terça-feira, junho 22, 2021
InícioCiências Sociais AplicadasServiço SocialResenha Crítica da Obra "O Que é Ambiguidade"

Resenha Crítica da Obra “O Que é Ambiguidade”

1-INTRODUÇÃO

CARVALHO, Nelly de. O que é Ambigüidade nos convida a desmistificar o recurso lingüístico da ambigüidade, explorando com diversas ópticas seu emprego, suas decorrências e conseqüências diante do processo de comunicação.

A autora inicia o breve texto de 3 (três) paginas, expondo ao leitor exemplos cotidianos clássicos onde há ocorrência do famoso vício de linguagem da ambigüidade, exemplos estes presentes nas manchetes de jornais, anúncios publicitários, nos diálogos corriqueiros.

Nelly defende a idéia de que a dualidade deste recurso lingüístico pode ser útil para a produção e compreensão textual, e da mesma forma inútil, dificultando-a. E amplia o raciocínio, afirmando que a dubiedade do recurso conhecido como falha lingüística, na maioria dos casos pode dar leveza e graça à frase, tornando-a maliciosa ou poética. Para ela, ambigüidade é uma qualidade que possuem as línguas de permitir duas interpretações de uma mesma mensagem.

No desenrolar da obra, a autora evidencia situações em que a ambigüidade torna-se um recurso com efeitos diversos, defendendo a idéia de que o sentido múltiplo proporciona humor, malicia e até poesia, ampliando assim o alcance da frase ou expressão. Para exemplificar tal alcance, Nelly utiliza-se de um anúncio publicitário utilizado por um posto de gasolina no Dia dos Pais, com a seguinte frase: “Pai não enche nunca, completa sempre”. Este é um exemplo claro de que a dubiedade deste recurso estilístico acrescenta à expressão efeitos poéticos e humorísticos, instigando o leitor a desvendar o que há nas entrelinhas.

Um ponto que desperta a atenção do leitor no texto é a inserção da gramática normativa, sem que para isso, o texto se torne uma leitura especifica ou monótona. A autora ensina a seus receptores a variedade de ambigüidades existentes, e como estas são compostas. Esclarecendo as diferenças entre a ambigüidade causada pela polissemia (múltiplo sentido da palavra), homonímia (escrita igual, sentidos diferentes) e até mesmo pela homofonia (mesmo som).

Por fim, a autora recomenda ao leitor que ao escrever, faça um planejamento textual, planejando assim o emprego de expressões ou palavras ambíguas. Segundo a própria autora, se estas não foram planejadas e empregadas intencionalmente, comprometem a leitura e tornam-se um obstáculo comunicativo.

2- OPINIÃO CRÍTICA

Dotado de objetividade, riqueza de conteúdo e estilo, o texto aqui resenhado, amplia o conhecimento do leitor, de tal forma que a absorção de conteúdo passa desapercebida. A linguagem empregada e a interlocução atraem o receptor do conteúdo e torna a obra acessível e agradável. A autora invoca o leitor a descobrir o quão é útil o uso deste recurso e as diversas faces do seu emprego, desmistificando a então idéia pré-concebida de que este recurso seria um vício de linguagem, um defeito textual. Nelly nos prova que em construções textuais antecedidas de planejamento, o recurso da ambigüidade é empregado com estilo e ousadia, tornando assim a leitura rica.

A obra, em poucas páginas, reúne um vasto conhecimento normativo, conteúdo acessível, clareza de expressão, poder de sedução e enorme interlocução tornando o texto uma leitura agradável e recomendável para todos aqueles que exaustos da inacessibilidade da gramática normativa, almejam desmistificar os recursos lingüísticos da Língua Portuguesa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

CORONAVÍRUS

Origem da Crise Econômica

Recent Comments

Nilson Ribeiro on O QUE É ENGENHARIA CIVIL?
PABLO DA SILVA BARBOZA on FILOSOFOS BRASILEIROS
Ligeirinho Resolve on Tese Globalização
Susana Mesquita on Tese Globalização
Cátia Regina de Aquino Santos on Tratamento Multiprofissional à Terceira Idade
Kesia Oliveira do Nascimento on SUBSTANTIVOS
Ludymila Helena Arraujo Lima on DEPRESSÃO
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
Fernando on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Guilherme on Hidrocarbonetos
Ernani Júnior Silva on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Isabella on SUBSTANTIVOS
Anonimo on Adjetivos
ALVARO on SURDEZ SÚBITA
CARIMBO DA CONFUSÃO on FILOSOFOS BRASILEIROS
socorro andrade on DINÂMICA DO SORRISO
Alessandra Martins on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
Sibely on VIRUS E BACTÉRIAS
Paula on Sistema Nervoso
Samuel Delgado Pinheiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Jamal Mussa Muroto on DIVISÃO CELULAR
Guilherme on FILOSOFOS BRASILEIROS
Camila on SISTEMA DIGESTIVO
Hadouken on FILOSOFOS BRASILEIROS
Josimeire dos Angelos on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
ONEIDE abreu on REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
José Caixeta Júnior on FILOSOFOS BRASILEIROS
GILVALDO DIAS GUERRA on COMO SURGIU O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
ronald on CONSCIÊNCIA NEGRA
SÉRGIO LEONARDO TRINDADE on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
Reginaldo Coveiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
julieny kettylen on Obesidade
gabrielle barreto de oliveira on DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO
suzana stvens on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Kauã Liecheski on Tratamento do Lixo
Ligeirinho Resolve on OLIMPIADAS
Ligeirinho Resolve on A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCRITA
kamilly on Jogos Olimpicos
Marcelo Cardoso on MILITÂNCIA JOVEM
Isabella on MILITÂNCIA JOVEM
Maria Conceição Amorim on A IDENTIDADE E CULTURA DA BAHIA
Maria Conceição Amorim on FOLCLORE BRASILEIRO
Emerson Davi on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Maria dos Reis on COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR