23.4 C
Sorocaba
quinta-feira, janeiro 20, 2022

O Auto de São Lourenço – José de Anchieta

O Auto de São Lourenço – José de Anchieta

É dividido em cinco atos. No primeiro apresenta-se o martírio de São Lourenço ao morrer queimado. No segundo ato São Lourenço, São Sebastião e o Anjo da Guarda impedem que Guaixará (rei dos diabos) e seus servos Aimbirê e Saraiva destruam uma aldeia indígena com o vício e o pecado. No terceiro os dois servos demônios torturam Décio e Valeriano, responsáveis pela morte de São Lourenço. No quarto o temor de Deus e o Amor de Deus mandam sua mensagem de que os índios (público-alvo de José de Anchieta) devem amar e temer a Deus que por eles tudo sacrificou. O quinto é um jogral de doze crianças na procissão de São Lourenço. Assim como os outros autos de José de Anchieta, este auto tem como objetivo a catequese dos índios e usa elementos indígenas (foi escrito em tupi e espanhol principalmente) para torná-los católicos.

Outros trabalhos relacionados

RADIO PALANQUE

O livro "Rádio Palanque" consegue fazer um panorama dos diversos usos do rádio como meio de comunicação dentro da política. A autora, Sônia Virgínia...

O Auto do Frade – João Cabral de Mello Neto

O Auto do Frade - João Cabral de Mello Neto O Auto do frade tem como assunto o dia da morte do rebelde frei Caneca,...

Manifesto da Poesia Pau-Brasil – Oswald de Andrade

Manifesto da Poesia Pau-Brasil - Oswald de Andrade Em 1924, Oswald de Andrade, no Manifesto da poesia pau-brasil (Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 18/03/24),...

D. Branca – Almeida Garrett

D. Branca - Almeida Garrett É um poema narrativo , de feição novelesca , em que as personagens e o assunto são nacionais. O Assunto...