22.3 C
Sorocaba
sábado, fevereiro 4, 2023

Ciclo do Nitrogênio 2

Autoria: Gabriel Augusto da Silva

A disponibilidade biológica do nitrogênio (N) no solo, juntamente com o fósforo (P), enxofre (S) e potássio (K) tem relação direta com a produtividade agrícola. Embora, este elemento seja encontrado em abundância na atmosfera na forma do gás N2, constituindo cerca de 80% do seu volume total, nesta forma é quimicamente inerte e não disponível para os seres vivos. Geralmente as formas disponíveis ou “combinadas” de nitrogênio para a nutrição dos seres vivos incluem as combinações amoniacais (NH4+), nítricas (NO3-) ou orgânicas (R-NH2) que são metabolizadas visando a construção de biomassa.
Nos solos, o nitrogênio combinado é, geralmente, o fator limitante para a produção agrícola. Nesse sentido, torna-se necessário a adição do nitrogênio “combinado” no solo para compensar esta limitação. Geralmente isto é realizado por meio de adubações químicas ou orgânicas com o objetivo restaurar os níveis de N disponível e atender a demanda de N pelas culturas.
Na natureza, o nitrogênio apresenta um grande número de transformações mediadas por microrganismos específicos, visando a adição ou manutenção N disponível no solo. Entretanto, algumas transformações podem promover uma retirada do N do solo, tais como a volatilização e lixiviação. Assim, o N-disponível no solo depende de um manejo correto e conhecimento das transformações desse elemento nos ambientes agrícolas.
As principais transformações do N podem ser resumidas no seguinte ciclo:

Mineralização e Imobilização de Nitrogênio

O nitrogênio é o nutriente do solo requerido em maior quantidade pelas plantas, as quais o assimilam na forma inorgânica, como amônio (NH4+) ou preferencialmente na forma de nitrato (NO3-). A fonte primária de N do solo é a matéria orgânica do solo ou húmus, que apresentam o N na forma de R-NH2 formando complexos orgânicos. Nesse caso, a mobilização ou mineralização do nitrogênio orgânico (N-org) constitui o primeiro e importante passo para a sua disponiblidade para as plantas e microrganismos do solo.
Geralmente, a mineralização do nitrogênio é entendida como a conversão do Nitrogênio orgânico (N-org) na sua forma inorgânica (Ni). Como o primeiro produto dessa transformação no solo é o amônio (NH4+), a amonificação é entendida como sinônimo de mineralização do Norg do solo. Entretanto, o NH4+ sofre uma rápida oxidação até NO3- realizada pelos microrganismos nitrificantes. Na prática a avaliação da mineralização do Norg de um solo se realiza por meio de medidas tanto de NH4+ como NO3-. Embora exista esta dualidade de interpretação , a mineralização do N é considerada como a transformação do N orgânico em NH4+, ou seja, a amonificação.

Amonificação

Cerca de 75 a 95% do nitrogênio encontrado nos horizontes superficiais do solo está na sua forma orgânica (Norg) distribuídos entre 3 “compartimentos” a) biomassa; b)resíduos e c) substâncias húmicas. No caso de biomassa e resíduos, o nitrogênio é encontrado fazendo parte de paredes celulares (quitina, peptidioglicano), proteinas, aminoácios e ácidos nucleicos. Nas susbstâncias húmicas o nitrogênio forma complexos que somente podem ser fracionados articificialmente por meio de hidrólise ácida, sendo, portanto, de difícil caracterização. Estes compostos húmicos são recalcitantes, isto é, persistem por longos períodos de tempo na solo. Nesse caso, a sua resistência à mineralização tem sido atribuída a duas razões:
1. Compostos nitrogenados formam complexos ou polímeros com os fenóis ou polifenóis, resultando em substâncias menos susceptíveis à degradação.
2. Adsorção de substratos e enzimas no “lattice” de argilas. Sendo as enzimas que atuam no processo de mineralização do N, tipicamente com ação extra-celular, este aprisionamento pode aocasionar uma diminuição das taxas de mineralização do N do solo em determinados tipos de solos argilosos.

É importante frisar que todo o nitrogênio orgânico (Norg) está na forma de N-NHx (amina, amida, imidas) e por esta razão o primeiro produto de sua mineralização é sempre o N-amoniacal (NH3 ou NH4+)

Decomposição das Proteínas

Uma das principais fontes de nitrogênio orgânico no solo são as proteínas, liberadas após a morte e liberação do conteúdo celular da biomassa microbiana, vegetal ou animal. O processo de decomposição é realizado em várias etapas. A primeira etapa é denominada proteólise que é a degradação enzimática de proteínas por meio de proteases ou proteinases, que separam a cadeia proteica em peptídios curtos e logo a seguir atacada por peptidases que liberam os diversos aminoácidos:

Proteases Peptidases
Proteinas


 Peptídios


 aminoácidos
As Proteinases são produzidas por muitos fungos e bactérias principalmente aquelas pertencentes aos gêneros Clostridium, Pseudomonas e Bacillus. As peptidases são muito mais comuns entre os microrganismos. Assim, muitos meios de cultivo de microrganismos heterotróficos do solo utilizam peptona, que são peptídios produzidos a partir hidrólise parcial de uma fonte proteica tais como: carne, leite (caseína), ou soja.
Em uma segunda etapa os aminoácidos liberados durante a proteólise sofrem um processo de desaminação para liberação do grupo N-NH2 e liberação de NH3 por meio de rotas metabólicas envolvendo a desaminação direta, desaminação oxidativa ou descarboxilação com produção de CO2 + NH3.

Decomposição dos Ácidos Nucléicos

Devido a sua estrutura polimérica de Bases(ATUGC)-açucar(Pentoses)- PO4-, os ácidos nucleicos, RNA e DNA, são importantes fontes de N e também de P para os microrganismos. No aspecto quantitativo é considerada a segunda fração em importância no solo, logo após as proteínas. São incorporados no solo após a autólise celular e seguem uma rápida degradação no solo por meio de enzimas denominadas genericamente de nucleases (ribonuclease ou deoxi-ribonuclease). Deve-se ressaltar que, similarmente a todas as enzimas envolvidas no processo de mineralização do N-org do solo, estas enzimas tem atuação extracelular gerando bases nitrogenadas (mononucleotídeos e mononucleosídeos ). Os nucleosídeos gerados podem ser assimilados pelos microrganismos e metabolizadas até a formação seus produtos finais na forma de uréia e CO2, conforme a seguinte seqüência de eventos

Polinucleotídeos (DNA, RNA) (1) mononucleotídeos + nucleosídeos + P(2) uréia + CO2 + PO4-
(1) enzimas nucleases (extracelular)
(2) metabolismo oxidativo (intracelular)

Decomposição da Uréia

A uréia é um produto da destruição de bases nitrogenadas liberadas na decomposição de ácidos nucleicos, sendo naturalmente um produto de excreção de animais superiores. A sua molécula pode ser sintetizada e utilizada na agricultura como um fertilizante nitrogenado orgânico. A caracterização da uréia como um intermediário no metabolismo microbiano, como um produto de excreção de animais e como fertilizante faz dela um composto chave no ciclo do nitrogênio em solos agrícolas.
Aplicada no solo, é rapidamente hidrolizada e todo o nitrogênio liberado na forma amoniacal (NH3) em poucos dias conforme a seguinte equação:

Os microsítios do solo incorporados com uréia tendem a apresentar uma elevação dos valores de pH, devido ao consumo de protons (H+) na produção de amônio (NH4+). Próximo à partícula de uréia sendo mineralizada, estes valores de pH podem se momentâneamente maiores que 8,0 e algumas vezes 9,0, embora o pH a uma pequena distância possa estar próximo à neutralidade ou abaixo. Nestas condições alcalinas, o produto é de fato amônia gasosa (NH3), e pode ser assim volatilizada. Este fato acontece devido ao equilíbrio químico entre amônia (NH3) e amônio (NH4+) ser dependente do pH do meio, conforme a seguinte equação:

ou seja, em meio alcalino a reação tende a equilibrar-se para a esquerda, originando a forma gasosa de amônia (NH3) que é perdida para a atmosfera por volatilização. Estima-se que estas perdas podem atingir valores de até 70% do N aplicado na forma amoniacal. Desse modo, o nitrogênio amoniacal, quando aplicado em solos próximos a neutralidade ou alcalino, deve ser acompanhada de algumas opções de manejo de modo a controlar essa excessiva tendencia à alcalinidade. Duas opções:
(1) utilização de uréia de grânulos de liberação lenta
Forma comercial que pode Ter a sua solubilidade controlada
(2) utilização de uma fonte de S juntamente com a uréia (SSO4 :: pH)

Após a liberação de NH3, os valores de pH inicialmente alcalino tende a se reverter, pois, a oxidação do NH3 pela nitrificação promove a geração de acidos que atenuam os níveis de alcalinidade inicial durante a decomposição da uréia.
Muitos microrganismos possuem a enzima urease, responsável pela hidrólise da uréia, sendo por isto uma das enzimas de mais ampla distribuição nos solos. Um pequeno grupo de bactérias tem sido nomeado como bactérias da uréia devido a sua tolerância a altos níveis de uréia e suas afinidades com este composto, tais como Bacillus esporulados do solo.
Bactérias ureolíticas são facilmente isoladas do esterco ou solo enriquecido com solução contendo altas concentrações de uréia. Em cultura pura os organismos mostram-se sensíveis à acidez, sendo que o seu crescimento ocorre apenas em meio neutro ou alcalino. Elas são esparsas ou ausentes em áreas com pH 4,0 a 5,5. Assim, a decomposição da uréia em ambiente ácido, provavelmente pode ser atribuída à uma microbiota não específica ou a produção de agentes tamponantes do meio.

Mineralização x Imobilização do N do solo

A velocidade com que o nitrogênio orgânico é convertido a amônio e/ou nitrato é denominada taxa de mineralização a qual, em ambientes que recebem resíduos de culturas ricos em nitrogênio, podem variar de de <1,0 a 20,0 mg N/dm3 solo por dia. Essa taxa representa a liberação bruta de nitrogênio inorgânico (Ni) e não é a quantidade tipicamente encontrada nas avaliações de N do solo. Na realidade, o que interessa para o crescimento e desenvolvimento de plantas e microrganismos do solo é o balanço do nitrogênio inorgânico disponível (Ni) que pode ser avaliado pela seguinte expressão: Ni = N mineralizado – ( N imobilizado + N volatilizado + N lixiviado) ou seja, a quantidade total líquida de Ni produzido por uma quantidade constante de substrato de Norg é resultante de um delicado balanço entre as forças de mineralização (M) e aquelas responsáveis pela remoção do N do solo. Estas forças são representadas pela lixiviação, desnitrificação e particularmente a assimilação oum imobilização microbiana. Desse modo, embora a produção total de Ni possa ser grande, nenhum aumento ou algumas vezes até mesmo um decréscimo pode ser observado em medições do conteúdo de amônio e nitrato no solo. Em condições naturais os dois termos da equação se equilibram de modo a manter um fluxo adequado e constante de Ni no solo. Em solos agrícolas e áreas devastadas a tendência é para um balanço (Ni) negativo, ou seja, com favorecimento dos processos de remoção do nitrogênio disponível e redução da sua fertilidade, exigindo, assim, adubações nitrogenadas para compensar esse deficit.
Considerando a possibilidade de manejo das condições de perdas por volatilização e lixiviação, os valores de Ni após a adição de uma fonte de N no solo ficam particularmente dependentes da assimilação ou imobilização do N. Este fato está relacionado com a qualidade ou relação C:N do resíduo adicionado ao solo como fonte de N. A assimilação ou imobilização, geralmente, é realizada por microbiota mista, (fungos, bactérias e actinomicetos), que tem uma demanda fixa de carbono:nitrogênio de 10:1, 5:1 e 5:1, respectivamente, e um valor médio para de C:N= 8:1 e, também, um valor médio de assimilação do carbono disponível em torno de 35%. Admitindo-se um teor médio de carbono disponível em resíduos orgânicos, de aproximadamente 40%, a quantidade de N minimamente necessária para a biodegradação do resíduo pode ser calculada pela expressão:

Demanda N= ((Cdisponível * Cassimilado) / C:N microbiota mista)*100)

Demanda de N = ((.40 x 0,35 )/8)*100) = 1,75 % N

ou seja, para a decomposição de 100 unidades de matéria orgânica são necessários 1,75 unidades de nitrogênio no resíduo, para provimento da demanda de N para a construção de biomassa microbiana. Este é o valor que comanda as relações de Mineralização (M) ou Imobilização (I) do N do solo durante a decomposição de um resíduo.
Um exemplo prático dessas relações pode ser deduzida quando se adiciona materais pobres de N e consequente elevada relação C:N (ex. palhas) em comparação com materiais mais ricos de N (ex. leguminosas), em relação ao balanço de nitrogênio do solo. Neste sentido, foi realizado um exprimento com o objetivo de se estimar estes ganhos e perdas (Ni) além de medir o teor mínimo nitrogênio do resíduo que equilibra as relações de mineralização e imobilização de nitrogênio do solo. Assim, varios materiais com diferentes conteúdos de N foram incorporados em um solo, em taxas equivalentes a 600 mgN/kg, avaliando-se os teores de N-NO3-após 3 meses e calculando o  Ni em relação ao mesmo solo como referência.

Resíduo adicionado
% N Após 3 meses
[NO3-]  N i
Solo Normal — 947 —
Sangue seco 10,71 1751 +804
Trevo 1,71 924 -23
Milho 0,79 511 -436
Graminea 0,62 398 -549
Aveia 0,45 207 740

Considerando-se que os aspectos de desnitrificação e volatilização do N foram minimizados, verifica-se que os resíduos com alto conteudo de N favoreceram um acréscimo de N no solo, enquanto que os resíduos de baixo conteúdo de N, imobilizam o N do solo. A tendência ao ponto de equilíbrio se verifica com o resíduo de Trevo, que apresenta um valor de 1,71% N, conferindo com os cáculos depredição da demanda de N.

Em resumo:

% N no Resíduo Efeito da sua adição ao solo
> 1,8 Mineralização do Norg, Ni (+), M>I
> 1,2 e < 1,8 Imobilização temporária, Ni0; M = I,
<1,2 Imobilização prolongada, Ni(-), M < I A experiência sugere que: 1. O nível crítico de nitrogênio é expresso em termos de relação C/N (baixa adequada; elevada, inadequada).
2. Em material natural com aproximadamente 40% de C, o nível crítico corresponde a 1,2 a 1,8% N e relação C/N de 20 a 30:1.
3. Relação C/N mais larga  imobilização
4. Relação C/N mais estreita  mineralização
5. Resíduos em decomposição tendem naturalmente para o estreitamento da sua relação C:N de. Entretanto, a adição de uma fonte de N para colocar a relação C/N do resíduo em aproximadamente 30 a 35:1 (1,2 a 1,8% N) pode ser economicamente viável.
6. A fertilização é para a comunidade microbiana e não para a cultura.

NITRIFICAÇÃO

A nitrificação é definida como a formação biológica de nitrato ou nitrito a partir de compostos que contenham nitrogênio na forma amoniacal (NH4+). A importância dos nitrificantes está no fato da produção de nitrato, que a principal fonte de nitrogênio assimilado pelas plantas. Durante a era Napoleônica, a demanda de sais de nitrato para produção de pólvora estava aumentando, e com a guerra houve interrupção quanto ao acesso às fontes naturais e o nitrato passou a ser produzido em pilhas de solo + calcário + esterco (ou urina ou esgotos). Estas pilhas quando misturadas e convenientemente aeradas, entravam em decomposição, sendo o NO3- extraído com H2O quente do produto final.
Em 1870, Pasteur postulou que a formação de NO3- era um processo microbiológico e análogo à conversão do álcool ao vinagre. Mas a primeira evidência experimental de que este era um processo biológico é atribuída a Schloesing e Muntz (1797) que adicionaram resíduos de esgotos a um tubo longo cheio com areia estéril e CaCO3. Durante 20 dias a concentração de amônio no líquido permaneceu inalterada, mas após esse período o amônio desapareceu e houve o aparecimento do nitrato. O aquecimento da coluna ou a adição de antiséptico eliminava a transformação, a qual era reiniciado pela adição de pequenas quantidades de solo de jardim.
Em 1878, Warrington descobriu que a nitrificação era um processo que envolvia 2 grupos de microrganismos, mas o responsável pelo isolamento do microrganismo nitrificantes foi S. Winogradsky (1890).

Bactérias nitrificantes e suas reações bioquímicas

O trabalho pioneiro de Winogradsky estabeleceu que a nitrificação está tipicamente associada com certas bactérias quimioautotróficas. Elas são aeróbias obrigatórias que derivam seu carbono do CO2 ou carbonatos e a energia proveniente da oxidação de NH4+ ou NO2-. As bactérias são classificadas em dois grupos, baseados se eles oxidam NH4+ a NO2- ou NO2- a NO3-). Os principais grupos de bactérias nitrificantes são:

BACTÉRIAS QUIMIOAUTOTRÓFICAS OXIDANTES DE NITROGÊNIO
GÊNERO ESPÉCIE HABITAT
Oxidantes do amônio (NH4+) a nitrito (NO2-)
Nitrosomonas* N. europeae Solo, água, esgoto
Nitrosospira N. biensis Solo
Nitrosococcus N. nitrosus Mar
N. oceanus Mar
N. mobilis Solo
Nitrosovibrio N. tenuis Solo
Oxidantes do nitrito (NO2-) a nitrato (NO3-)
Nitrobacter* N. winogradskyi Solo
Nitrospira N. gracilis Mar
Nitrococcus N. mobilis Mar
* mais comumente encontrada

Na maioria dos habitat as bactérias dos dois grupos são encontradas juntas, sendo que o NO2- raramente acumula na natureza, sendo clássicamente descritas como exemplo de interação sinérgica no solo. As bactérias nitrificantes exigem meios de cultivo com composição definida, utilizando como fonte de carbono o carbonato e uma fonte de N-amoniacal.
Sendo estes microrganimos típicamente autotróficos aeróbios, podem crescer em meios minerais, adicionados de amonia ou nitrito apenas. A eficiência bioquímica nesses organismos é convencionalmente expressa pela relação entre nitrogênio inorgânico oxidado (deriva a energia) para carbono CO2 assimilado. Para a Nitrosomonas a relação NH4+-N:CO2-C é 14 a 70:1 e para a Nitrobacter essa relação é de 76 a 135:1.
A reação típica em sua primeira etapa é:

NH4+ + 1 ½ O2    NO-2 + 2H+ + H2O

Esta reação se processa em várias etapas e com a formação de vários produtos intermédiários, principalmente a hidroxilamina (NH2OH) que é oxidada até HNO2. Deve-se ressaltar que esta primeira etapa gera um elevado potencial de acidez do meio, devido a violenta liberação de H+. Assim, quando do cultivo desses microrganismos, deve-se promover um efeito tampão no meio com a utilização de CaCO3 para evitar a morte desses microrganismos nitrificantes por excesso de acidez do meio.
A segunda etapa na sequência autotrófica é assim visualizada como envolvendo uma hidratação do nitrito da qual o íon hidrogênio é removido:

NO2- + H2O  H2O.NO’2  NO’3 + 2H

Embora o NO2- raramente se acumula no meio, a possibilidade de sua a acumulação pode ser devida a um excesso de alcalinidade associada com elevados teores de amônio. A fertilização com amônia anidra pode elevar o pH a 9,0 ou 9,5 e a fonte de nitrogênio junto com o alto pH local freqüentemente causa acumúlo de nitrito. Mesmo a decomposição de proteínas ou uréia pode resultar nesse efeito temporário. Com o progresso de nitrificação há o desenvolvimento da acidez e alívio do problema. O acúmulo de nitrito pode também ser atribuída a sensibilidade da Nitrobacter a sais de amônio em meio alcalino. Em pH 9,5 e 4 ppm NH4+-N suprime a reação produtora de energia do Nitrobacter. Assim o amônio é um inibidor seletivo em condições alcalinas, da segunda etapa da nitrificação.

Fatores ambientais

Acidez
Há uma correlação significativa entre produção de NO3- e o pH. A acidez afeta não somente a transformação, mas também o número de nitrificantes. O pH ótimo para os isolamentos individuais pode variar de 6,6 a 8,0 ou mais. A taxa de nitrificação nos solos agrícolas diminui marcadamente em pH abaixo de 6,0 e torna-se negligível abaixo de 5,0, embora o nitrato possa ocasionalmente estar presente em solos com pH 4,0 ou menor. Essa presença é possivelmente atribuível a estirpes adaptadas a acidez ou diferenças químicas do habitat.
Em pH elevado, NH4+ inibe a transformação de NO2- em NO3-. Esse acúmulo de nitrito parece estar relacionado mais com a sensibilidade da bactéria do grupo Nitrobacter aos sais de amonio em condições alcalinas. Como ocorre um abaixamento do pH com o processo de nitrificação, os oxidantes do nitrito passam a atuar sobre os substratos.
Em solos ácidos de floresta há produção de grandes quantidades de NO3-. Quando sofrem o desmate ou queimada, que resultam em em altas taxas de mineralização do que imobilização. Parece que os nitrificantes heterotróficos e/ou microsítios que fazem a nitrificação nos solos florestais não são ácidos sensíveis como nos solos agrícolas.
Devido a sensibilidade do microrganismo à acidez, aos íons hidrogênio, a nitrificação em solos ácidos é usualmente aumentada pela calagem. Freqüentemente, a falha em nitrificar é inteiramente uma consequência da acidez, e a condição pode ser prontamente aliviada pela calagem.
A produção de nitrato varia de acordo com o material em decomposição. Em ambiente próximo a neutralidade, nitrato aparece mais rapidamente de sais de amônio que de compostos nitrogenados orgânicos, enquanto em solos ácidos é ao contrário. Explica-se este fato como um resultado do aumento da alcalinidade durante a amonificação, o que faz o ambiente próprio aos nitrificadores.
A oxidação de NH3 anidra ou NH4OH é similarmente mais rápida que a nitrificação de sais de amônio. Quando uréia é hidrolizada, o amônio resultante eleva os valores de pH. Assim a nitrificação é maior, em solos ácidos, a partir da uréia que a partir do (NH4)2SO4. Este efeito não é esperado em solos com pH próximo ao ótimo para os nitrificantes.
Alguns solos ácidos, que sofrem calagem, respondem a inoculação com bactérias nitrificantes bioquimicamente ativas.
O uso de fungicidas em grandes proporções pode eliminar completamente as nitrificadoras e resultar em acúmulo de amônio que poderá atingir níveis de fitotoxidade. Uma vez dissipada a contaminação, o solo responde à inoculação ou é normalmente contaminado.

A medida que o ácido nítrico é formado e os valores de pH diminuem, certos íons como o potássio, fosfato, magnésio, manganês e cálcio podem se tornar mais disponíveis.

Aeração
Oxigênio é um requerimento obrigatório para todas as espécies aeróbias. A aeração adequada do meio depende de uma serie de fatores. Assim, o teor de umidade e a estrutura do solo irão afetar a acumulação de nitrato através de sua influência sobre a aeração. Em solos submergidos para o crescimento de arroz, a nitrificação ocorre nos centímetros superficiais do solo oxigenado (o oxigênio difunde através da fase aquosa e mantém oxigenado o solo).

Umidade
A umidade afeta o regime de aeração do solo, e assim a produção de nitrato. Em um extremo limita a difusão de O2, no outro, em condições áridas é retardada por insuficiência de água. O ótimo varia consideravelmente com o tipo de solo, podendo-se tomar como referência ½ a ¾ da capacidade de retenção do solo. Geralmente as reações de mineralização produtoras de NH4+ (a amonificação) são menos sensíveis a stress de água e baixa tempertura. Assim há um acúmulo de NH4+ em solos com stress de água ou baixas temperaturas.

Temperatura
A estação do ano em que nitrato é mais abundante no solo não coincide, necessariamente, com a máxima atividade microbiana devido a absorção pelas plantas, imobilização microbiana e lixiviação, processos que reduzem o nível de nitrato.
É marcadamente afetada pela temperatura sendo baixa em temperatura menores que 5oC ou maiores que 40-50oC. A temperatura ótima varia com a estirpe, mas situa-se usualmente entre 30 a 35oC. A interação da temperatura, umidade, aeração, e, outros fatores marcam um efeito sazonal. em áreas temperadas, a nitrificação é maior na primavera e outono que no verão ou inverno.

Matéria orgânica
A cultura pode afetar o tamanho e a atividade da microbiota nitrificante. É o exemplo das pastagens onde há maior abundância de amônio que nitrato. As causas ainda não estão bem definidas havendo evidências de que as raízes excretam exudatos que reduzem a taxa de nitrificação. Ex.: corte de áreas como árvores e arbustos e onde o crescimento foi impedido com herbicida provocou uma descarga de nitrato no solo (vegetação?). Alternativamente isto pode significar que a vegetação foi capaz de remover o nitrato à medida que ele era feito. Por outro lado, o acúmulo de produtos secundários de plantas no solo, tais como taninos e outros compostos fenólicos, podem inibir os microrganismos nitrificantes.
Embora os microrganismos nitrificantes apresentem um metabolismo tipicamente autototrófico, ou seja, crescem em meios minerais sem carbono orgânico, estes microrganismos apresentam uma dependência indireta da matéria orgânica do solo, pois, a matéria orgânica do solo é a única via de fornecimento de NH4+ para o solo, por meio da amonificação.

Nitrificação heterotrófica
Várias bactérias e actinomicetos heterotróficos são capazes de gerar traços de NO2- quando crescidos em meio contendo NH4+. algumas bactérias, como estirpes de Arthrobacter, e fungos, como o Aspergillus flavus, produzem NO3- de NH4+. Os heterotróficos não derivam energia dessas reações de oxidação e sua significância na natureza não é conhecida. A produção de NO3- nos solos de agricultura pelos heterotróficos parece não ser significativa, comparado com os nitrificantes autotróficos.

Poluição por Nitrato
O excesso de NO3- pode:
1. Causar o processo de eutroficação de águas, causando excessivo crescimento de plantas e algas.
2. Metehemoglobinemia infantil ou animal. O NO3- ingerido é transformado em NO2- durante o processo de digestão. Este NO2- ao chegar na corrente sanguínea oxida a hemoglobina, formando a metehemoglobina, bloqueando o transporte de O2.
3. Formação de nitrosaminas, compostos carcinogênico, mutagênicos e teratogênicos, isto é, podem causar câncer, mutações e anomalias e algumas vezes mortes de fetos. A sua formação requer a presença de um segunda amina e nitrato, e a reação é de simples condensação. Esta reação pode ser conduzida por reações enzimáticas de microrganismos ou pelo proceso não enzimático pela presença de matéria orgânica do solo.

Inibidores da nitrificação

O nitrato geralmente não acumula em solos estáveis de campo e florestas. Há numerosas sugestões que o clímax de um ecossistema produz compostos orgânicos, tais como o tanino, que são tóxicos ao nitrificantes. Este processo, chamado alelopatia, parece representar um controle natural de nitrogênio. Um argumento alternativo mais aceito atualmente é que a competição por NH4+ pelas raízes de plantas, fungos micorrízicos e microrganismo imobilizadores de nitrogênio mantêm a taxa de N inorgânico baixa.
Para reduzir as perdas de nitrogênio, tem sido desenvolvido pesquisas para se encontrar inibidores químicos que possam ser aplicados juntos com a amônia ou uréia para reduzir a nitrificação. O composto não poderia ser fitotóxico nem poluente do ambiente. Um dos melhores é o 2-cloro-6 (triclorometil) piridina. Tiouréia, isotiocianatos, s-triazinas, etc… (ver tabela de inibidores).

ALGUNS INIBIDORES DE NITRIFICAÇÃO PATENTEADOS
COMPOSTO QUÍMICO
NOME
COMERCIAL FABRICANTE INIBIÇÃO
(% EM 14 DIAS)
2-Cloro-6(triclorometil)piridina N-serve Dow Chemical 82
4-Amino-1,2,4-6-triazole-HCl ATC Ishihada Industries 78
2,4-Diamino-6-triclorometil triazine CL-1580 American Azanamid 65
Dicyandiamide Dicyan Showa Denho 53
Thiourea TU Nitto Rejuso 41
3-Mercapto-1,2,4-triazole MT Nippon 32
2-Amino-4-Cloro-6-metilpirimidina AM Mitsui Toatsu 31
Sulfatiazole ST Mitsui Toatsu 31

A efetividde dos vários inibidores é governada pelo tipo de solo e temperatura, pH e umidade de solo, entre outros fatores.
Outras pesquisas são para desenvolver fertilizantes de baixa liberação. Aqui o objetivo é criar material fertilizante que liberará somente pequenas quantidades de nitrogênio inorgânico a um dado tempo, aumentando assim a eficiência do fertilizante por evitar uma alta produção de NO3- e sua perda. Um desses exemplos é a peletização da uréia com enxofre, porque favorece a geração de acidez durante a nitrificação. Evitar o acúmulo excessivo de NO3- é uma prática importante a ser levada em consideração.

DESNITRIFICAÇÃO

A discussão da desnitrificação está intimamente ligada ao destino do NO3- no solo. Geralmente o NO3- no solo tem 3 destinos:

a) Assimilação – refere-se a sua assimilação pelas biomassa de plantas. Este processo é realizado por enzimas denominadas genericamente de redutases, que convertem o NO3- em NH4+, o qual é incorporado em carbono orgânico gerando aminoácidos para a síntese protéica.
b) Desassimilação ou volatilização – refere-se ao processo de desnitrificação. Neste caso os microrganismos heterotróficos utilizam o nitrato como aceptor final de elétrons e prótons, no processo de respiração anaeróbia. As enzimas que realizam este processo são também denominadas redutases. As primeiras transformações nesta seqüência de eventos são semelhantes ao processo assimilativo (Nitrato redutase e nitrito redutase).
c) Lixiviação – O ânion NO3- tem grande mobilidade no solo, devido a prevalência de cargas negativas. Assim, o nitrato presente em horizontes superficiais do solo pode facilmente ser percolado e acumular em lençóis freáticos.

O processo de desnitrificação

Consiste na redução microbiana de nitrito e nitrato com a liberação de nitrogênio molecular e óxido nitroso (N2O). É também conhecida como desnitrificação enzimática. Na desnitrificação o N é perdido ou volatilizado para a atmosfera. Ela é essencialmente um mecanismo respiratório em que o nitrato substitue o oxigênio molecular, e por isso é também denominada de respiração de nitrato.

NO3-  NO2-  NO  N2O  N2

Formas voláteis

Perdas de N no solo

Quando o nitrato e carbono orgânico disponível são adicionados ao solo, o nitrato aplicado é reduzido e há evolução de N2, N2O e NO (óxido nítrico). Estes produtos são voláteis e perdidos para a atmosfera.
O NO que escapa é oxidado por processos não biológicos pelo O2 e NO2 (dióxido de N).
A demonstração quantitativa do desprendimento de N2 no campo não é fácil, desde que o N2 é um componente da atmosfera. O desprendimento é lento e usualmente as quantidades de nitrato e carboidratos ou matéria orgânica prontamente uitilizável não é grande.
Quando desejamos estabelecer um balanço do nitrogênio do solo e seu Ni, é necessário avaliar a quantidade de N que está sendo adicionado no solo, através da preciptação, das sementes, dos fertilizantes, dos estercos, bem como as quantidades perdidas por lixiviação, erosão e remoção por plantas. Se não há mudança no total, as perdas devem igualar os ganhos. Se as perdas excedem os ganhos, o N está sendo perdido por alguma forma não incluída nas variáveis consideradas para o preparo do balanço. Resultados destas avaliações mostram que as perdas por volatilização podem variar de 25 a 50% do total de Ni aplicado princicpalmente na forma de NO3-. Neste aspecto a utilização de fertilizantes amoniacais com controle de pH, tem uma nítida vantagem em relação aos fertilizantes níticos, pois o NH4+ e mais retido no coloide do solo e a sua volatilização somente ocorre em valores de pH mais alcalinos.

Mecanismos de volatilização de N
São três as possíveis reações:
1. Perda não biológica da amônia
2. Decomposição química do nitrito
3. Desnitrificação microbiana, com, a liberação de N2, N2O (óxido nitroso) e algumas vezes NO (óxido nítrico)
A primeira, volatilização de NH3 livre, pode ser apreciável sob certas condições. Na maioria dos solos esta perda é insignificante abaixo de pH 8,0, e a magnitude varia diretamente com o aumento da alcalinidade. Temperaturas altas favorecem o processo, mas as perdas são menores em solos com alta CTC.
Em solos em que o nitrito acumula, em locais com alto pH, o nitrito pode decompor espontaneamente através de uma reação com a matéria orgânica. Produz N2, NO2, e pequenas quantidades de N2O. Contudo, mesmo na circunstância em que nitrito aumente no solo, a geração microbiana dos gases deve exceder os processos biológicos.
Nenhuma volatilização é detectada quando NH4+ é aplicado em áreas muito ácidas para a nitrificação porque o nitrito não é sintetizado.
O mecanismo mais importante de volatilização de N é a desnitrificação microbiana. Embora haja poucos dados disponíveis, eles surgerem uma peda considerável.
O produto principal da redução de nitrato em solos pobremente drenados ou solos que tornam-se excessivamente úmidos parece ser gasoso ao invés de NO2- ou NH4+. O NO2- é reduzido tão rápidamente quanto é formado.

Microbiologia
O crescimento dos microrganismos envolvidos na desnitrificação não é dependente da redução do nitrato. Muitas bactérias responsáveis são ativas em proteólises, amonificação, e outras transformações. Consequentemente a presença de muitos desnitrificantes não indica que há condições adequadas para a desnitrificação.
Assim, a abundância de organismos sem especificidade por substrato não deve ser entendida como indicação de que a atividade bioquímica é proveniente no habitat de onde ele for isolado.
Com organismos substrato-específico, por exemplo, autotróficos nitrificantes, uma população densa é uma boa evidência da atividade nitrificante.
Solos aráveis contêm abundância de desnitrificantes o que demonstra somente um potencial para volatilização rápida do nitrogênio.
A capacidade para a verdadeira desnitrificação é limitada a certas bactérias. As espécies ativas são limitadas aos gêneros: Pseudomonas, Bacillus, Paracoccus, embora Thiobacillus denitrificans e ocasionalmente Chromobacterium, Corynebacterium, Hyphomicrobium ou Serratia catalizam a redução.

GÊNEROS DE BACTÉRIAS DESNITRIFICANTES
GÊNERO CARACTERÍSTICAS
Alcaligenes Comumente isolada de solos
Agrobacterium Algumas espécies são fitopatogênicas
Azospirillum Fixadores de N2, comumente associado a gramineas
Bacillus Desnitrificantes termofílicos
Flavobacterium Espécies desnitrificantes
Halobacterium Requerem altas concentrações salinas para crescimento
Paracoccus Capaz de crescimento litotrófico e heterotrófico
Propionibacterium Denitrificantes com capacidade de fermentar
Pseudomonas Comumente isolada do solo
Rhizobium Fixadores de N2 em simbiose com leguminosas
Rhodopseudomonas Fotossintéticos
Thiobacillus Geralmente cresce como quimioautotróficos

As bactérias desnitrificantes são aeróbias, mas o nitrato pode ser usado como aceptor de elétrons para crescimento na ausência de O2.
T. denitrificans
5S + 6KNO3 + 2H2O 3N2 + K2SO4 + 4KHSO4 (I)
5K2S2O3 + 8KNO3 + H2 4N2 + 9K2SO4 + H2SO4 (II)

Quimiodesnitrificação
As nitrito redutases são responsáveis não só pela dismutação do NO2 no solo. Ela está também sujeita a reações químicas que levam a produção de N2 por vias não enzimáticas sob condições de total arejamento. Perdas de N-NO2- devido a sua instabilidade e dismutação a outros óxidos de N e a N2 são geralmente denominados de quimiodesnitrificação.

RNH2 + HNO2  ROH + H2O + N2
HNO2 + NH4+  N2 + 2H2O
3 HNO2  HNO3 + H2O + 2NO-
NO2- + NH4+  NH4NO2 N2 + H2O

Fatores que afetam a desnitrificação
1- Elevada disponibilidade de NO3-
2- Diminuição da disponibilidade de O2 (aeração fraca)
3- Suprimento de matéria orgânica
4- umidade do solo; aeração; pH e temperatura.

A taxa de desnitrificação é muito menor em solos com pouco carbono que em solos ricos em matéria orgânica. A efetividade dos nutrientes orgânicos em promover a desnitrificação em solos inundados é proporcional a sua disponibilidade.
A aeração afeta a transformação em duas formas aparentemente contratante:
1. Desnitrificação ocorre somente quando o suprimento de O2 é insuficiente para satisfazer a demanda biológica,
2. Ao mesmo tempo, O2 é requerido para a formação de nitrito e nitrato, os quais são essenciais para a desnitrificação.
A demonstração de N2 é volatilizado de solos mantidos a tensões normais de O2 indicam que os poros e intersítios no perfil não são inteiramente oxigenados. Assim, apreciáveis perdas podem ser encontradas em solos submersos usados para arroz.
A inibição da desnitrificação pelo O2 não pode ser atribuída a influência detrimental do O2 sobre o crescimento pois as espécies ativas são aeróbias. Até certo ponto a supressão da redução do nitrato pode refletir o uso preferencial do O2 como aceptor de elétrons. Por outro lado pode ser o efeito sobre enzimas de redução ou mesmo repressão sobre a formação das enzimas desnitrificantes.
Em solos bem drenados, a volatilização é relacionada com o conteúdo de umidade. Desnitrificação é apreciável em altos níveis de umidade e em localidades com drenagem imprópria. Nenhuma perda ocorre usualmente em solos com menos que 60% da capacidade de retenção do solo, independente do carboidrato, nitrato ou pH. Acima de 50% a magnitude da desnitrificação é correlacionada diretamente com o teor de umidade.
Muitas das bactérias desnitrificantes são sensíveis à acidez (altas concentrações hidrogeniônicas). Assim vários solos ácidos possuem uma microbiota esparsa. Essa observação ecológica está de acordo com estudos efetuados em cultura pura.
A acidez governa não somente a taxa de desnitrificação mas também a abundância relativa dos vários gases.
altas concentrações de NO3- e pH > 6,0 –> domínio de N2
baixas concentrações de NO3- e pH ≤ 6,0 – 6,5 –> domínio de N2O
Em pH baixo, o NO pode aparecer em quantidades significantes.
A desnitrificação é marcadamente afetada pela temperatura. A transformação é lenta a 2oC e aumenta com a temperatura. A ótima para a reação é de 25oC ou acima. A desnitrificação é ainda rápida a temperaturas elevadas e vai ocorrer até cerca de 60 a 65oC, mas não a 70oC. Assim tem-se uma microbiota termofílica desnitrificante.
O fato d a desnitrificação não ocorrer em temperaturas baixas pode ter implicação econômica de importância, em regiões onde não há plantas crescendo no inverno para assimilar o nitrato formado.

Bioquímica da redução do nitrato
Na oxidação aeróbia de carboidrato tem-se:
C6H12O6 + 6O2  6CO2 + 6H2O
No metabolismo aeróbio dos heterotróficos o poder redutor do carboidrato, representado pelo H+, é usado para formar H2O com o O2. Na respiração heterotrófica do nitrato ou desnitrificação, o poder redutor é conjugado com estados oxidados do nitrogênio.

2NO-3 + 1OH-  N2 + 4H2O + 2OH-
2NO2- + 6H+  N2 + 2H2O + 2OH-
N2O + 2H  N2 + H2O

2NO  N2O  N2
2HNO3  2HNO2 
?  (2NH2OH) 2 NH3

As enzimas responsáveis são denominadas nitrato redutase , nitrito redutase, óxido nítrico redutase e óxido nitroso redutase. A nitrato redutase apresenta como cofator o Molibdênio (Mo).

Fixação Biológica do Nitrogênio (FBN)

O processo de fixação de nitrogênio é definido como sendo a conversão do nitrogênio molecular (N2) em amônia ( N2  2 NH3). Existem, básicamente, duas alternativas para a realização do processo: a) fixação química (industrial) e b) fixação biológica do nitrogênio (FBN).
A fixação química corresponde a reação do nitrogênio com hidrogênio, sob alta temperatura e pressão, conhecido como processo de Harber-Bosch, desenvolvido no início do século XX na alemanha, que tem sido a base de produção dos adubos nitrogenados para a agricultura moderna:
A fixação Biológica do nitrogênio (FBN) corresponde, essencialmente, à mesma reação, porém realizada por microrganismos denominados fixadores de nitrogênio ou diazotróficos:

Nitrogenase (Nase)
N2 + (8H+) + (8e-) + 16 ATP


 2NH3 + H2 + 16ADP +P

Assim, o processo de FBN é a redução do N2 atmosférico até N-amoniacal, disponível para microrganismos e plantas. Devido à alta estabilidade do N2 (NN), esta reação tem um custo energético alto, o que restringe este processo a poucos grupos de microrganismos adaptados à condição diazotrófica. Os requerimentos essenciais para este processo são:
a) Microrganismos procarióticos: todo processo de FBN é realizado somente por determinados grupos de bactérias e actinomicetos.
b) Presença de nitrogenase (Nase): A nitrogensase é um complexo enzimático responsável pela redução do N2 até NH3, e somente alguns grupos de microrganismos procarióticos apresentam os determinantes genéticos de sua produção. Tais microrganismos são denominados diazotróficos.
c) Exclusão do Oxigênio molecular. A reação de fixação do N2 corresponde a uma redução. Desse modo a presença de um forte agente oxidante causa a sua inibição. Entretanto, vários microrganismos aeróbios podem realizar a FBN, desde que apresente algum mecanismo de proteção da Nase tais como: produção de leghemoglobina (rizóbio-leguminosas), produção de heterocistos (cianobactérias), proteção respiratória (Azotobacter), produção de mucopolissacarídeos (Derxia, Beijerickia).
d) Fonte de Carbono orgânico: Devido ao alto consumo energético da reação de fixação, o processo deve estar ligado a um suprimento contínuo e eficaz de carbono orgânico, para geração de ATP e proder redutor correspondente.

Principais Sistemas Fixadores de Nitrogênio

Existem na natureza três grandes sistemas fixadores:
a) Vida livre;
b) Associativo
c) Mutualístico.

a) Vida livre – Correspondem aos microrganismos que podem ser encontrados nos mais diversos ambientes de solos ou mesmo aquáticos, não estando necessariamente associado ou fazendo parte de estruturas mutualísticas. Estes micorganismos podem ser organotróficos, ou seja dependentes de fonte de carbono orgânico ou fotossintéticos. Podem apresentar também um metabolismo diversificado com relação ao oxigênio, representado pelos grupos aeróbios (Azotobacter, Beijerinckia, Derxia), Facultativos ( Klebsiella, Bacillus, Azospirillum), e anaeróbios ( Clostridium, Desulfovibrio, Metanobactérias). Entre os microrganismos fotossintéticos de vida livre podemos citar: Cianobactérias (Nostoc), Bactérias púrpuras (Rhodospirillum, Chromatium, Thiocapsa). A contribuição desses microrganismos, em termos de seu potencial de adição de Ncombinado (N-NH3) nos ecossistemas é pequena, variando de 2,0 a 10,0 kg N há.-1 ano-1
b) Associativo. A superfície e tecidos de plantas constitui um habitat com fonte de carbono, umidade onde podem se instalar alguns tipos de microrganismos diazotróficos. No caso de Gramímeas C4, verificou-se que tanto a rizosfera quanto os tecidos internos de folhas, podem conter microrganismos que além de promover a fixação de nitrogênio podem secretar hormônios de crescimento vegetal , situação que confere grande auxilio no crescimento e desenvolvimento da planta. Os microrganismos de ocorrência natural nos tecidos das plantas são denominados de endofíticos. Como exemplos podemos citar os gêneros Azospirillum, Acetobacter (Cana-de-açucar), herbaspirillum. A contribuição dos sistemas associativos em termos de potencial de fixação de nitrogênio, ainda está sob estudo, mas, observações recentes evidenciam o elevado potencial dessa interação, podendo adicionar de 20 a 100 kg N há.-1 ano-1
c) Mutualístico. Neste tipo de interação, ocorre uma interdependência entre plantas e bactérias, com formação de estruturas especializadas, como por exemplo os Líquens (Cianobactérias + fungos), nódulo radicular ( rizóbio + leguminosa), actinorriza ( acinomiceto + essencias florestais), lobulos foliares (Azolla + cianobactéria). Os sistemas fixadores mutualísticos apresentam uma alta eficiencia de fixação devido ao suprimento adequado de carbono orgânico aliado com mecanismos específicos de proteção ao oxigênio, como por exemplo os nódulos radiculares com produção de leghemoblogina. O potencial deste sistema fixador é alto, podendo atingir de 30 a 200 kg N há.-1 ano-1 dependendo do sistema considerado.

Estrutura e funcionamento da nitrogenase (Nase)

O complexo enzimático da nitrogenase consiste de duas frações (I e II). A fração II é uma proteína com núcleo prostético de Fe, sendo denominada Nitrogenase redutase. Apresentando uma estrutura dímera (2 subnidades). A fração I contém Molibdênio (Mo) e é denominada molibdoproteina ou dinitrogenase., apresentando estrutura tetrâmera ( 4 sub-unidades). As frações I e II estão agrupadas de modo a permitir um contínuo fluxo de elétrons (eo-) da Fração II para I.
O funcionamento do complexo nitrogenase depende de um suprimento contínuo de eletrons (eo-) de protons (H+) para promover a redução do N2 até NH3, por meio de moléculas carreadoras denominadas ferrodoxina ou flavodoxinas. Estes elétrons são captados pela nitrogenase redutase (Fração II) que tem 2 moléculas de Mg.ATP associada. Este complexo da Fração II mais eletrons e ATP liga-se à Fração I, a dinitrogenase contendo Mo, liberando elétrons e ATP. Nos sitios de Molibdênio ocorre a redução de NN até NH3. O esquema da Figura 1 ilustra o funcionamento da nitrogenase nos sistemas diazotróficos.

F.ig. 1 Fixação biológica de Nitrogênio pelo sistema nitrogenase: (1) Geração de poder redutor (Fonte de Corg e metabolismo oxidativo). (2) Fluxo de protons e eletrons para as frações I e II da nitrogenase, respectivamente. (3) Transferência de eletrons da Fração II (Ferro-proteína reduzida) para fração I (molibdo-proteína) com geração de ATP. (4) Redução do N2 ao nível do cofator Mo da fração I com gerção de amonia e hidrogênio. (5) Sistema opcional de reciclagem de protons e eletrons pela enzima hidrogenase, que pode promover um aumento da eficiencia do sistema de fixação de nitrogênio.

Alguns sistemas fixadores de nitrogênio apresentam uma eficiência de fixação mais elevada do que outros. Verificou-se que este fato está ligado à presença de um sistema enzimático denominado Hidrogenase. Este sistema converte o H2 produzido na atividade de nitrogenase em protons e eletrons que podem ser reciclados, economizando-se assim o poder redutor da célula, o que se traduz em aumento de eficiência. Tais sistemas já foram identificados e as células que apresentam hidrogenase são denominadas Hup+.

Assimilação do Nitrogênio fixado

Todo o nitrogênio derivado da fixação é obtido na forma de amonia que é imediatamente protonada (NH4+) e deve ser assimilada, ou seja, incorporada em cadeias carbonicas para formação de aminoacidos e translocados para as diversas partes da planta. Há duas rotas de assimilação de NH4+: a) GDH – glutamato deshidorogenase; b) GS-GOGAT – Glutamina sintase e glutamina-cetoglutarato amino transferase. Ambas vias levam a incorporaçao do N fixado no grupo amida do aminoacido glutamato. A via GDH opera quando aconcentração de NH4+ está acima de 1,5 mM e a via GS-GOGAT é ativada quando esta concentração é mais baixa de 1,5 mM. Uma possível explicação se fundamenta na energia gasta para esta assimilação, pois a via GDH opera com o gasto de 1 NADPH2, enquanto a via GS opera com gasto de 1NADH + 2 ATP/ mol glutamato formado, sendo, dessa maneira, mais onerosa para a célula. As reações principais de assimilação estão ilustradas na figura 2 abaixo.

ESTUDO DIRIGIDO
1. Esquematizar o ciclo do nitrogênio.
2. Discuta os seguintes pontos:
a) – Mineralização do N
b) – Imobilização do N
c) – Amonificação
d) – Nitrificação
e) – Assimilação do N pelas plantas e pelos microrganismos
f) – Lixiviação do N
g) – Volatilização do N

3. Quais os fatores que afetam a mineralização do nitrogênio?
4. Quais os mecanismos comuns para a degradação inicial dos aminoácidos?
5. Como ocorre o metabolismo dos ácidos nucléicos?
6. Como se processa a decomposição da Uréia?
7. Quais são os manejos que podem reduzir a perda de amônia, por volatilização?
8. Complete o quadro abaixo:
Eficiência de Assimilação de C Relação C/N
Bactérias
Actnomicetos
Fungos
9. O que é a nitrificação?
10. Qual a importância da nitrificação?
11. Como são classificadas as bactérias nitrificantes? como elas atuam?
12. O que caracterizas as bactérias nitrificantes?
13. O nitrito não é acumulado no solo. Por que?
14. Quas as condições que podem favorecer o acúmulo de nitrito no solo?
15. Quais são os fatores que podem afetar a nitrificação? como esses fatores afetam a nitrificação?
16. Como ocorre a poluição por nitrato? quais as suas consequências?
17. Como a nitrificação pode ser inibida?
18. Em que situações pode haver acúmulo de nitrito no solo?
19. Por que a nitrificação é maior em solos ácidos quando se usa uréia ao invés de sulfato de amônia?
20. O que é o processo de desnitrificação?
21. O que significa “respiração de nitrato”?
22. Quais os produtos da desnitrificação?
23. Quais os mecanismos de volatilização de nitrogênio?
24. Qual(is) a(s) condição(ões) que favorece(m) a desnitrificação?
25. O que caracteriza as bactérias desnitrificantes?
26. Quais são as enzimas envolvidas no processo de desnitrificação?
27. Quais os fatores que afetam a desnitrificação?
28. Diferenciar a fixação quimica e biológica do N2
29. Caracterizar os principais sistemas de fixação de nitrogênio.
30. Enumerar os requerimentos para um sistema fixador de N2
31. Na siestema nitrogenase onde acontece a redução de N2? Porque?
32. Qual a participação do molibdenio (Mo) na nutrição nitrogenada de plantas?
33. Como o nitrogênio fixado é assimilado pelos microrganismos e plantas?

Outros trabalhos relacionados

AIDS

AIDS é uma sigla em inglês que significa “Síndrome da Imuno-deficiência adquirida”. A Aids caracteriza uma doença que danifica o sistema imunológico do indivíduo...

Biosfera

Autoria: Hilda Chaves Boettcher Terra é um sistema complicado. A parte onde existe vida é chamada biosfera. Bios vem do grego "vida". A biosfera se...

Bioética

Autoria: Dannisllene Aparecida No termo bioética, bios representa o conhecimento biológico, a ciência dos sistemas viventes, enquanto ética, representa o conhecimento dos sistemas dos valores...

AMAZÔNIA

Em novembro de 1971, o biólogo alemão Harald Sioli, do Instituto Max Planck, então fazendo pesquisas na Amazônia, foi entrevistado por um repórter de...