segunda-feira, janeiro 25, 2021
Início Ciências Biologicas Biologia Dificuldades de Aprendizagem e a Influencia Familiar

Dificuldades de Aprendizagem e a Influencia Familiar

Este artigo foi elaborado a partir do estudo de um caso clinico e aborda como as atitudes familiares podem influenciar o desenvolvimento da aprendizagem. A escolha deste assunto foi feita com base em um estudo de caso clínico em psicope-dagogia. O estudo de caso foi realizado com uma criança encaminhada, através da escola, para atendimento psicopedagógico em uma clinica. Após a análise (avaliação psicopedagógica), pôde-se perceber o quanto as atitudes familiares podem estar envolvidas no comprometimento do desejo de aprender. O problema de aprendiza-gem era o sintoma apresentado pela criança. Nesse sentido, o artigo propõe reflexões sobre tais atitudes e sobre a aprendizagem como sintoma.



1. INTRODUÇÃO

Esta pesquisa refere-se a influencia da família no processo de ensino-aprendizagem do sujeito, de que forma este contexto pode colaborar para o desen-volvimento global no contexto acadêmico ou até onde pode ser prejudicial.

As dificuldades de Aprendizagem ainda é um assunto envolto em inú-meros pardigmas no âmbito escolar. Atuando na área de educação, resolvemos pesquisar e nos aprofundar no assunto. A partir destes conceitos buscamos explanar a importância do trabalho especializado da psicopedagogia para o auxilio no desenvolvimento da aprendizagem do aluno com dificuldades de apren-dizagem e a influencia da família neste processo.

A aprendizagem depende basicamente da motivação. Muitas vezes o que se chama de dificuldade de aprendizagem é basicamente “dificuldade de ensino”. Sabe-se que cada indivíduo tem seu modo peculiar de aprender, conforme seu canal perceptivo preferencial. (Matos)

Silva (2006) reforça que a aprendizagem é considerada um processo natu-ral, que resulta de uma complexa atividade mental, na qual o pensamento, a per-cepção, as emoções, a memória, a motricidade e os conhecimentos prévios estão envolvidos e onde a criança deva “sentir o prazer” em aprender.

A terminologia “dificuldade de aprendizagem” começou a ser usado na dé-cada de 60 e ate hoje, na maioria das vezes, e confundido por pais e educadores como uma simples desatenção em sala de aula. Mas a dificuldade de apren-dizagem refere-se a um distúrbio que pode ser gerado por uma serie de problemas “cognitivos, orgânicos ou emocionais”, podendo afetar qualquer área da aprendizagem. (Neto, 2009)

O campo de dificuldades de aprendizagem agrupa efetivamente uma desorganizada variedade de conceitos, critérios, teorias, modelos e hipóteses, desig-nando assim um fenômeno extremamente complexo. Historicamente já foi concebido que as dificuldades de aprendizagem incluem atividades acadêmicas e não acadêmicas. As acadêmicas englobariam as dificuldades de leitura, soletração, matemática e escrita; e as não acadêmicas incluiriam problemas viso-motores, no processamento fonológico, na linguagem, na memória e também problemas perceptivos. (Silva, 2008)

Já segundo Smith e Strick (2001, p.14) “Dificuldades de Aprendizagem são problemas neurológicos que afetam a capacidade do cérebro para entender, recor-dar ou comunicar informações”.

Considerando-se os dois principais manuais internacionais de diagnóstico,as dificuldade de aprendizagem são assim definidos:

1. CID – 10: organizado pela Organização Mundial de Saúde – OMS/1992

…”grupos de transtornos manifestados por comprometimentos específicos e signifi-cativos no aprendizado de habilidades escolares. Estes comprometimentos no a-prendizado não são resultados diretos de outros transtornos (tais como retardo mental, déficits neurológicos grosseiros, problemas visuais ou auditivos não corri-gidos ou perturbações emocionais) embora eles possam ocorrer simultaneamente em tais condições”… (1993: 237)

2. DSM – IV: organizado pela Associação Psiquiátrica Americana/1995

“Os transtornos de aprendizagem são diagnosticados quando os resultados do in-divíduo em testes padronizados e individualmente administrados de leitura, ma-temática ou expressão escrita estão substancialmente abaixo do esperado para sua idade, escolarização ou nível de inteligência… Os transtornos de aprendizagem po-dem persistir até a idade adulta” (1995: 46)

Ambos os manuais consideram, basicamente, três tipos de transtornos, quais sejam, da leitura (dislexia), da escrita (disgrafia e disortografia) e das habilidades matemáticas (discalculia). Também referem que, em qualquer dos casos, deve haver os seguintes requisitos para o diagnóstico de transtorno:

– Ausência de comprometimento intelectual, neurológico evidente ou sensorial
– Adequadas condições de escolarização
– Início situado obrigatoriamente na primeira ou segunda infância

Contudo vimos que tratar sobre o desenvolvimento do sujeito e, consequente-mente, da construção de sua aprendizagem, implica conhecer a história vital, familiar e escolar. Implica, também, se apropriar das condições que foram propor-cionadas para a evolução dos conhecimentos e, mais ainda, do quanto é significativo o aprender para o sujeito.

1.1. A INFLUÊNCIA FAMILIAR

A aprendizagem humana envolve uma árdua relação sujeito-objeto. O sujei-to nasce com um ser biológico e logo se constitui com um ser psicológico. As evoluções normais das ações cognitivas dependem das condições externas, mais especificamente das relações entre a criança e sua família. (FONSECA, 1999)

Pilletti (1984) considera, como diversos outros autores, que as primeiras ex-periências educacionais das crianças , geralmente são proporcionadas pela família. (apud FONSECA, 1999) Para o autor através das influencias familiares, vai-se paula-tinamente moldando seu comportamento. Os pais fazem na maioria das vezes de modo inconsciente.

De acordo com Içami Tiba psiquiatra e psicodramatista que escreveu sobre a importância da educação familiar

A maior segurança para os navios pode estar no porto, mas eles foram construídos pra singrar os mares. Por maior segurança, sentimento de preservação e de manutenção que possam sentir junto aos pais, os filhos nasceram para singrar os mares da vi-da, onde vão encontrar aventuras e riscos, terras, culturas e pessoas diferentes. Para lá levarão seus conhecimentos e de lá trarão novidades e outros costumes, ou, se gostarem dali, poderão permanecer, porque levam dentro de si um pouco dos pais e de seu país. (2002:23)

A educação familiar é um fator bastante importante na formação da perso-nalidade da criança, desenvolvendo sua criticidade, ética e cidadania refletindo di-retamente no processo escolar (LOPES & VIVALDO, 2007)

Com base no referencial teórico, iremos relatar um caso clínico que com-prova o quanto a família pode influenciar na vida escolar positivamente ou negati-vamente.

2. OBJETIVOS

Analisar e discutir a influencia da família no processo de ensino e aprendizagem do sujeito através de um caso clinico psicopedagógico.

3. MÉTODOS

Abaixo estará o relato do caso clinico de uma criança em idade escolar que apresentou dificuldades de aprendizagem e foi encaminhado à clinica psico-pedagógica, por motivos de preservação e segurança, iremos chamá-lo pela abre-viação “F.C.”

F.C. é uma criança com facilidade de fazer amizades e se comunicar, estatura baixa, franzino. O desejo da mãe, de que continue sendo seu bebê, é explicitado em diversos momentos da entrevista. Dentre eles: é ainda dormir na cama com os pais; a mãe incentivou a parar de tomar mamadeira, mas depois tentou fazer com que ele tomasse novamente; ela leva e busca na escola que é bem próxima da sua casa; ele tem muitos medos (escuro, doença, temporal, etc.) e muitos deles só aparecem na presença da mãe. Com base na construção da hipótese diagnóstica, que se refere ao fato da mãe desejar que ele não cresça e este, ocupar esse “papel” de bebê, inclusive fisicamente (organicamente). Pode-se, perceber que apesar de estar alfabetizado, ele apresenta dificuldades de apren-dizagem quanto ao fato de expandir seus conhecimentos e consequentemente expandir-se como sujeito.

Pois, aprender e conhecer para pode representar entender seu papel na relação de seus pais, desapontar a sua mãe, reconhecer o seu desejo em contrapartida ao desejo da mãe. Esse revelar-se através do saber, pode significar sofrimento para, que por isso se nega a mostrar o que sabe.

Foi inicialmente feito uma entrevista com a mãe, para uma possível sondagem sobre a vida acadêmica e o desenvolvimento de F.C. desde o PIU (perío-do intra-uterino). Com questionamentos sobre alimentação, comportamento, relação com outras crianças e vida escolar.

Foram aplicados em F.C. testes psicopedagógicos através de desenhos, lei-tura, escrita, jogos e decodificações de símbolos. Estes testes comprovaram a capa-cidade de F.C. com a aprendizagem e interação com o meio, relatando que sua difi-culdade de aprendizagem era uma influencia afetiva da mãe.

Quanto ao uso de testes de acordo com BOSSA (1994) Alguns testes utiliza-dos são de uso exclusivo de psicólogos, como as Provas de Inteligência (Wisc),Testes Projetivos, Avaliação perceptomotora (Teste Bender), Teste de Aper-cepção Infantil (CAT.), Teste de Apercepção Temática(TAT.). Vale ressaltar que es-tes testes foram aplicados de forma multidisciplinar juntamente ao profissional da área para obter resultados mais precisos.

Foi utilizado também a avaliação assistida ou avaliação dinâmica, está fun-damentada na teoria sócio-construtivista proposta por VYGOTSKY, a qual aborda a “aprendizagem mediada e a zona de desenvolvimento proximal”.

O atendimento de F.C. ocorreu durante nove sessões, sendo a ultima sessão tendo a participação da mãe para a amostra do diagnóstico da criança.

Através das informações obtidas, observou-se uma dificuldade de aprendi-zagem sintoma, que tem por base a existência de um contrato de sobrevivência en-tre a criança e sua mãe. A questão norteadora para a compreensão das dificuldades da lecto-escrita apresentadas, está diretamente vinculada ao desejo que a mãe pos-sui de que ele não cresça. Portanto, o menino, tem todas as possibilidades de aprender, mas não pode mostrar o que sabe para não romper com o contrato de sobrevivência existente na família.

Sugestões para o auxilio da família no desenvolvimento de F.C. segundo a Psicopedagoga responsável pelo caso:

– Oportunizar através do lúdico, que F.C. desempenhe papéis (jogo simbóli-co) condizentes com a sua idade, e até, por vezes, papéis adultos. Favorecendo a aquisição da sua independência;
– Estabelecer que tenha seu espaço determinado na sua casa, dormindo sozi-nho, cumprindo tarefas, participando das decisões e conversas familiares. Para que, desta maneira ele desenvolva responsabilidades, percebendo a sua importância e, conseqüentemente o seu lugar;
– Autorizá-lo a realizar atividades que valorizem seu crescimento. Ex.: vo-cê pode ir e voltar sozinho da escola, pois você já é “grande” o bastante; você pode “dormir” sozinho, porque nada de mal lhe acontecerá; você pode acender o fogão, porque você vai cuidar; etc. Conversar sobre os medos e as questões que lhe afligem;
– Possibilitar momentos de expressão da linguagem oral e escrita, contextuali-zados pelo desejo, por exemplo, jogos de videogame, que, por serem momentos de prazer, facilitariam que ele revelasse seus saberes.

Com base na entrevista e provas projetivas realizadas, conclui de que há um contrato de sobrevivência entre F.C. e sua mãe. Neste contrato F.C. deve manter-se no seu papel de bebezinho da mãe, que admite não desejar que seu fi-lho cresça, sendo esta, a causa dos sintomas apresentados pela criança. Esta família também apresenta segredos, começando pela omissão da mãe sobre a gravidez, sendo que o pai foi informado por terceiros.

O fato de ele ter descoberto apenas aos 9 anos que seu irmão não é filho de seu pai também denota que o segredo é presente nesta família, pois esta in-formação lhe foi omitida por muitos anos, o que pode criar em seu imaginário a fantasia de que, já que o irmão não é filho deste pai, talvez ele também não o se-ja.

Em seu desenho faz um rosto e apaga, ficando a marca no papel, nos revelando a possibilidade de haver mais um segredo, que talvez ainda não tenha sido revelado.

Mesmo já estando alfabetizado, ainda apresenta dificuldades de lecto-escrita, onde quando escreve se esquece de letras no meio das palavras, e quando lê omite algumas letras, como o “r”. Em alguns momentos em seu caderno, que tivemos a oportunidade de ver, ele escreve algumas palavras pela metade, não fazendo isto no texto que produziu sobre a história que propomos.

Tendo observado o desenho da família, concluí que ele apresenta o dese-jo de se libertar do papel que lhe é imposto pela sua família, pois em seu desenho faz um quarto para ele e o irmão separado do quarto dos pais, onde a cama de seu irmão fica entre a sua cama e o quarto que desenhou para seus pais. No mesmo desenho observei que se coloca distante do pai, e põe seu irmão entre ele e sua mãe. Isto contradiz a fala da mãe, que em dado momento da entrevista nos informa que muitas vezes quando ela o leva a escola é ele quem pega na sua mão para andar na rua. Acredito que para que ocorra o crescimento, e conseqüentemente a aprendizagem de uma forma saudável, se faz necessário libertar da proteção da mãe.

O casamento dos pais se apóia na vida dele, foi a gestação dele que uniu es-te casal, os mantendo juntos até hoje. Uma mudança no papel que F.C. ocupa significaria a desestruturação de todo este movimento familiar, mexendo não só com ele, mas com as posições tomadas por todos, principalmente a da mãe.

Considerando o que foi exposto a aprendizagem da criança é um processo no qual deve acontecer de formal motivante. Mussen confirma que (1970) a aprendi-zagem ocorrerá de maneira mais satisfatória se houver uma motivação (necessidade ou desejo de aprendê-la).

José & Coelho (1999) também consideram como desencadeantes dos distúr-bios de aprendizagem, o tipo de educação familiar e fatores psicológicos (inibição, ansiedade, angústia, inadequação à realidade, sentimento generalizado de rejeição, etc.)

Dessa forma confirma-se a ideia de Lopes e Vivaldo citado acima, o qual diz que a educação familiar é um fator bastante importante na formação da personalidade da criança, desenvolvendo sua criticidade, ética e cidadania refletindo diretamente no “processo escolar”.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Pudemos observar que a influencia familiar pode causar grandes impactos na vida acadêmica e no desenvolvimento global de uma criança, causando assim possíveis dificuldade de aprendizagem

O fator família é de suma importância para o bom rendimento escolar, se-gundo o referencial teórico exposto nesta pesquisa esse fator pode atuar como principal motivador para o sucesso escolar, do contrário, a má influencia familiar pode ser a grande causadora das repetências, desinteresse e das dificuldades na aprendizagem.

Conseqüentemente ao exposto, fica clara a necessidade do apoio familiar, da presença dos pais na vida acadêmica de seus filhos, da aproximação e do papel de motivadores que devem exercer.



REFERÊNCIAS

BOSSA, N. AP. A PSICOPEDAGOGIA NO BRASIL: CONTRIBUIÇÕES A PARTIR DA PRÁTICA. PORTO ALEGRE: ARTES MÉDICAS, 1994.

FONSECA, N.G. A INFLUENCIA DA FAMILIA NA APRENDIZAGEM DA CRIANÇA. CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONALDIOLOGIA CLÍNICA E LINGUAGEM. SÃO PAULO, 1999]

JOSÉ, E. da A.; COELHO, M.T. Problemas de Aprendizagem. São Paulo, Áti-ca,1999, 9-25p

LOPES, A; VIVALDO, L. A influencia da Família no rendimento escolar do indivi-duo. Revista virtual Partes. Disponível em: http://www.partes.com.br/educacao/familiaerendimento.asp . Acesso em: 01 dez. 2009

MATOS, L. Dificuldades de aprendizagem. Disponivel em: http://www.albertomatos.net/psico.php?id=46 Acesso em: 01 dez. 2009

MUSSEN, P.H. O desenvolvimento psicológico da criança, 5ª edição. Rio de Janei-ro, 1970, 54-131p

NETO, A. N. Dificuldades de Aprendizagem. Disponível em: http://dificuldadesdeaprendizagem.com/dificuldades_difi.html# Acesso em: 01 dez. 2009

PILETTI, N. Psicologia educacional. São Paulo, Ática, 1984, 273-87p

SILVA V.F. Problemas de Aprendizagem: possíveis intervenções psicopedagógicas. Disponível em: http://www.psicopedagogia.com.br/artigos/artigo.asp?entrID=882 acesso em: 01 dez. 2009

SILVA, N.M.D. Dificuldades de Aprendizagem. Disponível em: http://www.colegiosantamaria.com.br/santamaria/aprenda-mais/artigos/ver.asp?artigo_id=1. Acesso em: 01 dez. 2009

SMITH, C.; STRICK, L. DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DE A A Z. TRAD. DAYSE BAPTISTA. PORTO ALEGRE, ARTMED, 2001. 332P.

TIBA, IÇAMI. DISCIPLINA, LIMITE NA MEDIDA CERTA. 41ª ED. SÃO PAULO: GENTE, 1996. 240P.

TIBA, IÇAMI. DISCIPLINA, LIMITE NA MEDIDA CERTA. 41ª ED. SÃO PAULO: GENTE, 1996. 240P.

____________. Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID – 10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Mé-dicas, 1993.

____________. DSM – IV – Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

CORONAVÍRUS

Origem da Crise Econômica

Recent Comments

Nilson Ribeiro on O QUE É ENGENHARIA CIVIL?
PABLO DA SILVA BARBOZA on FILOSOFOS BRASILEIROS
Ligeirinho Resolve on Tese Globalização
Susana Mesquita on Tese Globalização
Cátia Regina de Aquino Santos on Tratamento Multiprofissional à Terceira Idade
Kesia Oliveira do Nascimento on SUBSTANTIVOS
Ludymila Helena Arraujo Lima on DEPRESSÃO
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
Fernando on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Guilherme on Hidrocarbonetos
Ernani Júnior Silva on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Isabella on SUBSTANTIVOS
Anonimo on Adjetivos
ALVARO on SURDEZ SÚBITA
CARIMBO DA CONFUSÃO on FILOSOFOS BRASILEIROS
socorro andrade on DINÂMICA DO SORRISO
Alessandra Martins on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
Sibely on VIRUS E BACTÉRIAS
Paula on Sistema Nervoso
Samuel Delgado Pinheiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Jamal Mussa Muroto on DIVISÃO CELULAR
Guilherme on FILOSOFOS BRASILEIROS
Camila on SISTEMA DIGESTIVO
Hadouken on FILOSOFOS BRASILEIROS
Josimeire dos Angelos on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
ONEIDE abreu on REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
José Caixeta Júnior on FILOSOFOS BRASILEIROS
GILVALDO DIAS GUERRA on COMO SURGIU O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
ronald on CONSCIÊNCIA NEGRA
SÉRGIO LEONARDO TRINDADE on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
Reginaldo Coveiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
julieny kettylen on Obesidade
gabrielle barreto de oliveira on DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO
suzana stvens on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Kauã Liecheski on Tratamento do Lixo
Ligeirinho Resolve on OLIMPIADAS
Ligeirinho Resolve on A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCRITA
kamilly on Jogos Olimpicos
Marcelo Cardoso on MILITÂNCIA JOVEM
Isabella on MILITÂNCIA JOVEM
Maria Conceição Amorim on A IDENTIDADE E CULTURA DA BAHIA
Maria Conceição Amorim on FOLCLORE BRASILEIRO
Emerson Davi on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Maria dos Reis on COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR