Em Busca de Curitiba Perdida – Dalton Trevisan

0
DICAS PARA ANALISAR, COMPREENDER, E INTERPRETAR TEXTOS

Em Busca de Curitiba Perdida – Dalton Trevisan

Em Busca de Curitiba Perdida é uma coletânea com 23 textos de Dalton Trevisan, que dão uma no-ção geral da obra deste autor que parece não aceitar a modernização da cidade. No conto Lamentações da Rua Ubaldino, ele recorda o passado da rua onde reside – “No Princípio Era o silêncio na Rua Ubaldino” – mas o barulho da atual “metrópole” incomoda o escritor – “o amplificador dos agudos desafinados de Gog e Magog” – que amaldiçoa o tempo presente: “mais fácil passar um camelo pelo fundo duma agulha/ do que entrar um guitarrista cenobita no reino de Deus.” Em Curitiba Revisitada, Dalton pergunta: “uma das três melhores do mundo em qualidade de vida/ depois ou antes de Roma?”, e segue cutucando a capital ecológica – “cinqüenta metros quadrados de verde por pessoa/ de que te servem/ se uma em duas vale por três chatos?” – até definir Curitiba: “falso produto de marketing político.” Outro detalhe importante na obra do “Vampiro de Curitiba” é a utilização de personagens que vivem à margem da sociedade de consumo, sem perspectivas de ascensão social, praticamente presos a necessi-dades imediatas. “Ao utilizar sempre os mesmos João e Maria, o autor está fazendo uma crítica e ironizando a visão oficial da cidade, que não dá chance aos menos favorecidos”. No conto Canção do Exílio, o autor-narrador diz que apesar de ter vivido, não quer morrer em Curitiba. Ora, se alguém xinga tanto uma cidade, por que não vai viver em outro lugar? Dalton Trevisan, mesmo criticando, faz uma declaração de amor à cidade, às avessas. Considerado o maior contista da língua portuguesa de todos os tempos, Trevisan criou um estilo único de escrever, caracterizado por usar uma linguagem enxuta, que com poucas palavras consegue comunicar aquilo que deseja. Para ter uma idéia, basta ler um trecho de A Faca no Coração, quando ele define: “O amor é uma faca no coração. Cada dia se enterra mais fundo, que não deixe de sangrar.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui