IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA CAMINHOS DO FUTURO

0
DICAS PARA ANALISAR, COMPREENDER, E INTERPRETAR TEXTOS

SOCIALIZANDO O SABER: IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA CAMINHOS DO FUTURO NO DISTRITO DE FAZENDINHA (AP).
AUTORES:
Ana Lúcia Carvalho Anspach
Tinale Cristina Valente da Silva

INTRODUÇÃO

O maior patrimônio que uma pessoa reúne na vida é o conhecimento que amealha. De acordo com esta perspectiva este trabalho propõe a criação de uma biblioteca comunitária em um bairro socialmente carente, que irá oportunizar gratuitamente a comunidade, acesso a livros, revistas e ao mundo digital.
Nossa empresa, que é responsável pelo projeto, com a adesão de empresas parceiras, também está inserida no distrito. A empresa, da capital privado optou por implantar uma biblioteca com as seguintes características: deve ser um ponto de encontro, onde as pessoas além de ter acesso a informações possam trocar idéias, discutir problemas, pesquisar, consultar, saciar curiosidades, enfim, crescer como ser humano e como cidadão.
A implantação de uma biblioteca numa comunidade carente é importante e necessária, ferramenta fundamental para contribuir para que o analfabetismo possa ser banido de nosso país. A biblioteca comunitária surge do desejo de uma comunidade em querer uma biblioteca próxima à sua casa, com o objetivo de minimizar a exclusão social, aumentar a auto-estima do cidadão e contribuir para a melhoria da qualidade de vida de cada um e do Brasil. Deve ser uma referência de acesso à informação em todos os níveis e para todos os fins.
Democratizando a informação visamos transformar a comunidade em que a biblioteca estará inserida, contribuindo para a diminuição da evasão escolar, e a efetiva inclusão de adultos, jovens e crianças ao mundo dos alfabetizados. Pessoas que através do acesso a educação terão uma chance de competir com profissionais no competitivo mercado de trabalho.
Segundo Almeida (1997, p. 92) as bibliotecas alternativas (dentre as quais a biblioteca comunitária) devem fixar-se em três pontos: O público a ser atingido deve ser aquele que constitui as classes populares; O objetivo de trabalho deve ser a informação e, a comunidade deve efetivamente participar da definição de políticas e objetivos. Segundo Moraes (1983, p. 65) quando a biblioteca não é constituída para o povo, pode ser popularizada, mas não é popular. Ela somente é popular quando é do povo.

DESENVOLVIMENTO

A ótica das empresas tem mudado com o passar dos anos, e a concepção de emprego/trabalho também. O conceito de empreendedorismo é um dos responsáveis por essas mudanças. Segundo Dornelas (2001), o termo empreendedor quer dizer aquele que assume riscos e começa algo novo. O emprego-padrão como se conhece, com vínculo salarial, patrão e horário rígido, já faz parte do passado. Encontrar vagas em uma empresa é cada vez mais difícil, devido às crises financeiras e a crescente substituição da mão-de-obra humana por máquinas. Diante deste contexto, o profissional precisa repensar sua carreira e até mesmo partir para abrir seu próprio negócio, tornando-se um empreendedor. De acordo com Uriarte (2000), o momento pelo qual o fenômeno do empreendedorismo passa deve ser considerado de grande importância, pois os empreendedores têm sido responsáveis pela quebra de diversas barreiras comerciais e culturais, encurtando distâncias, globalizando negócios e renovando os conceitos gerenciais, criando novas relações de trabalho e novos formatos de emprego.
Para Bensadon (2001), o empreendedor é um visionário que com seu talento somado a análise, planejamento e capacidade de implementação é responsável por empreendimentos de sucesso. Empreendedores em potencial podem estar em toda a parte sendo necessário apenas um estímulo para que eles revelem seu espírito criativo e pesquisador para a criação e desenvolvimento de novas oportunidades de negócios.
Nos dias atuais, o ambiente de acirrada competição vivenciado pelas empresas vem impondo a necessidade de uma atuação diferenciada. Há uma preocupação maior com o bem-estar de seus colaboradores e também da comunidade. Ambientes de trabalho favoráveis, acompanhamento de funcionários, busca por recolocações e oportunidades iguais de trabalho, controle da poluição ambiental, melhor utilização dos recursos naturais e a implantação de projetos sociais podem trazer às empresas algumas vantagens. As organizações acreditam que fatores como estes podem vir a ter um relacionamento direto com o seu desempenho econômico, inclusive diferenciando seus produtos e ou serviços diante de seus competidores menos responsáveis socialmente. Portanto, responsabilidade social não deixa de ser um investimento que ao final de um período pode trazer ótimos retornos financeiros contribuindo também para a melhoria e maior aceitação da imagem da organização no mercado. A Responsabilidade Social Corporativa está devidamente voltada para as questões morais e éticas que envolvem as políticas praticadas pela organização, e implica em realizar atitudes responsáveis que beneficiem não só o núcleo que envolve a empresa, mas também a sociedade e o ambiente. Empresas que investem em Responsabilidade Social se interessam pelo próximo e propõe projetos que possam melhorar a vida de outras pessoas.
Os empreendedores não são encontrados apenas fora das empresas, eles começam a ter espaço dentro de algumas instituições que vêem com bons olhos idéias criativas e iniciativa, fatores que irão consolidar vantagens competitivas. Em termos de desenvolvimento profissional é necessário que as organizações invistam na formação de seus profissionais e que a organização aplique o conceito de aprendizado contínuo. É importante que os dirigentes da empresa tenham claro quais são os valores que servirão como base para o desenvolvimento da instituição, de forma ética e transparente. Depois de definidos, os valores devem ser internalizados, difundidos e praticados por todos os funcionários. Uma empresa passa a ser mais considerada no mercado se cumprir com suas políticas sociais e ao adotar uma visão estratégica de negócios transparente e honesta com todos aqueles que possuem algum tipo de relacionamento direto com a mesma. Algumas organizações abraçam responsabilidades sociais como parte de suas filosofias éticas. Esse comportamento é proativo. Essas empresas seguem a perspectiva universalista de que certos valores devem ser apoiados independentemente de seus efeitos em outros valores, como os interesses econômicos. Os valores da organização, assim como as suas devidas expectativas devem priorizar a transparência nos relacionamentos e também deve levar em conta a constante avaliação do seu desempenho quanto ao cumprimento de suas responsabilidades assumidas, objetivando uma imagem de empresa cidadã. A organização, não deve deixar de lado a prática de ações de cidadania. A responsabilidade assumida com a comunidade deve referir-se às expectativas básicas da organização quanto à ética nos negócios, preservação do meio ambiente e dos recursos naturais e da saúde pública.
A implantação de uma biblioteca comunitária no distrito de Fazendinha trará vantagem competitiva à nossa organização, através do investimento que será feito junto às pessoas da comunidade.
– Objetivo do projeto social
Um hábito cultural, como a leitura, se desenvolve por convívio e por contato, nasce da experimentação. Portanto, é necessário disponibilizar as ferramentas para o desenvolvimento deste hábito tão importante para o desenvolvimento pessoal e da sociedade, e esse é um dos nossos maiores objetivos com este projeto. Visamos agregar no mesmo espaço físico, informação, conhecimento, lazer e cultura oferecendo serviço e estimulando o gosto pela leitura.
Por acreditar que a competência da leitura é recurso fundamental para as políticas de inclusão social, optamos por implantar uma biblioteca comunitária, no distrito de Fazendinha. O objetivo entre muitos outros é a disseminação da cultura. A biblioteca Caminhos do Futuro promoverá a democratização do acesso ao livro de qualidade e a outras modalidades de informação. O projeto beneficiará a comunidade que terá acesso a livros de qualidade dos mais diversos gêneros.
A biblioteca Caminhos do Futuro será um instrumento de reforço às ações de promoção à cultura e educação na cidade. Nosso intuito é atrelar o uso do equipamento também à comunidade escolar.
– Público envolvido comunidade do distrito de Fazendinha e entorno.
– Ações a serem desenvolvidas
* Concursos de redação.
* Contação de histórias.
* Oficinas culturais.
– Recursos envolvidos:
– Humanos
Serão disponibilizados dois funcionários, que atuarão como promotor de leitura e bibliotecário.
– Materiais
A Biblioteca disponibilizará um acervo de mais de mil títulos novos, além de um computador com software para gerenciamento do acervo, uma impressora multifuncional e aparelhos de TV e DVD, armários, mesas, cadeiras, bebedouro, ar condicionado.
– Financeiros
– Tecnológicos
– Cronograma de implantação.
– Benefícios para a organização e para o público alvo.
As bibliotecas comunitárias, em função de suas particularidades, se apresentam hoje na sociedade brasileira, como um novo tipo de biblioteca, pois são criadas seguindo os princípios da autonomia, da flexibilidade e da articulação local. Sua forma de atuação esta muito mais ligada à ação cultural do que aos serviços de organização e tratamento da informação. Tem o intuito de promover a integração dos moradores com a leitura e entre si, a descoberta pela leitura e busca de informação. É um projeto de inclusão sócio-cultural que pretende criar um espaço que seja transformador da comunidade.

CONCLUSÃO

As empresas têm muito a ganhar quando adotam uma gestão socialmente responsável. Elas conseguem, por exemplo, a fidelidade do cliente. Atualmente pesquisas têm demonstrado que os consumidores brasileiros preferem produtos de empresas de gestão socialmente responsável, que reduzem as emissões poluentes, colaboram com a comunidade e realizam uma ação conjunta econômica, social e ambiental. De acordo com Pagliano (1999) ao implantar programas de responsabilidade social, as empresas têm objetivos de marketing, isto é, de posicionamento mercadológico frente a seus diferentes públicos de relacionamento. O desenvolvimento de ações sociais ou o apoio a projetos ligados a causas sociais gera uma visão positiva da empresa, principalmente em mercados-alvo, com uma eficácia maior do que a de outras ações de marketing. Como muitas das ações sociais que as empresas patrocinam, como a instalação de uma biblioteca comunitária, estão relacionadas com a redução da pobreza e com a melhoria da qualidade de vida das populações, elas também estão formando seu público consumidor, garantindo a sua sobrevivência a longo prazo. Pobreza, instabilidade econômica e política podem interferir no bom desempenho dos negócios.
Nossa empresa que é comprometida com a comunidade aposta no empreendedorismo, indo além dos obstáculos (superação), demonstrando iniciativa e disposição para realizar aquilo que precisa ser feito (energia), gerando benefício para outras pessoas. O importante é que os projetos sociais desenvolvidos elevam a qualidade do atendimento a população e o fortalecimento da cidadania. A responsabilidade social é uma importante forma de movimentar os grupos desfavorecidos em busca de motivá-los a buscar novas soluções para as diferenças.
Desenvolver política econômica, social e cultural é o que objetiva esse trabalho, que tenta as desigualdades que aumentam no campo social do país. Nesse sentido, nossa empresa assume seu perfil empreendedor e demonstra ter responsabilidade social, uma vez que atua ativamente na sociedade, através da responsabilidade social.

REFERÊNCIAS

– MILANESI, Luís O que é biblioteca. São Paulo: Brasiliense, 1983.
– Uma discussão acerca do conceito de biblioteca comunitária. Revista Digital de Biblioteconomia & Ciência da Informação v. 7, n. 1, jul./dec. 2009 (00007).
– FACCION Junior, Carlos Magno. Biblioteca Comunitária: uma alternativa entre a biblioteca pública e a biblioteca escolar. 2005. Trabalho de conclusão de Curso-Escola de Biblioteconomia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.
– SUAIDEN, Emir. Biblioteca pública e a informação à comunidade. São Paulo: Global, 1995.
– ALMEIDA JUNIOR, Oswaldo Francisco. Bibliotecas públicas e bibliotecas alternativas. Londrina: UEL, 1997.
– MORAES, Rubens Borba de. O problema das bibliotecas brasileiras. Brasília: Associação dos bibliotecários do Distrito Federal, 1983.
– DOLABELA, F. C. C. A oficina do Empreendedor. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.
– URIARTE, L. R. Identificação do Perfil Intraempreendedor. Florianópolis 2000.
– BENSADON, A. D. de C. Pequenas Empresas: Procedimentos para o Planejamento Organizacional do Empreendedor Contemporâneo. Florianópolis 2001.
– MINTZBERG, Henry. Criando Organizações Eficazes. São Paulo: Atlas, 2003.
– HISRICH, R. D.: PETERS M. P. Empreendedorismo, 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.
– DRUCKER, P. F. Inovação e Espírito Empreendedor: Prática e Princípios. São Paulo: Pioneira, 1986.
– Site: Responsabilidadesocial.com
– KANITZ, Stephen. Os 10 Mandamentos da Responsabilidade Social.
– TOMEI, Patrícia Amélia; COUTINHO, Renata Buarque Goulart; ASHLEY, Patrícia Almeida. Responsabilidade Social Corporativa e Cidadania Empresarial: Uma Análise Conceitual Comparativa.
– PAGLIANO, Adriana G. Marketing social: o novo mandamento para as organizações. São Paulo: IBMEC, 1999.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui