26.7 C
Sorocaba
quarta-feira, maio 22, 2024

ESTILO E IDEOLOGIA – EÇA DE QUEIROZ

Autor: Elisio Gomes Pacheco

ESTILO E IDEOLOGIA

Realismo, qualidade, atitude de quem se prende ao que é real verdadeiro, objetivo. De acordo com esta definição, podemos destacar dois aspectos no conjunto da obra de Eça de Queiroz, de um lado o estilo, do outro a critica social. Sendo que a força critica privilegia o estilo, e descuida da critica social, dando a entender sua genialidade em toda sua obra, qualquer que fosse o ideal ou a critica a ser feita.

Eça de Queiroz tem o objetivo de ensinar discretamente por meio de ficção como resolver seus problemas. Sempre utilizando teses, misturando estilo, e ideologia, em que foi muito criticado por dar ênfase ao estilo, correndo o risco de se transformar em um fim-em-si.

O romancista utiliza um descritivismo abundante como recurso predominante e invariável de acordo com o psicofisiologismo, pseudocientífico vigente na época, de fora para dentro, quando cria imagens detalhadas de seus personagens, chegamos a sentir seu cheiro, a cor. Porem personagens vazios, que não crescem não desenvolve, é sempre igual, do inicio ao fim.Como exemplo “Luisa” sempre com atitudes mecânicas, sem personalidade. Eça evidencia o meio social, o ser coletivo, não mais na individualidade, como observamos na utilização de personagens do tipo comum, com a meta de generalizar padrões coletivos, para que assim os leitores vejam suas imagens refletidas e possam aprender no desperta da formação de caráter do leitor colaborando na criação do mundo.

A constituição dos seus personagens são figuras caricatas, cheias de exagero, quando e visto o clero, a burguesia ascendente, a aristocracia falida e os demais estamentos.

Os enredos são pobres de esquemas levando o leitor desde o inicio a descobrir o meio e o fim. O leitor fica tão extasiado que nem se da conta do pano de fundo acessório.

Eça pratica um Realismo na versão ortodoxia, mostrando um conjunto da sociedade bem recortada e sem nenhum acréscimo de significado, no que se refere a caráter, temperamento ou sensibilidade Segundo Machado de Assis,

“JULIANA”, seria a personagem mais completa e de caráter do livro “O PRIMO BASILIO”.

O romancista apesar de trazer uma critica social, ele não se declara, não julga nem a favor, nem contra.O narrador apresenta-se em cima do muro, com sua critica ostensiva, obvia e inflexível. Cabem ao leitor julgar, e aprender com o autor pedagógico.

Só no final de sua Carreira Eça acerta o passo entre estilo e ideologia, o romancista cede lugar ao escritor. Finalmente comprometesse com seu gosto pessoal. Será que agora realista? O que podemos chamar de realismo?Depende da forma ou do tipo de realismo estamos discutindo.

Outros trabalhos relacionados

Ameaça do Estrangeirismo na Língua Portuguesa

OBJETIVO GERAL Manifestar uma visão integral sobre a ameaça do estrangeirismo na língua portuguesa, em todo o Brasil. OBJETIVO ESPECÍFICO - Analisar o uso dos estrangeirismos e...

BARROCO

Definição da palavra barroco A palavra “barroco” tem sua origem controvertida. Enquanto alguns afirmam que está ligada a um processo relativo à memória que...

O ARCADISMO

O Arcadismo, Setecentismo (os anos 1700) ou Neoclassicismo é o período de caracteriza principalmente a segunda metade do século XVIII, tingindo as artes de...

MEIO X MEIA

MEIO X MEIA Uma regra prática para empregar corretamente o advérbio meio ou o adjetivo meia é tentar substituir esses termos pelas palavras mais ou...