sábado, janeiro 23, 2021
Início Outras Resumo de Livros RESENHA DO LIVRO - DONA GUIDINHA DO POÇO

RESENHA DO LIVRO – DONA GUIDINHA DO POÇO

“A ADULTERA”

Dados biográficos essenciais do autor:

Manoel de Oliveira Paiva nasceu em Fortaleza em 12 de julho de 1861. E faleceu em setembro de 1892.

Estudou no Seminário do Crato, no Cariri cearense, indo em seguida matricular-se na Escola Militar, no Rio de Janeiro, onde tinha o número 21. Voltando a Fortaleza, torna-se um defensor dos escravos e um entusiasta pela causa republicana. Como jornalista participa do grupo do jornal “O Libertador”, porta-voz da Sociedade Libertadora Cearense. Como escritor participa da fundação do Clube Literário, em 1886, marco inicial do Realismo cearense. Essa entidade edita a revista “A Quinzena” onde Oliveira Paiva publica vários contos. Ao falecer de tuberculose com pouco mais de 30 anos, em 29 de setembro de 1892, deixou A Afilhada, romance publicado em folhetins no jornal “O Libertador”, e o romance Dona Guidinha do Poço.

O livro de Manuel de Oliveira Paiva. Dona Guidinha do Poço (Três, 1973) apresenta como personagens principais: Margarida, a dona guidinha do poço e o Major Joaquim Damião. E como personagens coadjuvantes os escravos e retirantes.

Caracterização física e psicológica da (s) principal (ais):

Margarida, a dona Guidinha do Poço: tinha o preto do olho amarelo, com a menina esverdeada, semelhando um tapuru. Era feia, baixa, entroncada, carrancuda, ao menos enfadonha. (p. 23 e 29)

Joaquim: homenzarrão, alto grosso, natural de Pernambuco, uma boa alma. (p.23)

Resumo da Obra: Margarida, rica herdeira de abastado fazendeiro, casa-se com Damião, rapaz pobre, bem mais velho do que ela, e o casal instala-se na fazenda “Poço da Moita”, embora possuíssem casa na vila de Cajazeiras, onde passavam temporadas.

Estavam casados há vários anos, quando chega á fazenda o Secundino, jovem praciano e sobrinho do marido, que desperta na Guidinha uma paixão incontida, que a leva ao adultério. Damião descobre a infidelidade da esposa, propõe o desquite, mas esta cheia de orgulho e despeito, manda assassiná-lo e é presa enquanto o amante e cúmplice fogem.

COMENTÁRIOS:

O romance baseia-se em um caso verídico que aconteceu

Na cidade de Qixeramobin, onde Maria Francisca de Paula Lessa, a Guidinha do Poço, casada com o coronel Domingos Vitor de Abreu e Vasconcelos manda-o matar. Um romance solidamente construído, a partir de um fato real, ocorrido em Quixeramobim, em 1852, mostrando a figura feminina central, sua insatisfação difusa, seu lado viril, o adultério – visão regional de um paradigma da segunda metade do século XIX..

Narrado em terceira pessoa, o romance nos Mostra o que aconteceu no Poço da Moita, relatando uma história de paixão e morte que destaca o fenômeno climático da seca.

Mas também, apresenta uma rica linguagem regional, o falar da região traz o homem e também sua fala para dentro do enredo.

A seca e o regionalismo margeiam o tempo todo o trágico acontecimento que sucedeu no Poço da Moita. (LIMA, 2005).

Dona Guidinha do Poço, divide-se em cinco Livros.

Livro I (o amor despontando); o Livro II (o amor se consuma em posse); o Livro III (a paixão cega); o Livro IV(o drama), o Livro V (desenlace).

O tempo cronológico é marcado por flash backs, representado em dias, meses e até, por vezes, horas.

Além disso, o tempo psicológico soma-se um tempo cósmico, cíclico, marcado pelas estações. Assim o Livro I é o da seca, em março; no Livro II vêm as chuvas de abril e maio; o Livro III, o mais extenso, cobre as quatro estações – primavera, verão, outono, inverno e novamente as chuvas; o Livro IV retorna à primavera e o Livro V, ao verão.

As alterações da natureza, a vegetação, os animais, as aves, as luas, se sucedem.

Secundino traz as chuvas e a felicidade; o amor acompanha a primavera e eclode no verão. Ironicamente, contrariando-a: é primavera quando Quimquim descobre a traição da mulher.

Enfim, tempo social, ritual, marcado pelas festas, eventos e casamentos, aniversários, comemorações no plano familiar; missas e festas de santos, feiras e vaquejadas, profano e eleições.

O presente é o tempo da Queda, do pecado e o futuro, incerto.

O tempo da ruptura – a morte. (COCO, p. 135-136).

Guidinha do Poço tem um fim trágico como à personagem que a inspirou. Apontada como a mandante do assassinato, de seu marido, ela é confinada na prisão, e, abandonada por todos, Contempla solitária pela janela as raras nuvens que o vento quente e árido do sertão impede juntar-se, talvez uma tênue metáfora da não concretização de seus intentos. (p.254)

O autor usa uma linguagem colorida em que se intercalam construções vernáculas e palavra e expressões regionais dando a prosa um cunho culto e popular.

BIBLIOGRAFIA

COCO, Pina. Tempos/s, narrador/es, narrativa/s: Uma leitura de Dona Guidinha do Poço. Disponível em . Acessado em 09/02/08.

LIMA, batista de. Caminhos para o poço de dona Guidinha. Disponível em: . Acessado em 17/03/08.

PAIVA, Manuel de Oliveira. Dona Guidinha do poço. São Paulo: Três, 1973.

Marcelo Cardoso
Marcelo é um profissional de Informática interessado em Internet, Programação PHP, Banco de Dados SQL Server e MySQL, Bootstrap, Wordpress. Nos tempos livres escreve nos sites trabalhosescolares.net sobre biografias, trabalhos escolares, provas para concursos e trabalhos escolares em geral.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

CORONAVÍRUS

Origem da Crise Econômica

Recent Comments

Nilson Ribeiro on O QUE É ENGENHARIA CIVIL?
PABLO DA SILVA BARBOZA on FILOSOFOS BRASILEIROS
Ligeirinho Resolve on Tese Globalização
Susana Mesquita on Tese Globalização
Cátia Regina de Aquino Santos on Tratamento Multiprofissional à Terceira Idade
Kesia Oliveira do Nascimento on SUBSTANTIVOS
Ludymila Helena Arraujo Lima on DEPRESSÃO
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
TIAGO NERY on FILOSOFOS BRASILEIROS
Fernando on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
fernando monteiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Guilherme on Hidrocarbonetos
Ernani Júnior Silva on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Flavio Musa de Freitas Guimarães on FILOSOFOS BRASILEIROS
Isabella on SUBSTANTIVOS
Anonimo on Adjetivos
ALVARO on SURDEZ SÚBITA
CARIMBO DA CONFUSÃO on FILOSOFOS BRASILEIROS
socorro andrade on DINÂMICA DO SORRISO
Alessandra Martins on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
Sibely on VIRUS E BACTÉRIAS
Paula on Sistema Nervoso
Samuel Delgado Pinheiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
Jamal Mussa Muroto on DIVISÃO CELULAR
Guilherme on FILOSOFOS BRASILEIROS
Camila on SISTEMA DIGESTIVO
Hadouken on FILOSOFOS BRASILEIROS
Josimeire dos Angelos on RESUMO DO FILME FLORENCE NIGHTINGALE
ONEIDE abreu on REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
José Caixeta Júnior on FILOSOFOS BRASILEIROS
GILVALDO DIAS GUERRA on COMO SURGIU O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA
ronald on CONSCIÊNCIA NEGRA
SÉRGIO LEONARDO TRINDADE on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
ELIZABETH on FILOSOFOS BRASILEIROS
Reginaldo Coveiro on FILOSOFOS BRASILEIROS
julieny kettylen on Obesidade
gabrielle barreto de oliveira on DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO
suzana stvens on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Kauã Liecheski on Tratamento do Lixo
Ligeirinho Resolve on OLIMPIADAS
Ligeirinho Resolve on A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCRITA
kamilly on Jogos Olimpicos
Marcelo Cardoso on MILITÂNCIA JOVEM
Isabella on MILITÂNCIA JOVEM
Maria Conceição Amorim on A IDENTIDADE E CULTURA DA BAHIA
Maria Conceição Amorim on FOLCLORE BRASILEIRO
Emerson Davi on CORRUPÇÃO NO BRASIL
Maria dos Reis on COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR