terça-feira, maio 11, 2021

Adjetivos

É uma palavra variável que expressa característica do substantivo, qualificando ou modificando-o.

Exemplos: menino estudioso, meninas estudiosas.

Adjetivo primitivo

Aquele que não deriva de outra palavra da língua.

Alguns exemplos: sal, branco, alegre.

Adjetivo derivado: É formado a partir de um verbo, de um substantivo ou de outro adjetivo.

Exemplos: escritor (escrever), pintor (pintar), formoso (formosura).

Adjetivo simples: É aquele formado por um único elemento.: É aquele formado por um único elemento.

Exemplos: feliz, triste, pobre, impertinente.

Adjetivo composto:É formado por dois elementos.

Exemplos: azul-marinho, luso-brasileira, anglo-brasileiro, superinteressante.

Adjetivo gentílico ou pátrio:indica lugar de origem ou nacionalidade.

Exemplos: espanhol, paulista.

Adjetivo restritivo:O que particulariza um substantivo, isto é, que lhe dá qualidades que não lhe são intrínsecas.

Exemplos: homem gentil, menino inteligente, pés grandes.

Adjetivo explicativo: É aquele que indica qualidade intrínseca (já pertencente) ao substantivo.

Exemplos: fogo quente, sorvete gelado, alma etérea.

Adjetivo uniforme: O que tem uma única forma para o masculino e o feminino. Em geral termina por a, e, l, m, r, s, z.

Exemplos: otimista, triste, interessante, fiel, fácil, jovem, comum, incolor, melhor, simples, feliz, capaz.

Exceções: espanhol, espanhola; bom, boa; andaluz, andaluza.

Adjetivo biforme: É O que tem formas distintas para os dois gêneros.

Exemplos: mimado, mimada; carinhoso, carinhosa; atencioso, atenciosa.

Formação do feminino

Adjetivos terminados em:

1. o: troca-se o o por a.

Exemplos: lindo, linda; belo, bela; briguento, briguenta.

2. ão

a. feminino em ã.

Exemplos: anão, anã; órfão, órfã; cristão, cristã; são, sã.

b. feminino em ona.

Exemplos: valentão, valentona; turrão, turrona.

3. eu: feminino em éia.

Exemplos: pigmeu, pigméia; ateu, atéia; europeu, européia; caldeu, caldéia; plebeu, plebéia.

Exceções: judeu, judia; sandeu, sandia.

4. éu: feminino em oa.

Exemplos: ilhéu, ilhoa; tabaréu, tabaroa.

Exceções: réu, ré.

5. ú, és, or: acrescenta-se a e corta-se o acento quando presente.

Exemplos: peiú (convencido, cheio de si), peiua; nu, nua; francês, francesa; gaulês, gaulesa; sedutor, sedutora; sofredor, sofredora.

Exceções: hindu, cortês, descortês, pedrês, montês, exterior, interior, incolor, bicolor, tricolor, multicor, menor, maior, melhor, pior, superior, inferior (todos invariáveis); motor, motriz; trabalhador, trabalhadeira.

6. Adjetivos compostos:

a. Regra Geral: Só o último elemento varia.

Exemplos: anglo-brasileiro, anglo-brasileira.

Exceção: surdo-mudo, surda-muda.

Plural dos adjetivos

Adjetivos terminados em:

1. a, e, o, u: recebem s no plural.

Exemplos: otimista, otimistas; leve, leves; esperto, espertos; hindu, hindus.

2. il:

a. os vocábulos oxítonos formam o plural em is.

Exemplos: gentil, gentis; anil, anis.

b. os vocábulos não oxítonos formam o plural em eis.

Exemplos: fácil, fáceis; útil, úteis; frágil, frágeis; difícil, difíceis.

3. al: formam o plural em ais.

Exemplos:leal, leais; irreal, irreais; manual, manuais; legal, legais; abdominal, abdominais; oral, orais; episcopal, episcopais; bucal, bucais; rural, rurais.

4. m: formam o plural em ns.

Exemplos: bom, bons; jovem, jovens.

5. r, ês, z: plural em es, sem acento.

Exemplos: incolor, incolores; inferior, inferiores; melhor, melhores; pior, piores; cortês, corteses; francês, franceses; andaluz, andaluzes; feliz, felizes; veloz, velozes; eficaz, eficazes.

6. ão: formam o plural em:

a. ões.

Exemplos: babão, babões; brincalhão, brincalhões; cinqüentão, cinqüentões; brigão, brigões; turrão, turrões; fanfarrão, fanfarrões.

b. ães.

Exemplos: alemão, alemães; alazão, alazães ou alazões.

c. ãos.

Exemplos: anão, anãos ou anões; temporão, temporãos; cristão, cristãos.

7. el:

a. os oxítonos formam o plural em éis.

Exemplos: cruel, cruéis; fiel, fiéis.

b. os vocábulos não oxítonos formam o plural em eis.

Exemplos: inflexível, inflexíveis; sensível, sensíveis; irreconhecível, irreconhecíveis; incrível, incríveis; visível, visíveis.

8. s: mantém a forma original no plural.

Exemplo: simples, simples.

9. ul: formam o plural em uis.

Exemplo: azul, azuis.

Plural dos adjetivos compostos

1. Regra geral: Só o último elemento varia.

Exemplos: rapazes anglo-germânicos, caminhos recém-abertos, armários rosa-claros.

2. Particularidades:

a. Surdo-mudo, surdos-mudos.

b. São invariáveis os adjetivos referentes a cores tendo como último elemento um substantivo.

Exemplos: olhos verde-garrafa, ternos verde-oliva, saias, branco-gelo, blusas vermelho-sangue, cabelos amarelo-palha, armários rosa-choque.

Nota: Mesmo que o substantivo venha sozinho, ele permanece invariável.

Exemplos: ternos oliva, saias gelo.

c. Azul-marinho é sempre invariável.

Exemplos: saias azul-marinho, sapatos azul-marinho, sapatos marinho.

Grau dos adjetivos

I. Comparativo:

Usa-se para comparar duas qualidades do mesmo ser ou de dois seres diferentes.

1. Comparativo de superioridade: mais… que; mais… do que

Exemplos: João é mais feliz (do) que Maria. Helena é mais trabalhadeira (do) que Ana.

2. Comparativo de inferioridade: menos… que; menos… do que

Exemplos: Maria é menos feliz (do) que João. Ana é menos trabalhadeira (do) que Helena.

3. Comparativo de igualdade: tão… quanto; como; tanto quanto (os dois pospostos ao verbo); que nem (na fala coloquial)

Exemplos: Pedro é tão inteligente quanto você. Márcia é feliz como Mariana. Marcelo é alegre tanto quanto Júlia. Marcelo é alegre que nem Júlia.

Obs.:

1. Quando o substantivo comum, singular, ao qual o adjetivo se refere é usado sem o artigo (o, a, os, as) o adjetivo fica sempre no masculino.

Exemplo: Carne é menos saboroso que peixe.

Quando no plural, mesmo sem artigo, flexiona normalmente.

Exemplo: Carnes são mais saborosas que peixes.

2. Comparativos irregulares (de superioridade):

bom – melhor; mau – pior; grande – maior; pequeno – menor (mais pequeno também é correto).

3. Mais grande; mais mau.

As duas formas estão corretas quando comparamos qualidades referentes a um mesmo ser (pessoa ou coisa).

Exemplos: José é mais grande do que gordo. Marta é mais má do que boa.

II. Superlativo

1. Superlativo absoluto: indica a qualidade de um ser, em seu grau mais intenso, sem nenhuma comparação com outro ser.

Exemplos:

Lúcia é belíssima. Lúcia é muito bela.

João é libérrimo. João é muito livre.

Pedro é fragílimo. Pedro é muito frágil.

Observação:

Belíssima, libérrimo e fragílimo estão no grau superlativo absoluto sintético. Muito bela, muito livre e muito frágil estão no grau superlativo absoluto analítico.

Formação do superlativo absoluto sintético:

a. Regra geral: Acrescenta-se o sufixo -íssimo(a) ao adjetivo masculino.

Exemplos: final, finalíssimo; normal, normalíssimo; popular, popularíssimo.

Regras especiais: adjetivos terminados em:

1) vogal: corta-se a vogal e acrescenta-se -íssimo (Veja item b5).

Exemplos: contente, contentíssimo; estranho, estranhíssimo, esperta, espertíssima.

2) -vel: troca-se esta terminação por -bilíssimo.

Exemplos: notável, notabilíssimo; agradável, agradabilíssimo; confiável, confiabilíssimo; razoável, razoabilíssimo.

3) -z: troca-se esta terminação por -císsimo.

Exemplos: audaz, audacíssimo; feliz, felicíssimo; veloz, velocíssimo.

4) -m: troca-se esta terminação por -níssimo.

Exemplos: bom, boníssimo; comum, comuníssimo.

Atenção: jovem, juviníssimo.

5) -ário(a), -ério(a), ório(a): corta-se a vogal o(a) e acrescenta-se íssimo(a).

Exemplos: libertário, libertariíssimo; séria, seriíssima; provisória, provisoriíssima.

Atenção: Há adjetivos que não seguem essas regras. (Veja Casos especiais).

2. Superlativo relativo: expressa a qualidade de um ser em comparação a outros, em seu grau mais intenso (superlativo relativo de superioridade) ou menos intenso (superlativo relativo de inferioridade).

a. De superioridade: o mais, a mais, os mais, as mais.

Exemplos: Hélio é o mais alto de todos. Maria é a mais linda de todas.

b. De inferioridade: o menos, a menos, os menos, as menos.

Exemplos: João é o menos bonito da classe. Eliana é a menos sensível de nós.

Casos especiais

Observe os superlativo sintético regular, sintético irregular e relativo, respectivamente:

bom – boníssimo, ótimo, o melhor; mau – malíssimo, péssimo, o pior; grande – grandíssimo, máximo, o maior; pequeno – pequeníssimo, mínimo, o menor; alto – altíssimo, supremo ou sumo, o mais alto; baixo – baixíssimo, ínfimo, o mais baixo.

Agora observe os seguintes superlativos sintéticos:

a. terminação -íssimo:

agudo – acutíssimo amargo – amaríssimo
amigo – amicíssimo antigo – antiqüíssimo
belicoso – belicíssimo benéfico – beneficentíssimo
benévolo – benevolentíssimo cristão – cristaníssimo
cru – cruíssimo cruel – crudelíssimo
doce – dulcíssimo fiel – fidelíssimo
frio – frigidíssimo geral – generalíssimo
honorífico – honorificentíssimo magnífico – magnificentíssimo
maléfico – maleficentíssimo malévolo – malevolentíssimo
miúdo – minutíssimo nobre – nobilíssimo
parco – parcíssimo pessoal – personalíssimo
pródigo – prodigalíssimo provável – probabilíssimo
sábio – sapientíssimo sagrado – sacratíssimo
são – santíssimo simples – simplicíssimo
soberbo – superbíssimo vão – vaníssimo

b. terminação -érrimo:

acre – acérrimo áspero – aspérrimo
célebre – celebérrimo célere – celérrimo
íntegro – integérrimo livre – libérrino
magro – macérrimo mísero – misérrimo
negro – nigérrimo pobre – paupérrimo
pulcro (belo, gentil) – pulquérrimo salubre – salubérrimo
tetro (estranho, sombrio) – tetérrimo úbere (fecundo) – ubérrimo

c. terminação -limo:

ágil – agílimo difícil – dificílimo
dócil – docílimo dúctil – ductílimo
fácil – facílimo frágil – fragílimo
grácil – gracílimo humilde – humílimo
semelhante – simílimo

Recursos especiais para se expressar o superlativo

1. Uso do adjetivo com repetição e entonação crescente.

Exemplo: Ela foi ficando bêbada, bêbada, bêbada…

2. Anteposição do artigo e entonação apropriada.

Exemplos: Ele se acha o inteligente! Eles se consideram os bons!

3. Uso de expressões como beça, incrivelmente, um senhor, pra valer, de morrer, às pampas.

Exemplos: Está alegre à beça! Ele é lindo de morrer! Paulo é um senhor chato!

4. Uso do aumentativo ou diminutivo.

Exemplos: Ele é lindão! E ela é lindinha!

5. Acrescentando-se prefixos com sentido superlativo: hiper, super, extra.

Exemplos: Ele é hiper-simpático. Vocês são superfelizes.

Marcelo Cardoso
Marcelo é um profissional de Informática interessado em Internet, Programação PHP, Banco de Dados SQL Server e MySQL, Bootstrap, Wordpress. Nos tempos livres escreve nos sites trabalhosescolares.net sobre biografias, trabalhos escolares, provas para concursos e trabalhos escolares em geral.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

CORONAVÍRUS

Origem da Crise Econômica

Recent Comments

Nilson Ribeiro on O QUE É ENGENHARIA CIVIL?
PABLO DA SILVA BARBOZA on FILOSOFOS BRASILEIROS
Ligeirinho Resolve on Tese Globalização
Susana Mesquita on Tese Globalização
Cátia Regina de Aquino Santos on Tratamento Multiprofissional à Terceira Idade
Kesia Oliveira do Nascimento on SUBSTANTIVOS
Ludymila Helena Arraujo Lima on DEPRESSÃO
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
Fernando on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Guilherme on Hidrocarbonetos
Ernani Júnior Silva on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Isabella on SUBSTANTIVOS
Anonimo on Adjetivos
ALVARO on SURDEZ SÚBITA
CARIMBO DA CONFUSÃO on FILOSOFOS BRASILEIROS
socorro andrade on DINÂMICA DO SORRISO
Alessandra Martins on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
Sibely on VIRUS E BACTÉRIAS
Paula on Sistema Nervoso
Samuel Delgado Pinheiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Jamal Mussa Muroto on DIVISÃO CELULAR
Guilherme on FILOSOFOS BRASILEIROS
Camila on SISTEMA DIGESTIVO
Hadouken on FILOSOFOS BRASILEIROS
Josimeire dos Angelos on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
ONEIDE abreu on REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
José Caixeta Júnior on FILOSOFOS BRASILEIROS
GILVALDO DIAS GUERRA on COMO SURGIU O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
ronald on CONSCIÊNCIA NEGRA
SÉRGIO LEONARDO TRINDADE on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
Reginaldo Coveiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
julieny kettylen on Obesidade
gabrielle barreto de oliveira on DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO
suzana stvens on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Kauã Liecheski on Tratamento do Lixo
Ligeirinho Resolve on OLIMPIADAS
Ligeirinho Resolve on A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCRITA
kamilly on Jogos Olimpicos
Marcelo Cardoso on MILITÂNCIA JOVEM
Isabella on MILITÂNCIA JOVEM
Maria Conceição Amorim on A IDENTIDADE E CULTURA DA BAHIA
Maria Conceição Amorim on FOLCLORE BRASILEIRO
Emerson Davi on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Maria dos Reis on COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR