24.5 C
Sorocaba
sexta-feira, dezembro 2, 2022

CÂNCER DO PULMÃO

O câncer de pulmão é o mais comum de todos os tumores malignos, apresentando um aumento por ano de 2% na sua incidência mundial. Em 90% dos casos diagnosticados está associado ao consumo de derivados de tabaco (leia mais em Tabagismo). No Brasil, a estimativa é de que tenham sido registrados 19.600 novos casos e 12.750 óbitos em 1999, segundo as Estimativas de Incidência e Mortalidade por Câncer do INCA. Em 2000, o câncer de pulmão deverá atingir 20.082 pessoas (14.460 homens e 5.622 mulheres) e causar 14.522 mortes.

O câncer de pulmão de células não pequenas corresponde a um grupo heterogêneo composto de três tipos histológicos distintos: carcinoma epidermóide, adenocarcinoma e carcinoma de células grandes, ocorrendo em cerca de 75% dos pacientes diagnosticados com câncer de pulmão. Dentre os tipos celulares restantes, destaca-se o carcinoma indiferenciado de células pequenas, com os três subtipos celulares: o linfocitóide (oat cell), o intermediário e o combinado (de células pequenas mais carcinoma epidermóide ou adenocarcinoma). A expressão oat cell ganhou importância no linguajar médico por trata-se de um subtipo especial de câncer pulmonar, caracterizado por um rápido crescimento, grande capacidade de disseminação e, inclusive com invasão cerebral precoce, alto grau de resposta ao tratamento e, a despeito deste último detalhe, baixo percentual de cura.

Fatores de Risco

Independentemente do tipo celular ou subcelular, o tabagismo é o principal fator de risco do câncer pulmonar, sendo responsável por 90% dos casos. Outros fatores relacionados são certos agentes químicos (como o arsênico, asbestos, berílio, cromo, radônio, níquel, cádmio e cloreto de vinila, principalmente encontrados no ambiente ocupacional), fatores dietéticos (baixo consumo de frutas e verduras), a doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema pulmonar e bronquite crônica), fatores genéticos (que predispõem à ação carcinogênica de compostos inorgânicos de asbesto e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos) e história familiar de câncer de pulmão.

Sintomas

Os tumores de localização central provocam sintomas como tosse, sibilos, estridor (ronco), dor no tórax, escarros hemópticos (escarro com raias de sangue) , dispnéia (falta de ar) e pneumonite (brônquio).
Os tumores de localização periférica são geralmente assintomáticos. Quando eles invadem a pleura ou a parede torácica, causam dor, tosse e dispnéia do tipo restritivo (ou seja, pela pouca expansibilidade pulmonar).
O tumor localizado no ápice pulmonar (Tumor de Pancoast) geralmente compromete o oitavo nervo cervical e os primeiros nervos torácicos, levando à síndrome de Pancoast, que corresponde à presença de tumor no sulco superior de um dos pulmões e dor no ombro correspondente, que se irradia para o braço.

Prevenção

A mais importante e eficaz prevenção do câncer de pulmão é a primária, ou seja, o combate ao tabagismo, com o que se consegue a redução do número de casos (incidência) e de mortalidade.

Outros trabalhos relacionados

CENTRIFUGAÇÃO EM OPERAÇÕES UNITÁRIAS

1 – Introdução A introdução deste trabalho propõe-se a mostra a visão geral dos aspectos abordados, para um perfeito entendimento e assimilação de todo seu...

HIPOTIREOIDISMO

O hipotireoidismo é uma situação que resulta de uma produção insuficiente ou mesmo nula de hormonas tireoideias pela tireoide. As causas mais frequentes de hipotireoidismo...

QUIMIOEMBOLIZAÇÃO DE HEPATOCARCINOMAS EM PACIENTES CIRROTICO

Contribuição da quimioembolização de hepatocarcinomas em pacientes cirróticos na espera pelo transplante hepático RESUMO OBJETIVO: Avaliar os resultados da quimioembolização arterial do hepatocarcinoma em pacientes portadores...

UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

A Unidade de Terapia Intensiva ou simplesmente UTI caracterizam-se como "Unidades complexas dotadas de sistema de monitorização contínua que admitem pacientes potencialmente graves ou...