REABILITAÇÃO NA RECONSTRUÇÃO DO LCA – PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO

0
2749
DICAS PARA ANALISAR, COMPREENDER, E INTERPRETAR TEXTOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO-UNICEUMA
COORDENADORIA DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DA SAÚDE
COORDENADORIA DE FISIOTERAPIA
ÉRICA MIRANDA CASTRO
REABILITAÇÃO NA RECONSTRUÇÃO DO LCA
NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO
São Luís
2008

IDENTIFICAÇÃO

a)ALUNO

Aluna: Érica Miranda Castro
Curso: fisioterapia
Período do curso: 4 anos
– início : agosto de 2007
– término: junho de 2011
Turma : 2002.01
Ano : 2009
Ingresso no Uniceuma: via vestibular
Endereço: Av. Jerônimo de Albuquerque Cond. Novo tempo II
Telefone: 3256-1153
CPD: 663402
Início da atividade: agosto de 2008
Jornada diária: 3hs
Jornada semanal: 6hs
Carga horária total da atividade: 720hs

b)CAMPO DE ATIVIDADE(S) OBSERVACIONAL(AIS)

Empresa: Axial
Endereço: Rua: rua das tarrafas Q n° 9
Bairro: calhau
São Luis MA
Telefone de contato:
Ramo da atividade: fisioterapia
Professor /supervisor técnico: Ageige Haidar Filho
Área de atividade: clinica fisioterapeutica

SUMÁRIO

1. INTRODUÇAO
1.1 Objetivos(os)
1.2 Justificativa
2 REFERENCIAL TEÓRICO
3 CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ATIVIDADES
3.1 Histórico
3.2 Estrutura organizacional
3.3 Setor de atividades na estrutura da empresa
3.4 Relação com a comunidade
4 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CAMPO
4.1 Apresentação
4.2 Interpretação dos resultados
REFERÊNCIAS

1. INTRODUÇÃO

1.1 Objetivo(os)

Acompanhar uma reabilitação de LCA durante a realização de atividades observacionais.

1.2 Justificativa

Desenvolver atividades pertinentes a área de atuação
Colocar em prática o conhecimento adquirido nas aulas

2. REFERENCIAL TEÓRICO

De acordo com Hall, (1993, p. 121), O ligamento cruzado anterior estende-se da área intercondilar anterior da tíbia para cima e para trás, até a superfície pôstero-medial do côndilo lateral do fêmur. O LCA tem grande importância na estabilização do joelho, tanto a nível medial como lateral (XAVIER, 2001).
Hebert, ET al. (2003, p.1312), A incidência da lesão de 1/3000 habitantes, com 70% delas ocorrendo na prática esportiva. O futebol é citado como a atividade que mais a determina.
O teste das gavetas anterior e posterior e o de Lachman são utilizados na identificação de lesão dos ligamentos cruzados anterior e posterior (CIPRIANO, 1999). As técnicas de mobilização devem ser aplicadas depois de observar o grau de tensão muscular, pois este é um fator que pode tanto auxiliar como dificultar a aplicação destas técnicas. (Ávila, et al.2001)
Pardini (2003, p. 1348), a fase inicial de um tratamento de reabilitação deve promover a cicatrização dos tecidos e reduzir dor e edema. A crioterapia produz uma vasoconstrição, dessa maneira limitar a hemorragia que sempre ocorre com a lesão. (PRENTICE, 2002).
A fase aguda é marcada por tumefação, dor ao movimento ativo e passivo. Em geral, quanto menor a tumefação inicial, menor será o tempo requerido para a reabilitação. Tradicionalmente a modalidade da escolha tem sido ainda repouso, gelo, compressão e elevação, essa combinação evita qualquer acúmulo adicional de sangue na área lesada em virtude dos efeitos da gravidade. ( DANDY, et al. 2000)
Prentice (2002, p.11) correntes elétricas estimulantes também podem ser usadas na fase inicial para a redução da dor. O ultra-som demonstrou ser eficiente na facilitação do processo de cura, pois reduz a inflamação, aumenta a excitabilidade do tecido conjuntivo, reduz o espasmo muscular, provoca um calor profundo aumentando a circulação (ABIDALLA, 2001).
Siliski, (2001, p.304) depois da fase inicial o atleta deve começar a trabalhar a amplitude de movimento ativo e passivo. Força, resistência, e potência muscular estão entre os fatores mais importantes na restauração da função de uma parte do corpo à sua condição pré-lesão. (MAIGNE, 2003).
O programa de reabilitação deve incluir exercícios funcionais que incorporem equilíbrio e treinamento proprioceptivos, de forma a preparar o atleta para o retorno à atividade. Se os problemas de equilíbrio não forem abordados, o atleta pode ficar predisposto à reincidência da lesão. (OMAN, 2001).
A escolha pelo tema é devido à maior incidência de lesões de o joelho serem causadas pelo rompimento do ligamento cruzado anterior, ocorrendo principalmente nas praticas esportivas.
O objetivo da pesquisa é apresentar o acompanhamento da reabilitação do LCA durante a realização das atividades observacionais.
A pesquisa tem o propósito de mostrar o desenvolvimento das atividades pertinentes a área de atuação, colocando em prática o conhecimento adquirido nas aulas.

3. CARACTERÍSTICA DO CAMPO DE ATIVIDADE

3.1 HISTÓRICO

Iniciou no Hospital Aliança em 2001, onde se atendia pacientes internados na UTI, nos ambulatórios e setores adultos e pediátricos.
Em 2005 à 2007 a clínica funcionou na lagoa. E atualmente é reconhecida como clinica Axial e funciona anexo a Bioclínica no bairro Calhau.

3.2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Trabalha na reabilitação de trauma ortopedia no esporte, e no recondicionamento físico.

3.3 SETORES DE ATIVIDADES NA ESTRUTURA DA EMPRESA

Atua na fisioterapia desportiva.

3.4 RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

Oferece atendimento focado principalmente no tratamento em atletas.

4 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CAMPO

4.1 APRESENTAÇÃO

Há alguns meses paciente L.M do sexo masculino, estudante de 23 anos, sofreu lesão do joelho esquerdo após subir para disputar uma bola jogando futebol, quando tocou no chão apoiou todo peso do seu corpo na perna esquerda fazendo rotação do joelho esquerdo com o pé fixo no chão, causando um estresse do ligamento cruzado anterior (LCA), do platô tibial e do menisco medial. Fez uso de anti-inflamatório (Arcoxia), e com auxílio de imagem (ressonância magnética, radiografia, AP e perfil) confirmou o diagnóstico.
O PAciente foi encaminhado para fisioterapia no pré-operatório, o qual apresentou o seguinte quadro clínico: uso de muletas nos dois lados, marcha claudicante, edema, dor de grau 10 e limitação para flexão e extensão do joelho (flexão 85°, extensão 170° do membro lesado). Paciente realizou o tratamento, sendo que, na fase aguda no período de 15 dias realizou criocinética, drenagem, mobilização da patela e da tíbia, ultra-som (0,5 de intensidade durante 5min no ponto de referencia da dor), tens (breve intenso para alívio imediato da dor com 100 -150 (R) /150-250 (T), durante 20 min.). Depois da redução de edema fez SLR sem carga, trabalho passivo dos músculos (ísquios tibiais, tensor da fáscia lata e adutores) para ganho de arco de movimento e alongamentos utilizando elástico cinza.

4.2 INTEPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

Hoje o paciente continua realizando o tratamento para fortalecimento dos músculos e apresentando melhoras significativas com boa amplitude de movimento (com 120° de flexão do membro afetado) redução do edema e da dor para grau 2.

4.3 CONCLUSÃO

Este trabalho teve por finalidade destacar a importância das práticas observacionais , preparando-nos para melhores resultados em práticas no decorrer do curso e ao longo da carreira profissional.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PRENTICE, W.E. Técnicas de Reabilitação em Medicina Esportiva. 3 edição, Ed Manole, SP-2003.
HEBERT, S. et al. Ortopedia e Traumatologia-Princípios e Prática. 3 edição, Ed Artmed, SP-2003.
HALL, S. Biomecânica Básica. 1 edição, Ed Guanabara, RJ-1991.
PRENTICE, W.E. Modalidades Terapêuticas em Medicina Esportiva. 4 edição, Ed Manole, SP-2003.
DANDY, D.J. Ortopedia e Traumatologia Prática. -Diagnóstico e Tratamento. 2 edição. Ed Revinter, RJ-2003

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui