Petróleo

0
Sondas de petróleo perto de Vaudoy-en-Brie, na França 14/11/2018 REUTERS/Christian Hartmann

Combustível líquido natural, constituído essencialmente de hidrocarbonetos, com pequenas quantidades de nitrogênio, oxigênio e enxofre. Tem cor negra, ligeiramente esverdeada: é mais clara quando se trata do petróleo Parafínico, e, mais escura, no Petróleo asfáltico.Em estado líquido é Petróleo; gasoso, é o gás natural; pastoso, é o betume, de que deriva o asfalto. É encontrado em jazidas no sub-solo da crosta terrestre. As maiores jazidas Conhecidas e exploradas estão nos Estados Unidos, México, Venezuela, Rússia, Malásia e no Oriente Médio(Arábia Saudita, Irã, Iraque e kwait).

Já na Antiguidade , o Petróleo era usado, mas para fins religiosos e medicinais. Na segunda metade do século XIX, com a perfuração de poços petrolíferos nos EUA e na Romênia, obteve-se do Petróleo a Querosene, importantíssimo combustível dos lampiões. No século XX, com o advento dos motores a explosão em que se utiliza a gasolina, houve grande expansão da indústria petrolífera.

Processo de formação

A explicação para a origem do Petróleo é uma teoria orgânica animal-vegetal, segundo a qual ele se originou da decomposição de animais e vegetais marinhos soterrados em desabamentos da crosta terrestre em épocas remotas. A matéria-prima que o teria originado é o plâncton, um aglomerado de organismos animais e vegetais marinhos acumulados em lugares isentos de oxigênio; o plâncton foi-se decompondo lentamente dando origem a um material orgânico sedimentado que Teria originado o Petróleo. Os lençóis petrolíferos ocorrem em cavidades que podem atingir até 7 000 m de profundidade, no continente ou em plataformas submarinas. Juntamente com o petróleo encontram-se água salgada e gás natural (sob pressão). Comercialmente, existem dois tipos de petróleo: o leve (com maior proporção de gasolina) e o pesado (com maior proporção de querosene e óleos combustíveis). O petróleo leve tem maior cotação no mercado mundial, por causa do elevado consumo de gasolina.

Refino do Petróleo

O petróleo bruto, tal como sai do poço, não tem aplicação direta. Para utilizá-lo, é preciso fracioná-lo em seus diversos componentes, processo que é chamado de refino ou destilação fracionada. Para isso, aproveitam-se os diferentes pontos de ebulição das substâncias que compõem o óleo, separando-as para que sejam convertidas em produtos finais. O processo começa pela dessalinização do petróleo bruto em que são eliminados os sais minerais. Depois, o óleo é aquecido a 320° C em fornos de fogo direto e passa para as unidades de fracionamento, onde podem ocorrer até três etapas diferentes. A etapa principal é realizada na coluna atmosférica: o petróleo aquecido é introduzido na parte inferior da coluna junto com vapor de água para facilitar a destilação. Desta coluna surgem as frações ou extrações laterais, que ainda terão de ser transformadas para obter os produtos finais desejados.

A maioria dos produtos é a seguir objetos de tratamentos suplementares para melhorar sua qualidade: reforma catalítica, hidrodessulfuração. É obtida finalmente toda uma série de produtos que respondem as necessidades dos consumidores: carburantes, gasolinas especiais, combustíveis e produtos diversos.

Produtos

Gás natural: combustível usado nas usinas termelétricas (predominantemente nos países industrializados). Na natureza, ele é encontrado acumulado em rochas porosas no subsolo, freqüentemente acompanhado por petróleo, constituindo um reservatório.
Gás liquefeito de petróleo: gás doméstico de botijão. É o derivado mais leve do refino do petróleo.
Éter de petróleo e benzina: solventes apolares. Obtidos por fracionamento da gasolina, da benzina ou da nafta, em determinados intervalos de temperatura.
Querosene: combustível de aviões e jato (o querosene que sobra no mercado é transformado em gasolina, por meio de craqueamento). O querosene é um composto formado por uma mistura de hidrocarbonetos alifáticos, naftalênicos e aromáticos, com faixa de destilação compreendida entre 150°C e 239°C.
Óleo diesel: Combustível derivado do petróleo, constituído basicamente por hidrocarbonetos, o óleo diesel é um composto formado principalmente por átomos de carbono, hidrogênio e em baixas concentrações por enxofre, nitrogênio e oxigênio e selecionados de acordo com as características de ignição e de escoamento adequadas ao funcionamento dos motores diesel. É um produto inflamável, medianamente tóxico, volátil, límpido, isento de material em suspensão e com odor forte e característico.O óleo diesel é utilizado em motores de combustão interna e ignição por compressão (motores do ciclo diesel) empregados nas mais diversas aplicações, tais como: automóveis, furgões, ônibus, caminhões, pequenas embarcações marítimas, máquinas de grande porte, locomotivas, navios e aplicações estacionárias (geradores elétricos, por exemplo).
Óleo combustível pesado: combustível industrial. É a parte remanescente da destilação das frações do petróleo, designadas de modo geral como frações pesadas, obtidas em vários processos de refino. A composição bastante complexa dos óleos combustíveis depende não só do petróleo que os originou, como também do tipo de processo e misturas que sofreram nas refinarias.
Óleos lubrificantes: lubrificação de máquinas e motores.Os óleos usados são constituídos de moléculas inalteradas do óleo básico, produtos de degradação do óleo básico; contaminantes inorgânicos; água originária da câmara de combustão (motores), ou de contaminação acidental; hidrocarbonetos leves (combustível não queimado); partículas de carbonos formadas devido ao craqueamento dos combustíveis e do próprio lubrificante e ainda outros contaminantes diversos.
Parafina: impermeabilização de papel e de outros produtos. é um derivado do petróleo. Possui propriedades termoplásticas e de repelência à água e é usada amplamente para a proteção de diversas aplicações, como em embalagens de papelão para a indústria alimentícia e revestimento de queijos e frutas. Por suas propriedades de combustível, é a matéria prima essencial na fabricação de velas.
Vaselina: usada nas pomadas medicinais. É uma parafina líquida: é oleaginosa, límpida, incolor, não fluorescente, inodoro quando frio, mas apresenta leve odor de petróleo quando aquecido, insípido. Insolúvel na água e no álcool, miscível com a exceção do óleo de rícino, solúvel no éter, clorofórmio, éter de petróleo e nos óleos essenciais.
Asfalto: é um betume espesso, de material aglutinante escuro e reluzente, de estrutura sólida, constituído de misturas complexas de hidrocarbonetos não voláteis de elevada massa molecular, além de substâncias minerais, resíduo da destilação a vácuo do petróleo bruto. Não é um material volátil, é solúvel em bissulfeto de carbono, amolece a temperaturas entre 150°C e 200°C, com propriedades isolantes e adesivas. Também denomina a superfície revestida por este betume. É muito usado na pavimentação de ruas, estradas e aeroportos.
Gasolina: combustível de automóveis. é um combustível constituído basicamente por hidrocarbonetos e, em menor quantidade, por produtos oxigenados. Esses hidrocarbonetos são, em geral, mais “leves” do que aqueles que compõem o óleo diesel, pois são formadas por moléculas de menores cadeias carbônicas (normalmente de 4 a 12 átomos de carbono). Além dos hidrocarbonetos e dos oxigenados, a gasolina contém compostos de enxofre, compostos de nitrogênio e compostos metálicos, todos eles em baixas concentrações. A faixa de destilação da gasolina automotiva varia de 30 a 220°C. A gasolina básica (sem oxigenados) possui uma composição complexa. A sua formulação pode demandar a utilização de diversas correntes nobres oriundas do processamento do petróleo como nafta leve (produto obtido a partir da destilação direta do petróleo), nafta craqueada que é obtida a partir da quebra de moléculas de hidrocarbonetos mais pesados (gasóleos), nafta reformada (obtida de um processo que aumenta a quantidade de substâncias aromáticas), nafta alquilada (de um processo que produz iso-parafinas de alta octanagem a partir de iso-butanos e olefinas), etc.

Gás natural e Gás de cozinha

O gás natural é um combustível fóssil com origem muito semelhante à do petróleo bruto, ou seja, formou-se durante milhões de anos a partir dos sedimentos de animais e plantas. Tal como o petróleo, encontra-se em jazidas subterrâneas, de onde é extraído. A principal diferença prende-se com a possibilidade de ser usado tal como é extraído na origem, sem necessidade de refinação. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que à temperatura ambiente e pressão atmosférica, permanece no estado gasoso. É um gás inodoro e incolor, não é tóxico e é mais leve que o ar. O gás natural é uma fonte de energia limpa, que pode ser usada nas indústrias, substituindo outros combustíveis mais poluentes, como óleos combustíveis, lenha e carvão. Desta forma ele contribui para reduzir o desmatamento e diminuir o tráfego de caminhões que transportam óleos combustíveis para as indústrias.

As reservas de gás natural são muito grandes e o combustível possui inúmeras aplicações em nosso dia-a-dia, melhorando a qualidade de vida das pessoas.

O GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) é o gás de cozinha. Mistura de propano e butano em determinadas proporções, o GLP é obtido nas unidades de processamento de gás natural ou plantas de gasolina e nas refinarias de Petróleo. Após processado, o gás é entregue para consumo industrial, inclusive na petroquímica. Parte deste gás é re-injetado nos poços, para estimular a produção de petróleo. Possui pressão de vapor alta em relação aos outros derivados, sendo, portanto altamente volátil, além de um alto poder calorífico e boa octanagem.

Octanagem da gasolina

No cilindro de um motor, a gasolina, uma vez misturada com ar no carburador, é submetida à compressão (por parte do êmbolo ou pistão) e, em seguida, sofre combustão, motivada pela faísca da vela.

Porém, a gasolina natural (obtida por simples destilação do petróleo) explode facilmente durante a compressão, antes da faísca elétrica, desregulando o motor. Nesse caso, diz-se que a gasolina possui baixa octanagem (nome que resulta do menos explosivo dos componentes da gasolina: o isoctano ou 2, 2, 4-trimetilpentano:C H ):

Por convenção, para qualificar uma gasolina quanto a sua resistência à explosão, devemos compará-las com misturas de diferentes proporções de isoctano e normal-heptano (componente facilmente explosivo).

Assim, para determinar a octanagem de uma gasolina qualquer, mede-se sua resistência à compressão e procura-se, em tabelas, a mistura de heptano e isoctano que oferece essa mesma resistência; a porcentagem de isoctano, nessa mistura, define a octanagem da gasolina.

Craqueamento catalítico ou Craking

O craqueamento é uma fonte indireta de gasolina e consiste na quebra das moléculas de querosene e óleos, resultando gasolina e mistura gasosa de alcenos e hidrogênio:

Os alcenos líquidos são hidrogenados, aumentando a quantidade de alcanos (gasolina).O craqueamento aumenta a porcentagem de gasolina de 15 para 50%, em relação ao petróleo bruto.

Hulha e Xisto

Hulha é um carvão fóssil. Destilação seca da Hulha: O alcatrão de hulha representa a fonte natural mais importante para a obtenção de compostos aromáticos. Por destilação fracionada do alcatrão de hulha, obtêm-se várias frações, das quais são extraídos inúmeros compostos de que a indústria necessita, como benzeno, naftaleno, fenóis, anilina, etc. Na destilação fracionada do alcatrão de hulha, obtêm-se 60% de piche.

O xisto betuminoso possui atributos de carvão e de petróleo e é uma variedade carbonífera mais nova que a hulha. Por destilação fracionada, a seco, produz gasolina, gás combustível, enxofre, etc.. Entretanto, trata-se de um processo poluente e economicamente desvantajoso. O Brasil possui uma das maiores reservas mundial de xisto betuminoso. O xisto é uma camada de rocha sedimentar, originada sob temperaturas e pressões elevadas, contendo matéria orgânica, disseminada em seu meio mineral.

Existem dois tipos de xisto, o xisto betuminoso e o pirobetuminoso, cujas diferenças são as seguintes:

• No xisto betuminoso, a matéria orgânica (betume) disseminada em seu meio é quase fluida, sendo facilmente extraída;
• No xisto pirobetuminoso, a matéria orgânica (querogênio), que depois será transformada em betume, é sólida à temperatura ambiente.

O óleo de xisto refinado é idêntico ao petróleo de poço, sendo um combustível muito valorizado. Os EUA detêm a maior reserva mundial de xisto, seguidos pelo Brasil – cujo principal depósito fica no Paraná, na formação Irati – e pela União soviética.

O petróleo no Brasil

No Brasil, o petróleo foi descoberto em 1939, na localidade de Lobato, Bahia. Um ano antes já havia sido criado o Conselho Nacional de Petróleo (CNP) e decretada a propriedade estatal das jazidas de petróleo e do parque de refino. Contudo, a consolidação só viria na década de 50, com a participação ativa de todas as correntes de opinião pública na campanha de mobilização para o estabelecimento do monopólio estatal do petróleo. No Brasil, o primeiro poço produtor foi aberto em 1939, em Lobato, próximo de Salvador. A prospecção e a produção foram intensificadas após as crises dos anos 70, com uma produção que, desde 1985, tem oscilado ao redor de 50% das necessidades nacionais de consumo. De 1939 a 1954, foram descobertos nove campos petrolíferos na região do Recôncavo Baiano. Durante esse período, comprovada a existência do petróleo em solo brasileiro, foi desencadeada uma intensa campanha pela criação do monopólio estatal do produto.

Indústria Petroquímica

É o ramo da química que usa como matéria-prima componente extraídos do petróleo para fabricar produtos como plásticos, explosivos, detergentes, inseticidas, fertilizantes, corantes, medicamentos, etc.

A CRIAÇÃO DA PETROBRAS

No final da década de 40, cresceu a polêmica sobre a melhor política a ser adotada pelo Brasil em relação à exploração do petróleo. As opiniões se radicalizavam, em sentidos opostos: havia grupos que defendiam o regime do monopólio estatal, enquanto outros eram favoráveis à participação da iniciativa privada. Depois de uma intensa campanha popular, o presidente Getúlio Vargas assinou, a 3 de outubro de 1953, a Lei 2004, que instituiu o monopólio estatal da pesquisa e lavra, refino e transporte do petróleo e seus derivados e criou a Petróleo Brasileiro S.A – Petrobras para exercê-lo. Em 1963, o monopólio foi ampliado, abrangendo também as atividades de importação e exportação de petróleo e seus derivados. A partir de novembro de 1995, em função da Emenda Constitucional no. 9, o Brasil passou a admitir a presença de outras empresas para competir com a Petrobras em todos os ramos da atividade petrolífera.

Na época da criação da Petrobras, a produção nacional era de apenas 2.700 barris por dia, enquanto o consumo totalizava 170 mil barris diários, quase todos importados na forma de derivados. A partir de então, a nova companhia intensificou as atividades exploratórias e procurou formar e especializar seu corpo técnico, para atender às exigências da nascente indústria brasileira de petróleo. O esforço permitiu o constante aumento das reservas, primeiro nas bacias terrestres e, a partir de 1968, também no mar (onde a primeira descoberta, o campo de Guaricema, no litoral do estado de Sergipe, foi realizada em 1969). Em 1974, ocorreu um grande marco na bem-sucedida história da Petrobras: a localização do campo de Garoupa, a primeira descoberta na Bacia de Campos, no litoral do estado do Rio de Janeiro.

Posteriormente, a partir de meados da década de 80, a Petrobras direcionou suas atividades de exploração sobre tudo para as regiões de águas profundas da Bacia de Campos, culminando com descobertas de campos gigantes, como Marlim, Albacora, Barracuda e Roncador. Hoje, a Bacia de Campos é a maior província produtora de petróleo do país e uma das maiores províncias produtoras de petróleo em águas profundas do mundo.

Ao ser criado, a Petrobras decidiu também ampliar o parque de refino então existente – formado por uma refinaria em operação, outra em construção, além de cinco refinarias particulares -, para reduzir os custos de importação de derivados de petróleo. Assim, foi montado um parque com onze refinarias no Brasil e mais duas refinarias na Bolívia. No Brasil, existem ainda duas refinarias particulares, que já funcionavam antes da criação da Petrobras.

Hoje, passados 47 anos, a Petrobras transformou-se na maior empresa brasileira e na 14ª empresa de petróleo do mundo, segundo os critérios da publicação Petroleum Intelligence Weekly – PIW. É uma sociedade anônima de capital aberto que, junto com suas subsidiárias Braspetro, Transpetro, BR Distribuidora, Gaspetro e Petroquisa – que compõem o Sistema Petrobras – atua de forma integrada (do poço ao posto) e especializada nos seguintes segmentos relacionados à indústria do petróleo: exploração e produção; refino, comercialização e transporte; distribuição de derivados; gás natural e petroquímico.

Com a abertura do mercado brasileiro a outras empresas, a Petrobras está vivenciando novos desafios e oportunidades de crescimento, agora atuando sob o regime de competição. Neste contexto, a Petrobras passa a buscar o crescimento, no Brasil e no exterior, com o maior retorno possível aos seus acionistas, preparando-se para tornar-se uma corporação internacional de energia nos próximos anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui