22.8 C
Sorocaba
segunda-feira, janeiro 30, 2023

Cancioneiro – Fernando Pessoa

Cancioneiro – Fernando Pessoa

O Cancioneiro é composto por poemas líricos, rimados e metrificados, de forte influência simbolista. É do Cancioneiro um dos poemas mais célebres de Pessoa, Autopsicografia, em que reflete sobre o fazer poético: “O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm.” O leitor atento há de perceber que o poeta parte de uma dor sua, real, integral. Só quem sente uma dor pode fingir outra que não sente. Só quem tem personalidade pode ser ator. Como Fernando Pessoa. Já os leitores, lêem no poema a dor ou o sentimento que lhes falta e que gostariam de ter. Sentem-na ao atribuí-la a poeta.

Outros trabalhos relacionados

O Homem do Furo na Mão – Ignácio de Loyola Brandão

O Homem do Furo na Mão e outras histórias - Ignácio de Loyola Brandão Contos são pequenas histórias, porém densas, psicológicas. Essas são fantásticas e...

I-Juca Pirama – Gonçalves Dias

I-Juca Pirama - Gonçalves Dias I – JUCA PIRAMA típico herói romantizado, perfeito, sem mácula que desperta bons sentimentos no homem burguês leitor O VELHO...

Mapinguari – Raquel de Queiroz

Mapinguari - Raquel de Queiroz Mapinguari reúne crônicas selecionadas de dois livros, o Brasileiro perplexo e as menininhas, respectivamente de 1963 e de 1976. Rachel...

VIDAS SECAS – GRACILIANO RAMOS

Vidas secas - Graciliano Ramos Vidas Secas (1938), um dos romances mais fortes de nossa literatura, pode ser visto como irmão de Morte e Vida...