domingo, janeiro 24, 2021
Início Ciências Biologicas Odontologia Capacidade tamponante da Saliva

Capacidade tamponante da Saliva

Sumário

I-Introdução
II-Objetivos
III-Materiais e Reagentes
IV-Processos Metodológicos
V-Resultados e Discussões
VI-Conclusão
VII-Referência bibliográfica
VIII-Anexos

I. Introdução

A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (pH entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais, e são produzidas principalmente pelas glândulas salivares e pelas glândulas bucais menores, que possuem uma função dupla: participação no processo de digestão e facilitação da deglutição dos alimentos. Além disso, também apresenta dois tipos de secreção protéica: uma secreção serosa e rica em ptialina, que contribui para digestão do amido; outra secreção mucosa, que contém mucina, elemento lubrificante que facilita a mastigação e a passagem do bolo alimentar pelo esôfago através da deglutição.  
A cada minuto se secreta uns 0,5 ml de saliva, exceto durante o sono, quando a secreção é escassa. A saliva desempenha um papel importante na manutenção dos tecidos bucais, uma vez que exerce um efeito de limpeza arrastando substâncias alimentares e microorganismos patogênicos que se não fossem removidos, contribuiriam com o surgimento de cáries dentais, infecções e deterioração dos tecidos. Além disso, ela também possui enzimas proteolíticas e anticorpos protéicos que destroem as bactérias bucais. A saliva, por sua vez, com o seu teor alcalino, atua quimicamente neutralizando os ácidos bucais, exercendo, portanto, uma função de proteção dos dentes contra a cárie dentária. Outra função importante da saliva é o tamponamento dos ácidos produzidos, por meio de diversos sistemas tampões.
O conhecimento do efeito tampão da saliva levou a comunidade científica de Odontologia a desenvolver os chamados “testes salivares”, para identificação das pessoas que têm alto risco de cárie, sendo hoje um dos métodos preventivos mundialmente usados no campo da saúde bucal. O sistema tampão mais importante na saliva estimulada, é o ácido carbônico/bicarbonato.

II. Objetivos

1.Verificar o pH da saliva
2.Calcular o índice de fluxo salivar
3.Avaliar a capacidade tampão da saliva

III. Materiais e reagentes 

4.Papel indicador universal
5.Goma de mascar
6.Proveta
7.Pipetas
8.Becker
9.Tubo de Ensaio
10.Saliva
11.HCl 0,005M

IV. Processos Metodológicos

1.Coleta da saliva: Após 45 minutos de jejum e higienização, coletar a saliva integral e estimulada.
a)Mascar 1g de goma de mascar sem açúcar por 1 minuto, desprezando a saliva produzida.
b)Tornar a mascar a mesma goma por 5 minutos, coletando a saliva produzida.
2.Índice do fluxo salivar: medir o volume da saliva coletada e dividir pelo tempo de coleta (5 minutos)

Interpretação:
Medianamente suscetível à cárie = 0,7 a 1,0 ml/min.
Mais suscetível à cárie = menor de 0,7 ml/min.
Menos suscetível à cárie = maior de 1,0 ml/min.

3.Avaliação da capacidade tampão da saliva
a)Verificar o pH inicial da saliva coletada.
b)Retirar 1,0 ml da saliva e colocar em um tubo de ensaio
c)Acrescentar 3,0 ml de HCl 0,005M
d)Tampar o tubo e agitar por inversão
e)Verificar o pH final

V. Resultados e discussões

Índice do fluxo salivar: medir volume da saliva coletada, e dividir pelo tempo de coleta (5 minutos).
Resultados: Volume de saliva coletada = 7 ml
Tempo de coleta= 5 minutos 
Índice de fluxo salivar: 1,4 ml/min.

Menos susceptível á cárie = Maior de 1 ml/min.


Avaliação da capacidade tampão da saliva: 
a)Verificar o pH inicial da saliva coletada
b)Retirar 1,0 mL da saliva e colocar em um tubo de ensaio
c)Acrescentar 3,0 mL de HCl 0,005M
d)Tampar o tubo e agitar por inversão
e)Verificar o pH final

Resultados: 
pH inicial: entre 7 e 8
pH final: entre 6 e 7
pH do ácido: ~ 2 

Discussão:

Para se iniciar o experimento, solicitamos a colaboração de um colega, que se encontrava em jejum à mais de 40 minutos. Este, por sua vez, pôs-se á mascar uma goma sem açúcar (trident) por um minuto continuamente, para limpar a boca, descartando a saliva residual. Logo após o descarte da saliva anterior, voltou a mascar a mesma goma, por mais 5 minutos, para estimular a produção de nova saliva que seria depositada em um becker, para utilização no experimento.
Após coletada a saliva, medimos o volume da amostra (7ml), e dividimos pelo tempo de coleta (5 minutos), para que pudéssemos obter o índice de fluxo salivar correspondente e observamos 1,4 ml/min, comprovando assim que o voluntário , segundo a classificação, é menos suscetível á cárie.
Em seguida, utilizamos papel indicador universal de pH, para verificar o potencial hidrogeniônico da amostra salivar, que se encontrava entre 7 e 8. 
A partir de então, analisamos a capacidade tampão saliva, retirando 1 ml da amostra salivar, e colocando em contato com 3 ml de HCl 0,005 Mol. 
Agitando a solução, o pH diminuiu, e em seguida se manteve entre 6 e 7. Comprovou-se então a capacidade tamponante da saliva, pois o pH não alterou significativamente.
Vale ressaltar que o pH inicial do ácido clorídrico era de aproximadamente 2.

VI. Conclusão

Obtivemos sucesso na realização de todo o procedimento experimental, que proporcionou à equipe a verificação da capacidade tampão da saliva, além da análise de fatores que interferem no seu desempenho.
Concluímos que o ácido HCl 0,005M, que foi adicionado à amostra de saliva, se comportou inibindo a capacidade tamponante da mesma, e pudemos também verificar o pH da saliva, bem como calcular o índice de fluxo salivar estimulado do voluntário.

VII. Referências bibliográficas 

http://www.nossodentista.com/saliva.htm

http://www.todabiologia.com/dicionario/saliva.htm
http://saude.terra.com.br/interna/0,,OI170680-EI1713,00.html
http://saude.terra.com.br/interna/0,,OI170680-EI1713,00.html

VIII. Anexos


A cárie é mais comum onde há baixo fluxo salivar. Dê exemplos de situações onde isso pode acontecer. Explique por que o baixo fluxo salivar contribui para a maior propensão à cárie.
Durante o sono, o fluxo salivar é baixo pois a saliva não é estimulada. Desse modo poderá causar um maior índice de cárie. A alimentação incorreta, com o excesso de alimentos industrializados, mais moles, também têm relação com o baixo fluxo salivar pois as pessoas não mastigam e não estimulam a glândula salivar. Há também uma importância grande da água, o que seria ideal ingerir dois litros e meio (por dia).
Como a a saliva tem uma alta capacidade tamponante, ela inibe o potencial hidrogeniônico dos ácidos, mantendo o pH estável, que causam a maior propensão da cárie.

Artigo anteriorVerdadeiras Armas
Próximo artigoComercial Havaianas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

CORONAVÍRUS

Origem da Crise Econômica

Recent Comments

Nilson Ribeiro on O QUE É ENGENHARIA CIVIL?
PABLO DA SILVA BARBOZA on FILOSOFOS BRASILEIROS
Ligeirinho Resolve on Tese Globalização
Susana Mesquita on Tese Globalização
Cátia Regina de Aquino Santos on Tratamento Multiprofissional à Terceira Idade
Kesia Oliveira do Nascimento on SUBSTANTIVOS
Ludymila Helena Arraujo Lima on DEPRESSÃO
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
Fernando on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Guilherme on Hidrocarbonetos
Ernani Júnior Silva on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Isabella on SUBSTANTIVOS
Anonimo on Adjetivos
ALVARO on SURDEZ SÚBITA
CARIMBO DA CONFUSÃO on FILOSOFOS BRASILEIROS
socorro andrade on DINÂMICA DO SORRISO
Alessandra Martins on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
Sibely on VIRUS E BACTÉRIAS
Paula on Sistema Nervoso
Samuel Delgado Pinheiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Jamal Mussa Muroto on DIVISÃO CELULAR
Guilherme on FILOSOFOS BRASILEIROS
Camila on SISTEMA DIGESTIVO
Hadouken on FILOSOFOS BRASILEIROS
Josimeire dos Angelos on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
ONEIDE abreu on REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
José Caixeta Júnior on FILOSOFOS BRASILEIROS
GILVALDO DIAS GUERRA on COMO SURGIU O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
ronald on CONSCIÊNCIA NEGRA
SÉRGIO LEONARDO TRINDADE on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
Reginaldo Coveiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
julieny kettylen on Obesidade
gabrielle barreto de oliveira on DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO
suzana stvens on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Kauã Liecheski on Tratamento do Lixo
Ligeirinho Resolve on OLIMPIADAS
Ligeirinho Resolve on A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCRITA
kamilly on Jogos Olimpicos
Marcelo Cardoso on MILITÂNCIA JOVEM
Isabella on MILITÂNCIA JOVEM
Maria Conceição Amorim on A IDENTIDADE E CULTURA DA BAHIA
Maria Conceição Amorim on FOLCLORE BRASILEIRO
Emerson Davi on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Maria dos Reis on COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR