terça-feira, junho 22, 2021
InícioCiências ExatasQuímicaEnergias de Ordem Química

Energias de Ordem Química

1. TRAUMATOLOGIA FORENSE

Estuda as lesões corporais, (queimaduras, sevícias, infanticídio e Asfixias) sob o ponto de vista jurídico e das energias causadoras do dano. As lesões de ordem química é umas dessas energias.

2. LESÕES CORPORAIS

Implicações jurídicas dos traumatismos.

Traumatismos. Implica toda a energia externa que atua sobre o indivíduo. Essa energia externa vai traduzir em desvio da normalidade, que pode ter tradução morfológica ou não (hematoma, ou equimose).

Lesão. É sempre uma alteração estrutural. Art. 129 do CP.

Não se pode parecer alguém que melhore o estado de outrem (melhore a saúde do outro). Ex.: pontapé no outro.

A autolesão não caracteriza o delito (de lesões corporais)

3. ENERGIA DE ORDEM QUÍMICA

3.1. Vitrolagem

O nome vem de vitríolo, que significa acido sulfúrico. São as lesões viscerais e cutânea produzidas por substâncias cáusticas, podendo ser de natureza jurídica, criminosa, suicida ou acidental.

3.2. Venenos

Um veneno é uma substância que, quando introduzida no organismo em quantidades pequenas e agindo quimicamente, é capaz de produzir lesões graves à saúde, no caso do indivíduo comum e no gozo de relativa saúde.

É toda substância que lesa a integridade corporal ou a saúde do indivíduo ou lhe produz a morte, mesmo em quantidades relativamente pequenas.

Uma substância pode ser concomitantemente medicamento e veneno, dependendo da quantidade que é administrada.

O conceito de veneno está intimamente vinculado à dose.

3.2.1. Os venenos podem ser:

Medicamentos: depressores e estimulantes do snc sistema nervoso central;
Produtos químicos diversos:

• Raticidas e formicidas a base de arsênico
• Cianetos e
• Fósforo

Plantas tóxicas:

• Mandioca brava
• Espada de São Jorge e
• Mamona

Animais: serpentes, aranhas, vespas, abelhas

3.2.2. Ciclo toxicológico seguido pelo veneno:

1º absorção ou via de administração – depende da substância, oral, pele, mucosa, hipodérmica, endovenosa assim, o veneno de cobra, via oral, é inócuo
2º distribuição – o veneno é circulado pelo sangue e passa aos tecidos
3º fixação – o veneno, especificamente, fixa-se no órgão onde vai agir (tropismo). Ex: os metálicos no fígado, os estupefacientes no sistema nervoso etc
4º transformação – o organismo defende-se dos venenos transformando-os em derivados menos tóxicos e substâncias mais solúveis e,
5º eliminação – cada veneno tem a sua dose tóxica e mortal;

Para que se caracterize, com certeza uma morte por envenenamento, além da identificação de uma substância química tóxica no corpo da vítima, é necessário que se verifique a concentração da referida substância.

As substâncias são eliminadas pela urina, fezes, saliva etc.

3.2.3. Características gerais dos venenos

Cada veneno tem a sua dose tóxica e mortal;
A pureza e a frescura da substância influi na toxidez;
A via de penetração é importante, v,g., injeção ao invés de ingestão;
A tolerância é fundamental na dose mortal, pode ocorrer que uma grande dose seja inócua;
Idiossincrasia: (inverso da tolerância – sensibilidade anormal ao veneno);
Para que se caracterize, com certeza uma morte por envenenamento, além da identificação de uma substância química tóxica no corpo da vítima, é necessário que se verifique a concentração da referida substância.

3.2.4. Diagnóstico de envenenamento:

Critério clínico: sintomas característicos de cada substância
Critério anatomopatológico: exames laboratoriais
Exame macroscópico: análise do corpo observando lesões na boca, odores característicos, coloração da pele etc.
Exame necroscópico: coleta de vísceras para exames laboratoriais

3.2.5. Intoxicações alimentares:

São danos devidos ao uso de alimentos por si só inofensivos, mas que se tornam nocivos pelas toxinas ou micróbios podem ser provocadas:

Pelas embalagens dos alimentos, em especial, latarias
Pela existência de substâncias conservantes em grande dose
Pela carne crua de animais doentes, em especial, o portador de carbúnculo
Por alimentos tóxicos, tais como peixes, crustáceos e cogumelos, ou ainda,
Por alimentos deteriorados, como, por exemplo palmito em conserva (botulismo).

3.2.6. Modificadores da ação dependem diretamente:

Da substância:
natureza
dose
via de administração

Do indivíduo:

fatores próprios
fatores temporários
fatores mórbido
fatores excepcionais

3.2.7. Manifestações clínicas:

Síndrome gastrintestinal
Síndrome renal tóxico
Síndrome hepática
Síndrome polineurítica
Síndrome respiratória
Encefalopatia

3.2.8. Defesa orgânica:

fígado
ossos
pulmões
tecidos gordurosos
leucócitos
outros

3.2.9. Tratamento:

Terminar a exposição do organismo ao tóxico
Promover a excreção do tóxico
Emprego de medicamentos específicos (antídotos e antagonistas)
Emprego de medidas gerais de sustentação e sintomáticos.

Necrópsia em caso de envenenamento

Legislação:

O código penal brasileiro pune os casos de homicídio em que se lança meio de veneno, com maior severidade (agravante), por considerá-lo meio insidioso ou cruel (art. 61, inciso II, letra “d”).

Natureza jurídica:

Acidental
Suicídio
Envenenamento judicial
Vícios
Crimes dolosos
Crimes culposos
Armas de guerra e de política

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

CORONAVÍRUS

Origem da Crise Econômica

Recent Comments

Nilson Ribeiro on O QUE É ENGENHARIA CIVIL?
PABLO DA SILVA BARBOZA on FILOSOFOS BRASILEIROS
Ligeirinho Resolve on Tese Globalização
Susana Mesquita on Tese Globalização
Cátia Regina de Aquino Santos on Tratamento Multiprofissional à Terceira Idade
Kesia Oliveira do Nascimento on SUBSTANTIVOS
Ludymila Helena Arraujo Lima on DEPRESSÃO
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
Fernando on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Guilherme on Hidrocarbonetos
Ernani Júnior Silva on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Isabella on SUBSTANTIVOS
Anonimo on Adjetivos
ALVARO on SURDEZ SÚBITA
CARIMBO DA CONFUSÃO on FILOSOFOS BRASILEIROS
socorro andrade on DINÂMICA DO SORRISO
Alessandra Martins on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
Sibely on VIRUS E BACTÉRIAS
Paula on Sistema Nervoso
Samuel Delgado Pinheiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Jamal Mussa Muroto on DIVISÃO CELULAR
Guilherme on FILOSOFOS BRASILEIROS
Camila on SISTEMA DIGESTIVO
Hadouken on FILOSOFOS BRASILEIROS
Josimeire dos Angelos on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
ONEIDE abreu on REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
José Caixeta Júnior on FILOSOFOS BRASILEIROS
GILVALDO DIAS GUERRA on COMO SURGIU O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
ronald on CONSCIÊNCIA NEGRA
SÉRGIO LEONARDO TRINDADE on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
Reginaldo Coveiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
julieny kettylen on Obesidade
gabrielle barreto de oliveira on DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO
suzana stvens on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Kauã Liecheski on Tratamento do Lixo
Ligeirinho Resolve on OLIMPIADAS
Ligeirinho Resolve on A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCRITA
kamilly on Jogos Olimpicos
Marcelo Cardoso on MILITÂNCIA JOVEM
Isabella on MILITÂNCIA JOVEM
Maria Conceição Amorim on A IDENTIDADE E CULTURA DA BAHIA
Maria Conceição Amorim on FOLCLORE BRASILEIRO
Emerson Davi on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Maria dos Reis on COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR