23.7 C
Sorocaba
terça-feira, junho 18, 2024

REFLEXÃO SOBRE APRENDIZAGEM

Como de costume, a teoria de Vygotsky fora apresentada a partir da exibição de um filme, um documentário sobre o assunto, que possibilitou uma visualização ampla sobre a teoria, após o documentário, já em outro momento, assistimos trechos do filme o Náufrago, o que nos permitiu fazer uma leitura e uma discussão sobre as teorias de Piaget e Vygotsky, perceber as diferenças entre as duas; uma vez que são teorias diferentes, não complementares, mas que se articulam entre si.

Piaget e Vygotsky partem de problemas diferentes por isso chegam a diferentes pontos de vista, enquanto Piaget buscava compreender: “Como é possível o conhecimento? Como se pode passar de um conhecimento menor a um maior? Como os homens constroem o conhecimento?”, numa perspectiva macrogenética; Vygotsky buscava responder: “Qual a relação entre os seres humanos e o seu ambiente físico e social? Quais as formas de atividade que fizeram com que o trabalho fosse o meio fundamental entre o homem e a natureza e quais as consequências psicológicas dessas formas de atividade? Qual a natureza das relações entre o uso de instrumentos desenvolvimento da linguagem? Uma perspectiva em quatro níveis: filogenético: história da espécie animal; ontogenético: desenvolvimento do ser biológico; sociogênese: história cultural, cultura alargador das potencialidades, cada cultura organiza o desenvolvimento de um jeito; e microgenético: cada fenômeno psicológico, não determinismo, diferenças individuais.

Para Vygotsky o funcionamento psíquico não é inato e não apenas do ambiente, ele possue uma postura sócio interacionista, e é a partir desta relação, sujeito mundo, que a criança se desenvolve e constroe o conhecimento, no entanto essa relação com o objeto de conhecimento não se dá de forma direta, ela é mediada por instrumentos e signos, há a possibilidade de uma representação mental, relação com o mundo a partir de uma internalização simbólica. Signos lingüísticos são construídos culturalmente e tem como função a comunicação; a língua encaixa com o pensamento, usar a linguagem implica visão generalizada do mundo, o ato de nomear é: classificar, capacidade de abstrair.

O significado é um fenômeno do pensamento. O ponto de chegada da língua é o funcionamento interior, o pensamento apoiado nas palavras dentro da cabeça, a linguagem é um instrumento do pensamento.

A aprendizagem promove o desenvolvimento, diferente de Piaget que considera que o desenvolvimento possibilita a aprendizagem.

Após o momento da fase egocêntrica, a criança internaliza a linguagem como organizadora do pensamento. A estrutura cognitiva é formada a partir do social, e é ela que dá uma interpretação aos eventos, a postura interacionista de Vygotsky coloca dois aspectos fundamentais: o conhecimento é construído na interseção entre sujeito e objeto, e a ação do sujeito sobre o objeto é socialmente mediada.

A linguagem estrutura o pensamento, ela é aprendida através da cultura, a aprendizagem se dá do inter para o intra, por aprender é que nos desenvolvemos.

Num primeiro momento a criança tem o pensamento pré-linguístico, utilização dos instrumentos e inteligência prática; a fala egocêntrica é uma fala externa, o pensamento ainda está descolado da linguagem, no processo da fala egocêntrica a fala externa e o pensamento se acoplam, permitindo um pensamento verbal e linguagem racional (transformação do biológico no sócio-histórico).

A interação com membros mais maduros da cultura que já dispõem da linguagem estruturada e que vai provocar um salto qualitativo do pensamento verbal. Quando os processos de desenvolvimento do pensamento e da linguagem se unem, o ser humano passa a ter a possibilidade de um modo de funcionamento psicológico mais sofisticado, mediado pelo sistema simbólico da linguagem.

A fala egocêntrica para Piaget se trata do não reconhecimento do outro pela criança, o ponto de vista do outro, é o individual que precisa se tornar social. Já para Vygotsky é o oposto é do social para o individual, a fala é externa para depois se internalizar.

Vygotsky traz também o conceito de ZDP, zona de desenvolvimento proximal, no qual ele vem a explicar dois níveis do conhecimento, o real e o potencial, estando entre eles o mediador. Vygotsky também trabalha com outro domínio da atividade infantil que tem clara relação com o desenvolvimento e a prendizagem: o brinquedo.

Com o brinquedo a criança se aproxima com o significado das coisas e não dos objetos, faz com que ela se descole do mundo real para um mundo simbólico. Zona de desenvolvimento proximal; O brinquedo possibilita o potencializar da capacidade de simbolização e interiorização de regras, possibilita a Z.D.P.

O brinquedo também cria uma zona de desenvolvimento proximal da criança, potencializando o desenvolvimento. Numa situação imaginária como a brincadeira de faz-de-conta, a criança é levada a agir num mundo imaginário, onde a situação é definida pelo significado estabelecido pela brincadeira e não pelos elementos reais e concretamente presentes, a criança simboliza como quiser o objeto.

A escrita enquanto sistema simbólico de representação da realidade está estreitamente relacionado a questões centrais da obra de Vygotsky (linguagem, mediação simbólica e uso de instrumentos). Para compreender o desenvolvimento da escrita na criança é necessário estudar o que ele chama de pré-história da linguagem escrita, deve descobrir que esta é um sistema de signos que representam a realidade e que funciona para a memória e a transmissão de conceitos e idéias. O gesto é o signo visual que contém a futura escrita criança. De inicio o próprio movimento da criança, seus gestos, é que contribuem a função do signo ao objeto e lhe dão significado. Desenho na criança como estágio preliminar no desenvolvimento da linguagem escrita. Descobrir que os traços feitos por ela podem representar algo. Descoberta básica: imitação o formato da escrita do adulto. Marcas topográficas: distribuições dos registros no espaço do papel. Representações pictográficas: desenhos utilizados como forma escrita.

Desenhar e brincar deveriam ser preparatórios ao desenvolvimento da linguagem escrita nas crianças.

Percebo que as aulas foram mais expositivas, discutimos mais o conteúdo da teoria Vygotskyana comparando-a com a teoria Piagetina; por fim fizemos um júri simulado, em que a sala foi dividida em dois grupos para cada um defender uma teoria, a conclusão de tudo foi: algo está faltando, falta à emoção da criança no processo do desenvolvimento e aprendizagem, ficamos então ansiosos por conhecer a teoria de Wallon.

Percebo ter alcançado uma equilibração majorante, contudo tenho a sensação de ainda saber muito pouco sobre as teorias, percebo também que a realização desta reflexão permitiu uma síntese e uma organização dos conteúdos na minha mente ficou mais fácil ver a teoria como um todo agora.

Outros trabalhos relacionados

PSICOMOTRICIDADE

Procedimento: Devido a uma indisponibilidade por parte da escola, optamos dar continuidade ao estudo de caso na residência de uma das investigadoras sob o consentimento...

A CRISE DO GÁS NO BRASIL EM 2007

Autor: Marcelo Cardoso 1 INTRODUÇÃO A recente nacionalização das áreas de petróleo e gás na Bolívia colocou em xeque a Petrobrás, o governo e o povo...

RESUMO DO FILME: CRASH – NO LIMITE

O filme Cresh – no limite, nos mostra diversos ângulos da intolerância racial, seja ela pela cor, pela origem, pela religião, pela condição social....

CURIOSIDADES SOBRE GUERRA DOS SEXOS (HUMOR)

Ainda bem que sou mulher, sim, sim, sim. Não vivo de cerveja, tremoços, nem de bebedeiras. Não falo com os meus amigos sobre as minhas...