21.6 C
Sorocaba
quinta-feira, maio 23, 2024

CHINA E A POLÍTICA DO FILHO ÚNICO

CHINA E A POLÍTICA DO FILHO ÚNICO

Pequenos Imperadores
A política de filho único foi lançada pelo governo no fim da década de 70, consiste numa lei onde fica proibido na China ter mais de um filho. Casais que têm mais de um filho são punidos com multas. Existem hoje 80 milhões de filhos únicos na China. Conhecidos como “pequenos imperadores”

Objetivos
É uma desesperada tentativa de controlar o crescimento populacional que já chegou a 1 bilhão e 300 milhões de pessoas e facilitar o acesso da população a um sistema de saúde e educação com qualidade . Segundo informações oficiais, a política do filho único evitou que a população da China explodisse com mais 400 milhões de pessoas nos últimos 25 anos.

Exceções e Ambiguidades
Apesar de ser chamada de política do filho único, as regras oferecem uma série de exceções e ambiguidades, algumas existentes devido à ampla oposição ao limite. Por exemplo, em grande parte da China rural, a maioria das famílias pode ter um segundo filho, principalmente se a primeira for mulher.

Conseqüências – Desequilíbrio Demográfico
Críticos dessa lei, afirmam que ela foi responsável pelo aumento de abortos, principalmente fetos do sexo feminino. Se um casal pode ter somente um filho, conseqüentemente vai querer um filho homem, sendo esta uma exigência cultural ainda profundamente arraigada no povo chinês. Se, por acaso, o bebê é menina, surge para o casal um gravíssimo problema ético e cultural: se ficar com ela, não pode mais ter o filho homem. A triste realidade é normalmente a morte ou o abandono da menina recém-nascida.

China – A Tradição pelo Filho Homem
Na China, a preferência dos pais pelo filho de sexo masculino é uma tradição profundamente arraigada, desde a idade feudal. No filho homem, concentra-se a responsabilidade de manter os pais quando idosos, de possibilitar-lhes um enterro solene, de fazer as oferendas sobre os túmulos deles para as necessidades após morte, conforme a tradição confuciana. Somente o filho homem é o único herdeiro dos bens da família. A menina, pelo contrário, é destinada a se casar pouco importa se gostar ou não, se for amada ou desrespeitada pelo marido.

China alivia política do filho único após terremoto
Mães que perderam filho no terremoto de Sichuan terão autorização para engravidar.
O terremoto de 12 de maio foi ainda mais doloroso para muitos chineses pois ele matou muitos filhos únicos. A destruição de quase 7.000 salas de aula durante um dia letivo abalou a China, com imagens nos jornais focando em pequenas mãos e em mochilas em meio aos montes de escombros. Não há informações oficiais sobre quantas crianças estão entre os mortos, mas estima-se que passem de 10 mil.

Filho – Só com autorização
O governo chinês decidiu abrir uma exceção na política de filho único para pais cujo filho foi morto, gravemente ferido ou incapacitado pelo terremoto do dia 12, de 7,9 graus na escala Richter. De acordo com a Comissão de Planejamento Familiar e População de Chengdu, capital da Província de Sichuan – a mais afetada -, os pais de vítimas da tragédia (a medida vale só para eles) que desejarem ter outro filho poderão conseguir certificados nas comissões das cidades de Chengdu, Dujiangyan e Pengzhou. O governo planeja atender inicialmente 1.200 famílias.

Outros trabalhos relacionados

Biogeografia do Pantanal

Pantanal: Aspectos geomorfológicos históricos A necessidade de se fazer esclarecimentos a respeito da origem e evolução da depressão pantaneira levou alguns pesquisadores à busca da...

BRIC – BRASIL, RÚSSIA, ÍNDIA E CHINA

BRIC - BRASIL, RÚSSIA, ÍNDIA E CHINA O que é o Bric? Bric - grupo formado pelas economias emergentes de Brasil, Rússia, Índia e China. Analistas...

DIFERENÇAS ENTRE ZONA URBANA X ZONA RURAL

DIFERENÇAS ENTRE ZONA URBANA E ZONA RURAL ZONA URBANA: Conceito: A definição de zona urbana varia consoante o país. De uma forma geral, é considerada urbana qualquer...

PROTOCOLO DE KYOTO – REDUÇÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL

Depois de mais de seis anos de negociações, entrou em vigor, no dia 16 de fevereiro de 2005, o Protocolo de Kyoto, único instrumento...