17.3 C
Sorocaba
quinta-feira, setembro 29, 2022

Genital Masculino

Autor: Norberto Carone Castro Junior

Discorra sobre os componentes celulares do testículo (localização e função). Explique a espermatogênese.

Os componentes celulares são: Dentro dos Túbulos Seminíferos encontramos as células da linhagem germinativa, que começam na espermatogônia e terminam em espermatozóides, que ficarão na luz tubular. Temos tb as células intersticiais ou células de Sertoli, que produzem proteína que eleva a afinidade das células germinativas à testosterona, além da função de sustentação das células do túbulo e de proteção ao espermatozóide contra o estroma evitando um processo inflamatório. Fora dos Túbulos Seminíferos encontramos as células de Leydig, que possuem a função de produzir testosterona, que possui liberação controlada pelos hormônios LH e FSH.

OBS: O indivíduo XY possui ducto de Volfe, que irá dar origem ao sistema reprodutor masculino.

A espermatogênese nada mais é do que a maturação das células germinativas em espermatozóides.

Explique a estrutura e a função da bolsa escrotal e comente sobre os processos inflamatórios mais freqüentes.

Composição da Bolsa: Pele (fina e s/ pêlo, com exceção dos felinos), Camada Fibromuscular (Túnica de Dartus, que é importante para termorregulação), Túnicas Vaginais (Parietal e Visceral), Túnica Vascularizada e Testículos.

Função: Termorregulação através do músculo cremaster e proteção.

Processos Inflamatórios: Os processos mais freqüentes são as Dermatites, que são causadas por 3 agentes em especial: Dermatophitus congolensis (bactéria), Besnoitia besnoti (bactéria) e Chorioptis ovis (larva de mosca). Essas dermatites estão mais comumente associadas à traumatismos de bolsa escrotal. As conseqüências das dermatites são: Perda das funções da bolsa e como conseqüência o aparecimento de degeneração com morte celular da linhagem espermatogênica.

Inicialmente há um aumento de volume do testículo (edema) e com o passar do tempo teremos fibrose do testículo como resultado da fase crônica (atrofia testicular marcada por diminuição das céls germinativas e aumento das céls intersticiais).

Conceitue Criptorquidismo. Cite os fatores predisponentes para o seu desenvolvimento e caracterize as lesões macro/microscópicas.

Quando a descida dos testículos, da cavidade abdominal para o escroto não se processa normalmente durante o período fetal temos um caso de Criptorquidismo que pode ser Uni/Bilateral, e é extremamente freqüente no cão.

Os testículos ficam mantidos em temperaturas altas podendo haver a inibição da espermatogênese.

Fatores predisponentes: Basicamente podem ser classificados em 4 fatores: Distúrbios cromossômicos, como a Trissomia dos 13; Exposição da fêmea prenhe à estrógenos; Partos Distócitos, principalmente quando o animal nasce em posição posterior (acredita-se que a pressão exercida à esse animal é contrária à pressão exercida se este nascesse em posição anterior, e isto acaba causando a não descida do testículo); Animais que desenvolvem Onfaloflebite (como a pressão dentro da cavidade é alterada, acredita-se que esse fator dificulta a descida testicular).

Micro/Macroscopicamente: Interrupção no desenvolvimento das céls germinativas associado c/ hialinização e espessamento acentuado da membrana basal dos túbulos espermáticos. Os túbulos terminam por adotar o aspecto de densos cordões de tecido conjuntivo hialino delineado por mebranas basais proeminentes. Ocorre aumento do estroma intersticial.

O testículo criptorquídico possui dimensões pequenas e consistência firme secundária às alterações fibróticas (devemos o quadro ao Processo Degenerativo).

Obs: A descida é comandada pela testosterona.

Conceitue Barreira Hematotesticular e explique a sua relação c/ o desenvolvimento das Orquites.

A Barreira Hematotesticular é feita principalmente pelas células de Sertoli e componentes fibrosos (fibroblastos). Essa barreira impede o contato dos espermatozóides c/ o estroma (q é ctituido por linfócitos). Como o espermatozóide não é reconhecido como célula do organismo, o seu contato com o estroma formará uma resposta inflamatória (Orquite Auto-Imune).

O Rompimento dessa barreira pode ocorrer por neoplasias, vasectomias e traumatismos mecânicos, por exemplo.

Comente sobre as diversas formas de Orquites nos animais domésticos.

Orquite Auto-Imune: caracterizada pela formação de granulomas do tipo corpo estranho. Ocorrerá qndo houver quebra da barreira hematotesticular.

Orquite Intra-Tubular: decorrente de processos inflamatórios que acometem o túbulo. Geralmente é ascendente. Podemos ter um infiltrado neutrofílico (abscessos), granulomas do tipo corpo estranho (por rompimento da barreira hematotesticular) – Granuloma Espermático.

Orquite Necrotizante: É a mais importante de todas. Tem como principal agente a Brucella, que provoca processo inflamatório exuberante (inf. Aguda + edema q comprimem vasos no local provocando Isquemia, que levará a necrose de coagulação). Temos associado a essa inflamação, o granuloma por corpo estranho.

Orquite Granulomatosa: Teremos a formação do granuloma caseoso. Acomete animais c/ tuberculose (o agente da tuberculoso provoca a formação do granuloma caseoso). Teremos tb, granulomas por corpo estranho.

Orquite Inspecífica (Inter-Tubular): Descrita em bovinos e eqüinos. Microscopicamente teremos um infiltrado linfocítico entre os túbulos (Não há acomentimento dos túbulos). A causa é desconhecida. Macroscopicamente não há alterações.

Diferencie a partir do aspecto macroscópico as principais Neoplasias Testiculares em cães.

Sertolinomas: Neoplasia das células de Sertoli. Macro: Massa de coloração branca de crescimento acelerado.

Ladigomas: Neoplasia das células de Leydig. Macro: Massas que não causam deformidade testicular. Geralmente são de cor laranja.

Seminomas: Neoplasia de células Germinativas. Macro: Possuem coloração branca e se parecem com linfomas.

Teratomas: Neoplasia de células Toti ou Pluripotentes (que dão origem a qqer tipo tecidual). Macro: Podemos encontrar pêlo, dente, cartilagem, osso e etc …

Obs: O diagnóstico é fechado por exame histopatológico; todas são consideradas malignas e podem metastatizar (principalmente para linfonodos inguinais); diminuem ou inibem a fertilidade do animal.

Obs: Síndrome da Feminilização: Ocorre principalmente em Sertolinomas. O animal passa a apresentar quadro de ginecomastia, áreas de alopecia (estrógeno é tóxico ao folículo piloso); distribuição da gordura corpórea parecida com a da fêmea e pode apresentar aumento das infecções (estrógenos são tóxicos à medula óssea).

Discorra sobre Hiperplasia Prostática e Prostatite aguda e crônica em cães.

Hiperplasia Prostática Benigna

Em um certo grau, tanto a hipertrofia (aumento no tamanho), como a hiperplasia (aumento do nº de céls) de céls prostáticas respondem por um aumento de volume da glândula em todos os cães não castrados de meia idade e idosos.

Constitui o distúrbio + comum da próstada. As causas incluem desequilíbrio na proporção de andrógenos e estrógenos, aumento do nº de receptores andrógenos e aumento da sensibilidade tecidual à andrógenos.

A Diidrotestosterona é o principal andrógeno que promove hiperplasia prostática.

Obs: O animal apresenta disquesia e disúria.

Obs: A palpação fecha o diagnóstico

Obs: Pode ser neoplásico.

Prostatite Bacteriana (Crônica)

A prostatite bacteriana ocorre qndo se altera a resistência normal do hospedeiro.

As causas predisponentes incluem destruição da arquitetura glandular normal (hiperplasia benigna, metaplasia escamosa e neoplasia), uretropatias, infecções do trato urinário, alterações no fluxo urinário, alteração nas secreções prostáticas e disfunção imune do hospedeiro.

A infecção ocorre geralmente através da via ascendente, embora possa ocorrer propagação hematógena das bactérias. Os patógenos mais comuns são: E. coli, Staphylococcus, Proteus mirabilis, Streptococcus e Mycoplasma.Os isolados menos comuns incluem: Klebsiella, Brucella canis, Pseudomonas e Ureaplasma. As infecções anaeróbicas são mais raras.

A próstada se encontra reduzida de tamanho (devido a fibrose), o infiltrado presente é o mononuclear.

Prostatite Não Bacteriana (Aguda)

A próstada se encontra aumentada de tamanho devido ao edema. Há presença de infiltrado neotrofílico e áreas de necrose.

Normalmente é extensão de um processo urinário, cistite principalmente.

Acometidas por agentes bacterianos, e que se originam de infecções urinárias (idem aos da Crônica).

Considerações ao Pênis e ao Escroto

Balanite: Processo inflamatório peniano

Postite: Processo inflamatório prepucial

Obs: Normalmente temos Balanopostite, e como agentes principais temos: Herpes Vírus, Corinium bacterium renal.

Fimose: Dificuldade de exposição do pênis. Relaciona-se ao estreitamento do prepúcio por inflamação ou alterações cromossômicas.

Parafimose: Dificuldade no retorno do pênis ao prepúcio.

TVT: Tumor de Sticker ou Tumor Venéreo Transmissível. Fica na base do pênis como lesões verrucosas.

Neo de céls escamosas: Comum em eqüinos. Fica na glande do pênis (área + apical).

Outros trabalhos relacionados

PICORNAVÍRUS E A FEBRE AFTOSA

Autor: Luiz Adolfo Vargas de Oliveira PICORNAVÍRUS CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES Os picornavírus representam uma imensa família de vírus com relação ao número de membros, mas é uma...

PARVOVIROSE

Preâmbulo: É virose das mais conhecidas e das mais contagiosas entre os cães domésticos, sendo também chamada por Enterite Canina Parvoviral. Ataca mais os...

HISTÓRIA DA ANATOMIA VETERINÁRIA

HISTÓRIA DA ANATOMIA VETERINÁRIA Os estudos de Anatomia começaram nos primórdios da história humana. O homem pré-histórico já observava à sua volta a existência de seres...

ECLÂMPSIA (TETANIA PUERPERAL)

É uma doença encontrada mais freqüentemente em pequenas e excitáveis raças de cães como chihuahuas, poodles toy e pequenos terriers, particularmente de 1 a...