multiracial students standing in a row smiling

O sistema de cotas tão discutido atualmente é, sem sombra de dúvidas, um ponto de interrogação para muita gente.
Os dados estatísticos comprovam que quanto maior a escolaridade e a renda familiar, menos aceitação há ao sistema de cotas.
O professor de antropologia da UNB ( Universidade de Brasília), entende que os resultados da pesquisa indicam que a “elite não quer perder o poder”.
Talvez este pensamento até seja verídico para uma minoria, mas creio que esta “ameaça” não tem fundamento, pois não creio que ela perderá o poder ao ver negros dentro das universidades públicas.

O sistema de cotas, como paliativo talvez seja uma saída apenas para facilitar o acesso de negros e indígenas à universidade, mas o que pode ocorrer, num país como o nosso, é que a solução temporária se torne permanente, e o “remendo”, acabará sendo a desculpa para não se investir na excelência do ensino de base.

Medidas concomitantes investindo num ensino básico de qualidade e as cotas universitárias seja uma proposta interessante, pois investir em espaços pedagógicos, equipados, escolas inseridas no mundo digital e voltadas para o mercado de trabalho, ensinando seus alunos a ser empreendedores, sem esquecer é claro de capacitar constantemente seus educadores, financiar seus estudos, aperfeiçoamento, graduação, mestrado e doutorado e remunerá-los dignamente é a saída para se ter negros e indígenas em universidades pública, de qualidade e sendo profissionais altamente qualificados.

Quando estas medidas são tomadas, o mercado de trabalho se qualifica e gera um aumento do poder aquisitivo da população gerando novos empregos e aumentando a qualidade de vida desta população.

Mas creio que o sistema de cotas não diminuirá o “conflito” entre raças. Esta tensão ainda existirá, pois é preciso que se reflita sobre os conceitos de raça e se eduque as pessoas a conviverem socialmente. Isto se faz nas escolas e famílias e insere-se no ser humano desde a tenra idade, mesmo porque somos um povo mestiço, de muitas raças e nações. O brasileiro precisa tomar conhecimento e ciência disso, pois mesmo aparentando fisicamente outros traços, ele pode ter o DNA da raça que tanto discrimina.

Mas me pergunto: e quanto aos pobres? A camada social realmente excluída, pois não mora dignamente, vive abaixo da linha da pobreza e não tem nenhuma perspectiva de melhora social. Sejam brancos, negros, índios, pardos….não merecem acesso a universidade pública e gratuita? Para mim, a maior discriminação é a social, que obviamente, tem os negros incluídos nela.

As cotas deveriam ser, como afirmei anteriormente, uma medida paliativa, mas deveriam abranger classe social e não racial. A camada social economicamente mais baixa deveria se beneficiar do sistema de cotas, assim poderíamos dar a oportunidade a estas pessoas que vivem à margem da sociedade, vislumbrar um futuro, no mínimo mais promissor do que aquele que ela vislumbra no momento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui