15 C
Sorocaba
domingo, junho 26, 2022

A ILUSTRE CASA DE RAMIRES – Eça de Queirós

A ILUSTRE CASA DE RAMIRES – Eça de Queirós

A Ilustre Casa de Ramires pertence à terceira fase da produção queirosiana.

Vazado em estilo apurado, com perfeita técnica narrativa e uma linguagem ora arcaizante, ora próxima da oralidade, retrata dois aspectos da realidade portuguesa: um Portugal do século XIX, de feições modernas, paralelamente a um Portugal do século XII, com a Idade Média lapidando um povo heróico.

Ambas as épocas são vividas na aldeia de Santa Irinéia e são analisadas a partir da torre dos Ramires, nobre mansão medieval que serve de ligação entre esses dois tempos.

I – Situando a narrativa no presente, em terceira pessoa, apresenta como personagem o jovem Ramires, representante de uma nobreza falida econômica e moralmente.

Gonçalo Mendes Ramires procura meios mais fáceis de arranjar a vida e acaba ingressando na política.

Ao mesmo tempo, escreve uma novela histórica sobre seus heróicos antepassados, tendo por base um fado cantado por Videirinha e um poema épico escrito por um de seus tios.

À medida que a narrativa transcorre, Ramires vai incorporando a honra e a dignidade de seus ancestrais.

Empreende uma viagem à África e, depois de reconstruir suas finanças, retorna a Portugal.

Sobressaem como personagens André Cavaleiro, homem frívolo e indigno, inimigo de Ramires e ex-noivo de Gracinha Ramires, irmã de Gonçalo.

Depois de vê-la casada com o inocente Barolo, o inescrupuloso Cavaleiro tenta seduzir a moça.

II – Transfere a narrativa para o passado, tendo como narrador o personagem principal da primeira parte.

No século XII viveu o velho Tructesindo Mendes Ramires, homem de espírito íntegro, rígido e audaz que procura vingar seu filho Lourenço, que ele viu morrer do alto de sua torre, em uma emboscada armada por Lopo de Baião, antigo noivo de sua filha e traidor não somente da família Ramires como do rei D. Sancho I.

Aspectos Relevantes
Eça de Queirós foi o mais fecundo autor do século XIX em Portugal, nenhum outro conseguiu suplantá-lo em sua capacidade analítica da sociedade do seu tempo_ sua obra desdobra-se em 03 fases bem nítida:

_ a primeira de traços nitidamente românticos e timidamente realistas

_ uma segunda em que desponta o maduro e teórico escritor do naturalismo em romances como O Primo Basílio,

_ uma terceira e última na qual o escritor tende a revisitar os exageros de sua vida e críticas pregressas, alça a si o papel de historiador tão típico de sua erudição e se refaz como nacionalista crítico de Portugal em sua história em romances como o analisado em hora, e as Cidades e as Serras.

Outros trabalhos relacionados

Escrito nas Estrelas – Sidney Sheldon

Escrito nas Estrelas - Sidney Sheldon Lara Cameron, depois de uma tortuosa infância, decide tornar-se uma incorporadora imobiliária em uma pequena cidade da Nova Escócia,...

O Ermitão de Muquém – Bernardo Guimarães

O Ermitão de Muquém - Bernardo Guimarães Poeta, advogado, jornalista e crítico literário é em 1869 que Bernardo Guimarães inaugura, com O ermitão de Muquém,...

Novelas Nada Exemplares – Dalton Trevisan

Novelas Nada Exemplares - Dalton Trevisan Publicado em 1959, Novelas Nada Exemplares foi considerado como o verdadeiro marco inicial da trajetória de contista de Dalton...

MEMÓRIAS DE UM SUICIDA

MEMÓRIAS DE UM SUICIDA A história do livro (Memórias de um Suicida) começa no século XVII, quando nasce um jovem em terras portuguesas numa família...