terça-feira, junho 22, 2021
InícioCiências BiologicasTerapia OcupacionalADAPTAÇÕES DOMICILIARES PARA A TERCEIRA IDADE

ADAPTAÇÕES DOMICILIARES PARA A TERCEIRA IDADE

1. INTRODUÇÃO

O principal indicador do risco de quedas são as dificuldades com o equilíbrio e com a mobilidade e esses problemas são mais freqüentes nas pessoas debilitadas da terceira idade que apresentam mobilidade ao lado de instabilidade, além da fraqueza e falta de condicionamento muscular. As quedas podem causar desde lesões leves, como contusões e torsões, até muito graves, como danos cerebrais e fraturas, além de efeitos psicológicos negativos, tais como medo de cair de novo e falta de confiança, que repercutem sobre a autonomia e independência funcional e, em conseqüência disso tudo, diminuição na qualidade de vida. Por isso se faz necessário o uso de adaptação no lar.

2. IDOSO

O idoso caracteriza-se pelo processo de envelhecimento por modificações na estrutura fisiológicas, sendo heterogêneo no seu âmbito geral (meio social, estilo de vida, situação sócio-econômica,…).

3. ADAPTAR

O objetivo de adaptar é proporcionar segurança e melhor qualidade de vida.

Frente ao envelhecimento da população à atenção domiciliar surge como uma nova alternativa, que beneficia especialmente os idosos e ou incapacitados crônicos. A manutenção da capacidade funcional do paciente, não é um a tarefa singular, exige uma pluridade de profissionais, integrados visando à elaboração de um plano com metas que considere tanto suas capacidades e limites funcionais, quanto próprios objetivos.

4. ADAPTAÇÕES DOMICILIARES

a. Domicílio

Este ambiente conhecido impregnado de histórias pode, no entanto, ter problemas em sua manutenção e ou oferecer barreiras arquitetônicas, que limitem ou impossibilitem a mobilidade do idoso, além de expô-lo a situação de risco, agravando ou desencadeando processos patológicos.

O contexto ambiental e suas variáveis devem ser um dos pilares de sustentação dos programas de atenção à saúde do idoso. Todavia cuidados devem ser tomados para que esta atenção não favoreça uma situação de confinamento ou “asilamento domiciliário”.

O ambiente domiciliar é construído do longo de toda a vida levando-se em conta as expectativas pessoais, normas sociais e culturais, padrões estéticos, funcionalidade e condições econômicas.

Algumas situações ambientais adversas podem levar um idoso à queda, acidentes, dependência, depressão e desuso e inatividade, devido às alterações ocorridas no processo de envelhecimento, pois há uma diminuição na sua capacidade visual, auditiva, perceptiva, motoras entre outras.

b. Habitação Compatível

Com a observação das barreiras e riscos que o ambiente domiciliar apresenta procura-se obter através de adaptações uma casa funcional capaz de proporcionar segurança e melhor qualidade de vida.

Com a alta incidência de quedas entre os idosos nos seus domicílios sugere adequações em casa:

Nas superfícies molhadas e escorregadias opta-se por uma colocação de piso antiderrapante em toda a casa e tapetes de boa aderência ao piso; Corrimãos junto a escadas, rampas, portas de vias de acesso; localização de interruptores com sinais luminosos durante a noite e censores de movimentos em vias de acesso para diferentes áreas da casa para ajudar nos deslocamentos. A intensidade da iluminação tanto natural quanto artificial deve ser aumentada nas áreas de trabalho e transição devido à gradativa perda de visão que ocorre com o passar dos anos; Um aparador junto à porta da sala para guardar as chaves para facilitar sua localização em casos de emergência e evita a sua perda, pois se sabe que a diminuição do número de neurônios leva a uma possível diminuição da memória;

c. No banheiro

Devem-se colocar bancos de transferências, chuveiros manuais, barras de apoio lateral e paralelo ao vaso, no box são sugeridos barras de segurança, assento fixo para lavar os pés, portas toalhas e suporte para xampu fixo e de fácil acesso, bucha com cabo alongamento para auxiliar lavar as costas.

d. No quarto

A altura da cama é verificada quando o idoso está sentado na beira da cama e consegue colocar facilmente os dois pés no chão variando 45 a 50 cm. Guarda roupa portas leves, cabideiro baixo, puxadores do tipo alça, com altura favorável.

e. Cozinha

Pia e bancada altura média de 85 a 90 cm com torneira de fácil manuseio (alavanca, meia-volta), gaveta de fácil abertura, com trava de segurança e divisões para talheres; engrossamento de cabos de talheres e facas para ajudar na preensão. Tanque e tábua de passar para serem utilizados com a pessoa na posição sentada, à altura adequada são de 75 cm. Já o ferro deve ter um fio espirado com suporte fixo e controle automático de temperatura. É importante um carro móvel para levar utensílios da cozinha ou da área de serviço para outros ambientes. A tábua de preparar alimento: é colocada uma preensão cilíndrica na borda da mesma, pois facilita a ficção do alimento sem estressar tanto à articulação da mão; prolongamentos dos cabos das panelas com o objetivo de favorecer a preensão.

f. Sala

Estantes com prateleiras fixadas ao piso ou na parede, poltronas e sofás confortáveis e com braços altura e assento em torno de 50 cm e fáceis de sentar e levantar; tem que proporcionar uma sala bem ampla para a locomoção para os idosos; Usar relógio de visor grande, calendários de tamanho satisfatório; As janelas devem ser sempre para dentro ou de correr.

As adaptações feito no lar devem ser feitas com a participação de uma equipe especializada no assunto como arquitetos, terapeutas ocupacionais, engenheiros visando a autonomia do idoso e verificando se as adaptações foram favoráveis à ele.

5. PAPEL DO TERAPEUTA OCUPACIONAL

O processo de avaliação das necessidades de modificação ambiental é composto por: classificação funcional do cliente e avaliação ambiental. O terapeuta ocupacional tem que avaliar o idoso em seu ambiente e também o seu desempenho nas atividades da vida diária e em cuidados pessoais básicos, solicitando que o paciente descreva os problemas encontrados nas tarefas e que ele, visualize fazendo as atividades, para obter resultados favoráveis, ou seja, buscar melhor forma de adaptação e auto-estima e eficácia. Levando em consideração a escolaridade, a cultura, a religião, e a situação sócio-econômica do paciente. Observando também se o paciente possui algumas deficiências cognitivas ou perceptivas, má visão e englobando a falta de apoio familiar. Deve garantir que o paciente possa usar cada adaptação e que usará com segurança. As atividades são treinadas na postura mais adequada possível de acordo com o quadro físico-funcional do paciente.

Caso haja rejeição pelo paciente o terapeuta tem que trocar ou aperfeiçoar a adaptação buscando melhores materiais, cores adequadas, peso compatível, pois são importantes para um resultado positivo.

6. CONCLUSÃO

O ambiente onde vive o idoso deve ser adaptado para que ele mantenha a máxima autonomia e a mínima dependência. Sinalizações (riscos no chão e marcas nas paredes), iluminação, desobstrução de passagens, remoção de degraus, relógios e calendários de tamanho satisfatório, etc., tudo deve ser planejado para maior autonomia do idoso. Além do ambiente, também objetos como as roupas, calçados, objetos de higiene pessoal e toucador devem ser idealizados no sentido do mais fácil manuseio.

7. REFERÊNCIA

YEDA, Aparecida de Oliveira Duarte; DIOGO, Maria José D’Ellow Atendimento Domiciliar: Um Enfoque Gerontológico. 1ª ed. Rio de Janeiro: Atheneu.

NETTO, Matheus Papaleo. Gerontologia: A Velhice e o Envelhecimento em Visão Globalizada. 1ª ed. Atheneu.

TROMBLY, Catherine A.; RADOMSKI, Mary Vining. Terapia Ocupacional para Disfunções Físicas. 5ª ed. São Paulo: Santos Livraria editora, 2005.

Acesso: www.sbggrj.org.br;

www.insegurança.no.sapo.pt

Marcelo Cardoso
Marcelo é um profissional de Informática interessado em Internet, Programação PHP, Banco de Dados SQL Server e MySQL, Bootstrap, Wordpress. Nos tempos livres escreve nos sites trabalhosescolares.net sobre biografias, trabalhos escolares, provas para concursos e trabalhos escolares em geral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

CORONAVÍRUS

Origem da Crise Econômica

Recent Comments

Nilson Ribeiro on O QUE É ENGENHARIA CIVIL?
PABLO DA SILVA BARBOZA on FILOSOFOS BRASILEIROS
Ligeirinho Resolve on Tese Globalização
Susana Mesquita on Tese Globalização
Cátia Regina de Aquino Santos on Tratamento Multiprofissional à Terceira Idade
Kesia Oliveira do Nascimento on SUBSTANTIVOS
Ludymila Helena Arraujo Lima on DEPRESSÃO
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
Fernando on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Guilherme on Hidrocarbonetos
Ernani Júnior Silva on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Isabella on SUBSTANTIVOS
Anonimo on Adjetivos
ALVARO on SURDEZ SÚBITA
CARIMBO DA CONFUSÃO on FILOSOFOS BRASILEIROS
socorro andrade on DINÂMICA DO SORRISO
Alessandra Martins on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
Sibely on VIRUS E BACTÉRIAS
Paula on Sistema Nervoso
Samuel Delgado Pinheiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Jamal Mussa Muroto on DIVISÃO CELULAR
Guilherme on FILOSOFOS BRASILEIROS
Camila on SISTEMA DIGESTIVO
Hadouken on FILOSOFOS BRASILEIROS
Josimeire dos Angelos on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
ONEIDE abreu on REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
José Caixeta Júnior on FILOSOFOS BRASILEIROS
GILVALDO DIAS GUERRA on COMO SURGIU O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
ronald on CONSCIÊNCIA NEGRA
SÉRGIO LEONARDO TRINDADE on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
Reginaldo Coveiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
julieny kettylen on Obesidade
gabrielle barreto de oliveira on DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO
suzana stvens on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Kauã Liecheski on Tratamento do Lixo
Ligeirinho Resolve on OLIMPIADAS
Ligeirinho Resolve on A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCRITA
kamilly on Jogos Olimpicos
Marcelo Cardoso on MILITÂNCIA JOVEM
Isabella on MILITÂNCIA JOVEM
Maria Conceição Amorim on A IDENTIDADE E CULTURA DA BAHIA
Maria Conceição Amorim on FOLCLORE BRASILEIRO
Emerson Davi on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Maria dos Reis on COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR