31.7 C
Sorocaba
quinta-feira, dezembro 1, 2022

TEORIA ECONOMICA

INTRODUÇÃO

Toda teoria tem suas aplicações necessárias e/ou desnecessárias, bem como suas falhas estruturais e também práticas. A Teoria Econômica não se diverge disto.Uma vez que tem um suposto teórico e este se ampara em inúmeras doutrinas e estudos epistemológicos.Mesmo assim, pode-se questionar e também receber questionamentos.

Ao longo da história da economia podemos encontrar falhas tanto estruturais quanto práticas.Um determinado estudo teórico pode ser aplicado em diferentes momentos históricos e em cada um deles encontram-se significações diferentes.

A importância da compreensão e do reconhecimento destes problemas é de certa forma indiscutível, uma vez que na história da teoria econômica estes se apresentam como tema de destaque.

O trabalho pretende ampliar a compreensão e o esclarecimento aos possíveis problemas da teoria e sua influência na história da teoria econômica.

Neste sentido, é importante a compreensão ampliada dos problemas de teoria da história da teoria econômica, pois pode proporcionar melhores condições ao profissional da economia e áreas afins para intervirem junto a estes problemas.

O trabalho tem como objetivo mostrar os problemas de teoria da história da teoria econômica e observar se estes podem influenciar positiva ou negativamente na economia de um modo geral.E também verificar a importância da conscientização de tais problemas para o desenvolvimento adequado e saudável da economia no âmbito social.

PROBLEMAS DE TEORIA DA HISTÓRIA DA TEORIA ECONÔMICA

Para falarmos dos problemas de teoria da história da teoria econômica devemos falar primeiramente das próprias doutrinas/teorias em si para depois esclarecermos seus problemas.

Para Hugon (1989), uma doutrina/teoria econômica constitui, a um só tempo, um projeto de organização econômica de dada sociedade e uma interpretação da atividade econômica de dada época.Para ele há uma distinção entre doutrina e ciência.A ciência visa à explicação dos fenômenos econômicos e para isso observa, analisa, levanta hipóteses e as verifica em confronto com os fatos.São operações desenvolvidas num ambiente de objetividade, de “indiferença”, de neutralidade e de amoralidade científicas.Já a doutrina/teoria é um projeto de organização da sociedade, tal como seu autor a julga melhor.E ela também contém os elementos da política econômica escolhida para realizar a organização desejada.

Outra definição de teoria de acordo com o dicionário da língua portuguesa, conforme Ferreira, que diz:

“… Teoria 1. conhecimento especulativo meramente racional. 2. conjunto de princípios fundamentais de uma arte ou de uma ciência… Doutrina 1. conjunto de princípios que servem de base a um sistema filosófico, cientifico, etc…” (FERREIRA, 2002, p.668).

A história das teorias econômicas serve, outrossim, de complemento à cultura econômica.Para o economista, o estudo da história das doutrinas econômicas apresenta interesse determinado por varias razões: a doutrina, com efeito, influencia a organização e a evolução das sociedades; seu conhecimento visa interpretar essa organização e essa evolução; a doutrina atua sobre a elaboração da ciência econômica; estimulando-a e facilitando-a; enfim, o conhecimento das doutrinas contribui para a formação e o desenvolvimento do espírito crítico.Assim, ela nos leva a ver, com maior clareza, as experiências do passado e do presente.(HUGON, 1989).

Uma vez identificados os conceitos de teoria e doutrina econômica, devemos partir para a questão propriamente dita sobre os problemas de teoria da história da teoria econômica.

As teorias econômicas são tratadas pela história da economia como relatos formalizados de pontos de vista sobre as questões teóricas.Isto quer dizer que ela não é tratada como o pensamento teórico em si.Tudo isto acarreta inúmeros fatores desfavoráveis como o aparecimento de dogmas, a formação de áreas não racionais em estruturas de pensamento supostamente racional, problemas de relação de formalizações do pensamento teórico, entre outros.(PEDRÃO, 1983).

Toda teoria tem algum problema, mesmo que seja somente em sua aplicação ou em qualquer outro momento de sua formulação.Dentro destes problemas, podemos destacar aqueles ligados a percepção dos fatos e acontecimentos, que geram avaliações mal feitas para as teorias econômicas; e aos problemas de significação, que mesmas observações teóricas podem ter diferentes significados.Sendo este exemplificado ao que ocorre em observações feitas há cem anos em um país industrializado ou feito atualmente em um país semi-industrializado.

Para se resolver as questões dos problemas de teoria da história da teoria econômica devemos identificar objetivos para o estudo desta teoria.Estes estudos podem ser permanentes ou genéricos (imutáveis) e circunstanciais ou específicos influenciados pela época).A clareza acerca dos objetivos é referencia essencial para situar os problemas de valores da pesquisa teórica.E é a referencia aos objetivos que permitem julgar a pertinência e a significância do trabalho teórico.

Dentro deste contexto, o estudo da realidade social doa países subdesenvolvidos, além de contribuir ao conhecimento dos mecanismos de diferenciação na geração da riqueza (objetivo permanente e genérico), contribui também com o conhecimento de um determinado âmbito do processo social (objetivo circunstancial e especifico).

Segundo Pedrão (1983), o elemento comum ao funcionamento de toda teoria econômica é seu objeto – a base material das relações sociais.Para ele há uma notável diferença entre a percepção deste objeto como uma conseqüência de um conjunto de relações sociais, formalizado, passível de ser isolado da continuidade processual dessas relações sociais.

A partir do que foi dito fica evidente que o pensamento crítico observa a história da teoria fundamentalmente como uma história de mudança.Uma história que capta a mudança social através de sua representação na teorização da realidade e, portanto, que relativiza o instrumental da análise em conjunto com as estruturas teóricas.

CONCLUSÃO
De fato, as teorias econômicas, ao longo da história, demonstraram falhas tanto estruturais quanto práticas.Um estudo teórico pode ser aplicado em diferentes momentos históricos e em cada um deles pode-se encontrar significações diferentes.

Contudo, se pensarmos que as teorias possuem diferenças de pensamentos, podemos dizer que isso configura um problema para o estudo das teorias, mas devemos observar que cada teoria é válida para explicar uma determinada situação, ou seja, elas estão inseridas dentro de um contexto histórico que mantidas todas as variáveis constantes é perfeitamente válida para explicar um determinado fato.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova fronteira, 2002.

HEILBRONER, Robert. A História do Pensamento Econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

HUGON, Paul. História das Doutrinas Econômicas. São Paulo: Editora Atlas S. A, 1989.

PEDRÃO, Fernando. Texto: Problemas de teoria da história da teoria econômica. Estudos econômicos. São Paulo: Instituto de Pesquisas Econômicas – USP, 1983.

Outros trabalhos relacionados

O PERIODO REGENCIAL

O Período Regencial A abdicação de D. Pedro I foi a vitória do Liberalismo sobre as forças absolutistas, representadas na figura do Imperador, e completou...

HISTORIA DO ANTIGO EGITO

Economia: A economia egípcia era baseada principalmente na agricultura que era realizada, principalmente, nas margens férteis do rio Nilo. Os egípcios também praticavam o comércio...

FEUDALISMO

Feudalismo SERVIDÃO, IMPOSTOS, TAXAS, SUSERANIA E VASSALAGEM Estudar o feudalismo é conhecer a fundo o modo como viviam as pessoas no período medieval. O feudalismo pode...

A CIDADE ANTIGA

FICHAMENTO COULANGES, Fustel de. A Cidade Antiga. (Tradução de Jean Melville). São Paulo: Martin Claret, 2007. A Cidade Antiga é um estudo sobre o culto, o...