acionamento por ser feito por botão, por controle remoto ou por uma central programável.

Permite a abertura e regulagem de persianas ou controle por um sistema inteligente, podendo ter uma regulagem por tempo, por luminosidade, para atender ao conforto térmico ou obedecendo qualquer lógica escolhida pelo usuário do produto.

Laminados

O conjunto de duas ou mais chapas de vidro que tenham sido submetidas a um processo de laminação – onde são unidas por uma película plástica ou acrílica – passa a ser chamado de vidro laminado.

O vidro laminada atende as exigências mais especiais de segurança, controle sonoro, controle de calor (quando associada a um vidro reflexivo) e da radiação ultravioleta.

Caso o vidro laminado se quebre, seus fragmentos permanecem presos a uma película plástica intermediária, reduzido as chances de acidentes. Tal película possui alta resistência elástica, absorvendo impacto de objetos o impacto de objetos que podem quebrar o vidro. Essa característica garante que o vão fique indevassável, ou seja, que evite a passagem até que seja providenciada a substituição por outro vidro.

A película plástica do laminado com Polivinil Butiral (PVB) filtra até 99,6% dos raios ultravioletas (radiação abaixo dos 360 nanômetros), os principais responsáveis pelo descoloramento de móveis, tecidos e objetos.

Os laminados possibilitam, também, uma redução de ruídos indesejáveis, bem superior à dos vidros monolíticos. Esse desempenho superior deve-se ao amortecimento das vibrações sonoras no vidro e, principalmente, em sua película plástica.

Produção

Existem atualmente duas formas de produção de vidros laminados, com Polivinil Butiral (PVB) e com resina.

A laminação com PVB é utilizada há mais tempo e é adotada pelas grandes empresas vidreiras para aplicação nas setores de construção civil e automobilístico.

A laminação com resina, por sua vez, é mais recente, possibilita a criação de maior variedade de produtos e, no Brasil, foi adotada pelas indústrias de médio porte no setor.

Independente do tipo de laminação utilizado, os vidros laminados são oferecidos em uma infinidade de cores.

O vidro laminado pode ser encontrado em duas versões: laminado simples e laminado duplo.

O laminado simples é composto por duas laminas de vidro e uma película plástica. O laminado múltiplo é normalmente utilizado onde se necessita resistência a balas, a impacto ou a altas pressões, como em guaritas blindadas, visores de piscina, pisos de vidros, vidros anitivandalismo. Cada um desses produtos utiliza uma composição que lhe garante melhor desempenho para a finalidade proposta.

Os vidros laminados podem ser fabricados com os seguintes tipo de vidro:

• vidro float recozido, temperado ou curvo;
• vidro refletivo off line ou metalizado a vácuo;
• vidro refletivo on line ou pirolítico;
• espelhos.

Algumas composições e sistemas de combinações de vidros laminados ganharam personalidade própria e, apesar de serem obtidos pelo processo de laminação, tornam-se mais conhecidos no mercado pelos seus nomes próprios, como é o caso do vidro resistente a balas, do vidro antivandalismo, do vidro craquelado e dos visores de piscinas. O vidros laminados de temperados, por sua vez, destacam-se por aliarem a segurança dos vidros laminados à resistência dos temperados.

Laminado de impressos

Está acontecendo na mercado uma descoberta do vidro impresso. Esse vidro que era limitado a poucas aplicações na construção civil esta ganhando, nos últimos anos, espaço cada vez maior na arquitetura e na decoração de ambientes.

Um dos fatores que contribuíram para isso foi o desenvolvimento das técnicas de laminação. Com ela os vidros impresso ganharam inúmeras possibilidades de cores e puderam ser aplicados em locais antes nunca imaginados, como:

• fachadas
• guarda copos
• pisos
• revestimentos de paredes
• balcões

Essa tendência pode ser confirmada durante a ultima Glass South América, a principal feira no setor de vidros planos, realizada no Transamérica Expo Center, em São Paulo.

Ali os laminados de impressos estiveram presentes em vários estandes, com varias combinações diferentes.

A grande variedade de texturas de vidros permite sempre a realização de combinações inusitadas, principalmente é utilizada a laminação com PVB ou resina coloridos.

Lapidado

Para a maioria das aplicações, os vidros float, impressos ou espelhos precisam receber tratamento de bordas para que não causem ferimentos e para que ganhem maior resistência, evitando surgimento de trincas.

Alguns tratamentos proporcionam um aspecto nobre e diferenciado às peças. É o caso dos vidros e espelhos bisotados ou lapidados.

Bisel

Biselado ou Bisotê referem-se ao mesmo tipo de corte chanfrado, feito em um extremidade do vidro ou espelho. O palavra bisel significa chanfradura ou corte obtuso. Na verdade o efeito não é produzido através do corte, mas sim pela lapidação ou polimento da superfície do vidro por meio de máquinas especiais e reboulos diamantados.

Lapidação

De forma semelhante à produção dos vidros bisotês (ou biselados) acontece à produção de vidros de bordas lapidadas. Existem diversos tipos de acabamentos possíveis, denominados por nomes como Bico de Águia, Meia Cana, 2G, 3G e outros.

Geralmente os vidros lapidados ganham também recortes especiais em seus cantos e são utilizados em tampos de mesas, tampos de pias, prateleiras, esculturas e móveis em geral. As combinações dos tipos de cantos com os tipos de lapidações permitem a criação de uma grande variedade de modelos.

Piso de Vidro

Corretamente dimensionados, os vidros laminados podem ser utilizados em pisos e degraus de escadas e até mesmo em passarelas feitas predominantemente com vidro.

Além de proporcionar um aspecto inovador a qualquer ambiente, os pisos de vidro podem ser utilizados para iluminar de forma diferenciada, expor produtos e ainda aproveitar a iluminação natural.

Instalados em locais que possuem certa altura, provocam reações diversas nas pessoas que estão sobre eles, devida a sua falsa impressão de fragilidade. Permitem ainda ser combinados com aquários, areia e pedras, ampliando as possibilidades de cores, transparentes ou opacas.

Os pisos de vidro geralmente são compostos por três ou mais tipos de laminas de vidro, intercaladas com uma película plástica. Além da versão totalmente transparente, tais películas podem proporcionar aos vidros diversas cores, transparentes ou opacas.

Os vidros craquelados, com sua textura moderna, também podem ser utilizados para essa aplicação.

Alguns produtores preferem utilizar laminados de temperados na composição de pisos e degraus para garantir maior resistência contra choques de todos os tipos.

Para fazer o uso do vidro em pisos ou degraus é preciso calcular qual será o esforço a que cada chapa será submetida e como estará apoiada para receber este esforço.

É importante ressaltar que utilizar qualquer tipo de vidro por questão de economia pode colocar em risco de vida ou de ferimento grave as pessoas que iriam utilizar o produto instalado.

Serigrafados

Existem dois processos no Brasil de produção do vidro serigrafado, que denominaremos de processo frio e processo quente. No processo de serigrafia quente, mais utilizado, é feita a aplicação de esmalte cerâmico (uma tinta vitrificada) no vidro comum, incolor ou colorido na massa. Em seguida esse vidro passa por um forno de têmpera onde os pigmentos cerâmicos passam a fazer parte do vidro. Ao final do processo obtém-se um vidro temperado co textura extremamente resistente, inclusive ao atrito de metais pontiagudos ou estiletes.

No segundo processo, o vidro recebe um tinta cuja cura é feita pela luz ultravioleta (UV). Dessa forma o vidro adquire cor e textura desejada, porem não ganha resistência do vidro temperado. Também a textura não fica totalmente impregnada no vidro, podendo ser removida com metais pontiagudos. Esse sistema apresenta a vantagem de ser mais rápido e pratico, permitindo a impressão de quadricromias no vidro.

Processo quente

Pode-se utilizar o vidro serigrafado pelo processo quente em todos os tipos de fachadas, divisórias portas feitas unicamente de vidro, guarda copos, boxes para banheiros e vitrines. Pode também compor vidros duplos ou laminados.

Processo frio

Além de todas as texturas possíveis ao vidro serigrafado pelo processo quente, o vidro serigrafado pelo processo frio pode conter qualquer tipo de figura, desenho, textura ou fotografia, sem praticamente limitação de cores e em dimensões que podem equiparar-se às de um out-door.

Temperados

O vidro temperado é obtido pela passagem do vidro comum por um forno de têmpera horizontal ou vertical.

O tratamento térmico de têmpera é um processo de aquecimento gradativo até atingir a temperatura de 700ºC, em seguindo um brusco resfriamento. Ele provoca no vidro tensões internas , conferindo-lhe resistência mecânica até cinco vezes maiores que o vidro comum e resistência a impactos e variações de temperaturas

Segurança

É considerado vidro de segurança porque evita a ocorrência de acidentes graves. Em caso de quebra, seja qual for o ambiente, o vidro se fragmento em pequenos pedaços de bordas pouco cortantes, minimizando o risco de ferimento profundo.

Resistência

O aumento da resistência permite um vidro de 8 mm, por exemplo, suporta o choque de uma esfera de aço de 500g em queda livre, a partir de uma altura de 2m. A mesma esfera provoca a quebra de um vidro de 8 mm, não temperado, em uma queda livre de 0,3 m.

O temperado também possui maior resistência a flexão que os vidros comuns e pode suportar diferenças de temperaturas de até 200ºC.

Têmperas

O vidro temperado pode ser obtida através de fornos verticais e horizontais. O sistema horizontal é o mais moderno, não apresenta marcas de pinças e torna possível sua produção em grandes chapas de pequenas espessuras.

Após temperados, os vidros não podem ser cortados, furados, e recomenda-se que não sejam jateados.

Auto-sustenção

É um vidro autoporpante, isto é, pode fechar vãos, suportados apenas com ferragens em suas bordas, fixadas por pressões em recortes ou furos. É o único vidro que pode ser utilizado em peça única, sem caixilhos, para a produção de portas de vidros. Por sua resistência à umidade e robustez, é também o vidro mais indicado para boxes de banheiros de vidro, fechamento de lareiras, tampos e visores de fornos e caldeiras.

Combinações

Além das cores utilizadas na massa do vidro, o vidro temperado pode ser produzido a partir do vidro impresso ou fantasia, em diversos desenhos de texturas e em varias cores. No processo de têmpera, pode ser concluída a aplicação de tinta vitrificada , o que transforma o temperado em vidro serigrafado.

Visores de Piscina

Os vidros de grandes aquários e visores de piscinas são projetados para suportam a pressão hidrostática. Quando aplicados no fundo sofre pressão uniforme da água e de seu próprio peso.

Composição

O fabricantes de visores possuem um departamento ou pessoal técnico que orienta sobre o calculo das espessuras a serem utilizadas em cada caso.

A composição de visores de piscina e grandes aquários varia de produtor para produtor.

Em geral são compostos por vidros laminados com três ou mais laminas de vidros temperados.

Isso porque, no caso dos visores de piscina, as condições oferecem risco de vida aos usuários. A utilização de vidro temperado na forma monolítica não é aconselhada em nenhuma circunstancia. Apesar de sua resistência, caso de quebra sofre fragmentação total e imediata, promovendo escoamento de água pelo vão.

Instalação

É importante destacar que a instalação deve ser feita por empresa especializada que já tenha experiência comprovada e bem sucedida nesse serviço. Caso contrario, podem ocorrer infiltrações que comprometam seu aspecto funcional e estético.

Aramado

Foi o primeiro vidro de segurança a ser utilizado na construção civil e na decoração de ambientes. È um vidro impresso, translúcido, disponível em várias cores. Nele é incorporado uma rede metálica de malha quadrada. È considerado vidro de segurança segundo a ABNT. Em caso de quebra, o vidro fica preso à rede metálica, deixando o vão indevassável até sua substituição. É utilizado:

 Caixas de escada;
 Coberturas;
 Fechamento de clarabóias;
 Sacadas, peitoris, guarda-corpos;
 Composição de móveis;
 Divisórias; etc.

Acidado

Vidros trabalhados a ácido oferecem diversas opções estéticas para arquitetos e decoradores. Existem duas formas de produção de vidros trabalhados a ácido: artesanal ou industrialmente. Nas duas formas o vidro é submetido a uma solução ácida que ataca suas paredes de forma controlada, criando desenhos, texturas, letras ou formas geométricas. Segundo os fabricantes, os vidros trabalhados a ácido são de fácil limpeza por não acumularem gordura. Podem ser aplicados em tampos de mesa, armários, estantes, divisórias, boxes, portas, janelas e móveis em geral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here