16.4 C
Sorocaba
sexta-feira, novembro 25, 2022

Filomena Borges – Aluísio Azevedo

Filomena Borges – Aluísio Azevedo

É o quinto romance de Aluísio Azevedo, que escreveu também O Mulato, O Cortiço e Casa de Pensão considerados os romances mais importantes do autor. Por ser visto como o ‘pai’ do naturalismo no Brasil, influenciado pelos escritores Eça de Queirós e Émile Zola, fundadores do naturalismo na Europa, Aluísio Azevedo busca em seus romances uma representação mais ou menos fiel do observado, fugindo assim da tendência romântica de idealização da realidade. Em seus livros, o cotidiano da vida na cidade, com alguns de seus personagens mais típicos, é elemento constante. Neste romance encontramos o casal Borges e Filomena: esta, ambiciosa, busca através do casamento uma forma de ascender socialmente. Borges, no entanto, embora possua bens, é pacato, dócil cidadão sem muitas ambições. Assim, não corresponde ao ideal de marido que Filomena tem em mente. Esta buscará, então, modificá-lo a todo custo. Um incidente na primeira noite mostra para Borges como será difícil seu casamento: Filomena o expulsa do leito nupcial, obrigando-o a dormir fora do quarto. Durante muito tempo a situação permanece sem alteração, apesar dos agrados constantes de Borges à esposa do cumprimento de todas as exigências dela, as quais, finalmente, acabarão por modificar profundamente o pacato marido, além de levá-lo à ruína econômica. Borges faz tudo pelo sentimento que dedica à esposa, mas nunca chegará a desfrutar do que deseja acima de tudo: paz e tranqüilidade ao lado de sua Filomena. Segundo o crítico Antônio Cândido, deve-se ler Filomena Borges “pelo viés do divertimento”. De fato, o autor cria situações hilariantes com o casal Borges e Filomena. Ainda, diz Cândido, “este romance é importante para a compreensão da personalidade literária de Aluísio Azevedo, que se caracteriza por uma mistura de bom humor e melancolia”. O grande número de palavras francesas de que se utiliza o autor, decorre da tendência vigente na época, quando a nossa literatura não só fazia uso abundante de termos franceses como tinha nela seu principal modelo.

Outros trabalhos relacionados

MELHORES POEMAS – José Paulo Paes

MELHORES POEMAS - José Paulo Paes Tendência constante ao poema de forma condensada (epigrama); poesia de “essências e medulas”. Aprendizado inicial com Bandeira, Drummond, Murilo e...

UBIRAJARA – JOSÉ DE ALENCAR

Ubirajara - José de Alencar Esta obra trata-se da formação da grande nação Ubirajara. CAP-I Jaguarê , u caçador da nação araguaia procura um inimigo...

IMAGENS E LETRAS

Através da Teoria de Desenvolvimento, podemos encontrar pontos concordantes nas abordagens de Ferreiro e Luria. As duas consideram que a escrita é um processo...

LINGUAGEM E ESCOLA

Em “Linguagem e escola - Uma perspectiva social”, Magda Soares deixa claro o objetivo do seu trabalho, que pretende analisar e criticar as relações...