25.9 C
Sorocaba
terça-feira, janeiro 31, 2023

Uretrite

Autoria: Vicente Fco.

Uretrite

Umuarama

2006

Introdução

Uretrite é um processo inflamatório da uretra, que habitualmente cursa com secreção uretral e ardor ao urinar. A causa mais freqüente é bacteriana, de transmissão venérea, sendo o agente mais freqüente o gonococos (uretrite, gonorréia) e a Chlamydia trachomatis (uretrite inespecífica). O tratamento baseia-se no uso de antimicrobianos adequados e sempre que possível, deve-se tratar os contactantes.

Outras causas, além da bacteriana, pode ser: causa química ( espermaticida usado durante as relações) ou causa traumática (cirurgias, corpo estranho).

A maioria das uretrites são sexualmente transmitidas. Nos últimos anos houve aumento na freqüência das uretrites sexualmente transmitidas devido:

à promiscuidade sexual
ao acesso fácil a anticoncepcionais
à divulgação de material erótico e pornográfico
à prática de automedicação com tratamentos inadequados
à migração de população de baixo nível socioeconômico-cultural para cidades grandes
ao grande número de portadores sãos
à não utilização de preservativos

Uretrite Gonocócica

É conhecida por gonorréia e blenorragia e popularmente por corrimento, escorrimento ou pingadeira. É um dos tipos mais comuns de uretrite masculina. Causa infecção da mucosa uretral o agente causador é a Neisseria gonorrhoeae, um diplococo, aeróbico, gram negativo e no microscópio, assemelha-se a um pequeno rim.

O período de incubação é habitualmente de 2 a 10 dias. No homem estima-se que após o contato infectante, cerca de 25% irão desenvolver a doença. A incidência é maior nos indivíduos jovens (entre 15 e 30 anos), sexualmente ativos e sem parceiro fixo. A transmissão é pelo contato sexual.

Manifestações clínicas:

sensação de prurido
ardor ao urinar
secreção purulenta abundante, esverdeada
urgência urinária
pode ocorrer febre
as áreas cutâneas apresentam múltiplas erosões, arredondadas ou ovaladas, com superfície rósea e contorno não endurecido
maioria das mulheres não sentem sintomas, mas transmitem aos homens
Diagnóstico

A história do paciente junto com o exame físico fornece elementos fundamentais para o diagnóstico. O exame bacterioscópico de secreção, com o auxílio de corantes especiais, pode ser realizado no próprio consultório, pelo médico, se houver condições. Se não, o exame bacterioscópico e bacteriológico feitos em laboratórios são solicitados.

Complicações

Dentre as complicações no homem destacam-se: balanopostite, prostatite, epididimite, artrite, meningite, faringite, pielonefrite, miocardite, pericardite, septicemia. Pode causar ainda uma estenose (estreitamento) uretral. A estenose aumenta o risco de uretrite em uma região mais alta da uretra e, ocasionalmente, pode acarretar a formação de um abcesso em torno da uretra. O abcesso pode provocar o surgimento de divertículos uretrais (abaulamentos na parede uretral) que também podem ser infectados. Quando o abcesso perfura a pele e forma uma fístula uretral a urina pode escoar através da mesma.

Tratamento

É tratada com medicamentos à base de antibióticos. Durante o tratamento, o portador não pode ter relações sexuais e deve evitar bebida alcoólica. Deve-se tratar o paciente e seus parceiros.

Uretrite Não-Gonocócica

É uma infecção sexualmente transmitida acometendo geralmente a uretra. O homem, ao ter relações com uma parceira infectada, tem 50% de chance de se infectar. Pode ser causada por vários microorganismos, tais como: Tricomonas vaginales, Cytomegalovirus, Cândida albicans e Chlamydia trachomatis.Este último é o agente etiológico mais freqüente. É uma bactéria, gram negativa, obrigatoriamente intracelular, sendo o período de incubação no homem, de 14 a 21 dias.

Estima-se que dois terços das parceiras estáveis de homens com UNG hospedem a C. trachomatis no endocérvix e podem reinfectar seu parceiro sexual. Essas mulheres raramente apresentam sintomas típicos.

Manifestações clínicas

prurido
discreta dor uretral
secreção mucóide, branca e escassa
disúria leve e intermitente
alguns corrimentos da UNG podem simular, clinicamente, os da gonorréia
Diagnóstico

A história do paciente, juntamente com os sinais e sintomas citados acima, fazem suspeitar de clamídia. O exame da secreção deve ser feito a fim de se detectar a clamídia e também para se fazer o diagnóstico diferencial da gonorréia.

A secreção é colocada em lâminas para serem coradas pelo gram (coloração especial para gonorréia) ou para se submeterem a testes mais sofisticados como imunofluorescência, ensaios imuno-enzimáticos. Detecção de anticorpos anticlamídia (IgM) é outro meio diagnóstico usado em casos mais complexos.

Complicações

A uretrite não gonocócica pode evoluir para: prostatite, epididimite, balanites, conjuntivites (por auto-inoculação) e Síndrome uretro-conjuntivo-sinovial. Pode ocorrer também estenose uretral, infertilidade masculina e contaminação do reto ocasionando dor retal com evacuação sanguinolenta e tenesmo. Na mulher, pode ocorrer endometrite, doença inflamatória pélvica, infertilidade, gravidez ectópica e desconforto abdominal crônico.

Tratamento

O tratamento é feito através de antibióticos, devendo envolver o paciente e sua parceira. Deve-se manter abstinência sexual.

Assistência de enfermagem

Histórico

O paciente deve ser solicitado a descrever o início e a progressão dos sintomas. Deve-se questionar sobre corrimento (cor, consistência, odor, início, quantidade), prurido, ardor, lesões. É importante proteger a confidencialidade quando se discutem questões sexuais.

Durante o exame físico, observa-se a presença de exantemas, lesões, secreção e inchação.

Diagnóstico de enfermagem

Déficit de conhecimento sobre a doença e o risco de disseminação da infecção e reinfecção.
Recusa em seguir o tratamento.
Medo relacionado à estigmatização prevista e ao prognóstico e complicações.
Prescrições de enfermagem

Orientar o paciente sobre a doença, explicar a evolução da infecção e as possíveis complicações sanando todas as suas dúvidas em relação à patologia
Orientar sobre a importância do tratamento para o paciente e sua parceira e a não interrupção do mesmo.
Orientar o uso de preservativos e outras medidas preventivas como: evitar promiscuidade sexual e selecionar o parceiro sexual.
Evolução

Os resultados esperados podem incluir:
Adquire o conhecimento e a compreensão sobre a doença
Adere ao tratamento
Alcança o tratamento efetivo
Demonstra uma conduta menos ansiosa.

Conclusão

A uretrite é a designação genérica para processos inflamatórios ou infecciosos da uretra (canal que conduz a urina da bexiga para o meio externo), se não tratada adequadamente pode acarretar sérias conseqüências para homens e mulheres. Dessa maneira, é fundamental ficar atento a qualquer alteração, e quando surgir deve procurar orientação e ajuda com profissionais especializados.

O tratamento não deve ser interrompido e deve-se manter todas as orientações do médico para ser bem sucedido. Lembrando também, que a prevenção é o uso de preservativos, seleção adequada de parceiro e evitar promiscuidade sexual.

Referências bibliográficas

BRUNNER & SUDDARTH, Tratado de enfermagem Médico-Cirúrgica, 9ª edição, Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2002.

KUNIN, Calvin; Infecções Urinárias, 4ª edição, Editora Revinter.

http://www.dstfacil.hpg.ig.com.br/uretrite_menu.htm

http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?218

http://www.msd-brazil.com/msd43/m_manual/mm_sec11_127.htm

http://www.guiasexual.com.br/saude/gonorreia.htmhttp://www.uro.com.br/dst.htm

http://www.sobral.ce.gov.br/saudedafamilia/Publicacoes/DST/corrimento%20uretral.htm

Outros trabalhos relacionados

Acolhimento e Atendimento de Enfermagem ao Idoso

SUMÁRIO 1. Introdução2. Objetivos 2.1. Geral 2.2. Específicos 3. Referencial Teórico3.1. Políticas Públicas para a saúde do idoso3.2. Promoção e Prevenção da saúde3.3. Qualidade de vida dos idosos3.4....

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM (SAE)

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM (SAE) DOMINGUES,Christiane Oliveira Enfermeira graduada pela Universidade Federal de Pelotas, Especialista em Administração Hospitalar pela UCPel AMESTOY, Simone Coelho Enfermeira graduada pela Universidade...

Sistemas Articulares

Autoria: Robson Magalhães Articulações As articulações são estruturas de tecido conjuntivo segundo as quais dois ou mais ossos próximos se unem entre si, independentemente de haver...

Sistema Circulatório

Autoria: Patricia Zen O Sistema Circulatório 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pode se compreender de uma maneira global o sistema circulatório, coloca-se num extremo o coração, cuja...