Introdução

As organizações estão passando por mudanças e transformações a cada dia que passa. Seja introduzindo novas e diferentes tecnologias, seja modificando seus produtos ou serviços, seja alterando o comportamento das pessoas, seja mudando seus processos internos, as organizações estão apresentando diferentes características em sua estrutura e em seus processos. Essas alterações provocam constantes impactos na sociedade e na vida das pessoas, acelerando cada vez mais as mudanças ambientais

Complexidade

Organização é a reunião de indivíduos que compartilham interesses e objetivos comuns em essência, é possível entender que o conhecimento coletivo é tão complexo como o conhecimento individual e que a organização será a composição das inúmeras formações de conhecimento de seus membros, gerando assim um composto complexo organizacional de conhecimentos.

As organizações podem aprender contanto que seus membros sejam mantidos, pois, assim como o aprendizado individual resulta da interação das estruturas cognitivas do indivíduo como o meio ao qual está ligado, gerando readaptações constantes, a organização deverá sofrer o mesmo processo somente se as estruturas anteriores forem mantidas; caso contrário, ela estará regredindo em seu conhecimento e não estará recebendo novas agregações.

O espaço de possibilidades de uma organização é limitado pela linguagem de interpretação disponível para ela e seus membros – por que é dentro desta linguagem que sua realidade será construída. Um melhor entendimento da variação contextual em relação às novas formas organizacionais depende de um maior aprofundamento sobre as bases conceituais das lógicas administrativas.

*O Contexto da Gestão de Pessoas

É formado por pessoas e organizações, praticamente passam uma maior porcentagem da sua vida trabalhando em organizações, com isso as organizações dependem das pessoas para fazer cada vez melhor. As pessoas não vivem sem trabalhar com isso e impossível separa-las do trabalho da mesma forma que as organizações não conseguem se separa dos seus funcionários. Com isso as pessoas dependem das organizações para alcançar seu crescimento pessoal e profissional, da mesma forma as organizações dependem das pessoal para cresce cada vez mais.

*Solução ganha-ganha

Ate pouco tempo era usada à solução ganha-perde pois as empresas os objetivos das empresas eram incompatível com os objetivos individuais das pessoas – como melhores salários e benefícios, conforto no trabalho, laser,segurança no trabalho e no emprego, desenvolvimento e progresso pessoal. As organizações observou se as ambas as partes trabalharem de forma a se ajuda a atingi seu objetivos, ambas saíram ganhando, com isso uma nova solução a de ganha-ganha, em que ambas saem ganhando.

A gestão de pessoas é contingencial e situacional, pois depende de vários aspectos, como a cultura que existe em cada organização, da estrutura organizacional utilizada, das características do contexto ambiental, do negócio da organização, da tecnologia utilizada, dos processos internos e de uma infinidade de outras variáveis importantes.

*As pessoas como parceiras da organização

Na atualidade as organizações tem uma visão mais ampla que alguns anos atrás, elas visam que todo processo produtivo só funciona com intermédio de parceiros, ou seja, através de fornecedores que contribuem com a matéria prima, os acionistas e investidores contribuem com capital e investimentos que permite a aquisição de recursos, os empregados contribuem com seu conhecimentos capacidades e habilidades, os clientes e consumidores contribuem adquirido seus produtos ou serviços colocados no mercado.

Cada parceiro está disponível a continuar investindo na organização conforme obtém retorno e resultados que lhe tragam lucros. Geralmente as organizações privilegiam os parceiros mais importantes como acionista e investidores, mais essa visam esta mudado, elas estão visando todos os parceiros da organização pois todos são importantes, sem eles a organização não anda de maneira correta.

A ARH é uma das áreas mais afetadas pelas recentes mudanças que estão acontecendo no mundo moderno. As empresas perceberam que as pessoas constituem o elemento do seu sistema nervoso que introduz a inteligência nos negócios e a racionalidade nas decisões. Com isso hoje se fala em gestão de pessoas e não em recursos humanos, para mostra essa nova visão que não são mais simples funcionários mais sim como um colaborador e parceiro da organização.

*As Mudanças e Transformações no Cenário Mundial

As organizações estão passando por mudanças e transformações a cada dia que passa. Seja introduzindo novas e diferentes tecnologias, seja modificando seus produtos ou serviços, seja alterando o comportamento das pessoas, seja mudando seus processos internos, as organizações estão apresentando diferentes características em sua estrutura e em seus processos. Essas alterações provocam constantes impactos na sociedade e na vida das pessoas, acelerando cada vez mais as mudanças ambientais que veremos a seguir.No decorrer do século XX, as organizações passaram por três fases distintas: a era da industrialização clássica, industrialização neoclássica e era da informação.

*Era da Industrialização Clássica

Cobriu o período entre 1900 e 1950. Representa um período de meio século de intensificação do fenômeno da industrialização, que se iniciou com a Revolução Industrial. Nesse período, a estrutura organizacional típica caracterizou-se pelo formato piramidal e centralizador, departamentalização funcional, modelo burocrático, centralização das decisões no topo, estabelecimento de regras e regulamentos internos para disciplinar e padronizar o comportamento dos participantes.A cultura organizacional predominante era voltada para o passado e para a conservação das tradições e valores tradicionais ao longo do tempo.

As pessoas eram consideradas recursos de produção, juntamente com outros recursos organizacionais, como máquinas, equipamentos e capital, dentro da concepção dos três fatores tradicionais de produção: natureza, capital e trabalho.E por essa concepção, a administração das pessoas era tradicionalmente denominada Relações Industriais. Tudo para servir à tecnologia.

O homem era ainda considerado um apêndice da máquina. O mundo estava mudando, embora ainda devagar: as mudanças eram relativamente lentas, suaves, progressivas, paulatinas, previsíveis. O mundo estava mudando, mas as mudanças ainda eram vagarosas.

*Era da Industrialização Neoclássica

Durou de 1950 a 1990. Teve seu início com o final da Segunda Guerra Mundial. Foi quando o mundo começou a mudar mais intensamente.As mudanças passaram a ser mais rápidas, mais intensas e pouco previsíveis. A velocidade da mudança começou a aumentar. As transações comerciais passaram da amplitude local para regional, de regional para internacional e tomaram-se gradativamente mais intensas.

A competição entre as empresas ficou mais acentuada. O velho modelo burocrático e funcional, centralizador e piramidal, utilizado para formatar as estruturas organizacionais, tomou-se inflexível e vagaroso demais para acompanhar as mudanças que ocorriam no ambiente.

As organizações tentaram novos modelos de estrutura que pudessem proporcionar-lhes mais inovação e melhor ajustamento às novas condições. Surgiu a estrutura matricial como uma espécie de quebra-galho para tentar consertar e reavivar a velha e tradicional organização funcional. Com a abordagem matricial, adicionou-se à organização funcional um esquema lateral de departamentalização por produtos/serviços para agilizar e funcionar como um turbo capaz de proporcionar uma estrutura com características de inovação e dinamismo e alcançar maior competitividade.

De fato, a organização matricial promoveu uma melhoria necessária na arquitetura, mas não o suficiente, pois não removia o emperramento da estrutura funcional. Suas vantagens, porém, foram aproveitadas por meio da fragmentação das grandes organizações em unidades estratégicas de negócios para torná-las mais bem administráveis e mais ágeis.

A cultura organizacional deixou de privilegiar as tradições passadas e passou a concentrar-se no presente, enquanto o conservantismo cedeu lugar à inovação. A velha concepção de Relações Industriais foi substituída por uma nova visão de Administração de Recursos Humanos.

As pessoas como recursos vivos e não como fatores inermes de produção. A tecnologia passou por um incrível e intenso desenvolvimento e começou a influenciar poderosamente a vida nas organizações e as pessoas que delas participavam. O mundo continuava mudando. E as mudanças já eram muito velozes e rápidas.

*Era da informação

Teve seu início ao redor de 1990. É a época que estamos vivendo atualmente. Sua característica principal são as mudanças, que se tomaram rápidas, imprevistas, inesperadas. Drucker foi o arauto que anteviu essa poderosa transformação mundial.

A tecnologia trouxe desdobramentos completamente imprevistos e transformou o mundo em uma aldeia global. A informação passou a cruzar o planeta em milésimos de segundos. A tecnologia da informação provocou o surgimento da globalização da economia a economia internacional transformou-se em economia mundial e global. A competitividade tornou-se mais intensa entre as organizações. O mercado de capitais passou a migrar volatilmente de um continente para outro em segundos, à procura de novas oportunidades de investimentos, ainda que transitórias.

A estrutura organizacional em matriz tornou-se insuficiente para dotar as organizações da agilidade, mobilidade, inovação e mudanças necessárias para suportar as novas ameaças e oportunidades dentro de um ambiente de intensa mudança e turbulência.Os processos organizacionais tornaram-se mais importantes do que os órgãos que constituem a organização.

Os órgãos (sejam departamentos ou divisões) tomaram-se provisórios e não definitivos, os cargos e funções passaram a ser constantemente definidos e redefinidos em razão das mudanças no ambiente e na tecnologia, os produtos e serviços passaram a ser continuamente ajustados às demandas e necessidades do cliente, agora dotado de hábitos mutáveis e exigentes.Em organizações mais expostas às mudanças ambientais, a estrutura predominante passou a ser fundamentada não mais em órgãos estáveis, mas em equipes multifuncionais de trabalho com atividades provisórias voltadas para missões específicas e com objetivos definidos.

A organização do futuro vai funcionar sem limites de tempo, espaço ou distância. Haverá um uso diferente do espaço físico, escritórios com salas particulares darão lugar a locais coletivos de trabalho, enquanto funções de retaguarda serão realizadas em casa pelos funcionários.

Haverá a organização virtual interligada eletronicamente e sem papelórios, trabalhando melhor, de maneira mais inteligente e mais próxima do cliente.

O recurso mais importante deixou de ser o capital financeiro e passou a ser o conhecimento. O dinheiro continua a ser importante, mas ainda mais importante é o conhecimento sobre como usá-lo e aplicá-lo rentavelmente.

E o emprego começou a migrar intensamente do setor industrial para o setor de serviços, o trabalho manual substituído pelo trabalho mental, indicando o caminho para uma era da pós industrialização fundamentada no conhecimento e no setor terciário. As pessoas – e seus conhecimentos e habilidades mentais – passaram a ser a principal base da nova organização.

Conclusão

Como podemos observar a mudança organizacional é mais simples de ser mudada do que a humana, onde esta acaba ficando dependente da organizacional. O comportamento que temos hoje, se dá pela era que vivemos hoje a da informação, onde pelo que tudo indica ficaremos por um bom tempo. Estamos acompanhando o crescimento das empresas e profissionais de tecnologia e até mesmo cada vez mais surgem novos usuários dessas tecnologias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui