A Febre é uma elevação da temperatura do corpo de origem interna, provocada por um aumento do metabolismo e, portanto, com maior produção de calor e com uma alteração do equilíbrio entre produção e dispersão, sendo esta inferior à produção.

Nesta definição estão excluídas as hipertermias não febris, como a o golpe de calor, que é causado por um defeito da termodispersão.

A causa mais frequente da febre é representada pelas doenças infecciosas que a provocam devido a uma alteração dos centros encefálicos que regulam a temperatura do corpo, induzida por produtos de origem bacteriana ou pelos tecidos destruídos. Acontece que o metabolismo é regulado de maneira que seja produzido mais calor, não sendo a produção compensada por maior eliminação.

Causas menos frequentes são as intoxicações alimentares, o hipertireoidismo, as substâncias químicas, a fadiga física, a distonia neurovegetativa (que, por norma, só conseguem produzir ligeiros aumentos de temperatura).

Durante a febre produzem-se uma série de alterações funcionais dos vários aparelhos orgânicos: com efeito, são alterados os aparelhos cardiocirculatório, respiratório, digestivo e urinário.

O indivíduo com febre apresenta um aumento do ritmo cardíaco proporcional à elevação febril (oito pulsações por cada grau de temperatura), um aumento dos movimentos respiratórios, alterações do aparelho digestivo (por exemplo, falta de apetite, náuseas, vómitos, obstipação, diminuição da diurese e emissão de urina de cor amarelo-escura). Além disso, existem várias alterações do metabolismo dos hidratos de carbono e das proteínas, com produção e eliminação de azoto pelo menos três vezes superior ao normal.

Segundo a elevação, as temperaturas podem ser:

    • •subfebris (37,5ºC – 38ºC)
    • •ligeiras (38ºC – 38,5ºC)
    • •moderadas (38,5ºC – 39ºC)
    •altas (superiores a 39ºC

)

Segundo a evolução, existem também vários tipos de febre. Estes são alguns exemplos mais comuns:

    • •intermitente: neste tipo, surgem acessos febris separados por períodos de temperatura normal;
    • •contínua: a temperatura mantém-se elevada, com abaixamentos diários que não ultrapassam o 1ºC (na pneumonia, febre tifóide, etc) ;
    • •remitente: nesta forma, a temperatura apresenta oscilações diárias superiores a 1ºC (típicas dos processos sépticos generalizados);
    •recorrente: consiste em períodos de quatro / cinco dias de febre contínua, alternando com períodos sem febre.

Na febre, há que ainda que observar se o período de subida é brusco (pneumonias, septicemias) ou lento (gripe, etc) e se o restabelecimento da temperatura normal se realiza por crise com abaixamento rápido da temperatura ou por lise, com remissão gradual (por crise na pneumonia, por lise na bronquite).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui