FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO
APLICAÇÃO DA APRENDIZAGEM
FORD X VOLVO

Sumário

Caso Ford x Volvo
Tabela Escolas Administrativas X Problemas Caso Ford x Volvo
Plano de Ação
Conclusão
Bibliografia
Anexos

CASO
FORD X VOLVO

A Ford Motors é uma das três maiores empresa de fabricação de automóveis dos Estados Unidos, com sede em Michigan, foi fundada em 1903 por Henry Ford.
Nasceu e cresceu inserida em um sistema socioeconômico capitalista onde os meios de produção são dos empresários e não do Estado, onde a produção e a distribuição das riquezas são determinadas pelo mercado, ou seja, pela procura e oferta de bens.
A partir da década de 1970 a Ford foi triturada pela concorrência estrangeira da Toyota e Honda. Em 1999 a Ford adquiriu o modelo sueco volvo em uma tentativa de competir no mercado internacional e expandir para outras regiões. Além disso, a Ford fez uma reestruturação completa, visando restabelecer a infra estrutura da empresa, o processo significou também o corte e dispensa de pessoal e o uso de Tecnologia de Informação (TI) para ser a força motriz e a ligação entre os “Car Centers” da Ford no mundo inteiro.
Já a Volvo adquirida pela Ford, no meio dessas mudanças todas, vive em uma estrutura sócio econômica muito diferente da dos Estados Unidos. A Volvo empresa da Suécia vive em um sistema sócio econômico social democrata, em uma sociedade onde a interferência do Estado é muito grande, paternalista, onde o Estado oferece uma ampla rede de serviços sociais e muita padronização.
Neste estudo de caso o principal problema é a aquisição da Volvo pela Ford, o que levaria a uma reestruturação da Volvo, ocorrendo muitas mudanças para os funcionários. Então a principal questão é: “Como a Ford deve passar a administrar sua fábrica na Suécia?”
Em consequência dessa aquisição, surgiram muitos outros problemas como modificação na forma de produção, o que segundo a Administração Cientifica se caracteriza pelo estabelecimento de novos parâmetros de produção, necessidade de treinamento, revisão dos padrões de qualidade e produtividade e divisão do trabalho. Na Escola das Relações Humanas vamos verificar alteração das condições de trabalho e na Teoria Contingencial seria a possibilidade de implantação da terceirização dos serviços intermediários.
Outro problema seria a ameaça a estabilidade dos funcionários no emprego, onde com base na Teoria Clássica se caracteriza pela possibilidade de perda de benefícios, surgimento de instabilidade e rotatividade. Na Escola das Relações Humanas teremos desestruturação de equipes de trabalho e grupos informais insatisfeitos.
Por fim teríamos mais um problema que seria de disciplina, que na Teoria Clássica se caracteriza por possíveis problemas diante de novas normas organizacionais. Já na Teoria Comportamental teremos possíveis problemas relacionados às expectativas/recompensa e alteração dos parâmetros de reconhecimento profissional.
Assim podemos concluir que a chegada da Ford na Volvo provocou inúmeros problemas que teriam de ser solucionados da melhor forma possível.

PLANO DE AÇÃO

Como já vimos o grande problema deste estudo de caso é: “Como a Ford deve passar administrar sua fábrica na Suécia?”
Desta grande questão surgiram muitas outras questões, ou seja, muitos outros problemas que teriam de ser solucionados, questões como: preocupação dos funcionários da Volvo em perder os benefícios adquiridos, em acontecer mudanças na forma de trabalho existente, em perder a estabilidade no emprego e em ter perdas na qualidade de vida, todas elas pertinentes, mas com certeza mudanças iriam acontecer e todos iam ter que se adaptar e se adequar a essas mudanças.
As soluções para o grande problema da Ford na administração da volvo são muitas e aqui destacamos duas: A Ford deixa tudo como está ou promoveria uma mudança radical na empresa.
Devido ao quadro de mudanças radicais que a Ford vinha promovendo em suas estruturas, uma reengenharia nos seus “Car Centers” espalhados em mais de 200 países, a solução mais adequada seria uma mudança radical na empresa o que levaria a colocar a Volvo no mesmo plano das outros centros da Ford, evitando conflitos com empregados de outros centros e também seria implantado uma estrutura única em todos os centros da Ford, com a utilização de Tecnologia da Informação (TI), através de uma intranet onde as comunicações fluiriam mais fácil entre esses centros, no setor administrativo, técnico, de pesquisa, de distribuição levando a um crescimento constante e tornando a empresa competitiva e com condições de enfrentar seus concorrentes.
Com a implantação da Tecnologia da Informação (TI) levaria a um Downsizing (enxugamento) em vários cargos da empresa, ou seja, demissões para reduzir as operações ao essencial e transferir a terceiros (terceirização) as operações acidentais, sobrando assim recursos para serem investidos no essencial para o crescimento e expansão tão importantes para a Ford neste momento.
É necessários se fazer também um Benchmarking, aonde a Ford iria busca na empresa Dell, uma grande montadora e distribuidora de computadores e que tem um excelente centro de distribuição de seus produtos via internet como se dá essa distribuição e nela se espelhar para melhorar a distribuição da própria Ford.
Assim a mudanças seriam radicais, o que a principio levaria a insatisfação de empregados e possível diminuição de produtividade, mas no final todos sairiam ganhando, pois com a expansão e o aumento da qualidade, da produtividade e da competitividade da empresa, viriam juntos melhores salários e melhorias nas condições de trabalho.

CONCLUSÃO

A Ford é um exemplo de como as organizações tradicionais podem amadurecer para se adaptar ao que é atual e maximizar o valor do negócio. O processo que a Ford implantou passou a exigir o apoio contínuo da gestão. Além disso, dependia de alinhamento entre os envolvidos como uma chave para o sucesso. A correlação não ficou restrita ao pessoal interno; é extensivo aos concorrentes para alcançar benefícios mútuos, para trabalhar com fornecedores, para manter razões similares e infra estrutura adequada, e para criar programas de treinamento para educar todos sobre a visão e objetivos da organização.
A partir deste estudo de caso, eu entendi o nível de compromisso que as grandes empresas têm para manter a sua posição no mercado. Estas empresas conhecem a natureza renovável do negócio, no sentido de como é fácil cair para trás se não acompanhar a mudança. O processo de Ford mostra também a necessidade de raciocínio rápido e cheio de recursos, quando confrontado com situações que poderiam parecer desfavoráveis. A maneira como a Ford se aventurou no mercado externo através da aquisição de fabricantes locais foi uma decisão estratégica que não só permitiu a fusão da Ford com diferentes tecnologias, mas também salvou o custo adicional da criação de centros de produção no Japão e na Europa.

Bibliografia

1 – Internet – www.ead.ftc.com.br – AVA
2 – Material didático de Teoria Geral da Administração da FTC – EAD
3 – Robert D. Austin e Mark Cotteleer, “A Ford Motor Co.: maximizar o valor comercial das tecnologias da Web”.

Anexos

1 – Texto: “Gestão Americana na Suécia?”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui