terça-feira, junho 22, 2021
InícioCiências HumanasEconomiaCENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO NOS ÚLTIMOS 7 ANOS

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO NOS ÚLTIMOS 7 ANOS

Introdução

Este trabalho visa à identificação dos índices da economia política brasileira do governo até o presente e também no contexto mundial, e a partir daí observar e estudar os aspectos favoráveis e desfavoráveis usando o senso crítico, isentando-se de posicionamento partidário, para que se possa fazer um estudo e análise com resultados verdadeiros e corretos, e sem intenções de denegrir a imagem do governo, buscando soluções que objetivem melhores condições de vida para o povo em geral.

Desenvolvimento

A economia brasileira terá em 2004 seu melhor desempenho nos últimos dez anos, segundo os dados divulgados pelo governo, que mostraram que o crescimento no terceiro trimestre foi de 6,1% em relação ao mesmo período de 2003. Em comparação com o segundo trimestre, o aumento do Produto Interno Bruto (PIB) foi de 1% e no acumulado dos primeiros nove meses do ano a economia brasileira cresceu 5,3%, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Esses números, os melhores em oito anos, estão dentro das expectativas do mercado financeiro, que, como o governo, previu para 2004 um crescimento da economia de 5%.

Nos anos do primeiro mandato presidencial de Lula, a situação econômica internacional apresentou-se extraordinariamente favorável em todas as esferas. O mundo todo cresceu e puxou o Brasil com ele, e é este o principal fator responsável pelo bom desempenho de indicadores econômicos exibidos pelo governo como se fossem resultantes da política econômica doméstica. Trabalhando com dados do FMI, Figueiras e Gonçalves mostram que a renda mundial cresceu a uma taxa média de 4,9%, muito superior à média secular (1890-2006) de 3,2%, o mesmo acontecendo com a taxa de investimentos, significando um ciclo claramente expansivo da economia internacional, apesar da inflação relativamente baixa. Cresceram também o volume do comércio mundial e os preços internacionais, enquanto melhoraram as contas externas de quase todos os países, inclusive os “em desenvolvimento” (a grande exceção, que explica o fenômeno, foram os EUA).

Num cenário como este, a melhoria da situação das contas externas e a redução da vulnerabilidade externa constituíram uma tendência geral que atingiu a maioria dos países, inclusive o Brasil. Combinando, de modo criativo e audacioso, indicadores distintos comumente empregados para medir a vulnerabilidade das economias nacionais a choques e pressões externos, os autores concluem que, neste quesito, o governo Lula não é melhor do que o seu antecessor imediato (FHC, 1995-2002), embora o contexto internacional seja muito mais favorável, nem melhor do que a média mundial entre 2003 e 2006. Ao contrário da propaganda oficial, o que os números indicam é que o “governo Lula deve ser responsabilizado pela perda da extraordinária oportunidade criada pelo contexto internacional pós-2002”.

Os produtos que respondem pela maior competitividade internacional das exportações brasileiras são intensivos em recursos naturais e caracterizam o que os autores chamam de “especialização retrógrada”, isto é, a participação crescente de bens primários no valor (e não apenas no volume) das exportações. Os produtos intensivos em tecnologia, de alto valor agregado e de impacto maior nas cadeias produtivas, mantiveram tendência a reduzir sua participação nas exportações, acentuando a trajetória de “retrocesso industrial” a qual o governo Lula deu continuidade. O crescimento industrial em termos absolutos não é suficiente para inverter a trajetória de queda relativa do peso da indústria no PIB, na geração de postos de trabalho e no montante das exportações.

Conclusão

Muitas vezes aquilo que nos é transmitido através da mídia não está coerente com a realidade, daí a necessidade de termos visão crítica para podermos discerni o que é real da propaganda manipuladora e enganosa. Quando vemos os noticiários temos a impressão de que o governo Lula veio para salvar a Pátria, mas especialistas no assunto, através de suas análises mostram o contraditório. Sabemos que o governo Lula investiu em vários Programas como, por exemplo: PROUNI – Universidade para todos, programa bolsa escola, programa bolsa família e outros programas que visam o atendimento na área social.

Mas ainda existem preocupações maiores: o desemprego que leva o pai de família ao desespero por não ter como sustentar sua família, falta de segurança pública onde as pessoas de bem ficam à mercê de bandidos que ceifam vidas por motivos fúteis, é necessário à criação de programas para combater a prostituição infantil, tráfico de drogas, tirarem as crianças de ruas oferecendo a elas melhores condições de vida e oportunidades de crescimento para que possam exercer sua cidadania. A má distribuição de renda é um dos grandes fatores que levam muitos para o mundo do crime, pois uns têm muito e outros não têm nada.

BIBLIOGRAFIA

1-http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/osal/osal26/20lula.pdf
2-http://noticias.uol.com.br/ultnot/. jhtm

Marcelo Cardoso
Marcelo é um profissional de Informática interessado em Internet, Programação PHP, Banco de Dados SQL Server e MySQL, Bootstrap, Wordpress. Nos tempos livres escreve nos sites trabalhosescolares.net sobre biografias, trabalhos escolares, provas para concursos e trabalhos escolares em geral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

CORONAVÍRUS

Origem da Crise Econômica

Recent Comments

Nilson Ribeiro on O QUE É ENGENHARIA CIVIL?
PABLO DA SILVA BARBOZA on FILOSOFOS BRASILEIROS
Ligeirinho Resolve on Tese Globalização
Susana Mesquita on Tese Globalização
Cátia Regina de Aquino Santos on Tratamento Multiprofissional à Terceira Idade
Kesia Oliveira do Nascimento on SUBSTANTIVOS
Ludymila Helena Arraujo Lima on DEPRESSÃO
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
Fernando on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Guilherme on Hidrocarbonetos
Ernani Júnior Silva on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Isabella on SUBSTANTIVOS
Anonimo on Adjetivos
ALVARO on SURDEZ SÚBITA
CARIMBO DA CONFUSÃO on FILOSOFOS BRASILEIROS
socorro andrade on DINÂMICA DO SORRISO
Alessandra Martins on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
Sibely on VIRUS E BACTÉRIAS
Paula on Sistema Nervoso
Samuel Delgado Pinheiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Jamal Mussa Muroto on DIVISÃO CELULAR
Guilherme on FILOSOFOS BRASILEIROS
Camila on SISTEMA DIGESTIVO
Hadouken on FILOSOFOS BRASILEIROS
Josimeire dos Angelos on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
ONEIDE abreu on REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
José Caixeta Júnior on FILOSOFOS BRASILEIROS
GILVALDO DIAS GUERRA on COMO SURGIU O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
ronald on CONSCIÊNCIA NEGRA
SÉRGIO LEONARDO TRINDADE on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
Reginaldo Coveiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
julieny kettylen on Obesidade
gabrielle barreto de oliveira on DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO
suzana stvens on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Kauã Liecheski on Tratamento do Lixo
Ligeirinho Resolve on OLIMPIADAS
Ligeirinho Resolve on A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCRITA
kamilly on Jogos Olimpicos
Marcelo Cardoso on MILITÂNCIA JOVEM
Isabella on MILITÂNCIA JOVEM
Maria Conceição Amorim on A IDENTIDADE E CULTURA DA BAHIA
Maria Conceição Amorim on FOLCLORE BRASILEIRO
Emerson Davi on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Maria dos Reis on COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR