O presente trabalho tratou sobre a reciclagem e porque devemos reciclar, e o quanto se deve preservar as riquezas naturais, mostrando vários conceitos que nós faz refletir sobre o vasto patrimônio natural que possuímos. De como conscientizar o uso adequado desses recursos naturais, a humanidade precisa adquirir conhecimentos como utilizá-los sem prejudicá-los, mais para isso, devemos desenvolver uma educação ambiental, pois somente assim, teremos consciência que devemos respeitar e preservar para evitar a extinção.

Os estudos que realizamos demonstraram a importância de trabalhar com o tema Meio Ambiente, como a contribuição para a formação de cidadãos conscientes. Demonstramos também que é muito importante tanto para o aluno, quanto para o professor, buscar juntos informações e conceitos, e que a escola se proponha a trabalhar com atitudes, com formação de valores, com o ensino e a aprendizagem de habilidades e procedimentos.

SUMÁRIO

Introdução

CAPÍTULO I – Reciclagem o que é?
1.1 Tentando Soluções
1.2 O que pode ser reciclado
1.3 O que não pode ser reciclado
1.4 A conscientização
CAPÍTULO II – Educação ambiental e cidadania
2.1 Meio ambiente e seus elementos
2.2 Sustentabilidade
2.3 Diversidade
CAPÍTULO III – Proposta metodológica para a educação ambiental
3.1 O tema meio ambiente no projeto educativo
Conclusão
Bibliografia

INTRODUÇÃO

Não existe forma mágica para transformar sonhos em realidade. A receita histórica é simples: inspiração e transpiração, ou seja, um bom projeto e muito trabalho.

Meio ambiente pode indicar qualquer espaço em que um ser vive e se desenvolve. No caso do ser humano, alem do espaço físico e biológico existe também o espaço sociocultural. Desse modo, pode-se considerar o local onde se mora, onde se trabalha e onde se estuda como parte do meio ambiente.

O homem tem sido responsável por grandes e rápidas transformações, ela se transformou mais intensa quando a população rural deixou o campo para tentar a vida na cidade e exigiu um aumento no abastecimento de alimentos e bens de consumo.

Devido aos avanços tecnológicos permitiram a produção de bens de consumo em enorme quantidade e a fabricação de embalagens cada vez melhores que garantiram os transportes seguro e durabilidade desses bens.

O maior problema da atualidade e o lixo, ele deve ser considerado como uma questão de toda a sociedade e não um problema individual.

O grande desafio da atualidade é promover os desenvolvimentos sustentáveis, capazes de satisfazer as necessidades presentes, mas sem comprometer as necessidades das gerações futuras.

Sensibilizar quanto à importância da diminuição e reciclagem do lixo para um meio ambiente mais saudável. E como promover nas escolas para modificar atitudes e praticas pessoal frente ao trato do lixo. Melhorar a qualidade de vida humana e incentivar a coleta do lixo como uma das soluções para a problemática do lixo.

E como isso pode se transformar num tema transversal nas escolas, assim ajudando a contribuir a formar cidadão de uma geração mais consciente que busque a real qualidade de vida.

CAPÍTULO I – RECICLAGEM O QUE É?

A reciclagem é uma das alternativas para o tratamento do lixo urbano e contribui diretamente para a conservação do meio ambiente. Ela trata o lixo como matéria-prima que é reaproveitada para fazer novos produtos e traz benefícios para todas, como à diminuição da quantidade de lixo enviada para aterros sanitários, a diminuição da extração de recursos naturais, a melhoria da limpeza da cidade e o aumento da conscientização dos cidadãos e respeito do destino do lixo.

Reciclar significa reaproveitar o que achamos ou chamamos de lixo. Isso pode ser feito reutilizando-se, totalmente ou parcialmente, o que chamamos de lixo, para ser usado na fabricação de novos produtos. Hoje em dia vem crescendo muito rapidamente o número de produtos que acabam virando lixo. Jogar fora pura ou simplesmente às coisas que não usamos mais não só polui o meio ambiente como desperdiça as preciosas matérias-primas da Terra. A reciclagem está sendo vista como uma importante solução para o problema da poluição.

Reciclar e nada mais que reaproveitar as coisas que compramos, utilizamos e depois jogamos fora. Reciclando ajudamos a poupar os recursos naturais que a terra nos fornece. Muitos desses recursos naturais e usado na fabricação das coisas que consumimos, como o petróleo que usado na fabricação de plásticos e metais para a fabricação de carros, e esse tipo de recurso não e renováveis.

Isso significa que nossas reservas terrestres são limitadas e, além disso, parte desses recursos não renováveis é usada para fornecer a energia consumida em bens e serviços.

Na natureza o lixo natural é reciclado, os cadáveres e dejetos de animais são decompostos por pequenas criaturas que vivem no solo, como as minhocas, que servem de alimento a outros seres vivos. O gás carbônico que as pessoas e os animais aspiram é absorvido pelas plantas e usado para produzir as substâncias de que precisam para crescer. As plantas liberam o oxigênio que as pessoas e os animais respiram.

Se tudo sempre funcionasse assim seria maravilhoso e não teríamos problemas com o lixo que produzimos. O lixo é composto de vários tipos de materiais e seus resíduos são produzidos conforme a localidade e hábito e atividade da região da população. Como por exemplo, a região do litoral que há grande consumo de côco verde, a maioria do lixo a beira das praias são cascas de frutos.

Nas grandes capitais ou centros urbanos podemos encontrar muito papel e materiais sintéticos como: plásticos, isopor, borrachas, etc ou muitas embalagens que foram usadas para transportar produtos químicos, tóxicos e venenosos.

Os hospitais geram um tipo de lixo que ameaça a ter um maior risco de contaminação, pois são jogadas diariamente agulhas, frascos de medicamento, organismos patogênicos e muitas outras coisas.

Segundo Cavinatto (1992), os arqueólogos e cientistas dão um enorme valor ao lixo encontrado nas escavações de ruínas das antigas cidades e povoados. Porque através dos instrumentos e utensílios ficam registrados e como era sua vida e os costumes de um povo que ali habitou por vários e milhares de anos.

Em decorrência da própria natureza o lixo sofre decomposição principalmente o lixo das casas que é formado por maior parte por material orgânico. A decomposição nada mais é do que uma fermentação que é realizada por micróbios, e essa decomposição resultam em outros compostos como o liquido e gasoso e sempre vem acompanhado por mau cheiro.

Segundo Cavinatto (1992), nós produzimos aproximadamente meio quilo de lixo por dia. Se por algum eventual motivo os coletores deixam de recolher os lixos da cidade em questão de dia acumularemos montanhas de sacos, provocando mau cheiro e criando um ambiente favorável para se prolífera moscas, baratas, roedores e outras tipos de animais.

Na maioria das cidades principalmente nos centros urbanos é realizada a coleta através de caminhões que possui carrocerias adaptadas para a coleta de lixo que é prensado durante as viagens. Nas áreas urbanas, por causa da quantidade de veículos que transita pelas ruas o lixo é recolhido durante o período noturno. A o término de cada coleta, o lixo geralmente e descarregado em lixões que ficam afastados das zonas urbanas.

No Brasil o lixo é jogado no solo, sem nenhuma proteção a ar aberto. Claro que essa não é a maneira correta porque ele gera muitos problemas para o meio ambiente e a saúde do ser humano. Os lixões causam proliferação de micróbios transmissores de doenças graves, deteoriza os recursos naturais, prejudicando indiretamente o homem, causando a decomposição de detritos que servem de alimento a uma porção de microorganismo. Da digestão desse material resulta um liquido chamado chorume.

O chorume é o liquido que é acumulado dos resíduos, este líquido é produzido do desprendimento da umidade contida nos resíduos orgânicos. Através da água da chuva que se infiltra nos aterro sanitário, acontece uma reação química. Junto com a ação bacteriana da decomposição dos resíduos. Nele corre o risco de conter substâncias tóxicas e patogênicas que foi lançado no lixo e sempre quando chove essas substancias e arrastada a lagos e rios que nos serve para nos abastecer. Por essas e outras razoes que o lixo tem que ser depositado corretamente.

Segundo Cavinatto (1992), os aterros sanitários depois de determinado tempo e transformado em parques, campos de futebol e jardins de inúmeras capitais. Graças a esse método utilizado para enterrar os resíduos, os caminhões descarregam sua carga próxima de barrancos e em seguida um trator empurra e passa diversas vezes sobre o material, formando um monte bem compactado, que no final do dia é coberto com terra. Constituindo uma certa quantidade de lixo no seu interior formando uma célula de lixo.

1.1 TENTANDO SOLUÇÕES

Devolver a indústria embalagens que vem da indústria essa premissa justifica a importância do trabalho de coletar. A coleta seletiva é uma alternativa ecologicamente correta que desvia os materiais do destino, em aterros sanitários ou lixões, devolvendo-os as suas origens de fabricação para reciclagem.

Essa atividade é preciso destacar a figura dos inúmeros catadores, organizadores em cooperativas, que associam entre si formando importante e conveniente categoria profissional. Segundo Póleta Gonçalves e Roberto Ibarguem do site (www.lixo.com.br) os objetivos mais importantes com a reciclagem são:

“Vida útil dos aterros sanitários são prolongados e conseqüentemente o meio ambiente é menos contaminado, o emprego de matéria prima reciclável economiza recursos da natureza”.

Especialistas desse assunto defendem a idéia da redução do volume de lixo. Isso exigiria uma grande mudança nos padrões de criação de embalagens promovidas pelo marketing, consumo e hábitos arraigados de descartar a implantação de programas de coleta seletiva do lixo. Nesse caso, é indispensável à colaboração da comunidade no descarte separado dos diversos materiais recicláveis antes da coleta. Uma comunicação de marketing mais ativa orientando consumidores a maneira correta e mais adequada para o descarte das embalagens seria necessário.

Mas um dos problemas mais atuais e a separação dos materiais como papel, vidro e metais, do restante do lixo. Existem usinas de reciclagem onde o lixo misturado pode ser separado. Mas seria mais fácil e pratico se o lixo fosse separado nas casas. Em alguns lugares, os materiais diferentes são coletados separadamente.

Aqui no Brasil, segundo Tony Hare (1993), a cidade de Curitiba, no estado do Paraná, foi a primeira a implantar a coleta seletiva do lixo, visando à reciclagem dos materiais. Algumas outras cidades brasileiras já começaram a implantar esse tipo de projeto nas suas localidades.

A coleta seletiva é representada por quatro cores que fazem com que fique mais fácil a identificação dos tambores para que seja recolhido de maneira correta. A cor amarela representa o metal, que é extraído da natureza a partir de rochas que contém minérios que são derretidos para separar o metal das impurezas que é moldado em forma de placas ou barras que são transformados em embalagens e outros produtos.

A cor verde representa a reciclagem de vidro. A fabricação do vidro é feita a partir da areia que contém sílica, a vidraria funde outros elementos com a areia, o vidro se transforma em vários formatos e o produto final chega ao consumidor assumindo várias utilidades.

A cor vermelha representa a reciclagem do plástico a sua fabricação e a partir do petróleo a indústrias de refino extraem do petróleo a matéria prima para a fabricação do plástico, a resina plástica é moldada e originam-se nos produtos plástico, da coleta seletiva são derretidos nas fabricas de reciclagem para dar origem a novos produtos.

O azul representa a reciclagem de embalagens ou folhas de papel. O papel é feito a partir da celulose retirada das arvores, a pasta de celulose é prensada e seca nas maquinas formando grandes folhas que são empilhadas e cortadas que serve para ser impressa para diversas finalidades. Voltando para coleta seletiva ela permite reaproveitar o papel usado que segue para as fabricas de reciclagem em forma de fardos, onde estes são misturados com água, resultando na pasta de celulose novamente.

1.2 O QUE PODE SER RECICLADO?

Vidros como: garrafas, frascos de molho e condimentos, potes de produtos alimentícios, frasco de remédios, perfumes e produtos de limpeza, cacos de qualquer umas das embalagens anteriores.
Plásticos como: potes (de todos os tipos), embalagens (detergente, shampoo, água sanitária, etc), tampas (de todos os tipos), sacos (leite, arroz, etc).
Metal: Latas, tampas (refrigerante, cerveja, conservas, etc), arames, grampos, fios, pregos, marmitex, alumínio cobre e outros.
Papel: revistas, jornais, papel, caixas de papelão (de todos os tipos)

1.3 O QUE NÃO PODE SER RECICLADO?

Vidros: espelhos, vidros de janelas e Box, vidros de automóveis, cristal, lâmpadas, formas e travessas de vidro temperado, ampolas de remédios.
Plásticos: celofane, espumas, embalagens a vácuo e fraudas descartável.
Metal: pilhas normais e alcalinas, filtro de ar de carros, latas enferrujadas.
Papel: papel higiênico, guardanapos com comida, copos siliconizados, papel laminados, papel plastificado (embrulho de bolachas), papel carbono.

1.4 A CONSCIENTIZAÇÃO

A coleta seletiva para reciclagem é uma ação importante para se preservar, mas para que dê resultados é preciso que toda a sociedade colabore e participe da construção de uma mudança de mentalidade e conseqüentemente de hábitos em relação à problemática do lixo. Tal conscientização não se Dara de um dia para o outro, mas através de um trabalho constante de educação ambiental, que garanta o envolvimento e a participação de todos: a escola, a família, a comunidade e o Estado.

A educação ambiental esta garantida pela Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988. O artigo 225 diz que cabe ao poder publico:

“Promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização publica para a preservação do meio ambiente”.

A educação ambiental sozinha não é suficiente para resolver dois problemas ambientais, mas é condição indispensável para tantos. A grande importância da educação ambiental é contribuir para a formação de cidadãos conscientes do seu papel na preservação do meio ambiente, e aptos para tomar desenvolvimento de uma sociedade sustentável. O papel do poder público é fundamental para que tais demandas se concretizem. No caso do tratamento do lixo, ás leis regulamenta e procedimentos são definidos pela União, Estados e municípios.

O Município é responsável pela coleta, transporte, tratamento e disposição do lixo, enquanto ao Estado cabe a fiscalização ambiental e à União a definição de normas gerais.

Um instrumento de cidadania e a educação que é a mais poderosa ferramenta transformadora da sociedade. Em todo o país há bons exemplos de ações que tem resultados em melhoria da qualidade de vida e no resgate da cidadania, principalmente nos centros urbanos.

Através de pesquisas percebemos que a reciclagem vem gerando uma fonte de renda muito importante a várias famílias. Muitas fazem sua coleta individualmente passando de portão a portão recolhendo o que for viável para a reciclagem, levam esses materiais para depósitos que compram para repassar para usinas de grande porte de reciclagem. E muitas vezes esses coletores criam laços de amizade entre os moradores, que acaba fazendo a retirada do material semanalmente nas residências que se vinculou.

Também observamos que hoje existem varias cooperativas que recolhe o lixo em locais específicos e geram muitas fontes de emprego. Para as usinas são encaminhados os resíduos e levado ao local de triagem, os funcionários contratados por essas cooperativas fazem a separação dos tipos de materiais que são separadamente encaminhados para locais apropriados e estocados ate serem comercializados.

Nós descobrimos um exemplo muito bom de uma usina que alem de reciclar ela recicla também conceitos. Ela está localizada na cidade de Santos em São Paulo, mas especificamente no bairro da Alemoa, a usina de separação de lixo tem uma característica muito exemplar. Ela contrata pessoas que tem algum tipo de doença mental comprovada e integram no seu quadro de funcionários, promovendo a reintegração dessas pessoas ao mercado de trabalho.

Atualmente, 60 dos 82 funcionários da usina são designados pela Secretaria Municipal de Saúde, com acompanhamento dos psicólogos da seção de reabilitação psicosocial. Os outros são excatadores contratados da própria comunidade local. Todos recebem salário, vale transporte, cesta básica, alem de café da manha, almoço e lanches durante o expediente.Esse trabalho e uma parceria da secretaria do meio ambiente de Santos com a secretaria de ação comunitária e de saúde.

Assim promovem a alta estima dessas pessoas e recupera novos cidadãos para sociedade, com consciência da importância da reciclagem e trazendo o mais importante a dignidade dessas pessoas que até então são vistas como loucos perante a sociedade.

CAPÍTULO II – EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

A principal função de trabalhar com o tema meio ambiente e contribuir para a formação de cidadãos conscientes, capazes de decidirem e atuarem na realidade sócio-ambiental de modo que seja comprometido com a vida, com o bem estar de cada pessoa e da sociedade em geral.

E para que isso aconteça, é preciso mais do que informações e conceitos, a escola se comprometa a trabalhar com atitudes, com formação de valores, com o ensino e aprendizagem de habilidades e procedimentos. E tudo isso será um grande desafio para a educação. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais do Meio Ambiente, comportamentos “ambientalmente corretos” serão aprendidos na prática do dia-a-dia na escola. Que são os gestos de solidariedade, hábito de higiene pessoal e dos diversos ambientes.

Existem também outro componentes que podem se juntar à escola nessa tarefa, que é a sociedade sendo responsável em todo o processo como um todo, os padrões de comportamento da família e as informações veiculadas pela mídia exercem especiais influencia sobre as crianças.

O rádio, a tv e a imprensa, por outro lado, estabelecem a grande fonte de informações que a maioria das crianças e das famílias contem sobre o meio ambiente. Embora aborde assunto de forma leviana, a mídia e os meios de comunicação vem tratando de questões relacionadas ao meio ambiente, têm sido cada vez mais freqüentes, no qual existem falatórios veiculados pelos meios de comunicação propondo idéias de desenvolvimento que raramente conflita com idéia de respeito ao meio ambiente. Que são propostos e estimulados valores insustentáveis de consumismo, desperdício, violência, egoísmo, desrespeito, preconceito, irresponsabilidade e entre outros.

É muito importante que o professor trabalhe como objetivo de desenvolver, nos alunos, uma atitude crítica perante a realidade de informações e valores veiculados pela mídia e aqueles trazidos de casa. Por isso, o professor precisa junto com os alunos mais informações em publicações ou com especialistas. Por tanto é preciso que se trabalhe com temas da atualidade, em continuo desenvolvimento, que requerem uma permanente atualização, e junto com os alunos vão desenvolver procedimentos elementares de pesquisa e sistematização da informação, medidas, considerações quantitativas, apresentação e discussão de resultados, etc.

A idéia relacionada ao meio ambiente e ao movimento ambiental é bastante recente, ainda esta em plena construção. De fato não há consentimento sobre esses termos nem mesmo na comunidade cientifica, com mais razão, pode-se supor que o mesmo ocorra fora dela.

Por tanto, existem elementos que formam as bases gerais, podemos chamar de pensamento ecológico.Por estar em processo de construção, a definição de muitos desses elementos está em discussão. Sendo como uma referencia, considerou-se importante à apresentação de três idéias centrais: a de meio ambiente, a de sustentabilidade e a de diversidade.

2.1 MEIO AMBIENTE E SEUS ELEMENTOS

Como já foi dito, o conceito de meio ambiente ainda esta sendo construído. No momento, ele é definido de modo diferente por especialistas de diferentes de ciências.

E muitos estudiosos da área ambiental consideram a idéia, no qual o nome de meio ambiente não configura um conceito que possa ser estabelecido de um jeito rígido e definitivo. É mais fácil defini-lo como uma “representação social”, sendo uma visão que evolui no tempo e depende do grupo social em que é aproveitada. Essas representações, como suas modificações ao longo do tempo são de grande importância buscá-las para se intervir quando se trabalha com o tema meio ambiente.

Quando se trata em relação à qualidade de vida das pessoas, é preciso trabalhar a partir do ponto de vista que cada grupo social tem a respeito do tema “meio ambiente”, e como cada um desses grupos percebe o seu ambiente e os ambiente mais abrangente em que está incluído. São importantes, para a formação de opiniões, atitudes individuais, e as representações coletivas desses grupos sociais que os indivíduos pertencem. Podendo então distinguir qual representação social cada parcela da sociedade tem no meio ambiente, para se trabalhar tanto com os alunos como nas relações escola – comunidade.

Segundo o PCNs (2001):

“O termo (meio ambiente) tem sido utilizado para indicar um “espaço” (com seus componentes bióticos e abióticos e suas interações) em que um ser vive e se desenvolve, trocando energia e interagindo com ele, sendo transformado e transformando-o.”

A humanidade provoca tipos de modificações que se transformam com o passar do tempo. E com essa transformação, o homem também muda sua visão a respeito da natureza e do meio em que vive.

Para melhor se estudar o meio ambiente é preciso se identificar os elementos que constituem seus subsistemas ou partes deles. Que se distinguem como, elementos naturais e construídos, urbanos e rurais ou físicos e sociais do meio ambiente. No entanto, o professor deve ter em mente que a abordagem ambiental implica ver que não existem categorias como realidades estanques, mas que há gradações.

Distinguem-se também aqueles elementos que são como a natureza os fez, sem a intervenção direta do homem: cada recurso natural existente num conjunto de plantas e animais nativos, silvestres, paisagens mantidas sem qualquer intervenção humana, rios e lagos não atingidos pela ação humana, etc. são esses elementos que prevalecem nas matas, nas praias mais distantes, e nas cavernas não descaracterizada. Por outro lado, a maior parte dos elementos considerados naturais ou produto de uma influencia direta da cultura humana ou que vêm de ambientes que a ação do homem não parece muito clara, pois foi conservativa e não destrutiva, que consistem em sistemas que já houve uma reorganização, depois de um tempo suficiente.

Também existem os elementos que são transformados pela atuação humana, que é chamado de elementos construídos do meio ambiente, que são as matérias-primas processadas, como objetos de uso, construções ou cultivos. Então é preciso discutir a necessidade de preservar e cuidar do patrimônio natural, para que possa garantir a sobrevivência das espécies, a biodiversidade, e conservar os recursos naturais como a água, o ar e o solo, e também preservar e cuidar do patrimônio cultural, construído pelas sociedades em diferentes lugares e épocas. Enfim tudo isso é fundamental para garantir a qualidade de vida da população.

2.2 SUSTENTABILIDADE

Nota-se que se a sociedade não impôs regras diante da exploração e a distribuição dos recursos, as condições de vida do nosso planeta não ira melhorar. Para que possamos melhorar as condições do nosso planeta devemos:

• Conservar a vitalidade e a diversidade do planeta Terra;
• Minimizar o esgotamento de recursos não – renováveis;
• Permanecer nos limites de capacidade de suporte do planeta Terra;
• Modificar atitudes e práticas pessoais;
• Permitir que as comunidades cuidassem de seu próprio ambiente;
• Gerar uma estrutura nacional para a integração de desenvolvimento e conservação;
• Construir uma aliança global;

2.3 DIVERSIDADE

O principal aspecto para a sustentabilidade da vida na Terra é a conservação da diversidade biológica.

De acordo com o PCNs, nota-se que os seres vivos evoluíram por milhões de anos, chegando o mundo à forma como está hoje e com a biodiversidade, irão surgir novas variedades e novas espécies. As diversidades biológicas ou biodiversidade consiste num conjunto total de disponibilidade genética de diferentes espécies e variedades, e por diferentes ecossistemas.

Por tanto, a diversidade biológica deve ser conservada não só por sua importância conhecida, mas por uma questão de princípios, que todas as espécies merecem respeito, pois pertencemos todos à mesma e única trama da vida neste planeta. Com isso sabemos que em nossa sociedade existem variações de vida e de cultura que a humanidade chegou a desenvolver. Tanto os povos indígenas quanto as culturas regionais e todos os grupo de diferentes comportamentos, enriquecem a formação étnica e cultural, devem ter seu espaço garantido e sua honestidade e seu amor próprio resgatados quando em situação de desapreço ou discriminação.

CAPÍTULO III – PROPOSTA METODOLOGICA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Para começar um trabalho com o tema meio ambiente a opção deve partir da escola, para que possa desenvolver um trabalho adequado junto com os alunos. O professor não é “obrigado” a saber, de tudo, mas sim trabalhar e pesquisar juntamente com os alunos.

O trabalho que o professor terá com os alunos sobre o meio ambiente, será a fim de ajudar os alunos a construírem uma consciência global das questões relativas ao meio para que possam assumir posições afinadas com os valores referentes à sua proteção e melhoria. E esse significado será resultado da ligação que o aluno estabelece entre o que aprende e a sua realidade cotidiana.

O trabalho com a realidade local faz parte dos assuntos mais significativos para os alunos, pois estão circunscritos na realidade mais próxima, ou seja, sua comunidade, sua região e isso fazem com que a educação ambiental seja muito importante. Portanto, para que os alunos possam compreender e ampliar as questões ambientais é fundamental oferecer-lhes uma visão abrangente que englobe diversidade de realidades e, ao mesmo tempo, uma visão contextualizada da realidade ambiental, que inclui, alem do ambiente físico, as suas condições sociais e culturais.

De acordo com o Parâmetro Curricular Nacional – Meio Ambiente, as áreas de ciências naturais, historia e geografia serão os principais parceiros para o desenvolvimento dos conteúdos relacionados, pela própria natureza dos seus objetos de estudo. Também as áreas de língua portuguesa, matemática, educação física e arte ganham importância fundamental por constituírem instrumentos básicos para que o aluno possa conduzir o seu processo de construção do conhecimento sobre o meio ambiente.

Além de tudo que já vimos, o professor tem o direito de procurar ajuda na comunidade com a direção da escola, nos livros, com colegas, etc. E questionar com os alunos as informações alcançadas mostrando que o processo do conhecimento é constante, que uma das qualidades mais importantes da espécie humana é a imensa curiosidade e a eterna condição de aprendiz.

O trabalho com o tema meio ambiente deverá proporcionar para os alunos grandes experiências, ampliando assim a consciência sobre as questões relativas ao meio ambiente.

Podemos considerar o meio ambiente em sua totalidade e em seus aspectos natural e construído tanto, tecnológicos quanto sociais. Também construir um processo permanente, desde inicio da educação infantil e continua durante todas as fases do ensino formal, sendo assim, promover a participação dos alunos na organização de suas experiências de aprendizagem, oferecendo-lhes a oportunidade de tomar decisões e assumir suas conseqüências.

Por fim o professor deverá estabelecer para os alunos de todas as idades, uma relação entre a sensibilização ao meio ambiente, a aquisição de conhecimentos, a atitude para resolver os problemas e a clarificação de valores, procurando, principalmente sensibilizar os mais jovens para os problemas ambientais viventes na sua própria comunidade.

3.1 O TEMA MEIO AMBIENTE NO PROJETO EDUCATIVO

Temos que pensar hoje nos inúmeros problemas que o mundo atual enfrenta com relação à questão ambiental, como: o lixo, poluição, desmatamento, espécies em extinção, dentre outros.

Portanto para que possamos compreender a gravidade desses problemas é necessário que saibamos quais as qualidades desse ambiente. Para que as crianças e os adultos possam respeitar e conservar o meio ambiente, eles deverão conhecer e perceber o quanto ele é interessante. O professor devera levar em conta os contextos sociais, econômicos, culturais e ambientais, pois a realidade de uma escola em região metropolitana, por exemplo, implica exigências diferentes daquelas de uma escola da zona rural.

Porém para que o trabalho com o tema meio ambiente seja concluído e atingido os objetivos, toda comunidade devera participar. A construção do cidadão é a partir da participação dos alunos nas atividades da comunidade, e grande parte dessa tarefa deverá partir da escola, proporcionando assim, um ambiente escolar saudável e coerente, por outro lado, cabe à escola garantir meios para que os alunos possam pôr em prática suas capacidades de contribuição. A escola também deverá possibilitar a saída de seus alunos para passeios e visitas a locais de interesse dos trabalhos em educação ambiental.

CONCLUSÃO

Com este trabalho concluímos que é importante reservamos a natureza utilizando os recursos naturais sem desperdícios, pois as necessidades são ilimitadas e os recursos escassos, ou seja, se não preservarmos agora não teremos no futuro. Pensando nisso vimos que precisamos reduzir, reutilizar e reciclar. E a importância de se trabalhar o meio ambiente é fundamental para os alunos para a formação de cidadãos conscientes. É preciso cada vez mais incentivar os alunos a se empenhar, para que possam conscientizar para cuidar e preservar o nosso meio ambiente.

Trabalhar com os alunos hoje, nesse sentido é trabalhar na construção dessa sociedade com vistas ao desenvolvimento social e ecologicamente sustentável. É fundamental que a escola esteja engajada neste trabalho, para que os alunos e professores possam desenvolver esta proposta com mais determinação e interesse.

BIBLIOGRAFIA

Bioma Educação e Assessória Ambiental e Comercio de materiais didáticos Ltda. Reciclagem, Brahma, apaixone-se por essa idéia.

Bonar, Veronica. Reciclar / Verônica Bonar ; tradução José Carlos Lopes Sariego. – São Paulo : Scipione, 1996. – (coleção reciclar)

Cavinatto, Vilma Maria. Saneamento Básico: fonte de saúde e bem estar / Vilma Mria Cavinatto: Ilustração de Osni de Oliveira.- São Paulo: Moderna, 1992. (coleção desafios)

CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA DE 1998.

Escola viva: programa de pesquisa e apoio escolar: o tesouro do estudante. – 1. Ed. – São Paulo: Meca, 1998 (edição atual 2005)

http://www.lixo.com.br

Neimar, Zysmar. O ambiente construído: livro 3/ Zysmar Neimar, Cristiane Pires da Motta. – São Paulo: Atual, 1991. – (Educação Ambiental).

Parâmetros Curriculares Nacionais: Meio Ambiente: saúde/ Ministério da Educação Fundamental. – 3. ed. – Brasília: a Secretaria, 2001.

Recreio Pesquisa Escolar – Datas especial, ética e cidadania, meio ambiente. – São Paulo: Agosto, 2006.

Tetra park Ltda. Projeto cultural ambiente nas escolas: meio ambiente cidadania e educação. – 3º edição revisada, 2003.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui