23.7 C
Sorocaba
terça-feira, junho 18, 2024

QUADRILHA – CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

Quadrilha – Carlos Drummond de Andrade

Quadrilha

João amava Teresa que amava Raimundo

Que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

Que não amava ninguém.

João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,

Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,

Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes

Que não tinha entrado na história.

Comentário

Depois, o desacerto amoroso, a inesperada intromissão do humor, a intriga, todo aquele mundo de conflitos sentimentais parece saltar do ritmo descritivo da dança de uma quadrilha. A sensação musical e coreográfica é produzida pela repetição encadeada com o verbo amar. O ritmo do poema é realmente expressivo. Como são difíceis as relações amorosas.

Outros trabalhos relacionados

O Risco do Bordado – Autran Dourado

O Risco do Bordado - Autran Dourado Obra-prima da carpintaria literária, O risco do bordado vem percorrendo desde seu lançamento, em 1970, o caminho típico...

Os Escravos – Castro Alves

Os Escravos - Castro Alves Os Escravos é uma coleção de poesias publicadas 12 anos a morte do poeta. Poesia social em sua forma mais...

RECORDAÇÕES DO ESCRIVÃO ISAÍAS CAMINHA – LIMA BARRETO

Recordações do Escrivão Isaías Caminha - Lima Barreto O primeiro romance de Lima Barreto é uma forte crítica à sociedade hipócrita e preconceituosa e a...

Marília de Dirceu – Tomás Antônio Gonzaga

Marília de Dirceu - Tomás Antônio Gonzaga Esta é uma obra pré-romântica; o autor idealiza sua amada e supervaloriza o amor, mas é árcade em...