23.7 C
Sorocaba
terça-feira, junho 18, 2024

Farewell – Carlos Drummond de Andrade

Farewell – Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade (1901-1987) é um dos poetas máximos da Língua Portuguesa. Sua poesia consegue ser, ao mesmo tempo, absolutamente brasileira (às vezes, mineiríssima) e ser universal. Seu estilo conjuga a limpidez clássica às impertinências irônicas de um prosaísmo bem colocado, o que torna Drummond um modernista além do seu tempo. Despedida do poeta? Recomeço? Farewell (1996), a obra póstuma de Carlos Drummond de Andrade, guarda, no bem humorado adeus à moda inglesa, um sorriso maroto como aquele da crônica Ciao (1984), na qual o poeta se despedia dos leitores de sua página semanal no JB. Um misto de gratidão (“aos leitores a minha gratidão -essa palavra tudo”) e de alívio de quem se vê afinal desobrigado da vida “O pássaro é livre /na prisão do ar./ O espírito é livre/ na prisão do corpo./Mas livre, bem livre/é mesmo estar morto”. Nesse breve livro de poemas, estão presentes os temas caros ao poeta mineiro: a meditação serena/ convulsa sobre a passagem do tempo, sobre o amor, sobre os amores tardios (os amores fora de hora), que acendem o desejo na carne envelhecida; o tema da permanência na mudança (as sete faces do anjo torto), fazendo aparecer o “feixe de contrastes” de que se compõe o ser humano; o tema da memória que pode converter em presença o que está ausente e pode transformar em doçura o horror do sofrimento; a leitura sensível de obras de outros artistas (“A Cadeira (Van Gogh): ninguém está sentado/ mas adivinha-se o homem angustiado”). Por conseguir reunir em tão densa obra poemas modelares, Farewell é um livro-síntese, e também um convite a recomeçar a leitura dos outros livros do poeta mineiro, esse “tigre disfarçado”, animal poético de sonsa ternura e doce crueza que nos ensina a “sempre, e até de olhos vidrados, amar”. (ANDRADE, Carlos Drummond de. Farewell. Rio de Janeiro : Record, 1996. )

Outros trabalhos relacionados

UM COPO DE CÓLERA – RADUAN NASSAR

Um Copo de Cólera - Raduan Nassar Escrita em apenas 15 dias, no ano de 1978, Um copo de cólera é a novela essencial da...

VONTADE DE VIVER – RÉGINE DEFORGES

VONTADE DE VIVER - RÉGINE DEFORGES Na noite de 20 para 21 de setembro de 1942, em pleno período de ocupação alemã, setenta membros da...

O Mulato – Aluísio de Azevedo

O Mulato - Aluísio de Azevedo Saindo criança de São Luís para Lisboa, Raimundo viajava órfão de pai, um ex-comerciante português, e afastado da...

MEMÓRIAS DE UM SUICIDA

MEMÓRIAS DE UM SUICIDA A história do livro (Memórias de um Suicida) começa no século XVII, quando nasce um jovem em terras portuguesas numa família...