15 C
Sorocaba
quarta-feira, junho 19, 2024

Cancioneiro – Fernando Pessoa

Cancioneiro – Fernando Pessoa

O Cancioneiro é composto por poemas líricos, rimados e metrificados, de forte influência simbolista. É do Cancioneiro um dos poemas mais célebres de Pessoa, Autopsicografia, em que reflete sobre o fazer poético: “O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm.” O leitor atento há de perceber que o poeta parte de uma dor sua, real, integral. Só quem sente uma dor pode fingir outra que não sente. Só quem tem personalidade pode ser ator. Como Fernando Pessoa. Já os leitores, lêem no poema a dor ou o sentimento que lhes falta e que gostariam de ter. Sentem-na ao atribuí-la a poeta.

Outros trabalhos relacionados

SERAFIM PONTE GRANDE – OSWALD ANDRADE

Serafim Ponte Grande - Oswald Andrade Composto entre l925 e 1929 e publicado em 1933, Serafim Ponte Grande, junto a Memórias Sentimentais de João Miramar,...

FILME CAPOTE

Capote é um filme estadunidense de 2005, do gênero drama biográfico, dirigido por Bennett Miller com Philip Seymour Hoffman no papel-título. Sinopse Em novembro de 1959,...

RECORDAÇÕES DO ESCRIVÃO ISAÍAS CAMINHA – LIMA BARRETO

Recordações do Escrivão Isaías Caminha - Lima Barreto O primeiro romance de Lima Barreto é uma forte crítica à sociedade hipócrita e preconceituosa e a...

POESIA ATEMPORAL – MANUEL BANDEIRA

Poesia Atemporal - Manuel Bandeira A poesia está na vida; o poeta é aquele que é sensível o suficiente para captá-la. No momento da percepção,...