25.5 C
Sorocaba
quinta-feira, abril 11, 2024

LITERATURA DE MASSA NO BRASIL

Apesar de o mundo já ser uma aldeia globalizada em termos de comunicação, ainda existem intelectuais que dividem a literatura de outra forma: literatura propriamente dita e a subliteratura. Às vezes, nem está em jogo a qualidade da obra, mas a penetração popular dela. Há ainda o questionamento de que sem a comunicação não há o momento estético, mas os elitistas preferem a arte que oculta, que se nega a interagir com o leitor comum, só com alguns. Uma atitude difícil de ser aceita em se tratando de literatura, que prima pela comunicação. Partindo do pressuposto de que o ser humano não vive sem a arte, a pessoa participante da massa informe e ignóbil também tem sua estética, que está seja nos pagodes, na música sertaneja, na MPB, na televisão, nos jornais, nas revistas, ou nos livros, porém é pichada de arte da redundância, de descartável, de produto da indústria cultural. Desta postura nasce também o endeusamento do livro, como única forma de expressão literária e o congelamento dos gêneros literários. No limiar do século XXI, ainda há gente que despreza a revista e o jornal. Exemplo claro disso é a exigência das academias de letras, pois só pode participar delas quem já escreveu um livro, e ainda se critica quem está nela porque escreveu livros de caráter científico.

Costuma-se diferenciar dois tipos de literatura, com regras distintas de produção e consumo: a “culta” e a de “massa” (leia-se também best-seller ou folhetim). O estilo culto implicaria uma intervenção pessoal do escritor, tanto na técnica romanesca corrente quanto na língua nacional escrita. O autor, de certo modo, criaria uma língua própria ao escrever. Seus textos não seriam comandados por fatos reais da história, conteúdos informativos ou pedagógicos que pretendessem chegar como “verdadeiros” à consciência do leitor. Já na literatura considerada de massa, o que importa são os conteúdos “fabulativos” (a intriga com a estrutura clássica de princípio-tensão, clímax, desfecho e catarse), destinados a mobilizar a consciência do leitor, exacerbando sua sensibilidade.

Enquanto produto da literatura de massa ou folhetinesca, o best-seller é resultado do processo de industrialização mercantil e efeito da ação capitalista sobre a cultura, sendo produto das exigências geradas pela sociedade moderna e inscrevendo, em sua produção, as diretrizes ideológicas dominantes de “interpretação e reconhecimento do sujeito humano. A preservação da retórica culta está presente na literatura de entretenimento trivial pela estrutura e pelo conteúdo. A enumeração dos conteúdos explícitos e dos elementos estruturais encontrados na literatura de massa ajuda a iluminar o fenômeno da indústria cultural, mas não o caracterizam de forma definitiva, pois todos os elementos enumerados também podem ser encontrados esporadicamente na chamada alta literatura.

Analisando ainda as pesquisas brasileiras sobre o consumo da literatura de massa e os estímulos que esta pode estar transmitindo, aliados aos da mídia em geral, observa-se determinada incoerência. Se os textos têm como objetivo final serem lidos pelo maior número possível de pessoas, por que até muito recentemente quase não se pesquisava sobre a crítica do leitor ‘comum’ acerca dos textos lidos? Ao se prosseguir nessa linha de raciocínio, identifica-se uma prática que de certa forma denota inversão de valores: analisa-se o texto, como arte ou não, relegando a segundo plano o objetivo primeiro: ser lido por alguém, ou o leitor. Tal prática até recentemente colaborou para que os estudos, postulados e teses sobre leitura ficassem mais no nível teórico, na crítica de conteúdo, relegando o leitor a um patamar secundário, especulativo. Apesar do enfoque de estudos nas ciências sociais na atualidade ter-se direcionado para o individual, a subjetividade, alteridade e também o cotidiano, a realidade é que ainda são pouquíssimas as linhas de pensamento e pesquisas desenvolvidas com o intuito de levantar a crítica e o gosto do leitor.

No Brasil, são encontrados na literatura específica poucos trabalhos que pesquisaram as preferências de leitura de determinadas comunidades. O primeiro a ser publicado, trata-se de um conjunto de três pesquisas realizadas por Medina (1975) sob encomenda do Centro Latino-Americano de Pesquisas em Ciências Sociais e o Sindicato Nacional de Editores de Livros, visando detectar, respectivamente: o gosto de leitura em algumas capitais do país. Porém é o estudo de Bosi em 1978 é sem dúvida o mais conhecido e funciona até os dias atuais como elemento catalisador nas discussões sobre leitura popular, pois levanta, pela primeira vez no Brasil, o gosto de leitura de operárias da Grande São Paulo. A investigação define de forma diferente tanto o objetivo, ao estabelecer que pretende investigar modos de ler texto e imagens interagentes, quanto a metodologia, baseada em uma leitura solicitada. Os resultados mostram as facetas do neo-leitor, ou seja, reconheceu-se aquele que lê imagens, televisão, artes plásticas, vídeos, mídia, enfim, todas as formas, canais e suportes físicos pelos quais se pode adquirir cultura e informação. Mas ainda se limita a traçar o perfil do leitor, as obras preferidas. Atualmente e com as possibilidades fornecidas pelas tecnologias da comunicação, existem vários indicadores que demonstram o que está sendo lido. Consistem basicamente de listas de livros mais vendidos mas, infelizmente, não fazem uma ligação entre quem está lendo e o quê está sendo lido. Às vezes, são observados os pontos de venda e traçados perfis rudimentares do comprador. Vale destacar a pesquisa realizada por Orsini (1997)para a Infoglobo, porque observou-se uma mudança na preferência, ou perfil, dos leitores: houve uma ligeira queda na venda de romances em relação ao ano anterior e aumentou consideravelmente o número das publicações que versam sobre auto-ajuda. Também é de interesse outro novo dado detectado: o aquecimento do mercado livreiro em relação aos leitores que percebem menos de dez salários mínimos.

O gosto pela leitura taxada de popular, está na atualidade sendo pesquisada por alguns pensadores. Na área cultural, Bourdieu (1979), desenvolveu um estudo sobre os consumidores dos bens culturais e suas preferências, o gosto na escolha desses bens, demonstrando, através da observação científica, que as necessidades e práticas culturais, tais como freqüência a museus, concertos e exposições, preferências em matéria de literatura, leitura, pintura e música são um produto da educação, estando estreitamente ligados ao nível de instrução, e não à origem social do sujeito. O estudioso desmistifica assim um determinismo social, segundo o qual o gosto é delimitado pelo lugar social das pessoas. Esse lugar social é, no entanto, determinado pelas classes tidas como superiores, a partir de seus balizadores privilegiados. Ao risco de parecer sacrificado aos ‘efeitos fáceis’ que estigmatizam o ‘gosto puro’, pode-se mostrar que toda a linguagem da estética está restrita pela principal recusa do fácil, entendido dentro do sentido que a ética e a estética burguesas dão a esta palavra. Além disso, o gosto ‘puro’ tem por premissa recusar o degustar, que em primeira instância é visceral e se manifesta por tudo que é fácil, como se diz de uma música ou de um efeito estilístico. A recusa do que é fácil, no sentido de simples, portanto sem profundidade, e ainda barato, fundamenta-se no princípio de que, se a decifração é fácil e culturalmente pouco custosa, esta conduz à certeza e por conseguinte à recusa natural por parte dos intelectuais. Estes, ainda segundo Bourdieu, recusam tudo aquilo que é fácil ao senso ético ou estético, a tudo que oferece prazeres imediatamente acessíveis e que induz à descredibilidade, por serem esses prazeres infantis ou primitivos, em oposição aos diferenciados da arte ‘legítima’. A recusa do que é fácil, no sentido de simples, portanto sem profundidade, e ainda barato, fundamenta-se no princípio de que, se a decifração é fácil e culturalmente pouco custosa, esta conduz à certeza e por conseguinte à recusa natural por parte dos intelectuais. Estes, ainda segundo Bourdieu, recusam tudo aquilo que é fácil ao senso ético ou estético, a tudo que oferece prazeres imediatamente acessíveis e que induz à descredibilidade, por serem esses prazeres infantis ou primitivos, em oposição aos diferenciados da arte ‘legítima’. Conseqüentemente, nesta linha de raciocínio, na cultura de massas há um impulso em direção ao conformismo e ao produto padrão, enquanto na literatura há um impulso em direção à criação artística e à livre invenção.

Mas o que, de fato, o mercado editorial tem feito para popularizar o hábito de leitura e reduzir preços de livro no Brasil? A resposta se limita a algumas ações isoladas e até pouco conhecidas. A Câmara Brasileira do Livro (CBL), que é uma “entidade independente, sem fins lucrativos e com a missão de estimular a leitura no País” – como define seu estatuto –, promete para breve o início de um amplo programa nacional de popularização do livro.

Bibliografia

Beltrão, Luiz. Literatura de elite/Literatura de massa. Revista de Cultura Vozes. Petrópolis, nº 4, p. 281-290, maio, 1970.
Enciclopédia Mirador Internacional. São Paulo, Britânica do Brasil Publicações, 1987, v.11, p. 5703.
BARTHES, Roland et alii. Escrever .. para quê? Para quem?. Trad. Raquel Silva. Lisboa:Edições 70, 1975.

Outros trabalhos relacionados

SISTEMAS DE COTAS PARA NEGROS NAS UNIVERSIDADES

O sistema de cotas tão discutido atualmente é, sem sombra de dúvidas, um ponto de interrogação para muita gente. Os dados estatísticos comprovam que quanto...

LANÇAMENTO DA 1º EDIÇÃO DO GUIA TURÍSTICO AMIGO GLBT 2/2

Para ver a Primeira parte desse trabalho clique aqui. 4.2 Mix de Marketing O Mix de Marketing foi formulado por Jerome McCarthy em seu livro Basic...

INDUSTRIAS CRIATIVAS E A VIRADA CULTURAL

Autor: Pedro F. Bendassolli e Thomaz Wood Jr. Resumo As indústrias criativas apresentam-se hoje como um novo e promissor campo econômico. Seu potencial de crescimento, sua...

ASPECTOS CRÍTICOS DA NOVA VIRADA CULTURAL

Um dos autores representativos dentro dos Estudos Culturais Críticos, Hall (1997), argumenta que presenciamos hoje a uma “centralidade da cultura”. O modo privilegiado como...