19.6 C
Sorocaba
quarta-feira, fevereiro 21, 2024

Fogo Morto – José Lins do Rego

Fogo Morto – José Lins do Rego

Fogo Morto (1943) é a obra-prima de José Lins do Rego. Como romance de feição realista, esse livro procura penetrar a superfície das coisas e revelar o processo de mudanças sociais por que passa o Nordeste brasileiro, num largo período que vai desde o Segundo Reinado, incluindo a Revolução Praieira e a Abolição, até as primeiras décadas do século XX. O tema central de Fogo Morto é o desajuste das pessoas com a realidade resultante do declínio do escravismo nos engenhos nordestinos, nas primeiras décadas do século XX. O romance conta a história de um poderoso engenho, o Santa Fé, desde sua fundação até o declínio, quando se transforma em “fogo morto”, expressão com que, no Nordeste, designam-se os engenhos inativos. Retomando o espírito de observação realista, o autor produz um minucioso levantamento da vida social e psicológica dos engenhos da Paraíba. Em virtude do apego ao cotidiano da região, Fogo Morto apresenta não apenas valor estético, mas também interesse documental. Fogo Morto não se esgota na classificação de romance regionalista, embora essa seja uma noção correta. Há outros componentes importantes na obra, a partir dos quais se pode enquadrá-la numa tipologia consagrada. Talvez o mais ilustre antecedente de Fogo Morto na literatura brasileira seja O Cortiço (1890), de Aluísio Azevedo. Em que sentido? No sentido de tomar uma personagem coletiva como objeto de análise. Assim como Aluísio investiga o nascimento, vida e morte de um cortiço do Rio de Janeiro, José Lins penetra no surgimento, plenitude e declínio do Engenho Santa Fé, localizado na zona da mata da Paraíba. Com efeito, o engenho parece possuir vida própria, embora suas células sejam as pessoas que o formam. Como análise quer dizer decomposição, o autor decompõe as pessoas como forma de expor a constituição do todo. Por essa perspectiva, Fogo Morto tanto pode ser entendido como um romance social quanto psicológico. Em rigor, uma categoria não existe sem a outra. O livro é forte em ambas as dimensões.

Outros trabalhos relacionados

Moreninha – Joaquim Manuel de Macedo

Moreninha - Joaquim Manuel de Macedo Augusto, Leopoldo e Fabrício estavam conversando, quando Filipe chegou e os convidou para passar um fim de semana na...

O Tempo e O Vento – Érico Veríssimo

O Tempo e O Vento - Érico Veríssimo O Continente - Intercalada pela história do sítio ao sobrado, onde morre Florêncio Terra e a filha...

UM LUGAR AO SOL – ÉRICO VERÍSSIMO

Um Lugar ao Sol - Érico Veríssimo Vasco caminha pela vida numa incansável e persistente busca: de emprego, de amor, de dias melhores... Mas não...

AS MENTIRAS QUE OS HOMENS CONTAM – Luis Fernando Veríssimo

AS MENTIRAS QUE OS HOMENS CONTAM - Luis Fernando Veríssimo Breve informação sobre a crônica • Cronos, divindade mitológica que representa o tempo • Primeiro grande cronista...