12.3 C
Sorocaba
sexta-feira, setembro 23, 2022

Cancioneiro – Fernando Pessoa

Cancioneiro – Fernando Pessoa

O Cancioneiro é composto por poemas líricos, rimados e metrificados, de forte influência simbolista. É do Cancioneiro um dos poemas mais célebres de Pessoa, Autopsicografia, em que reflete sobre o fazer poético: “O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm.” O leitor atento há de perceber que o poeta parte de uma dor sua, real, integral. Só quem sente uma dor pode fingir outra que não sente. Só quem tem personalidade pode ser ator. Como Fernando Pessoa. Já os leitores, lêem no poema a dor ou o sentimento que lhes falta e que gostariam de ter. Sentem-na ao atribuí-la a poeta.

Outros trabalhos relacionados

BOCA DO INFERNO – Gregório de Matos

Romance narrado em 3a pessoa - linguagem histórica com expressões chulas - (vulgar) referentes à sátira mordaz do poeta Gregório de Matos Guerra. Dividido em...

A AULA COMO CONHECIMENTO

Acredita-se que o professor constrói sua identidade profissional basicamente pela sua relação com o conhecimento. E é justamente a partir dessa relação que temos...

Manel Capineiro – Lima Barreto

Manel Capineiro - Lima Barreto QUEM CONHECE a Estrada Real de Santa Cruz? Pouca gente do Rio de Janeiro. Nós todos vivemos tão presos à...

O Anjo do Quarto Dia – Érico Veríssimo

O Anjo do Quarto Dia - Érico Veríssimo Primeiro colocado no 3º Prêmio Érico Veríssimo de Romance, este livro bem merece o patrocínio do nome...