21 C
Sorocaba
quinta-feira, dezembro 8, 2022

TEORIA DA CONTINGÊNCIA

TEORIA DA CONTINGÊNCIA

A teoria da contingência enfatiza que não há nada de absoluto nas organizações ou na teoria administrativa, tudo é relativo, tudo depende. O reconhecimento, diagnóstico e adaptação à situação.

São certamente importantes para a abordagem contingencial, porém eles não são suficientes, as relações funcionais entre as condições ambientais e as práticas administrativas devem ser constantemente identificadas e especificadas.

A teoria de contingência nasceu de uma série de pesquisas como:

Pesquisa de Chandler – Realizou uma das mais sérias investigações históricas sobre as mudanças estruturais de grandes organizações relacionando-as com a estratégia de negócios. A conclusão de Chandler é de que, na história industrial dos últimos cem anos, a estrutura organizacional das grandes empresas americanas foi sendo gradativamente determinada pela sua estratégia mercadológica. As grandes organizações passaram por um processo histórico, envolvendo quatro fases distintas:

• Acumulação de recursos.
• Racionalização do uso dos recursos.
• Continuação do crescimento.
• Racionalização do uso de recursos em expansão.

PESQUISA DE BURNS E STALKER

Dois sociólogos industriais pesquisaram vinte indústrias inglesas para verificar a relação existente entre as práticas administrativas e o ambiente externo dessas indústrias. Classificaram as indústrias pesquisadas em dois tipos: organizações “mecanísticas” e “orgânicas”.

* As organizações mecanísticas apresentam as seguintes características principais:

• Estrutura burocrática assentada em minuciosa divisão do trabalho;
• Cargos ocupados por especialistas com atribuições perfeitamente definidas;
• Altamente centralizadas, as decisões são tomadas nos níveis superiores da empresa;
• Hierarquia rígida, baseada no comando;
• Sistema simples de controle;
• Predomínio da interação vertical entre superior-subordinado;
• Amplitude de controle do superior mais estreita;
• Maior confiança nas regras e procedimentos formais;
• Ênfase nos princípios da TEORIA CLÁSSICA;

* As organizações orgânicas apresentam as seguintes características principais:

• Estruturas flexíveis com pouca divisão de trabalho:
• Amplitude de controle do supervisor mais ampla;
• Maior confiança nas comunicações;
• Ênfase nos princípios da TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS.

PESQUISA DE LAWRENCE E LORSCH

Fizeram uma pesquisa em 1972, sobre o confrontamento entre organização e ambiente que marca o aparecimento da Teoria da Contingência, fizeram uma pesquisa comparando dez empresas em três diferentes meios industrial-plástico-plásticos, alimentos empacotados e recipientes (container), a questão do estudo foi o que a organização faz para lidar com as diversas condições econômicas e de mercado? Os autores concluíram que os problemas organizacionais são a diferenciação e a integração. Sendo dessa forma, as estruturas das empresas foram analisadas e termos de diferenciação e de integração.

Diferenciação: descreve as diferenças na orientação cognitiva e emocional entre os administradores (gerentes) em diversos departamentos funcionais com respeito às:

• Orientação de metas dos gerentes: por exemplo, na medida em que a atenção estava focada nas metas particulares do departamento;
• Orientação de tempo

PESQUISA DE JOAN WOODWARD

Organizou uma investigação para saber se os princípios de administração propostos pelas várias teorias administrativas correlacionavam-se com êxito do negócio quando postos em prática. A pesquisa envolveu uma amostra de 100 firmas de diferentes tipos de negócios, foram classificadas em três grupos de tecnologia de produção.

• Produção unitária ou oficina;
• Produção em massa ou mecanizada;
• Produção em processo ou automatizada.

* As conclusões foram as seguintes:

• O desenho organizacional é profundamente afetado pela tecnologia utilizada pela organização;
• Há uma forte correlação entre estruturas organizacional e previsibilidade das técnicas de produção;
• As empresas com operações estáveis necessitam de estruturas diferentes daquelas organizações com tecnologia mutável;
• Predomínio das funções das empresas.

Ambiente

Ambiente é tudo aquilo que envolve externamente uma organização. Ao redor de uma organização pode ser analisado em dois segmentos: ambiente de tarefas e ambiente geral.

Ambiente geral é constituído por um conjunto de condições, que afetam direta ou indiretamente as organizações, as principais são:

• Condições tecnológicas: as organizações precisam adaptar-se a tecnologia para não perderem a sua competitividade.
• Condições legais: leis de caráter comercial, trabalhista, fiscal, civil, etc. que constituem elementos normativos para a vida das organizações.
• Condições políticas: são decisões e definições políticas tomadas em nível federal, estadual, municipal que influenciam as organizações.
• Condições econômicas: a inflação, a balança de pagamentos do país, a distribuição de renda interna, que não passam despercebidos pelas organizações.
• Condições demográficas: população, raça, religião, distribuição geográfica, determinam as características do mercado atual e futuro das organizações.
• Condições ecológicas: poluição, clima, transportes, comunicações, intercâmbio entre seres vivos e seu meio ambiente.
• Condições culturais: a própria cultura de um povo penetra nas organizações.

Ambiente de tarefa é o mais próximo de cada organização, no qual extrai a suas entradas e depositam as suas saídas. Também dividido em segmentos:

• Fornecedores de entradas: de todos os tipos de recursos que uma organização necessita para trabalhar, recursos materiais, financeiros, humanos, etc.
• Clientes ou usuários: consumidores das saídas da organização.
• Concorrente: disputa com outras organizações.
• Entidades reguladoras: Sindicatos, associações de classe, órgãos regulamentares do governo, órgãos protetores do consumidor.

Tipologia de ambientes determina características do ambiente de tarefa classificando-as:

• Homogêneo: quando é composto de fornecedores, clientes e concorrentes semelhantes.
• Heterogêneo: quando ocorre muita diferenciação entre os mesmos.
• Estável: pouca ou nenhuma mudança, lentas e perfeitamente previsíveis.
• Instável: muitas mudanças provocam incerteza para organização.

Tecnologia ao lado do ambiente influência poderosamente as características organizacionais, é imprescindível o uso para executar operações e realizar suas tarefas, e alcançar seus objetivos. O homem moderno utiliza no seu cotidiano e quase sem perceber uma imensa lista de contribuições da tecnologia: o automóvel, o relógio, o telefone, o fax, a internet, etc. Pode ser considerada, ao mesmo tempo, sob dois aspectos diferentes: Como variável ambiental, e organizacional.

Do ponto de vista de sua administração, a tecnologia pode ser abordada e analisada sob vários ângulos e perspectivas, tal a sua complexidade. Assim a necessidade de classificações e tipologias de tecnologia para facilitar sua administração.

Imperativo Ambiental

O imperativo ambiental é a idéia de que a estrutura e o comportamento da organização devem ser ajustados à tecnologia, se ela pretender ser bem sucedida.

O Imperativo Ambiental

A conclusão de Burns e Stalker é que a forma mecanística de organização e apropriada para condições ambientais estáveis, enquanto a forma orgânica é apropriada para condições ambientais de mudanças e inovação. Para ambos, aprece haver um imperativo ambiental que determina a estrutura e o funcionamento das organizações.

Tipologia de Thompson

THOMPSON PROPÕE TIPOLOGIA DE TECNOLOGIAS:

Tecnologia de elos em seqüência é o caso da linha de produção em massa. Onde Y depende de X e X depende de Z.

Esta tecnologia aproxima-se da perfeição instrumental quando produz um único tipo de produto padrão, repetitivamente e uma taxa constante.

Tecnologia Intensiva representa a focalização de uma ampla variedade de habilidades e especializações sobre um único cliente, a mesma requer aplicação de parte ou de toda a disponibilidade das aptidões potencialmente necessárias, dependendo da correta combinação conforme exigida pelo caso ou projeto individual ela conduz praticamente a uma organização do tipo de projeto.

Tecnologia Flexível refere se a extensão em que as máquinas, o conhecimento técnico e as matérias-primas podem ser usados para outros produtos ou serviços.

Tecnologia Fixa é aquela que não permite utilização em outros produtos ou serviços.

Tecnologia Fixa de produto concreto, organização nas quais mudanças são muito difíceis e ao mesmo tempo quase impossíveis. A grande preocupação e que o mercado venha rejeitar os produtos oferecidos por está empresa. Um exemplo típico é a empresa de automóveis.

Tecnologia Fixa de produto abstrato, a organização é capaz de mudar, embora dentro dos limites impostos pela tecnologia fixa ou inflexível, são as instituições educacionais baseadas em conhecimentos altamente especializados e que oferecem cursos variados.

Tecnologia flexível e produto abstrato, encontrada em organizações com grande adaptabilidade ao meio ambiente. A estratégia global enfatiza a obtenção do consenso externo em relação ao produto ou serviço a ser oferecido pelo mercado.

Impacto da Tecnologia

Podemos dizer que a tecnologia tem a propriedade de determinar a natureza das estruturas organizacional e do comportamento organizacional das empresas. Isto é a racionalidade técnica, tornou-se um sinônimo de eficiência.

As organizações e seus níveis: Nível institucional ou estratégico, o nível que mantém a interface com o ambiente. Lida com a incerteza, exatamente pelo fato de não ter poder ou controle algum sobre os eventos ambientais presentes e muita menos capacidade de prever com precisão os eventos ambientais futuros.

Nível Intermediário é geralmente composto na média administração da empresa, isto são as pessoas ou órgãos que transformam as estratégias elaboradas para atingir os objetivos empresariais em programa de ação.

Nível Operacional é o nível localizado nas áreas inferiores da empresa, no qual as tarefas são executadas e as operações realizadas.

O arranjo organizacional, as organizações são, de um lado, sistemas abertos, sua eficácia reside na tomada de decisões capazes de permitir que a organização se antecipe as oportunidades, se defendam das coações e se ajuste as contingências do ambiente.

Por outro lado, as organizações são sistemas fechados, tendo em vista que o nível operacional funciona em termos de certeza e de previsibilidade, operando a tecnologia de acordo com eficiência reside nas operações executadas dentro de programas, rotinas e procedimentos cíclicos, repetitivos, e moldes da melhor maneira.

Novas abordagens ao desenho organizacional, a teoria da contingência preocupa-se com o desenho organizacional retrata a configuração estrutural da organização implica no sentido de aumentar a eficiência e a eficácia organizacional.

Estrutura matricial, a essência da organização matricial é combinar as duas formas de departamentalização funcional e de produto ou projeto na mesma estrutura organizacional. Trata-se de estrutura mista, ou melhor, híbrido o que significa que cada departamento passa a Ter uma dupla subordinação: segue orientações dos gerentes funcionais, e dos gerentes de produto/projeto simultâneo.

Limitações na estrutura matricial, embora muita utilizada pelas grandes organizações, no meio de trazer a inovação e a flexibilidade, a estrutura em matriz vida a unidade de comando e introduz conflitos inevitáveis de duplicidade e supervisão, enfraquecendo a cadeia de comandos e a coordenação vertical, enquanto tenta melhorar a coordenação lateral.

Aplicação da estrutura matricial, a necessidade de lidar com complexidade é uma das razoes para sua utilização, pois ela utiliza equipes cruzadas como resposta à mudança e inovação.

Dentro destas várias alternativas escolhas do desenho organizacional depende do ambiente e da tecnologia.

ORGANIZAÇÕES POR EQUIPES

A mais recente tendência tem sido o esforço das organizações em implementar os conceitos de equipe. A cadeia vertical de comando constitui um poderoso meio de controle, mas seu ponto frágil é jogar a responsabilidade para o topo. A partir da década de 1990 as organizações começaram a desenvolver meios para delegar autoridade e dispersar a responsabilidade em todos os níveis através da criação de equipes participativas para alcançar o comprometimento das pessoas. A abordagem de equipes torna as organizações mais flexíveis e ágeis ao ambiente global e competitivo.

Existem dois tipos de equipes: a funcional e a permanente.

• Equipe funcional cruzada: é composta de pessoas de vários departamentos funcionais que resolvem problemas mútuos.
• Equipe permanente: são constituídas como se fossem departamentos formais na organização.

O Homem Complexo

“Homem Complexo”: o homem como um sistema complexo de valores, percepções, características pessoais e necessidade.

Na realidade, o homem não é somente complexo, mas variável, tem muitas motivações, que se encontram dispostas em certa hierarquia e sujeita a mudanças de situação para situação e de momento para momento.

Modelo Contingencial de Motivação, Baseado em uma estrutura uniforme, hierárquica e universal de necessidades por teorias que rejeitam idéias preconcebidas e reconhecem tanto diferenças individuais quanto diferentes situações em que podem ocorrer.

• Expectativas: são os objetivos individuais.
• Recompensas: é a relação percebida entre produtividade e alcance dos objetivos individuais.
• Relações entre expectativas e recompensa: é a capacidade percebida de aumentar a produtividade para satisfazer suas expectativas com recompensas.

Consenso dos autores quanto ao relativismo em administração: A visão contingencial requer habilidades de diagnóstico situacional não somente habilidades de aplicar ferramentas ou esquemas de trabalho. Administração não é somente indicar o que fazer, mas principalmente analisar por que fazer as coisas.

Bipolaridade Contínua, Os conceitos dinâmicos podem ser abordados em diferentes situações e circunstâncias e, sobretudo, em diferentes graus de variação.

A Teoria Contingencial põe a mais forte ênfase no ambiente, Focaliza a organização de fora para dentro. Desloca o eixo de atenção para fora da organização. A abordagem contingencial reflete a influência ambiental na estrutura e no comportamento das organizações.

CONCLUSÃO:

Cada uma das teorias administrativas aqui comentadas apresenta uma diferente abordagem para a administração das organizações. Cada uma delas reflete os fenômenos históricos, sociais, culturais e econômicos de sua época, bem como os problemas que afligiam os seus autores. Cada teoria representa a solução ou soluções encontradas para determinadas circunstâncias, tendo em vista as variáveis localizadas e os temas mais relevantes. Dizer que uma teoria está mais certa do que outra não é correto. Melhor seria dizer que cada teoria representa a solução dentro da abordagem escolhida tendo em vista as variáveis selecionadas dentro ou fora das organizações. O administrador pode tentar resolver um determinado problema administrativo dentro do enfoque clássico quando a solução clássica lhe parece a mais apropriada de acordo com as circunstâncias ou contingências. Pode também tentar resolvê-lo dentro do enfoque comportamental ou estruturalista se as circunstâncias ou contingências assim o aconselharem. Nisto reside o encanto da TGA: mostrar uma variedade de opções à disposição do administrador. A ele cabe diagnosticar a situação e entrever a abordagem mais indicada a ser aplicada no caso.

BIBLIOGRAFIA

CHAVENATO, Idalberto, Teoria Geral da Administração, Campus, Rio de Janeiro, 2000.

MINTZBERG, Henry, Estrutura e dinâmica das organizações, Publicações D. Quixote, Lisboa, 1995.

LAWRENCE, Paul, LORSCH, R., Adapter lês Structures, Lês Éditions D’ Organisation, Paris, 1989

RESUMO: TEORIA DA CONTIGÊNCIA

• A TEORIA DA CONTINGÊNCIA:
• PESQUISA DE CHANDLER:

DENTRO DA PESQUISA DE CHANDLER ENVOLVERAM QUATRO FASES DISTINTAS:

• ACUMULAÇÃO DE RECURSOS.
• RACIONALIZAÇÃO DO USO DOS RECURSOS.
• CONTINUAÇÃO DO CRESCIMENTO.
• RACIONALIZAÇÃO DO USO DE RECURSOS EM EXPANSÃO.
• Pesquisa de Burns e Stalker.

* As organizações mecanísticas apresentam as seguintes características principais:

• Estrutura burocrática assentada em minuciosa divisão do trabalho;
• Cargos ocupados por especialistas com atribuições perfeitamente definidas;
• Altamente centralizadas, as decisões são tomadas nos níveis superiores da empresa;
• Hierarquia rígida, baseada no comando;
• Sistema simples de controle;
• Predomínio da interação vertical entre superior-subordinado;
• Amplitude de controle do superior mais estreita;
• Maior confiança nas regras e procedimentos formais;
• Ênfase nos princípios da TEORIA CLÁSSICA;

* As organizações orgânicas apresentam as seguintes características principais:

• Estruturas flexíveis com pouca divisão de trabalho:
• Amplitude de controle do supervisor mais ampla;
• Maior confiança nas comunicações;
• Ênfase nos princípios da TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS.
• Pesquisa de Lawrence e Lorsch

Diferenciação:

• Orientação de metas dos gerentes:
• Orientação de tempo:

Pesquisa de Joan Woodward

* Pesquisa na investigação que classificaram três grupos de tecnologia de produto

• Produção unitária ou oficina;
• Produção em massa ou mecanizada;
• Produção em processo ou automatizada.

* As conclusões foram às seguintes:

• O desenho organizacional é profundamente afetado pela tecnologia utilizada pela organização;
• Há uma forte correlação entre estruturas organizacional e previsibilidade das técnicas de produção;
• As empresas com operações estáveis necessitam de estruturas diferentes daquelas organizações com tecnologia mutável;
• Predomínio das funções das empresas.

Ambiente – Ambiente geral é constituído por um conjunto de condições, que afetam direta ou indiretamente as organizações, as principais são:

• Condições tecnológicas:
• Condições legais:
• Condições políticas:
• Condições econômicas:
• Condições demográficas:
• Condições ecológicas:
• Condições culturais:

Ambiente de tarefa

Dividido em segmentos:

• Fornecedores de entradas:
• Clientes ou usuários:
• Concorrente:
• Entidades reguladoras:

Tipologia de ambientes

Características do ambiente de tarefa classificando-as:

• Homogêneo:
• Heterogêneo:
• Estável:
• Instável:

Imperativo Ambiental – A conclusão de Burns e Stalker:

Tipologia de Thompson

THOMPSON PROPÕE TIPOLOGIA DE TECNOLOGIAS:

• Tecnologia de elos em seqüência:
• Tecnologia Intensiva:
• Tecnologia Flexível:
• Tecnologia Fixa de produto concreto:
• Tecnologia Fixa de produto abstrato:
• Tecnologia flexível e produto abstrato:

Impacto da Tecnologia

• O arranjo organizacional:
• Novas abordagens ao desenho organizacional:
• Estrutura matricial:
• Limitações na estrutura matricial:

Organizações por Equipes

Existem dois tipos de equipes: a funcional e a permanente.

• Equipe funcional cruzada:
• Equipe permanente:

O Homem Complexo

• “Homem Complexo”:

Modelo Contingencial de Motivação:

Diferentes situações em que podem ocorrer.

• Expectativas:
• Recompensas
• Relações entre expectativas e recompensa:

Outros trabalhos relacionados

ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE PESSOAS E ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL

1. INTRODUÇÃO. 2. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 3. CARACTERIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 3.1 Histórico 3.2 Atividades desenvolvidas 3.3 Diagnóstico da situação atual 4. DESCRIÇÃO DO PROJETO 4.1 Justificativa 4.2 Problema 4.3 Objetivos 4.3.1Geral 4.3.2 Específicos 5. REFERENCIAL TEÓRICO 5.1...

CONSULTOR DE SEGUROS

Com a implantação da Rede de Agentes de Bem Estar Social, os corretores formam um canal de distribuição eletrônica, focada em mais produtos do...

HEDGE DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

HEDGE DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. CONCEITO 3. HISTÓRICO 4. NATUREZA JURÍDICA 5. A OPERAÇÃO 6. DO PAGAMENTO 7. O HEDGING E O MERCADO DE DERIVATIVOS 7.1.O Mercado de Derivativos 7.2. Mecanismos...

Qualidade de Vida no Trabalho 2

Autoria: Ivonete da Silva RESUMO Muitos empresários estão percebendo que melhorar a qualidade de vida de seus funcionários e de suas famílias torna a empresa mais...