21 C
Sorocaba
quinta-feira, junho 13, 2024

ARTRITE REUMATÓIDE

A artrite reumatóide é uma doença dos tecidos mesenquimatosos periarticulares e articulares, de evolução progressiva, que apresenta numerosas variedades clínicas.

A artrite reumatóide lesa de forma permanente as extremidades, embora não afecte o coração. A lesão bioquímica característica consiste numa inflamação do tecido conjuntivo (fibrosite).

A lesão das extremidades articulares, que interessa, além dos ligamentos, também à cápsula e às extremidades ósseas com as cartilagens que as recobrem, produz não só deformação das articulações, mas a longo prazo também soldagem das extremidades ósseas (anquilose).

Nos diferente indivíduos há maiores incidências em diferentes articulações. Assim, podem ter-se formas com maiores localizações nas pequenas articulações (ossos das mãos e dos pés) ou nas grandes (joelhos, ancas, cotovelos, ombros), ou nas articulações vertebrais, que podem causar espondilite anquilosante (toda a coluna vertebral se torna um tronco rígido), e se também estão envolvidas as articulações dos ombros e das ancas tem-se a quase completa abolição dos movimentos do corpo..

A doença inicia-se paulatinamente, com astenia, diminuição da força muscular, emagrecimento, palidez, comprometimento do estado geral, por vezes febrícula persistente. O início do comprometimento articular manifesta-se com embaraço dos movimentos, leve tumefacção e dor; habitualmente as localizações primitivas são as pequenas articulações periféricas e vão-se estendo às mais próximas do corpo.

Em todas as articulações atingidas o processo evolui para a cronicidade, produzindo deformações articulares, especialmente nos membros superiores e nos joelhos. Em cada reagudização do processo inflamatório reaparecem as dores e aumenta o grau de impotência funcional.

As deformações mais características são as das mãos: por exemplo, para além de persistir o aspecto fusiforme, surge uma flexão das articulações na base dos dedos com desvio cubital, ou seja, para o lado do dedo mínimo.

A parte óssea das extremidades articulares apresenta fenómenos degenerativos e atróficos, sobre os quais influem em particular estímulos neurovegetativos reflexos; estímulos semelhantes são causa de atrofia muscular dos segmentos interessados.

Outros trabalhos relacionados

ANEURISMAS CEREBRAIS

Os aneurismas cerebrais são dilatações saculares ou fusiformes de artérias encefálicas (geralmente em suas bifurcações) que quando rompem, causam hemorragias cerebrais que variam desde...

SAÚDE DA FAMILIA

Saúde da Família A Saúde da Família é entendida como uma estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes multiprofissionais em...

O EXAME DE DNA NA PRÁTICA FORENSE

O EXAME DE DNA NA PRÁTICA FORENSE RESUMO Prática forense é a aplicaçao de técnicas científicas dentro de um processo legal. Essas práticas envolvem pesquisadores altamente...

Câncer

1. INTRODUÇÃO O nome câncer refere-se a um conjunto de mais de 100 doenças, que se caracterizam pela perda do controle da divisão celular e...