23.9 C
Sorocaba
sábado, dezembro 3, 2022

QUADRILHA – CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

Quadrilha – Carlos Drummond de Andrade

Quadrilha

João amava Teresa que amava Raimundo

Que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

Que não amava ninguém.

João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,

Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,

Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes

Que não tinha entrado na história.

Comentário

Depois, o desacerto amoroso, a inesperada intromissão do humor, a intriga, todo aquele mundo de conflitos sentimentais parece saltar do ritmo descritivo da dança de uma quadrilha. A sensação musical e coreográfica é produzida pela repetição encadeada com o verbo amar. O ritmo do poema é realmente expressivo. Como são difíceis as relações amorosas.

Outros trabalhos relacionados

DEPOIS DAQUELA VIAGEM

Análise do contexto histórico Na linguagem dos jovens, a autora retrata com bom humor as farras da turma; o despertar para a sexualidade, a angústia...

O Escravocrata – Artur Azevedo

O Escravocrata - Artur Azevedo O escravocrata foi escrita em 1882 por Artur Azevedo, em colaboração com Urbano Duarte (1855-1902), teatrólogo e jornalista baiano. É...

POESIA TEMPORAL – MANUEL BANDEIRA

Poesia Atemporal - Manuel Bandeira A poesia está na vida; o poeta é aquele que é sensível o suficiente para captá-la. No momento da percepção,...

CONCEITO DE MEMORIA

Vani Moreira Kenski explica sobre o conceito e as vantagens da memória. Ela diz que um fato ou coisa acontecido anteriormente e que nos...